Câncer de cabeça e pescoço: saiba tudo sobre a doença

O câncer de cabeça e pescoço compreende os tumores que atingem a cavidade nasal, seios da face, boca, laringe e faringe. Como a boca e a garganta são órgãos essenciais para o ser humano, pois participam de vários processos importantes, como a respiração, fala, alimentação, mastigação e deglutição, é preciso conhecer os sinais e sintomas desta doença, que hoje representa a segunda maior incidência em homens brasileiros. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o ano de 2018 apresentou uma estimativa de 14.700 novos casos de tumor de boca (lábios e interior da cavidade oral) e 7.670 de laringe.

Uma ferida na boca que não cicatriza, um sangramento sem motivo aparente, um corrimento nasal malcheiroso que não passa, rouquidão e nódulos no pescoço podem ser sinais de câncer de cabeça e pescoço e precisam ser investigados com urgência.

O que é o câncer de boca?
Normalmente, o câncer de boca se apresenta como uma ferida que não cicatriza, podendo ser dolorosa ou não. Pode ocorrer nos lábios, no revestimento interno da boca (mucosa bucal), nas gengivas, na língua, na parte da boca que fica debaixo da língua (assoalho da boca), o céu da boca (palato duro) e a área atrás dos dentes do siso (conhecido como trígono retromolar).

O que é câncer de garganta?
A garganta é um termo popular que engloba as regiões da orofaringe, hipofaringe e laringe.

O câncer orofaríngeo é o que se desenvolve na parte da garganta localizada atrás da boca. Essa região inclui a base da língua (a parte de trás da língua), o palato mole, as amídalas, os pilares, as paredes laterais e posteriores da orofaringe.

A hipofaringe é a região da faringe que se localiza inferiormente à orofaringe e fica atrás da laringe (caixa da voz ou ‘Pomo de Adão’), que é um órgão que contém as pregas vocais, responsável pela produção da voz, que se fecha quando comemos e se abre quando respiramos.

Uma ferida na boca que não cicatriza, um sangramento sem motivo aparente, um corrimento nasal malcheiroso que não passa, rouquidão e nódulos no pescoço podem ser sinais de câncer de cabeça e pescoço e precisam ser investigados com urgência.

Quais são os fatores de risco para o câncer de cabeça e pescoço?
• Álcool: assim como em outros tipos de câncer, o consumo frequente de álcool e o alcoolismo são fatores que aumentam o risco de aparecimento destas lesões.

• Tabaco: o tabagismo (hábito de fumar) é o principal fator isolado que causa o câncer de cabeça e pescoço. Parar com o tabagismo é uma medida fundamental para reduzir o risco de se desenvolver uma neoplasia de cabeça e pescoço.

• Infecções virais pelo vírus do papiloma humano (HPV): o HPV é um vírus transmitido principalmente pelas relações sexuais, podendo causar lesões na vagina, no pênis, no ânus, colo de útero, cavidade oral e orofaringe. Em alguns casos, essa lesão pode estar presente também na pele, nas cordas vocais (laringe) e no esôfago. Estas lesões são associadas com o aparecimento do câncer nestas regiões.

• Infecções do vírus de Epstein-Bar (EBV): é um vírus que infecta os linfócitos B e afeta a grande maioria dos seres humanos. No entanto, somente alguns indivíduos adquirem a mononucleose infecciosa – uma manifestação do vírus transmitida por contato com outras salivas. Sendo assim, transmitido massivamente pelo beijo. Em sua manifestação aguda, pode causar febre, dor de garganta, mal-estar e fadiga. Sua exposição crônica (e mais rara) pode estar carregada de oncogenes que aumentam a permanência de alguns tipos de células, gerando a probabilidade de ocorrer carcinomas da nasofaringe, linfoma de Burkitt ou de Hodgkin.

• Bebidas quentes: por agredir as células da mucosa, o consumo de bebidas ou comidas muito quentes torna-se um fator de risco secundário. O consumo diário e prolongado de bebidas tradicionalmente servidas em temperaturas altas (como o chimarrão, por exemplo) aumenta o risco de câncer de boca, assim como, o câncer de esôfago.

• Exposição excessiva ao sol: é a grande responsável pelo aparecimento do câncer de pele na região da cabeça e pescoço.

Após identificar algum sintoma e sua permanência, é indicada a realização de uma consulta com um médico de confiança. Nesse caso, o profissional deverá solicitar outros exames para confirmar ou não o diagnóstico.

Como prevenir o câncer de cabeça e pescoço?
• Boa higiene bucal: escovar bem os dentes, ter próteses dentárias bem ajustadas e o acompanhamento regular de um dentista é muito importante, pois poderá ser detectado precocemente uma lesão suspeita na cavidade oral.

• Tabagismo: não fumar charuto, cachimbo, cigarro ou derivados é a melhor maneira de evitar a maioria dos cânceres de boca, faringe e laringe.

• Álcool: evitar o uso de bebidas alcoólicas é outro método preventivo efetivo muito importante.

• Dieta: uma dieta balanceada, a base de vegetais como cenoura, abóbora, espinafre, couve, batata doce e frutas como mamão (todas essas ricas em betacaroteno) é uma medida protetiva. Um bom consumo de proteínas e minerais também é um fator preventivo.

• Cuidados na exposição solar: usar protetor solar, boné, chapéu ou outro tipo de proteção quando ficar exposto ao sol, pode prevenir o câncer de pele na face, couro cabeludo e pescoço.

Quais são os sinais e sintomas do câncer de boca e garganta?
Ao identificar a existência de algum dos sintomas e sua permanência por mais de duas semanas, é indicada a realização de uma consulta com um médico de confiança. Nesse caso, o profissional deverá solicitar outros exames para confirmar ou não o diagnóstico.

Muitos desses sinais e sintomas podem ser causados por outros tipos de câncer ou por doenças menos graves e benignas. Mas, quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, maiores as chances de cura. Veja abaixo os sintomas que você deve ficar atento para prevenir um câncer de boca ou garganta:

– Ferida na boca sem cicatrização (sintoma mais comum);
– Dor na boca que não passa (também muito comum, mas em fases mais tardias);
– Nódulo persistente ou espessamento na bochecha;
– Área avermelhada ou esbranquiçada nas gengivas, língua, amídala ou revestimento da boca;
– Irritação, dor na garganta ou sensação de que alguma coisa está presa ou entalada na garganta;
– Dificuldade ou dor para mastigar ou engolir;
– Dificuldade ou dor para mover a mandíbula ou a língua;
– Inchaço da mandíbula que faz com que a dentadura ou prótese perca o encaixe ou incomode;
– Dentes que ficam frouxos ou moles na gengiva ou dor em torno dos dentes ou mandíbula;
– Mudanças persistentes na voz ou respiração ruidosa;
– Caroços no pescoço;
– Perda de peso;
– Mau hálito persistente.

Quais são os tumores malignos relacionados a cavidade bucal?
Carcinoma Espinocelular
Mais de 90% dos cânceres de boca e garganta são carcinomas de células escamosas, também chamados de carcinomas espinocelulares ou ainda, carcinomas epidermóides. Tratam-se de células escamosas achatadas, que normalmente revestem a cavidade bucal e a garganta. A forma inicial do carcinoma de células escamosas é chamada de carcinoma in situ, isto é, o câncer só está presente nas células da camada de revestimento, chamada de epitélio, e não invade as camadas mais profundas. Um carcinoma espinocelular invasivo significa que as células do câncer penetraram em camadas mais profundas da cavidade bucal e da orofaringe.

Carcinoma Verrugoso
O carcinoma verrugoso é uma variante do carcinoma espinocelular que responde por menos de 5% dos tumores da boca. É um câncer de baixa agressividade, que raramente produz metástases, mas que pode se espalhar profundamente pelos tecidos vizinhos. A remoção cirúrgica do tumor com boa margem de tecidos ao redor, é recomendada nesses casos.

Quais são os tumores relacionados à região do pescoço?
Os tumores malignos do pescoço podem ser primitivos (quando têm a origem no próprio pescoço) ou secundários (metastáticos, ou seja, que surgiram em outros órgãos e se disseminaram para o pescoço.) Qualquer tecido presente no pescoço pode originar um tumor, principalmente na faringe, laringe e tireoide. Há outros tipos de tumores específicos na região do pescoço:

Linfoma de Hodgkin
Trata-se de um tumor maligno originado no tecido linfático. Ele possui um crescimento lento, indolor, podendo gerar febre e perda de peso. Os linfonodos (os “caroços”, também conhecidos como ínguas) têm forma assimétrica, tornando-se parecidos com um “cacho-de-uvas” São dotados de uma superfície lisa e com limites definidos.

Linfoma não-Hodgkin
São linfonodos mais evoluídos, com formas simétricas no pescoço, podendo atingir cadeias linfáticas não relacionadas. Atinge e prejudica o tecido linfático do pescoço, apresentando infiltrações ou lesões nodulares submucosas com cor vermelha ou vinho. Podem estar distribuídos nos dois lados do pescoço, com uma consistência dura, fixa e indolor com infiltração para o tecido celular subcutâneo e pele.

Como realizar o diagnóstico de câncer de garganta?
Muitos casos de câncer de boca e garganta podem ser diagnosticados precocemente durante exames médicos ou dentários de rotina. Alguns cânceres produzem sintomas logo no início, levando o paciente a procurar o médico. Mas, infelizmente, muitos casos só provocam sintomas quando atingem um estágio avançado ou então, causam sintomas que parecem ser de outro problema, como dor de dente, por exemplo.
– Check-ups dentários regulares: que incluem o exame da boca, são importantes para a detecção precoce de lesões pré-cancerosas do câncer de boca e de garganta.

– Exames físicos: o médico examina o pescoço para poder checar a tireoide, a laringe e os linfonodos para checar se há algum tipo de caroço ou algo irregular ao engolir.

– Laringoscopia indireta: para este exame, o médico utiliza um espelho pequeno para chegar à sua garganta, analisando se há alguma área anormal e o movimento das cordas vocais. É um exame simples e indolor.

– Laringoscopia direta: é realizada a inserção de laringoscópio (um tubo fino e com luz) através de seu nariz ou sua boca para conseguir auxiliar a ver áreas que o espelho não alcança em sua garganta. A aplicação de uma anestesia local e um sedativo ajuda a prevenir qualquer tipo de engasgo e desconforto durante o exame. A anestesia geral também pode ser utilizada para fazer a pessoa dormir. Este exame pode ser feito tanto em uma clínica, como em um hospital.

– Tomografia computadorizada ou CT Scan: para realizar esse exame, o paciente, provavelmente, receberá um contraste para a laringe e o pescoço para que possa aparecer qualquer tipo de alteração ou neoplasia de uma forma clara nas fotos geradas pelo aparelho.

– Biópsia: a biópsia consiste em uma remoção do tecido supostamente cancerígeno para que as células desse material sejam analisadas por um patologista. Para a realização deste exame é utilizada a anestesia local ou a geral e a coleta do material ocorre pelo laringoscópio.

Para realizar o diagnóstico de câncer de boca, o médico ou o dentista verifica o céu da boca, o assoalho da boca, a parte interior dos lábios, das bochechas, linfonodos, a parte de trás da garganta e a língua do paciente.

Como realizar o diagnóstico de câncer de boca?
No caso do paciente possuir algum sintoma que possa sugerir o câncer oral, o médico ou o dentista checam a boca e a garganta dele, procurando anormalidades, caroços ou outros problemas. Neste exame, é verificado o céu da boca, o assoalho da boca, a parte interior dos lábios, das bochechas, linfonodos, a parte de trás da garganta e a língua (em sua extensão e laterais).

Se após esses exames, não for diagnosticado nada e os sintomas persistirem, é necessário procurar um médico especializado, como um otorrinolaringologista. Se o câncer oral for diagnosticado, é preciso que se descubra qual o seu estágio para iniciar o tratamento. É necessário verificar se as células cancerígenas não atingiram outros órgãos, realizando assim, o que se chama de metástase de câncer oral.

– Raios-X: esse exame é suficiente para poder identificar se o câncer se espalhou para outros locais da face.

– Tomografia computadorizada ou CT Scan: após uma injeção de contraste, esse exame funciona conectado a um computador que realiza imagens em raio-x. Ele é eficiente para mostrar se outro órgão foi acometido pela doença.

– Ressonância Magnética: instrumento que também realiza imagens detalhadas do corpo, mostrando se o câncer oral se espalhou.

– Endoscopia: o conhecido método funciona através de um fino e iluminado tubo que pode mostrar a sua garganta, a traqueia e os pulmões. Uma anestesia local pode ser utilizada para evitar o desconforto, dores e impedir engasgamentos.

Como ocorre o tratamento de cabeça e pescoço?
– Cirurgia: a cirurgia é o tratamento mais utilizado para o câncer de cabeça e pescoço, podendo ou não ser realizado em combinação com a radioterapia. A recuperação acaba sendo diferente para cada paciente e, por ser uma área sensível do corpo, as dores podem estar presentes nos primeiros dias depois do procedimento. Os medicamentos específicos para aliviar as dores devem ser discutidos com os médicos que estão cuidando do caso.
Depois da cirurgia, a face pode parecer diferente e a recuperação depende exclusivamente do tipo e da extensão do tumor. Tumores pequenos, geralmente, não costumam causar nenhuma alteração, mas no caso de tumores maiores, é necessário remover parte da mandíbula, dos lábios, do palato ou da língua. Nesses casos, existem cirurgias plásticas ou reconstrutivas que podem ser feitas para melhorar o aspecto visual. Assim como a cirurgia plástica, o acompanhamento de uma fonoaudióloga pode ajudar na recuperação da habilidade de mastigar, engolir ou falar – ações que podem ter sido afetados pela cirurgia.

– Quimioterapia e Radioterapia: a quimioterapia para câncer oral, geralmente, é aplicada nas veias, podendo ter associação com a radioterapia simultaneamente. Dependendo do tratamento e das reações, é necessário que o paciente fique um tempo no hospital.
Cada tipo de tratamento gera um tipo de reação, pois depende muito do tipo de medicação aplicada e da quantidade. Esses fatores podem resultar em dores na boca, boca seca, efeitos colaterais, infecção e mudanças no paladar. Os medicamentos acabam gerando esse tipo de reação, porque, além de eliminar algumas células cancerígenas com crescimento rápido, algumas drogas anticâncer podem causar danos as células normais que também se dividem rapidamente. Entre os efeitos colaterais, alguns podem ser os mais comuns:
• Células sanguíneas: quando o paciente está realizando quimioterapia, os níveis de células sanguíneas saudáveis diminuem, fazendo com que a pessoa se sinta cansada, fraca e com possibilidade maior de contrair uma infecção. A equipe médica responsável acompanha o quadro clínico para entender se é necessário alterar a quantidade da quimioterapia ou reduzir a dose da droga.

• Raízes do cabelo: embora a quimioterapia possa causar queda de cabelo, saiba que ele irá crescer novamente, mas pode alterar a coloração e a textura.

• Trato digestivo: a quimioterapia para tratar câncer oral pode causar a perda do apetite, náusea, vômitos, formigamento nas mãos e nos pés, diarreia e feridas nos lábios. A equipe de saúde pode dar medicamentos e sugerir outras maneiras de ajudar com esses problemas. Esses efeitos podem ocorrer no começo do tratamento ou no período após seu término.

– Terapia-Alvo: o câncer de cabeça e pescoço pode se utilizar de um tipo de terapia específica, junto da radioterapia e a quimioterapia. Essa prática utiliza um medicamento que inibe as células do câncer oral, interferindo no crescimento dessa célula e impedindo a metástase da doença. Durante a utilização do remédio, algumas pessoas podem apresentar reações alérgicas como febre, dor de cabeça, diarreia e vomito.

Como devo me alimentar após ter um câncer oral?
Após passar por uma cirurgia e um tratamento do câncer oral, a dieta adquire um papel importante na recuperação. As dificuldades para alimentar-se podem aumentar e problemas de deglutição, vômitos, náusea, indisposição, boca seca e falta de apetite podem ocorrer. Portanto, é muito importante relatar os problemas para a equipe médica, pois ela pode oferecer alternativas que podem melhorar a qualidade de vida.

Abaixo, uma lista para escolher os alimentos certos de acordo com seus sintomas:

• Boca machucada: evitar comidas pontudas e duras, como batatas chips.

• Boca seca: o ideal é o consumo de comidas macias com molhos, caldos, sopas, milk-shakes ou vitaminas. Manter a boca seca aumenta o risco de cáries dentárias.

• Problemas em engolir: o médico e/ou o nutricionista irão encaminhar uma dieta específica e sugerir a alimentação por um tubo ligado ao estômago, através de uma incisão no abdômen ou que coma os alimentos na forma líquida.

– Reconstrução: muitas pessoas com câncer oral precisam fazer cirurgias plásticas corretivas ou a reconstrução de uma parte do corpo. Para realizar esse procedimento, pode-se reconstruir a parte afetada com músculos, ossos e tecidos deslocados de uma parte do corpo para outra. Para todos os tipos de cirurgias de reconstrução, é preciso sempre consultar um cirurgião plástico depois que o tratamento para câncer oral começar. É possível realizar a reconstrução simultaneamente com o tratamento ou realizar o procedimento depois de terminá-lo. É sempre necessário conversar com o médico responsável pelo tratamento.

– Reabilitação: se o câncer oral interferir na fala, deve-se procurar um fonoaudiólogo para auxiliar. Com exercícios diários, a voz e a habilidade para falar irão retornar. Alguns pacientes vão precisar de próteses para que eles possam falar e comer.

Como ter uma vida saudável após ter câncer de cabeça e pescoço?
Após a cirurgia e os diversos tipos de tratamento, é essencial realizar exames periódicos de boca, garganta e pescoço para notar se há algo errado ou se alguma mudança no tratamento se faz necessária. Esses testes podem incluir um exame físico, testes sanguíneos, raios-x do peito, entre outros. Parar com o consumo de álcool e de cigarro diminui o risco de aparecer um novo tipo de câncer e outros problemas de saúde.

Como a boca e a garganta são órgãos essenciais para o ser humano, pois participam de vários processos importantes, como a respiração, fala, alimentação, mastigação e deglutição, é preciso conhecer os sinais e sintomas desta doença, que hoje representa a segunda maior incidência em homens brasileiros.

Publicado em 20 de jan de 2020   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares

O câncer de cabeça e pescoço compreende os tumores que atingem a cavidade nasal, seios da face, boca, laringe e faringe. Como a boca e a garganta são órgãos essenciais para o ser humano, pois participam de vários processos importantes, como a respiração, fala, alimentação, mastigação e deglutição, é preciso conhecer os sinais e sintomas desta doença, que hoje representa a segunda maior incidência em homens brasileiros. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o ano de 2018 apresentou uma estimativa de 14.700 novos casos de tumor de boca (lábios e interior da cavidade oral) e 7.670 de laringe.

Uma ferida na boca que não cicatriza, um sangramento sem motivo aparente, um corrimento nasal malcheiroso que não passa, rouquidão e nódulos no pescoço podem ser sinais de câncer de cabeça e pescoço e precisam ser investigados com urgência.

O que é o câncer de boca?
Normalmente, o câncer de boca se apresenta como uma ferida que não cicatriza, podendo ser dolorosa ou não. Pode ocorrer nos lábios, no revestimento interno da boca (mucosa bucal), nas gengivas, na língua, na parte da boca que fica debaixo da língua (assoalho da boca), o céu da boca (palato duro) e a área atrás dos dentes do siso (conhecido como trígono retromolar).

O que é câncer de garganta?
A garganta é um termo popular que engloba as regiões da orofaringe, hipofaringe e laringe.

O câncer orofaríngeo é o que se desenvolve na parte da garganta localizada atrás da boca. Essa região inclui a base da língua (a parte de trás da língua), o palato mole, as amídalas, os pilares, as paredes laterais e posteriores da orofaringe.

A hipofaringe é a região da faringe que se localiza inferiormente à orofaringe e fica atrás da laringe (caixa da voz ou ‘Pomo de Adão’), que é um órgão que contém as pregas vocais, responsável pela produção da voz, que se fecha quando comemos e se abre quando respiramos.

Uma ferida na boca que não cicatriza, um sangramento sem motivo aparente, um corrimento nasal malcheiroso que não passa, rouquidão e nódulos no pescoço podem ser sinais de câncer de cabeça e pescoço e precisam ser investigados com urgência.

Quais são os fatores de risco para o câncer de cabeça e pescoço?
• Álcool: assim como em outros tipos de câncer, o consumo frequente de álcool e o alcoolismo são fatores que aumentam o risco de aparecimento destas lesões.

• Tabaco: o tabagismo (hábito de fumar) é o principal fator isolado que causa o câncer de cabeça e pescoço. Parar com o tabagismo é uma medida fundamental para reduzir o risco de se desenvolver uma neoplasia de cabeça e pescoço.

• Infecções virais pelo vírus do papiloma humano (HPV): o HPV é um vírus transmitido principalmente pelas relações sexuais, podendo causar lesões na vagina, no pênis, no ânus, colo de útero, cavidade oral e orofaringe. Em alguns casos, essa lesão pode estar presente também na pele, nas cordas vocais (laringe) e no esôfago. Estas lesões são associadas com o aparecimento do câncer nestas regiões.

• Infecções do vírus de Epstein-Bar (EBV): é um vírus que infecta os linfócitos B e afeta a grande maioria dos seres humanos. No entanto, somente alguns indivíduos adquirem a mononucleose infecciosa – uma manifestação do vírus transmitida por contato com outras salivas. Sendo assim, transmitido massivamente pelo beijo. Em sua manifestação aguda, pode causar febre, dor de garganta, mal-estar e fadiga. Sua exposição crônica (e mais rara) pode estar carregada de oncogenes que aumentam a permanência de alguns tipos de células, gerando a probabilidade de ocorrer carcinomas da nasofaringe, linfoma de Burkitt ou de Hodgkin.

• Bebidas quentes: por agredir as células da mucosa, o consumo de bebidas ou comidas muito quentes torna-se um fator de risco secundário. O consumo diário e prolongado de bebidas tradicionalmente servidas em temperaturas altas (como o chimarrão, por exemplo) aumenta o risco de câncer de boca, assim como, o câncer de esôfago.

• Exposição excessiva ao sol: é a grande responsável pelo aparecimento do câncer de pele na região da cabeça e pescoço.

Após identificar algum sintoma e sua permanência, é indicada a realização de uma consulta com um médico de confiança. Nesse caso, o profissional deverá solicitar outros exames para confirmar ou não o diagnóstico.

Como prevenir o câncer de cabeça e pescoço?
• Boa higiene bucal: escovar bem os dentes, ter próteses dentárias bem ajustadas e o acompanhamento regular de um dentista é muito importante, pois poderá ser detectado precocemente uma lesão suspeita na cavidade oral.

• Tabagismo: não fumar charuto, cachimbo, cigarro ou derivados é a melhor maneira de evitar a maioria dos cânceres de boca, faringe e laringe.

• Álcool: evitar o uso de bebidas alcoólicas é outro método preventivo efetivo muito importante.

• Dieta: uma dieta balanceada, a base de vegetais como cenoura, abóbora, espinafre, couve, batata doce e frutas como mamão (todas essas ricas em betacaroteno) é uma medida protetiva. Um bom consumo de proteínas e minerais também é um fator preventivo.

• Cuidados na exposição solar: usar protetor solar, boné, chapéu ou outro tipo de proteção quando ficar exposto ao sol, pode prevenir o câncer de pele na face, couro cabeludo e pescoço.

Quais são os sinais e sintomas do câncer de boca e garganta?
Ao identificar a existência de algum dos sintomas e sua permanência por mais de duas semanas, é indicada a realização de uma consulta com um médico de confiança. Nesse caso, o profissional deverá solicitar outros exames para confirmar ou não o diagnóstico.

Muitos desses sinais e sintomas podem ser causados por outros tipos de câncer ou por doenças menos graves e benignas. Mas, quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, maiores as chances de cura. Veja abaixo os sintomas que você deve ficar atento para prevenir um câncer de boca ou garganta:

– Ferida na boca sem cicatrização (sintoma mais comum);
– Dor na boca que não passa (também muito comum, mas em fases mais tardias);
– Nódulo persistente ou espessamento na bochecha;
– Área avermelhada ou esbranquiçada nas gengivas, língua, amídala ou revestimento da boca;
– Irritação, dor na garganta ou sensação de que alguma coisa está presa ou entalada na garganta;
– Dificuldade ou dor para mastigar ou engolir;
– Dificuldade ou dor para mover a mandíbula ou a língua;
– Inchaço da mandíbula que faz com que a dentadura ou prótese perca o encaixe ou incomode;
– Dentes que ficam frouxos ou moles na gengiva ou dor em torno dos dentes ou mandíbula;
– Mudanças persistentes na voz ou respiração ruidosa;
– Caroços no pescoço;
– Perda de peso;
– Mau hálito persistente.

Quais são os tumores malignos relacionados a cavidade bucal?
Carcinoma Espinocelular
Mais de 90% dos cânceres de boca e garganta são carcinomas de células escamosas, também chamados de carcinomas espinocelulares ou ainda, carcinomas epidermóides. Tratam-se de células escamosas achatadas, que normalmente revestem a cavidade bucal e a garganta. A forma inicial do carcinoma de células escamosas é chamada de carcinoma in situ, isto é, o câncer só está presente nas células da camada de revestimento, chamada de epitélio, e não invade as camadas mais profundas. Um carcinoma espinocelular invasivo significa que as células do câncer penetraram em camadas mais profundas da cavidade bucal e da orofaringe.

Carcinoma Verrugoso
O carcinoma verrugoso é uma variante do carcinoma espinocelular que responde por menos de 5% dos tumores da boca. É um câncer de baixa agressividade, que raramente produz metástases, mas que pode se espalhar profundamente pelos tecidos vizinhos. A remoção cirúrgica do tumor com boa margem de tecidos ao redor, é recomendada nesses casos.

Quais são os tumores relacionados à região do pescoço?
Os tumores malignos do pescoço podem ser primitivos (quando têm a origem no próprio pescoço) ou secundários (metastáticos, ou seja, que surgiram em outros órgãos e se disseminaram para o pescoço.) Qualquer tecido presente no pescoço pode originar um tumor, principalmente na faringe, laringe e tireoide. Há outros tipos de tumores específicos na região do pescoço:

Linfoma de Hodgkin
Trata-se de um tumor maligno originado no tecido linfático. Ele possui um crescimento lento, indolor, podendo gerar febre e perda de peso. Os linfonodos (os “caroços”, também conhecidos como ínguas) têm forma assimétrica, tornando-se parecidos com um “cacho-de-uvas” São dotados de uma superfície lisa e com limites definidos.

Linfoma não-Hodgkin
São linfonodos mais evoluídos, com formas simétricas no pescoço, podendo atingir cadeias linfáticas não relacionadas. Atinge e prejudica o tecido linfático do pescoço, apresentando infiltrações ou lesões nodulares submucosas com cor vermelha ou vinho. Podem estar distribuídos nos dois lados do pescoço, com uma consistência dura, fixa e indolor com infiltração para o tecido celular subcutâneo e pele.

Como realizar o diagnóstico de câncer de garganta?
Muitos casos de câncer de boca e garganta podem ser diagnosticados precocemente durante exames médicos ou dentários de rotina. Alguns cânceres produzem sintomas logo no início, levando o paciente a procurar o médico. Mas, infelizmente, muitos casos só provocam sintomas quando atingem um estágio avançado ou então, causam sintomas que parecem ser de outro problema, como dor de dente, por exemplo.
– Check-ups dentários regulares: que incluem o exame da boca, são importantes para a detecção precoce de lesões pré-cancerosas do câncer de boca e de garganta.

– Exames físicos: o médico examina o pescoço para poder checar a tireoide, a laringe e os linfonodos para checar se há algum tipo de caroço ou algo irregular ao engolir.

– Laringoscopia indireta: para este exame, o médico utiliza um espelho pequeno para chegar à sua garganta, analisando se há alguma área anormal e o movimento das cordas vocais. É um exame simples e indolor.

– Laringoscopia direta: é realizada a inserção de laringoscópio (um tubo fino e com luz) através de seu nariz ou sua boca para conseguir auxiliar a ver áreas que o espelho não alcança em sua garganta. A aplicação de uma anestesia local e um sedativo ajuda a prevenir qualquer tipo de engasgo e desconforto durante o exame. A anestesia geral também pode ser utilizada para fazer a pessoa dormir. Este exame pode ser feito tanto em uma clínica, como em um hospital.

– Tomografia computadorizada ou CT Scan: para realizar esse exame, o paciente, provavelmente, receberá um contraste para a laringe e o pescoço para que possa aparecer qualquer tipo de alteração ou neoplasia de uma forma clara nas fotos geradas pelo aparelho.

– Biópsia: a biópsia consiste em uma remoção do tecido supostamente cancerígeno para que as células desse material sejam analisadas por um patologista. Para a realização deste exame é utilizada a anestesia local ou a geral e a coleta do material ocorre pelo laringoscópio.

Para realizar o diagnóstico de câncer de boca, o médico ou o dentista verifica o céu da boca, o assoalho da boca, a parte interior dos lábios, das bochechas, linfonodos, a parte de trás da garganta e a língua do paciente.

Como realizar o diagnóstico de câncer de boca?
No caso do paciente possuir algum sintoma que possa sugerir o câncer oral, o médico ou o dentista checam a boca e a garganta dele, procurando anormalidades, caroços ou outros problemas. Neste exame, é verificado o céu da boca, o assoalho da boca, a parte interior dos lábios, das bochechas, linfonodos, a parte de trás da garganta e a língua (em sua extensão e laterais).

Se após esses exames, não for diagnosticado nada e os sintomas persistirem, é necessário procurar um médico especializado, como um otorrinolaringologista. Se o câncer oral for diagnosticado, é preciso que se descubra qual o seu estágio para iniciar o tratamento. É necessário verificar se as células cancerígenas não atingiram outros órgãos, realizando assim, o que se chama de metástase de câncer oral.

– Raios-X: esse exame é suficiente para poder identificar se o câncer se espalhou para outros locais da face.

– Tomografia computadorizada ou CT Scan: após uma injeção de contraste, esse exame funciona conectado a um computador que realiza imagens em raio-x. Ele é eficiente para mostrar se outro órgão foi acometido pela doença.

– Ressonância Magnética: instrumento que também realiza imagens detalhadas do corpo, mostrando se o câncer oral se espalhou.

– Endoscopia: o conhecido método funciona através de um fino e iluminado tubo que pode mostrar a sua garganta, a traqueia e os pulmões. Uma anestesia local pode ser utilizada para evitar o desconforto, dores e impedir engasgamentos.

Como ocorre o tratamento de cabeça e pescoço?
– Cirurgia: a cirurgia é o tratamento mais utilizado para o câncer de cabeça e pescoço, podendo ou não ser realizado em combinação com a radioterapia. A recuperação acaba sendo diferente para cada paciente e, por ser uma área sensível do corpo, as dores podem estar presentes nos primeiros dias depois do procedimento. Os medicamentos específicos para aliviar as dores devem ser discutidos com os médicos que estão cuidando do caso.
Depois da cirurgia, a face pode parecer diferente e a recuperação depende exclusivamente do tipo e da extensão do tumor. Tumores pequenos, geralmente, não costumam causar nenhuma alteração, mas no caso de tumores maiores, é necessário remover parte da mandíbula, dos lábios, do palato ou da língua. Nesses casos, existem cirurgias plásticas ou reconstrutivas que podem ser feitas para melhorar o aspecto visual. Assim como a cirurgia plástica, o acompanhamento de uma fonoaudióloga pode ajudar na recuperação da habilidade de mastigar, engolir ou falar – ações que podem ter sido afetados pela cirurgia.

– Quimioterapia e Radioterapia: a quimioterapia para câncer oral, geralmente, é aplicada nas veias, podendo ter associação com a radioterapia simultaneamente. Dependendo do tratamento e das reações, é necessário que o paciente fique um tempo no hospital.
Cada tipo de tratamento gera um tipo de reação, pois depende muito do tipo de medicação aplicada e da quantidade. Esses fatores podem resultar em dores na boca, boca seca, efeitos colaterais, infecção e mudanças no paladar. Os medicamentos acabam gerando esse tipo de reação, porque, além de eliminar algumas células cancerígenas com crescimento rápido, algumas drogas anticâncer podem causar danos as células normais que também se dividem rapidamente. Entre os efeitos colaterais, alguns podem ser os mais comuns:
• Células sanguíneas: quando o paciente está realizando quimioterapia, os níveis de células sanguíneas saudáveis diminuem, fazendo com que a pessoa se sinta cansada, fraca e com possibilidade maior de contrair uma infecção. A equipe médica responsável acompanha o quadro clínico para entender se é necessário alterar a quantidade da quimioterapia ou reduzir a dose da droga.

• Raízes do cabelo: embora a quimioterapia possa causar queda de cabelo, saiba que ele irá crescer novamente, mas pode alterar a coloração e a textura.

• Trato digestivo: a quimioterapia para tratar câncer oral pode causar a perda do apetite, náusea, vômitos, formigamento nas mãos e nos pés, diarreia e feridas nos lábios. A equipe de saúde pode dar medicamentos e sugerir outras maneiras de ajudar com esses problemas. Esses efeitos podem ocorrer no começo do tratamento ou no período após seu término.

– Terapia-Alvo: o câncer de cabeça e pescoço pode se utilizar de um tipo de terapia específica, junto da radioterapia e a quimioterapia. Essa prática utiliza um medicamento que inibe as células do câncer oral, interferindo no crescimento dessa célula e impedindo a metástase da doença. Durante a utilização do remédio, algumas pessoas podem apresentar reações alérgicas como febre, dor de cabeça, diarreia e vomito.

Como devo me alimentar após ter um câncer oral?
Após passar por uma cirurgia e um tratamento do câncer oral, a dieta adquire um papel importante na recuperação. As dificuldades para alimentar-se podem aumentar e problemas de deglutição, vômitos, náusea, indisposição, boca seca e falta de apetite podem ocorrer. Portanto, é muito importante relatar os problemas para a equipe médica, pois ela pode oferecer alternativas que podem melhorar a qualidade de vida.

Abaixo, uma lista para escolher os alimentos certos de acordo com seus sintomas:

• Boca machucada: evitar comidas pontudas e duras, como batatas chips.

• Boca seca: o ideal é o consumo de comidas macias com molhos, caldos, sopas, milk-shakes ou vitaminas. Manter a boca seca aumenta o risco de cáries dentárias.

• Problemas em engolir: o médico e/ou o nutricionista irão encaminhar uma dieta específica e sugerir a alimentação por um tubo ligado ao estômago, através de uma incisão no abdômen ou que coma os alimentos na forma líquida.

– Reconstrução: muitas pessoas com câncer oral precisam fazer cirurgias plásticas corretivas ou a reconstrução de uma parte do corpo. Para realizar esse procedimento, pode-se reconstruir a parte afetada com músculos, ossos e tecidos deslocados de uma parte do corpo para outra. Para todos os tipos de cirurgias de reconstrução, é preciso sempre consultar um cirurgião plástico depois que o tratamento para câncer oral começar. É possível realizar a reconstrução simultaneamente com o tratamento ou realizar o procedimento depois de terminá-lo. É sempre necessário conversar com o médico responsável pelo tratamento.

– Reabilitação: se o câncer oral interferir na fala, deve-se procurar um fonoaudiólogo para auxiliar. Com exercícios diários, a voz e a habilidade para falar irão retornar. Alguns pacientes vão precisar de próteses para que eles possam falar e comer.

Como ter uma vida saudável após ter câncer de cabeça e pescoço?
Após a cirurgia e os diversos tipos de tratamento, é essencial realizar exames periódicos de boca, garganta e pescoço para notar se há algo errado ou se alguma mudança no tratamento se faz necessária. Esses testes podem incluir um exame físico, testes sanguíneos, raios-x do peito, entre outros. Parar com o consumo de álcool e de cigarro diminui o risco de aparecer um novo tipo de câncer e outros problemas de saúde.

Como a boca e a garganta são órgãos essenciais para o ser humano, pois participam de vários processos importantes, como a respiração, fala, alimentação, mastigação e deglutição, é preciso conhecer os sinais e sintomas desta doença, que hoje representa a segunda maior incidência em homens brasileiros.

Publicado em 20 de jan de 2020   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares