Pacientes laringectomizados do HA são beneficiados com dispositivo FreeHands

O “FreeHands” é um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade, permitindo uma reabilitação quase completa ao paciente.

O departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor obteve mais uma importante conquista no último mês de outubro, que irá beneficiar centenas de pacientes que enfrentaram o câncer e, por conta da doença, tiveram que retirar a laringe. O “FreeHands” – dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade – permite uma reabilitação quase completa ao paciente da instituição, melhorando significativamente a qualidade de vida dele, clínica e socialmente.

Em uma entrevista exclusiva para o site do HA, a fonoaudióloga da instituição, Gisele Giroldo, contou sobre a nova aquisição do hospital, pioneiro em oferecer esse serviço, e esclareceu as principais dúvidas. Confira:

1) O que é o FreeHands?
R.: Trata-se de um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática (reabilitação vocal) e um filtro permutador de calor de umidade (reabilitação pulmonar).

2) Quais são os seus principais benefícios?
R.: Todos os pacientes laringectomizados do Hospital de Amor, que utilizam uma prótese fonatória para reabilitação vocal, precisam fechar o estoma (abertura) com o dedo impedido a saída de ar e permitindo a fala. O FreeHands faz com que a pressão de ar que vem dos pulmões feche automaticamente o dispositivo sem a obrigatoriedade de o paciente utilizar as mãos, fazendo com que ele execute atividades com as duas mãos e falar normalmente (diferentemente da laringe eletrônica, por exemplo). Além disso, ele é acoplado também a um filtro que faz a reabilitação pulmonar, evitando volume de secreção, tosse e expectoração.
Com o FreeHands, o paciente passa a ter um cenário de reabilitação muito próximo da rotina que levava antes da cirurgia, melhorando significativamente a qualidade de vida no contexto clínico e social.

3) É necessário fazer algum procedimento cirúrgico para a colocação do dispositivo?
R.: Não. A colocação é feita pela equipe de fonoaudiologia do Hospital de Amor, responsável pela seleção e adaptação da válvula. Depois desse primeiro passo, o fonoaudiólogo atua na reabilitação desse paciente para o uso adequado do dispositivo.

4) Houve alguma parceria com o Hospital de Amor para a aquisição do FreeHands?
R.: Graças à parceria do Bella Vita (projeto de reabilitação do HA) e da empresa Atos Medical (líder mundial em produtos para pacientes laringectomizados totais), foi possível fazer a aquisição da nova prótese.

5) Os hospitais oncológicos do Brasil (públicos e privados) já contam com essa prótese ou o Hospital de Amor é a 1ª instituição do país a oferecer isso gratuitamente aos pacientes?
R.: Não, nenhuma outra instituição do Brasil oferece esse serviço. O Hospital de Amor é o primeiro centro oncológico do país a oferecer a reabilitação completa, considerada “padrão-ouro mundial”, destinado ao paciente laringectomizado total. Essa prótese faz parte do material padrão oferecido aos pacientes em países com um sistema de reembolso para reabilitação de voz.

6) Como será a escolha dos pacientes beneficiados com o FreeHands?
R.: Todos os pacientes que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME.

7) Quais são os departamentos do HA envolvidos com esta novidade?
R.: Setores de fonoaudiologia, enfermagem e cabeça e pescoço.

8) Com esse avanço, tanto os pacientes, quanto o hospital ganham. Que ganho é esse e o que ele significa?
R.: O maior benefício é, sem dúvidas, a melhora da qualidade de vida do paciente. O HA já oferecia a reabilitação completa com a prótese fonatória – melhorando a condição da voz e, principalmente, devolvendo a identidade dele, já que a comunicação é de extrema importância para a vida do ser humano – e com a reabilitação pulmonar utilizando o filtro HME – evitando a deterioração pulmonar e causando menor necessidade de intervenções e hospitalizações por pneumonia ou infecções respiratórias.
O processo com o FreeHands oferece a liberdade de falar sem a oclusão (fechamento), aproximando esse paciente da sua imagem corporal antes da cirurgia de retirada da laringe e da abertura permanente no pescoço por onde ele respira. O uso do dispositivo tira o “estigma” da deficiência. É possível oferecer aos pacientes o retorno à vida profissional, já que muitos precisam se afastar de atividades onde o uso das mãos se faz necessário, como motorista, costureira, mecânico, cozinheiro, vendedor, entre outros.
O Hospital de Amor também ganha e muito! A instituição terá exposição internacional como referência em reabilitação de pacientes laringectomizados, podendo resultar em parcerias com centros internacionais para projetos de pesquisas.

9) O FreeHands é mais um ‘braço’ do processo de reabilitação oferecido pelo HA. Como é esse processo e o que ele se difere de outras instituições?
R.: Hoje, somos a primeira instituição no Brasil a oferecer o melhor e mais completo tratamento para o paciente laringectomizado total, que sofre com a mutilação e a mudez pós-cirurgia, tendo sua autoestima totalmente comprometida. Oferecendo a reabilitação para este paciente, iremos de forma direta devolver a qualidade de vida e, principalmente, a sua identidade, já que precisamos da comunicação não somente para nos expressar. As sequelas do tratamento e suas complicações geram ao indivíduo uma angústia existencial e física. Entretanto, se bem amparado, orientado e devidamente reabilitado, esse sujeito pode ser reintegrado, trazendo ganho social e econômico à sociedade.
Após essa conquista, o Hospital de Amor poderá ser comparado ao Instituto do Câncer da Holanda (The Netherlands Cancer Institute), que há mais de 100 anos encontra-se na vanguarda internacional da pesquisa e tratamento do câncer.

Todos os pacientes do Hospital de Amor que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME, serão beneficiados com o FreeHands.

Publicado em 12 de dez de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares
O “FreeHands” é um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade, permitindo uma reabilitação quase completa ao paciente.

O departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor obteve mais uma importante conquista no último mês de outubro, que irá beneficiar centenas de pacientes que enfrentaram o câncer e, por conta da doença, tiveram que retirar a laringe. O “FreeHands” – dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade – permite uma reabilitação quase completa ao paciente da instituição, melhorando significativamente a qualidade de vida dele, clínica e socialmente.

Em uma entrevista exclusiva para o site do HA, a fonoaudióloga da instituição, Gisele Giroldo, contou sobre a nova aquisição do hospital, pioneiro em oferecer esse serviço, e esclareceu as principais dúvidas. Confira:

1) O que é o FreeHands?
R.: Trata-se de um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática (reabilitação vocal) e um filtro permutador de calor de umidade (reabilitação pulmonar).

2) Quais são os seus principais benefícios?
R.: Todos os pacientes laringectomizados do Hospital de Amor, que utilizam uma prótese fonatória para reabilitação vocal, precisam fechar o estoma (abertura) com o dedo impedido a saída de ar e permitindo a fala. O FreeHands faz com que a pressão de ar que vem dos pulmões feche automaticamente o dispositivo sem a obrigatoriedade de o paciente utilizar as mãos, fazendo com que ele execute atividades com as duas mãos e falar normalmente (diferentemente da laringe eletrônica, por exemplo). Além disso, ele é acoplado também a um filtro que faz a reabilitação pulmonar, evitando volume de secreção, tosse e expectoração.
Com o FreeHands, o paciente passa a ter um cenário de reabilitação muito próximo da rotina que levava antes da cirurgia, melhorando significativamente a qualidade de vida no contexto clínico e social.

3) É necessário fazer algum procedimento cirúrgico para a colocação do dispositivo?
R.: Não. A colocação é feita pela equipe de fonoaudiologia do Hospital de Amor, responsável pela seleção e adaptação da válvula. Depois desse primeiro passo, o fonoaudiólogo atua na reabilitação desse paciente para o uso adequado do dispositivo.

4) Houve alguma parceria com o Hospital de Amor para a aquisição do FreeHands?
R.: Graças à parceria do Bella Vita (projeto de reabilitação do HA) e da empresa Atos Medical (líder mundial em produtos para pacientes laringectomizados totais), foi possível fazer a aquisição da nova prótese.

5) Os hospitais oncológicos do Brasil (públicos e privados) já contam com essa prótese ou o Hospital de Amor é a 1ª instituição do país a oferecer isso gratuitamente aos pacientes?
R.: Não, nenhuma outra instituição do Brasil oferece esse serviço. O Hospital de Amor é o primeiro centro oncológico do país a oferecer a reabilitação completa, considerada “padrão-ouro mundial”, destinado ao paciente laringectomizado total. Essa prótese faz parte do material padrão oferecido aos pacientes em países com um sistema de reembolso para reabilitação de voz.

6) Como será a escolha dos pacientes beneficiados com o FreeHands?
R.: Todos os pacientes que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME.

7) Quais são os departamentos do HA envolvidos com esta novidade?
R.: Setores de fonoaudiologia, enfermagem e cabeça e pescoço.

8) Com esse avanço, tanto os pacientes, quanto o hospital ganham. Que ganho é esse e o que ele significa?
R.: O maior benefício é, sem dúvidas, a melhora da qualidade de vida do paciente. O HA já oferecia a reabilitação completa com a prótese fonatória – melhorando a condição da voz e, principalmente, devolvendo a identidade dele, já que a comunicação é de extrema importância para a vida do ser humano – e com a reabilitação pulmonar utilizando o filtro HME – evitando a deterioração pulmonar e causando menor necessidade de intervenções e hospitalizações por pneumonia ou infecções respiratórias.
O processo com o FreeHands oferece a liberdade de falar sem a oclusão (fechamento), aproximando esse paciente da sua imagem corporal antes da cirurgia de retirada da laringe e da abertura permanente no pescoço por onde ele respira. O uso do dispositivo tira o “estigma” da deficiência. É possível oferecer aos pacientes o retorno à vida profissional, já que muitos precisam se afastar de atividades onde o uso das mãos se faz necessário, como motorista, costureira, mecânico, cozinheiro, vendedor, entre outros.
O Hospital de Amor também ganha e muito! A instituição terá exposição internacional como referência em reabilitação de pacientes laringectomizados, podendo resultar em parcerias com centros internacionais para projetos de pesquisas.

9) O FreeHands é mais um ‘braço’ do processo de reabilitação oferecido pelo HA. Como é esse processo e o que ele se difere de outras instituições?
R.: Hoje, somos a primeira instituição no Brasil a oferecer o melhor e mais completo tratamento para o paciente laringectomizado total, que sofre com a mutilação e a mudez pós-cirurgia, tendo sua autoestima totalmente comprometida. Oferecendo a reabilitação para este paciente, iremos de forma direta devolver a qualidade de vida e, principalmente, a sua identidade, já que precisamos da comunicação não somente para nos expressar. As sequelas do tratamento e suas complicações geram ao indivíduo uma angústia existencial e física. Entretanto, se bem amparado, orientado e devidamente reabilitado, esse sujeito pode ser reintegrado, trazendo ganho social e econômico à sociedade.
Após essa conquista, o Hospital de Amor poderá ser comparado ao Instituto do Câncer da Holanda (The Netherlands Cancer Institute), que há mais de 100 anos encontra-se na vanguarda internacional da pesquisa e tratamento do câncer.

Todos os pacientes do Hospital de Amor que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME, serão beneficiados com o FreeHands.

Publicado em 12 de dez de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares