fbpx

Hospital São Judas Tadeu realiza 3ª edição do “Outono em Cores” para famílias de pacientes

Mais de 80 pessoas que perderam algum ente querido tiveram a oportunidade de compartilhar sentimentos de dor, luto e carinho.

Viver o processo de alguma perda torna-se menos difícil quando é possível encontrar apoio e conforto. O luto é o tempo necessário para a mente entender o sentimento de perda que o coração já sente e, na medida em que é compartilhado, passa a ser uma fase mais leve, menos dolorida. Foi o que as pessoas que perderam algum ente querido nos últimos 12 meses encontraram no dia 29 de setembro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata. A 3ª edição do “Outono em Cores”, evento realizado pelo Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – reuniu mais de 80 pessoas, que tiveram a oportunidade de participar de dinâmicas e de um bate-papo com os profissionais da instituição.

O projeto, que surgiu em 2014 com o objetivo de reunir familiares na tentativa de gerar a troca de experiências entre eles, reforçando os vínculos durante o processo de luto, nasceu a partir de uma conversa entre a equipe do hospital, que identificou a necessidade de oferecer atenção às famílias que sofriam com as perdas. “Esse é um momento em que as pessoas se sentem muito solitárias e, quando elas se encontram com outras que estão passando ou que passaram pelo mesmo sentimento, elas compartilham essa dor, tornando a caminhada menos dolorida. Aqui, eles encontram tanto acolhimento que acabam se sentindo à vontade. Cria-se uma rede de ajuda para o enfrentamento desse processo tão doloroso, mas que faz parte da vida”, afirmou a médica assistente da unidade e uma das idealizadoras do projeto, Dra. Michelle Uchida.

Dra. Michelle Uchida é médica assistente do Hospital São Judas Tadeu e uma das idealizadores do projeto.

Durante o emocionante encontro, os participantes se dividiram em 11 grupos separados por cores. No centro das rodas, haviam flores coloridas: à medida em que as pessoas iam contando suas experiências, expondo suas dores e dividindo suas angústias, elas as seguravam. No final, entregavam a outro participante que viveu uma situação semelhante, para que ele também tivesse espaço de expor esses sentimentos. Enquanto isso, os colaboradores do Hospital São Judas Tadeu participavam da dinâmica, ouvindo as histórias e dando apoio a essas famílias.

“A intenção é compartilhar dor e carinho! Queremos que essas pessoas se abram para a vida e sigam com esse ente querido dentro de seus corações. Convidamos essas pessoas para ver se elas estão bem e para que saiam daqui refletindo que estão passando por uma fase delicada, mas que devem olhar significativamente para essa dor, pois ela precisa ser vivida”, contou a psicóloga do Hospital de Amor, Mariana Paschoal.

Ao final do evento, foi impossível não se emocionar: as famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas. “Mais um ano nós estamos muito contentes com a aceitação das famílias, pois nós fazemos o convite para o evento e, sem receios, eles percorrem longas distâncias para estarem aqui e viver esses momentos junto a nós”, declarou Dra. Michelle.

Fábio Marques, de Matão (SP), junto da esposa e o cunhado.

Para Fábio Marques, de Matão (SP), participar do “Outono em Cores” vai além de dividir dores e encontrar carinho. É uma forma de gratidão pelo tratamento que o sogro recebeu nos quase 30 dias em que esteve no Hospital. “Eu não podia deixar de vir e agradecer ao Hospital por tudo o que fizeram pelo meu sogro no pouco tempo em que ele ficou por lá. O evento é uma iniciativa maravilhosa, pois é um momento em que a gente vê que a nossa dor não é maior do que a do outro, pois ele também sofre pela falta de alguém. A gente enxerga que não estamos sozinhos nessa caminhada dolorosa”, relatou.

Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), levou a filha e a prima para participar do evento.

A advogada Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), sentiu-se lisonjeada ao receber o convite do Hospital e percebeu a necessidade de participar. “Esse encontro é como uma terapia em grupo: você expõe seus sentimentos e parece que vai aceitando melhor o luto. Fiquei maravilhada com cada história que ouvi. Foi importante perceber que existem perdas tão dolorosas quanto a nossa”, finalizou.

Outono em Cores
O nome do evento foi escolhido para fazer alusão ao tempo em que os familiares demoram para progredir em relação à dor da perda, uma vez que, após a estação do outono, a primavera traz uma nova energia, através da chegada das flores e suas cores.

 

As famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas.

 


Publicado em 01 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Pacientes e Familiares
Mais de 80 pessoas que perderam algum ente querido tiveram a oportunidade de compartilhar sentimentos de dor, luto e carinho.

Viver o processo de alguma perda torna-se menos difícil quando é possível encontrar apoio e conforto. O luto é o tempo necessário para a mente entender o sentimento de perda que o coração já sente e, na medida em que é compartilhado, passa a ser uma fase mais leve, menos dolorida. Foi o que as pessoas que perderam algum ente querido nos últimos 12 meses encontraram no dia 29 de setembro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata. A 3ª edição do “Outono em Cores”, evento realizado pelo Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – reuniu mais de 80 pessoas, que tiveram a oportunidade de participar de dinâmicas e de um bate-papo com os profissionais da instituição.

O projeto, que surgiu em 2014 com o objetivo de reunir familiares na tentativa de gerar a troca de experiências entre eles, reforçando os vínculos durante o processo de luto, nasceu a partir de uma conversa entre a equipe do hospital, que identificou a necessidade de oferecer atenção às famílias que sofriam com as perdas. “Esse é um momento em que as pessoas se sentem muito solitárias e, quando elas se encontram com outras que estão passando ou que passaram pelo mesmo sentimento, elas compartilham essa dor, tornando a caminhada menos dolorida. Aqui, eles encontram tanto acolhimento que acabam se sentindo à vontade. Cria-se uma rede de ajuda para o enfrentamento desse processo tão doloroso, mas que faz parte da vida”, afirmou a médica assistente da unidade e uma das idealizadoras do projeto, Dra. Michelle Uchida.

Dra. Michelle Uchida é médica assistente do Hospital São Judas Tadeu e uma das idealizadores do projeto.

Durante o emocionante encontro, os participantes se dividiram em 11 grupos separados por cores. No centro das rodas, haviam flores coloridas: à medida em que as pessoas iam contando suas experiências, expondo suas dores e dividindo suas angústias, elas as seguravam. No final, entregavam a outro participante que viveu uma situação semelhante, para que ele também tivesse espaço de expor esses sentimentos. Enquanto isso, os colaboradores do Hospital São Judas Tadeu participavam da dinâmica, ouvindo as histórias e dando apoio a essas famílias.

“A intenção é compartilhar dor e carinho! Queremos que essas pessoas se abram para a vida e sigam com esse ente querido dentro de seus corações. Convidamos essas pessoas para ver se elas estão bem e para que saiam daqui refletindo que estão passando por uma fase delicada, mas que devem olhar significativamente para essa dor, pois ela precisa ser vivida”, contou a psicóloga do Hospital de Amor, Mariana Paschoal.

Ao final do evento, foi impossível não se emocionar: as famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas. “Mais um ano nós estamos muito contentes com a aceitação das famílias, pois nós fazemos o convite para o evento e, sem receios, eles percorrem longas distâncias para estarem aqui e viver esses momentos junto a nós”, declarou Dra. Michelle.

Fábio Marques, de Matão (SP), junto da esposa e o cunhado.

Para Fábio Marques, de Matão (SP), participar do “Outono em Cores” vai além de dividir dores e encontrar carinho. É uma forma de gratidão pelo tratamento que o sogro recebeu nos quase 30 dias em que esteve no Hospital. “Eu não podia deixar de vir e agradecer ao Hospital por tudo o que fizeram pelo meu sogro no pouco tempo em que ele ficou por lá. O evento é uma iniciativa maravilhosa, pois é um momento em que a gente vê que a nossa dor não é maior do que a do outro, pois ele também sofre pela falta de alguém. A gente enxerga que não estamos sozinhos nessa caminhada dolorosa”, relatou.

Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), levou a filha e a prima para participar do evento.

A advogada Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), sentiu-se lisonjeada ao receber o convite do Hospital e percebeu a necessidade de participar. “Esse encontro é como uma terapia em grupo: você expõe seus sentimentos e parece que vai aceitando melhor o luto. Fiquei maravilhada com cada história que ouvi. Foi importante perceber que existem perdas tão dolorosas quanto a nossa”, finalizou.

Outono em Cores
O nome do evento foi escolhido para fazer alusão ao tempo em que os familiares demoram para progredir em relação à dor da perda, uma vez que, após a estação do outono, a primavera traz uma nova energia, através da chegada das flores e suas cores.

 

As famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas.

 


Publicado em 01 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Pacientes e Familiares