Preparados para o carnaval? HA alerta sobre a transmissão do vírus HPV

De acordo com Dr. Júlio, a possibilidade de maior exposição a relações sexuais ocasionais e, principalmente, sem proteção durante este período, aumenta os riscos de se contrair ISTs.

O Carnaval chegou e com ele muita festa, animação, fantasia, brilho e o preparo dos foliões que irão curtir o feriado prolongado. Mas, todo cuidado é pouco quando o assunto é saúde e a prevenção contra os perigos que podem se intensificar durante este período. A atenção deve ser a regra básica para se viver intensamente esse momento. Devido à possibilidade de exposição a um números elevados de doenças, especialmente aquelas que são sexualmente transmitidas, o Hospital de Amor alerta sobre esses riscos para quem vai curtir a folia.

Você sabia que os diagnósticos de HPV (sigla em inglês para ‘Papilomavírus humano’ – nome genérico de um grupo de vírus que engloba mais de cem tipos diferentes, que pode provocar a formação de verrugas na pele e nas regiões oral, anal, genital e da uretra, e podem ser precursoras de tumores malignos) aumentam em datas festivas como o carnaval?

De acordo com o coordenador do programa de prevenção de câncer do Instituto de Prevenção do HA, Dr. Júlio César Possati Resende, a possibilidade de maior exposição dos indivíduos a relações sexuais ocasionais e, principalmente, sem proteção durante o período de festas de carnaval, aumenta os riscos de se contrair infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). “A infecção pelo Papilomavírus humano representa uma das mais frequentes ISTs e, por isso, todos devem estar atentos às medidas de prevenção e não abrir mão do uso de preservativos durante as relações”, afirmou.

Todo cuidado é pouco quando o assunto é saúde e a prevenção contra os perigos aos quais as pessoas são expostas nas festas.

Para a maioria dos indivíduos, o HPV não apresenta qualquer sintoma após o primeiro contato e apresenta taxas semelhantes de infecção para homens e mulheres. Entretanto, algumas pessoas podem apresentar verrugas na região genital, que se desenvolvem após cerca de 1 e 2 semanas após o contato e que, normalmente, desaparecem espontaneamente com menos de 15 dias. “Ao identificar essas lesões, o indivíduo deve procurar atendimento médico para detalhamento do diagnóstico e acompanhamento adequado”, relatou o médico.

O principal risco das infecções por HPV se dá à longo prazo, quando o organismo não consegue bloquear a ação viral e ela se torna persistente, principalmente entre as mulheres com infecções, onde há o risco de desenvolvimento das chamadas lesões intraepiteliais, cujo colo do útero é o principal local acometido. Vale ressaltar que, em alguns casos, essas lesões serão precursoras e, após aproximadamente 10 anos, poderão evoluir para o câncer do colo uterino.

Prevenção
Segundo o ginecologista, a principal medida de prevenção à infecção pelo HPV é o uso de preservativos em todas as relações sexuais (já que a camisinha protege também contra outras doenças e aquela gravidez indesejada no carnaval). Outra forma muito eficaz de se prevenir a doença é a vacinação contra o vírus, que deve ser administrada para meninas de 9 a 14 anos, para meninos de 11 a 13 anos, e que está disponível nos postos de vacinação da rede pública de saúde. “A vacina não evita que você pegue a doença, mas apresenta ao seu corpo as partículas do vírus para que ele saiba como se defender, caso a pessoa tenha o contato com o HPV”, explicou Resende.

Antes de vestir sua fantasia e se jogar nos bloquinhos, atente-se a todos os cuidados que devem ser tomados. Bom divertimento!

Fique atento!
Entre tantas outras ISTs que podem ser adquiridas nesta época de carnaval, é importante destacar ainda duas em especial: Sífilis e HIV. Ambas podem evoluir para quadros graves se não diagnosticadas precocemente, inclusive, levando à morte em casos mais agressivos e de difícil controle. “É fundamental estarmos atentos para as medidas de prevenção, e o uso do preservativo é ato de responsabilidade e garantia de saúde”, finalizou o médico.
Portanto, antes de vestir sua fantasia e se jogar nos bloquinhos, atente-se a todos os cuidados que devem ser tomados:
– Mantenha-se hidratado;
– Cuide da sua alimentação;
– Use e abuse do protetor solar;
– Opte por roupas leve e confortáveis;
– Tome cuidado com seu copo;
– Esteja com os documentos em mãos e protegidos;
– Opte por andar em grupo e nunca sozinho(a);
– Saiba ouvir e falar ‘não’;
– Use preservativo;
– Seja feliz.


Publicado em 20 de fev de 2020   |   Destaques, Prevenção
De acordo com Dr. Júlio, a possibilidade de maior exposição a relações sexuais ocasionais e, principalmente, sem proteção durante este período, aumenta os riscos de se contrair ISTs.

O Carnaval chegou e com ele muita festa, animação, fantasia, brilho e o preparo dos foliões que irão curtir o feriado prolongado. Mas, todo cuidado é pouco quando o assunto é saúde e a prevenção contra os perigos que podem se intensificar durante este período. A atenção deve ser a regra básica para se viver intensamente esse momento. Devido à possibilidade de exposição a um números elevados de doenças, especialmente aquelas que são sexualmente transmitidas, o Hospital de Amor alerta sobre esses riscos para quem vai curtir a folia.

Você sabia que os diagnósticos de HPV (sigla em inglês para ‘Papilomavírus humano’ – nome genérico de um grupo de vírus que engloba mais de cem tipos diferentes, que pode provocar a formação de verrugas na pele e nas regiões oral, anal, genital e da uretra, e podem ser precursoras de tumores malignos) aumentam em datas festivas como o carnaval?

De acordo com o coordenador do programa de prevenção de câncer do Instituto de Prevenção do HA, Dr. Júlio César Possati Resende, a possibilidade de maior exposição dos indivíduos a relações sexuais ocasionais e, principalmente, sem proteção durante o período de festas de carnaval, aumenta os riscos de se contrair infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). “A infecção pelo Papilomavírus humano representa uma das mais frequentes ISTs e, por isso, todos devem estar atentos às medidas de prevenção e não abrir mão do uso de preservativos durante as relações”, afirmou.

Todo cuidado é pouco quando o assunto é saúde e a prevenção contra os perigos aos quais as pessoas são expostas nas festas.

Para a maioria dos indivíduos, o HPV não apresenta qualquer sintoma após o primeiro contato e apresenta taxas semelhantes de infecção para homens e mulheres. Entretanto, algumas pessoas podem apresentar verrugas na região genital, que se desenvolvem após cerca de 1 e 2 semanas após o contato e que, normalmente, desaparecem espontaneamente com menos de 15 dias. “Ao identificar essas lesões, o indivíduo deve procurar atendimento médico para detalhamento do diagnóstico e acompanhamento adequado”, relatou o médico.

O principal risco das infecções por HPV se dá à longo prazo, quando o organismo não consegue bloquear a ação viral e ela se torna persistente, principalmente entre as mulheres com infecções, onde há o risco de desenvolvimento das chamadas lesões intraepiteliais, cujo colo do útero é o principal local acometido. Vale ressaltar que, em alguns casos, essas lesões serão precursoras e, após aproximadamente 10 anos, poderão evoluir para o câncer do colo uterino.

Prevenção
Segundo o ginecologista, a principal medida de prevenção à infecção pelo HPV é o uso de preservativos em todas as relações sexuais (já que a camisinha protege também contra outras doenças e aquela gravidez indesejada no carnaval). Outra forma muito eficaz de se prevenir a doença é a vacinação contra o vírus, que deve ser administrada para meninas de 9 a 14 anos, para meninos de 11 a 13 anos, e que está disponível nos postos de vacinação da rede pública de saúde. “A vacina não evita que você pegue a doença, mas apresenta ao seu corpo as partículas do vírus para que ele saiba como se defender, caso a pessoa tenha o contato com o HPV”, explicou Resende.

Antes de vestir sua fantasia e se jogar nos bloquinhos, atente-se a todos os cuidados que devem ser tomados. Bom divertimento!

Fique atento!
Entre tantas outras ISTs que podem ser adquiridas nesta época de carnaval, é importante destacar ainda duas em especial: Sífilis e HIV. Ambas podem evoluir para quadros graves se não diagnosticadas precocemente, inclusive, levando à morte em casos mais agressivos e de difícil controle. “É fundamental estarmos atentos para as medidas de prevenção, e o uso do preservativo é ato de responsabilidade e garantia de saúde”, finalizou o médico.
Portanto, antes de vestir sua fantasia e se jogar nos bloquinhos, atente-se a todos os cuidados que devem ser tomados:
– Mantenha-se hidratado;
– Cuide da sua alimentação;
– Use e abuse do protetor solar;
– Opte por roupas leve e confortáveis;
– Tome cuidado com seu copo;
– Esteja com os documentos em mãos e protegidos;
– Opte por andar em grupo e nunca sozinho(a);
– Saiba ouvir e falar ‘não’;
– Use preservativo;
– Seja feliz.


Publicado em 20 de fev de 2020   |   Destaques, Prevenção