fbpx

Novembro Azul: Hospital de Amor faz alerta sobre o câncer de próstata

A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens a partir dos 50 anos no Brasil, perdendo apenas para o câncer de pele não-melanoma.

“Novembro Azul” é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele não-melanoma, e as maiores vítimas são homens a partir de 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença. Por se tratar de uma doença assintomática em fases iniciais, a melhor maneira de se detectar é através do exame de rastreamento (também conhecido como exame de toque) e de PSA (sigla de Antígeno Prostático Específico, que pode ser avaliado através de um exame de sangue simples). Esses dois, juntos, possuem uma capacidade de detecção maior para o câncer de próstata.

De acordo com o médico urologista e coordenador do departamento de urologia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre César Santos, em termos estatísticos, o câncer de próstata é responsável pela morte de 3% da população. “Há uma prevalência mais frequente, em torno de 16% dos homens da população em geral, que podem ser acometidos pela doença. Graças à campanha Novembro Azul, é possível perceber uma diminuição da mortalidade por esse tipo de tumor”, afirmou.

Diagnóstico
Para se ter um diagnóstico preciso do câncer de próstata, é realizado um rastreamento inicial, que leva em consideração outros fatores, como a raça e histórico familiar. Com base nisso, são feitos exames de rastreamento para detecção da doença. Caso o diagnóstico seja positivo, o paciente é encaminhado para iniciar o tratamento. Caso o diagnóstico seja negativo, é feita uma estratégia de prevenção: se os riscos forem baixos, os rastreamentos são anuais ou a cada dois ou três anos.

Prevenção
Pelo fato do câncer de próstata não apresentar sintoma em fases iniciais, os exames preventivos são muito importantes. A doença surge em uma região da próstata e, na maioria das vezes, os pacientes não sentem dor, não há sangramento na urina e não há dificuldade em urinar ou evacuar. Enquanto isso, o tumor continua crescendo na próstata deste homem.

Quando ele demora para fazer os exames preventivos, o diagnóstico é tardio e, na maioria das vezes, o tumor não está apenas na próstata, tendo já gerado metástase, acometendo ossos e outros órgãos. Nesta fase, não há mais cura para o paciente, apenas um tratamento paliativo dos sintomas.

Como prevenir?
As pessoas que possuem convênio ou planos de saúde devem procurar o urologista de confiança, relacionado ao convênio. Os pacientes que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que desejam realizar os exames de prevenção e que estão situados no Departamento Regional de Saúde de Barretos (DRS), devem fazer o agendamento junto ao projeto ‘Saúde do Homem’, no AME, através do 0800-779-000, onde são realizadas, gratuitamente, avaliações urológicas e cardíacas, com base em uma fila de espera. Já os homens que não têm acesso a essa possibilidade, devem procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência e solicitar ao médico o encaminhamento ou exame de rastreamento para a detecção do câncer de próstata.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença.
Devido a seu intenso trabalho relacionado ao diagnóstico precoce de câncer de mama, em 2018, 73% dos casos foram descobertos em estágio inicial.

O décimo mês do ano é mais do que especial para o Hospital de Amor, pois ele é marcado pela maior campanha de conscientização sobre o diagnóstico precoce e sobre a importância do exame de mamografia.

O HA conta com unidades fixas de prevenção nas seguintes cidades: Barretos (SP), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Fernandópolis (SP), Ji-Paraná (RO), Juazeiro (BA), Lagarto (SE), Macapá (AP), Nova Andradina (MS), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

O “Outubro Rosa” – movimento que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama – teve início nos Estados Unidos, na década de 1990, com algumas ações isoladas. A iniciativa chegou ao congresso americano e conquistou a aprovação de uma lei que tornaria outubro como o mês nacional de prevenção à doença. Atualmente, a ação acontece em vários países ao redor do mundo e, para despertar a atenção das pessoas, em especial, das mulheres, monumentos (como Torre Eiffel e Cristo Redentor), praças públicas, igrejas e estabelecimentos comerciais são iluminados por luzes rosas.

Segundo o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. De acordo com as últimas estatísticas do Globocan 2018 (BRAY, 2018), foram estimados 2,1 milhões de novos casos de câncer e 627 mil óbitos pela doença. No Brasil, as estimativas de incidência de câncer de mama para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% da doença em mulheres, com exceção do câncer de pele não melanoma. Além disso, a cada semana, um novo caso de câncer é descoberto em uma mulher que não sente absolutamente nada. Está aí a grande importância de se atentar aos exames preventivos.

Em 2018, o Hospital de Amor realizou 171.478 exames de mamografia, graças às suas 22 unidades móveis (carretas) e seus 13 institutos de prevenção espalhados pelo país, levando grandes chances de cura contra o câncer de mama a mulheres de 40 a 69 anos. Devido a esse intenso trabalho, 73% dos casos foram descobertos em estágio inicial. “Quanto mais cedo a doença for encontrada, maiores serão as chances de cura. Com certeza, a mamografia ainda é a melhor forma de se fazer isso”, declarou a médica radiologista do Instituto de Prevenção, Dra. Silvia Sabino.

Faça seu exame

Durante todo o mês de outubro, os Institutos de Prevenção do Hospital de Amor estarão de braços abertos esperando pelas mulheres.  Vá até a unidade mais próxima de você e realize, gratuitamente, seu exame de mamografia para a prevenção do câncer de mama.

– Quem deve fazer o exame de mamografia?
Mulheres de 40 a 49 anos, anualmente.
Mulheres de 50 a 69 anos, a cada dois anos.

– Como e onde fazer?
Ligue e agende seus exames no Instituto de Prevenção do HA, pelos telefones (17) 3321-6626 ou (17) 3321-6600 (ramais 7054 e 7050).

 – O que devo levar?
RG, CPF, comprovante de residência e Cartão SUS.

– Onde estão localizados os Institutos de Prevenção?
O Hospital de Amor conta com unidades fixas de prevenção nas seguintes cidades: Barretos (SP), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Fernandópolis (SP), Ji-Paraná (RO), Juazeiro (BA), Lagarto (SE), Macapá (AP), Nova Andradina (MS), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

Quer saber mais? Para esclarecer as dúvidas sobre o câncer de mama e ainda saber os mitos e verdades que envolvem a doença, clique aqui.

Em 2018, o Hospital de Amor realizou 171.478 exames de mamografia, graças às suas 22 unidades móveis (carretas) e seus 13 institutos de prevenção espalhados pelo país.
Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

No Hospital de Amor, são realizados mais de 300 procedimentos quimioterápicos por dia.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Estes remédios se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células ruins que estão formando a doença e impedindo, também, que elas se espalhem pelo organismo.
Para esclarecer as principais dúvidas sobre a quimioterapia e sua importância na luta contra o câncer, eliminar os mitos envolvendo esse tipo de tratamento e ainda saber mais informações sobre seus efeitos colaterais, o Hospital de Amor traz uma entrevista exclusiva com o oncologista clínico da instituição, Dr. Luís Eduardo Zucca. Confira!

1) Qual é o principal objetivo da quimioterapia no tratamento de câncer?
R.: Existem 4 tipos de tratamento com quimioterapia:
• A quimioterapia neoadjuvante: esse tipo de quimioterapia é utilizado antes de um tratamento curativo para um tumor localizado. Geralmente, faz-se sessões de quimioterapia para tentar a redução do tumor e, assim, no tratamento curativo (seja ele com radioterapia ou cirurgia), o resultado ser mais efetivo e eficaz. Dessa forma, há menos riscos do desenvolvimento de comorbidades (surgimento de outras doenças em simultâneo) para o paciente.

• A quimioterapia adjuvante: utilizada após um tratamento curativo (seja ele em cirurgia ou radioterapia), tem o objetivo de diminuir e tentar matar todas as micrometástases (células cancerígenas se multiplicam num local distante para formar pequenos tumores) que possivelmente possam ter ficado no corpo, diminuindo assim as chances do câncer voltar.

• A quimioterapia paliativa: como o próprio nome diz, serve para paliar (amenizar) os sintomas dos pacientes. Podem ser pacientes que estejam com dor (proporcionando a melhora a deles com o uso da quimioterapia) e, por última instância, para melhorar a sobrevida com medicamentos quimioterápicos paliativos nos casos de pacientes com tumores metastáticos (quando o câncer se espalha além do local de origem para outras partes do corpo).

• A quimioterapia concomitante à radioterapia: nestes casos, a quimioterapia serve como um veículo para aumentar a potência da radioterapia.

2) Ela é indicada para quais tipos de tumores?
R.: A quimioterapia (seja ela neoadjuvante, adjuvante, paliativa ou concomitante à radioterapia) é indicada para a maioria dos tumores malignos.

3) Como é realizado o procedimento?
R.: Existem, basicamente, 2 tipos principais de procedimentos quimioterápicos: a quimioterapia intravenosa (pela veia), na qual o paciente é puncionado por uma veia periférica ou mesmo por um port-a-cath (dispositivo colocado pelo cirurgião dentro de uma veia mais calibrosa – aquelas com maior dilatação – no corpo do paciente); e a quimioterapia injetável, que é feita em ambientes preparados para receber a quimioterapia com um enfermeiro especializado. Geralmente, os pacientes ficam de 30 minutos até 6 horas fazendo quimioterapia intravenosa. Além disso, existem também as quimioterapias administradas por via oral, nas quais o paciente leva para casa os comprimidos orais e ingere de acordo com o esquema quimioterápico que o médico fornece para ele.

4) Existe mais de um tipo de quimioterapia?
R.: Existem vários tipos de quimioterapias, desde as específicas para certo tipo de tumor, até a quimioterapia que nós tratamos para uma variedade de tumores.

5) Existem efeitos colaterais na utilização da quimioterapia? Quais?
R.: As quimioterapias têm alguns efeitos colaterais manejáveis. Dependendo do esquema de quimioterapia que o paciente recebe, podem ocasionar náuseas, vômitos, cansaço, fadiga e baixa energia. A questão central, também dependendo do esquema de quimioterapia, é que geralmente os tratamentos quimioterápicos não matam apenas as células ruins, atingindo células boas que se multiplicam rapidamente (como cabelo e unha). Então, alguns esquemas quimioterápicos podem ocasionar a queda de cabelo e algumas alterações, mas também as células de defesa do nosso corpo. Dessa forma, em alguns casos, elas podem deixar o nosso corpo mais vulnerável a infecções.

6) Quando esses efeitos aparecem, o que é preciso fazer?
R.: Quando qualquer um desses efeitos aparecer é necessário procurar o seu médico e procurar o hospital. Por exemplo, para os pacientes que estão fazendo quimioterapia e têm febre, a primeira recomendação indicada é a procura do Hospital para passar pela avaliação do médico, pois como a quimioterapia também mata as células boas, o corpo fica vulnerável à infecção. Uma vez que o paciente tenha infecção e células de defesa baixa, nós, médicos, precisamos iniciar antibióticos e terapias o mais rápido possível. Mas, existem outros efeitos colaterais também manejáveis, como náuseas, vômitos, fadigas, inclusive queda de cabelo.

7) Qual é o tempo mínimo e qual é o tempo máximo de duração da quimioterapia?
R.: Existem vários tempos de quimioterapia, desde as que duram 15 minutos, como a blaumicina; aquelas que podem durar o dia inteiro, como a cisplatina; ou até a quimioterapia que o paciente vai para casa com um dispositivo e a quimioterapia fica correndo durante 48 horas dentro do seu organismo.

8) O paciente que é submetido a esse tipo de tratamento pode seguir sua rotina de atividades/trabalho normalmente?
R.: Dependendo do tipo de quimioterapia e do esquema quimioterápico, sim, é possível viver normalmente, inclusive trabalhando, estudando, fazendo as atividades diárias. Isso porque, hoje em dia, a maioria dos efeitos colaterais é bastante controlável, porém, sempre é necessário respeitar o próprio corpo.

9) Em média, quais são os custos da quimioterapia?
R.: O custo da quimioterapia também é variável, desde quimioterapias mais baratas, até aquelas que custam de 20 a 30 mil reais por mês.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor.

Ter os avós em nossas vidas é uma dádiva! Eles são conselheiros, companheiros, amigos, educadores, acolhedores. Possuem todo amor e carinho do mundo armazenados dentro deles e, através desses sentimentos, criam vínculos especiais com seus netos. Eles podem ser velhinhos, mais jovens, cumprir seus papeis de avós ou, muitas vezes, até mesmo de pais. Independentemente da situação e da função que assumem, eles são fundamentais na vida das crianças.

Pensando nisso e após uma pesquisa que teve como tema “O impacto do câncer na família de crianças e adolescentes: a percepção, visão e apoio dos avós”, realizada pelo diretor médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, profissionais da unidade do HA desenvolveram um projeto especial de acolhimento, cuidado e apoio para os avós que acompanham seus netos durante o tratamento de câncer na instituição: o “Encontro de Avós”. “Dentre os familiares, os avós possuem um papel muito importante no suporte aos netos em tratamento, como também aos filhos, genros e noras que passam a lidar com a doença. Alguns avós desempenham uma função parental com seus netos e tornam-se a figura central das relações familiares. Estudos comprovam que os avós sofrem duplamente quando um neto está enfrentando o câncer: pelo próprio neto e pelo filho, por isso, sentimos a necessidade de cuidar deles também”, afirmou a coordenadora do projeto e psicóloga do Hospital de Amor Infantojuvenil, Patrícia Barberá Gallego.

Além dela, o médico responsável pela pesquisa e a psicóloga residente, Fernanda Prado Brocchi, coordenam a iniciativa, que visa proporcionar um espaço de acolhimento, escuta e reflexão para as vivências que afetam os avós ao acompanhar seus netos durante o tratamento de câncer. Através do compartilhamento de experiências, os profissionais buscam fornecer suporte emocional e possibilitar a construção de sentidos para as experiências dos participantes.

A avó Valdelucia veio do Pará para acompanhar seu neto, João Lucas, no tratamento contra o câncer no Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com a psicóloga, os encontros contam com recursos artísticos (poemas, imagens, músicas, etc.) para sensibilizar os participantes e servir como abertura para as discussões e troca de experiências entre os membros. A partir disso, os coordenadores passam a mediar e conduzir as conversas, impulsionando a expressão de sentimentos e vivências, direcionadas pelos próprios avós e baseadas em suas emoções do momento. “Ao proporcionar um espaço de escuta e acolhimento aos avós, pretendemos fortalecer a relação deles com o Hospital e, principalmente, com seus netos e com o modo de enfretamento da doença. Auxiliando essas pessoas, que são verdadeiros cuidadores, estaremos auxiliando também, indiretamente, a maneira com que os pequenos pacientes da instituição enfrentarão a difícil luta contra o câncer”, esclareceu Patrícia.

O papel de avó e mãe
Quem olha a Valdelucia Sousa Pereira, de 39 anos, e João Lucas Siqueira Lima, de apenas 1 ano e 8 meses, não imagina a história de amor incondicional e superação que os dois trazem. Apesar da pouca idade a aparência bem jovem, a avó cumpriu sua função com maestria: decidiu largar tudo e todos em São Félix do Xingu, no Pará, para acompanhar o neto em tratamento no Hospital de Amor Infantojuvenil.

Eles viajaram quatro dias até Barretos (SP) e estão residindo, há uma semana, no Lar de Amor (casa de apoio da instituição). “A mãe do João, minha filha, sofre de depressão e ficou no Pará cuidando da irmãzinha dele. Como somos muito apegados, pois nós já morávamos juntos, eu preferi vir com ele”, contou.
Além da doença, a saudade de casa e de toda a família ainda é um obstáculo muito grande que os dois têm de enfrentar, mas juntos, graças à segurança, os ensinamentos e o afeto que somente os avós podem oferecer, eles vão tirar de letra.

Como participar do Encontro de Avós
O Encontro de Avós é voltado para os familiares de pacientes da unidade infantojivenil do Hospital de Amor, em Barretos (SP), e acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do hospital. Os interessados em participar das reuniões devem comparecer, no dia e horário indicados, sem agendamento prévio.

A origem da data
O Dia dos Avós, celebrado no dia 26 de julho, surgiu em homenagem à Santa Ana e São Joaquim – os pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo – considerados os padroeiros de todos os avós pela Igreja Católica. No dia 26 de julho de 1584, os avós de Jesus foram canonizados pelo Papa Gregório VII.

O “Encontro de Avós” acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do Hospital de Amor Infantojuvenil.
‘Julho Verde’ é o período em que é realizada a campanha nacional de prevenção do câncer de cabeça e pescoço, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e formas de preveni-la.

Há cinco anos, a Federação Internacional das Sociedades Oncológicas de Cabeça e Pescoço (IFHNOS) e a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) instituíram o dia 27 de julho como o ‘Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço’. A partir de então, o mês ficou conhecido como ‘Julho Verde’ – período em que é realizada a campanha nacional de prevenção deste tipo de câncer, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e formas de preveni-la.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), por meio de seus associados e parceiros, como a Associação do Câncer de Boca e Garganta (ACBG), trazem em 2019 a campanha: “O câncer tá na cara, mas as vezes você não vê”, que visa alertar a população dos primeiros sinais e sintomas, que possibilitariam um diagnóstico precoce e, em consequência, tratamentos menos agressivos e a maior possibilidade de cura. Neste contexto, o Hospital de Amor (HA) apresenta um papel crucial como instituição de ensino e pesquisa, na divulgação da campanha e nas ações que envolvem a mesma.

Dr. Ricardo Ribeiro Gama é cirurgião e vice-diretor do departamento de cabeça e pescoço do HA.

De acordo com dados recentes do Instituto Nacional de Câncer (INCA), os cânceres que afetam a região da cabeça e pescoço que, somados, ocupam a segunda maior incidência entre os homens brasileiros. Segundo o cirurgião e vice-coordenador do departamento de cabeça e pescoço do HA, Dr. Ricardo Ribeiro Gama, apesar desse tipo de tumor não ser o mais frequente na população e nem o que apresenta maior índices de morte, ele ainda acomete mais de 500 mil novas pessoas em todo o mundo. Para o médico, o problema é que muitos desses casos são diagnosticados tardiamente, o que prejudica o tratamento e as chances de cura. “A necessidade da campanha nasceu da falta de esclarecimento da população e profissionais da área de saúde sobre a doença. Apesar de ser de fácil acesso o exame clínico, o câncer de boca – o mais comum em nosso meio (em cerca de 70% a 80% das vezes), é diagnosticado em fase avançada, o que acarreta alta mortalidade e graves sequelas relacionadas ao tratamento realizado”, afirma Gama.

Em função do diagnostico tardio, os tumores de cabeça e pescoço, por serem diagnosticados em fase avançada, apresentam altas taxas de mortalidade. Quando um tumor é diagnosticado precocemente, a chance de o paciente sobreviver à doença em cinco anos é de, aproximadamente, 90%. Mas, quando diagnosticado tardiamente, a taxa de sobrevivência cai para algo em torno de 30%, independentemente dos tratamentos realizados com intenção curativa.

Tipos mais comuns
O câncer de cabeça e pescoço compreende um conjunto de neoplasias malignas localizadas em diferentes regiões da via aérea e digestiva superiores, como: boca, faringe, laringe, glândulas salivares, seios da face e cavidade nasal. Dr. Ricardo Gama afirma que os homens são os mais afetados pelos tumores. “Isso acontece pelos hábitos do homem de beber e fumar mais, ter uma qualidade de vida pior e não se preocupar muito em ir ao médico. No entanto, o número de casos em mulheres tem aumentado, devido à maior liberdade do sexo feminino nos tempos atuais”.

Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: caroços ou nódulos no pescoço, feridas na boca com mais de 15 dias que não cicatrizam e rouquidão.

Sinais e sintomas
É importante que as pessoas fiquem atentas sobre os sinais e sintomas da doença. Os mais comuns são caroços ou nódulos no pescoço, feridas na boca com mais de 15 dias que não cicatrizam e rouquidão. Muitas vezes, são os profissionais de odontologia que percebem a ocorrência dessas lesões, mas, também é fundamental procurar um médico de sua confiança se perceber qualquer um desses sintomas.

Prevenção
O desenvolvimento desses tumores também está relacionado a hábitos não saudáveis de vida, tais como: consumo exagerado de álcool e tabaco, além de relações sexuais de risco, ou seja, sem uso de preservativos.

Para o médico, a principal forma de se prevenir esse tipo de câncer é não fumar, independente se cigarro de filtro, de palha ou corda, cachimbo, charuto ou narguile, pois todos podem causar câncer na área da cabeça e pescoço. “Outra forma de prevenção é se cuidar com o uso de bebida alcoólica, procurando não ingerir ou, se ingerir, em quantidades pequenas e, de preferência, não diariamente. De forma geral, a pessoa que ingere mais de duas latas ou garrafas pequenas de cerveja por dia; mais de dois cálices de vinho por dia; ou mais de duas doses de destilado vodka, cachaça, conhaque, whisky), já pode ser considerado um consumidor acentuado de álcool”, relatou.

A incorporação de bons hábitos, como a escovação da boca e dental três vezes ao dia, ir ao dentista duas vezes ao ano e alimentação rica em legumes, verduras e frutas, é essencial para a saúde da boca.

A incorporação de bons hábitos, como a escovação da boca e dental três vezes ao dia, ir ao dentista duas vezes ao ano e alimentação rica em legumes, verduras e frutas, é essencial para a saúde da boca. A vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) também previne contra o câncer de garganta na vida, sendo assim, a vacinação deve ocorrer em meninas e meninos, pré-adolescentes, preferencialmente antes da primeira relação sexual.

Formas de tratamento
Quando diagnosticado na fase inicial, o tratamento consiste em cirurgias menos agressivas ou em radioterapia, causando menos problemas de função, como mastigar, sentir o gosto ou cheiro do alimento, engolir, respirar, falar, menor ou nenhuma deformidade no pescoço e face, e menor chance de complicações para a função do pescoço, ombros e braços. Quando diagnosticado em fase avançada, o tratamento consiste em radioterapia e quimioterapia, que podem ser associados a cirurgias agressivas. Estes tratamentos combinados levam a graves sequelas, muitas delas definitivas, causando grande prejuízo estético e funcional na área da cabeça e pescoço.

“É importante lembrar que apesar dos tratamentos agressivos para estes tumores avançados, as chances de curas são pequenas: cerca de 30% em 5 anos após o diagnóstico de um câncer avançado, por mais que o melhor tratamento seja realizado. Por isso, o diagnóstico precoce é muito importante, assim como a conscientização da população sobre a doença, seus sinais e sintomas e de como preveni-la, através de campanhas como o “Julho Verde”, finalizou Gama.

A campanha no Hospital de Amor
Sabendo da importância do diagnóstico precoce, formas de prevenção e manejo do tratamento e de suas complicações a curto, médio e longo prazo, visando melhorias na qualidade de vida do paciente e melhor prognóstico, o departamento de cirurgia de cabeça e pescoço do Hospital de Amor auxilia na divulgação do ‘Julho Verde’.

No dia 31 de julho, profissionais dos setores de cabeça e pescoço, fonoaudiologia, enfermagem, epidemiologia e prevenção da instituição se reunirão para um evento especial, que tem como objetivo divulgar a especialidade e a equipe multidisciplinar que a envolve, além de esclarecer o que trata a Oncologia de Cabeça e Pescoço.

De acordo com o Dr. Ricardo Gama, serão realizadas palestras que abordarão temáticas destinadas para profissionais da área da saúde. “O evento mostrará a importância da equipe multidisciplinar no manejo clínico destes pacientes e enfatizará a epidemiologia, os fatores de risco, diagnóstico, tratamento e o prognóstico de pacientes com os dois tipos mais comuns de tumor da via aerodigestiva superior: o câncer de boca e o de laringe. Nossa intenção é mostrar o que o departamento tem avançado no tratamento e na reabilitação destes pacientes”, declarou.

Além do evento, haverá mobilização no calçadão de Barretos (SP), aos sábados, onde profissionais do hospital estarão falando com a população sobre a doença e oferecendo exames gratuitos de boca. A Unidade Móvel de Prevenção Odontológica do Hospital de Amor, ficará estacionada no calçadão, em datas que serão previamente divulgadas, oferecendo os exames que serão realizados por dentistas.

A nova unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América.Latina.
Segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

No Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) lançou oficialmente uma unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América Latina. A novidade faz parte da expansão do programa de apoio antitabaco, realizado pela instituição em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Barretos. De acordo com o médico radiologista do Hospital de Amor, Rodrigo Sampaio Chiarantano, esse é um projeto revolucionário, visto que a tomografia computadorizada de baixa dose (rastreamento) para detecção de câncer de pulmão ainda é indisponível no SUS e na maior parte da rede privada de saúde do país. “Por meio da unidade móvel, esse exame poderá chegar, em um futuro próximo, a diferentes lugares do país”, afirma.

Para se ter uma ideia da importância dessa ação, segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

A doença
O câncer de pulmão é um dos tumores que mais mata no Brasil, muito por conta do diagnóstico tardio. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) de 2018, essa doença silenciosa é a segunda que mais incide entre os homens e o quarto tipo de câncer mais frequente em mulheres. No ano passado, o Hospital de Amor tratou cerca de 1.300 pacientes com essa neoplastia maligna de pulmão, sendo 400 novos casos.

“A importância dessa ação é que a maioria dos fumantes se concentra nos estratos mais carentes da população, de onde vem também a maior parte dos casos de câncer de pulmão. Essa doença é silenciosa e geralmente identificada no estágio avançado. Com a detecção precoce, a taxa de sobrevida é estimada em 56%”, diz Chiarantano.

O projeto
O programa inicialmente será realizado em Barretos com os fumantes atendidos pelas unidades básicas de saúde (UBSs) da cidade, que se enquadram nos critérios de maior risco para o câncer de pulmão. “A ideia a médio prazo é que o exame seja oferecido a toda a população da cidade. A longo prazo, o Hospital de Amor espera disponibilizar o programa aos municípios vizinhos e nas demais cidades com unidades de prevenção da instituição, como Campinas”, conta o médico.

Na ação, ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas.

Os critérios para o rastreamento são: que a pessoa seja fumante ou ex-fumante (neste segundo caso, que tenha parado há menos de 15 anos), possua entre 55 e 75 anos e histórico de consumo maior ou igual a 30 anos-maço (número de anos que fumou multiplicado por quantos maços fumava por dia, resultando no número de anos-maço).

Evento em Barretos
Para apresentar o projeto para a população, incluindo o programa antitabaco oferecido pelas unidades básicas de saúde de Barretos, o Hospital de Amor e a Secretaria Municipal de Saúde do município realizaram, nos dias 31 de maio e 1 de junho, uma ação que reuniu centenas de pessoas no centro da cidade. Ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas para os próximos dias.

Na tarde desta sexta-feira, 5 de abril, o Hospital de Amor realizou mais um importante evento: a cerimônia de apresentação do Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico. O novo prédio conta com uma estrutura moderna e humanizada, quartos individuais para os acompanhantes, junto aos leitos dos pacientes, sistema de filtragem de ar em todos os espaços, além de uma unidade de terapia intensiva (UTI) dedicada. O centro, localizado em Barretos (SP) – anexo a unidade infantojuvenil do HA – atenderá crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos, e terá capacidade de transplantar 70 pacientes por ano, reduzindo assim, o tempo de espera na fila do transplante do hospital, que hoje, chega a aproximadamente 10 meses.

Dr. Luiz Fernando Lopes é o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, no Brasil, o número de centros de transplantes de medula óssea (TMO) especializados na população pediátrica é pequeno. “Desde 2012, a nossa unidade infantojuvenil é a sede do Grupo Cooperativo Brasileiro de Síndromes Mielodisplásicas em Pediatria. Por conta disso, crianças e adolescentes de todo o país com suspeita de síndromes mielodisplásicas (SMD) – grupos raros de doenças pré-malignas, com risco de transformação para leucemia – ou leucemia mielomonocítica juvenil (LMMJ) – também uma doença rara, com características mieloproliferativas e displásicas, próprias da população pediátricas – são encaminhadas para o Hospital de Amor para a realização do diagnóstico e tratamento, que inclui o transplante de medula óssea”, explicou.

Antes da conquista do novo centro, a unidade contava com apenas 3 leitos para a realização do procedimento, sendo capaz de executar menos de 30 transplantes por ano. Com a inauguração do espaço, a unidade ganha 13 leitos, sendo 8 destinados para os transplantes e 5 para a terapia intensiva, além de serem utilizados também para o tratamento clínico dos pacientes com SMD e LMMJ. “Essa conquista, com certeza, irá salvar muitas vidas! Poderemos receber também para o transplante um número maior de crianças com leucemias e outras patologias, que muitas vezes falecem sem a oportunidade de tratamento em um serviço especializado, considerando-se o déficit de leitos de TMO no país”, afirmou Lopes.

A realização deste projeto, que irá beneficiar tantas famílias, só foi possível graças a generosa doação de alguns beneméritos e parceiros do Hospital de Amor, entre eles, a família Riscali, que também prestigiou a apresentação.

Segundo a coordenadora do Centro de Transplante de Medula Óssea, Dra. Neysimelia Costa Villela, carinhosamente conhecida como Dra. Neysi, a concretização desse sonho tem um impacto muito grande na vida de todos os pacientes, mas, especialmente, para os profissionais que atuam no Hospital de Amor Infantojuvenil e que, a partir de agora, poderão tratar crianças e adolescentes em tempo hábil, permitindo que elas consigam a reabilitação e a cura, e sigam uma vida feliz. “Esse era o nosso maior sonho, e hoje ele se realizou. Não tenho palavras para agradecer a todos que contribuíram”, declarou a médica.

O Ministro de Estado da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, conheceu a estrutura do Centro TMO Pediátrico.

Cerimônia
Quem também esteve presente na cerimônia de apresentação do Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico, foi: o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; a presidente emérita da instituição, Dra. Scylla Duarte Prata; o Ministro de Estado da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; o Deputado Federal, Geninho; o Prefeito de Barretos, Guilherme de Ávila; o Procurador do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região de Campinas, Dr. Ronaldo Lira (representando o Dr. Ronaldo Fleury); representantes da ALSAC (organização de arrecadação e conscientização do Hospital de Pesquisas St. Jude Children); médicos renomados vindos de países como Estados Unidos, Alemanha e Dinamarca; além de autoridades, diretores, médicos e colaboradores do HA e de demais instituições.

Para o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, é uma honra muito grande conseguir realizar esse projeto em um país tão injusto quando o assunto é saúde pública. “Hoje, nossos convidados, em especial o Ministro da Saúde, pôde ver as crianças e os adolescentes, vindos dos 26 estados do Brasil, em busca de um tratamento digno. Ele percebeu as dificuldades que a gente tem e o quanto nós queremos ajudar esse país. Por isso estamos aqui, comemorando mais esse êxito. É um motivo de muito orgulho ter uma equipe igual a que nós temos aqui, que acredita que vale a pena trabalhar por amor e nada mais do que amor. Todos com vocação de servir a Deus e ao nosso próximo, fazendo o melhor por ele”, finalizou Prata.

Assinatura do termo de compromisso que firmou a união do Ministério da Saúde e do Hospital de Amor.

Após conhecer a estrutura moderna e humanizada do novo centro de transplante e ver de perto o trabalho desenvolvido pelo Hospital de Amor, o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ficou encantado com o tratamento de excelência, via Sistema Único de Saúde (SUS), oferecido pela instituição. “Nosso país luta e sempre lutou pelo desafio de se construir um Sistema Único de Saúde universal, para atender os brasileiros. Todo esse complexo apresentando aqui hoje, e que futuramente será inaugurado, possui custos extremamente elevados e é destinado para todas as pessoas. Viemos para assinar o termo de compromisso, para que consigamos estar prontos em relação aos orçamentos necessários. A intenção, é que as crianças diagnosticadas com câncer cheguem aos centros de excelência para seus tratamentos e que, ao entrarem, não encontrem o ‘gargalo’ da burocracia”, afirmou.

No evento, o Ministro Luiz Henrique e o presidente do HA, Henrique Prata, assinaram o termo de compromisso que firmou a união do Ministério da Saúde e do Hospital de Amor, com a finalidade de estipular metas para a concretização do plano de expansão da radioterapia do SUS, junto à Portaria que estabelece recursos do Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde a serem incorporados ao Grupo de Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar – MAC, do Estado de São Paulo e do município de Barretos (SP), cujo valor é R$ 3.164.666,27.

Coral “Acordes Vocais” e o trio “A Bela e os Tenores”.

Para abrilhantar ainda mais esse marco na trajetória do Hospital de Amor, o coral “Acordes Vocais” (grupo composto por pacientes, colaboradores do HA, além de barretenses), apresentou-se sob a regência da maestrina Angélica Amêndola de Oliveira Silva, e participação especial do trio “A Bela e os Tenores” (formado pelos cantores líricos Giovanna Maira, Jorge Durian e Armando Valsani).

Ao final, os participantes foram convidados para uma visita ao Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico.

Sobre o Hospital de Amor:
Excelência em oncologia, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) assumiu a liderança do ranking 2018 da Scimago Institutions Rankings (SIR), entre todos os centros de saúde do Brasil e da América Latina. O levantamento é uma ferramenta de reconhecimento internacional, que avalia a qualidade de instituições (públicas ou privadas) em todo o mundo, considerando os critérios: pesquisa, inovação e impacto social.

A instituição é historicamente reconhecida. Foi escolhida, em 2000, pelo Ministério da Saúde, como o melhor hospital público do país. Em 2011, tornou-se “instituição irmã” do MD Anderson Cancer Center (EUA), o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo, e ainda recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao Câncer de Mama”. Em 2012, assinou acordo com o Saint Jude Children´s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”.

O Hospital de Amor foi o grande destaque da 4ª Edição do Prêmio “Melhores Hospitais”, projeto realizado pela Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, realizado em dezembro de 2014. A entidade ganhou em três categorias: melhor hospital, internação e ambulatório. O principal objetivo da premiação é monitorar a qualidade de atendimento e a satisfação do usuário, reconhecer os bons prestadores, identificar possíveis irregularidades e ampliar a capacidade de gestão eficiente da saúde pública. Na categoria “Internação”, o Hospital de Amor liderou o ranking interior, com mais de 97% de aprovação. A instituição também teve um alto índice no quesito “Ambulatório” – 96,5% dos usuários disseram estar satisfeitos com o trabalho realizado.

O centro, localizado em Barretos (SP) – anexo a unidade infantojuvenil do HA – atenderá crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos, e terá capacidade de transplantar 70 pacientes por ano, reduzindo assim, o tempo de espera na fila do transplante do hospital, que hoje, chega a aproximadamente 10 meses.
“Alimentação saudável e atividade física: de olho no futuro sem câncer colorretal” é o tema do 7º Concurso de Redação.

O Concurso de Redação, iniciativa promovida pelo Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor, já virou tradição entre os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II, matriculados nas escolas estaduais do Estado de São Paulo e nas escolas privadas da cidade de Barretos (SP). Com o objetivo de difundir o conhecimento e popularizar a ciência, os jovens talentos são estimulados na investigação científica para que, no futuro, possam gerar aprendizado e inovações que beneficiem toda a sociedade.

No último dia 29 de março, o NEC, em parceria com o Departamento de Prevenção e apoio das Secretarias Municipais de Esporte e Cultura, lançou a 7ª edição do concurso, que neste ano traz como tema a prevenção do câncer colorretal (“Alimentação saudável e atividade física: de olho no futuro sem câncer colorretal”), assunto abordado durante o mês de março (conhecido como Março Marinho). O evento, que aconteceu no estacionamento do Ginásio de Esportes João Batista da Rocha – o Rochão, foi aberto a toda comunidade do município e da região e contou com uma programação especial, repleta de atividades físicas e educativas, orientações sobre prevenção, saúde e qualidade, além da presença da unidade móvel de educação ‘Missão Gênese’.

“O Concurso de Redação é, atualmente, uma das principais ferramentas na ampliação do nosso Programa de Divulgação Científica, e as importantes parcerias estabelecidas por meio dele, como o apoio da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, que é composta por 91 Diretorias Regionais de Ensino, e da Secretaria Municipal de Educação de Barretos, são de extrema relevância na obtenção de grandes resultados. A expectativa para este ano é ultrapassar as mais de 19 mil redações produzidas em 2018, levando, assim, para mais pessoas e lugares a mensagem de prevenção, qualidade de vida e, consequentemente, uma cultura de autocuidado e de vida mais saudável”, afirmou coordenador do Núcleo de Educação em Câncer, Gerson Vieira.

A iniciativa é gerar o conhecimento sobre o câncer colorretal, além de dar destaque para a prevenção, que acontece de maneira simples através da atividade física e alimentação saudável em todas as idades.

Março Marinho no Concurso de Redação
Não por acaso, neste ano, o lançamento do Concurso de Redação foi realizado junto ao encerramento da campanha “Março Marinho” – já marcada pela conscientização da importância de se prevenir do câncer colorretal (aquele que acomete o intestino grosso e o reto). Segundo a médica endoscopista e responsável pelo Programa de Rastreamento do Câncer Colorretal do Hospital de Amor, Dra. Denise Guimarães, implantado em Barretos há 3 anos, a incidência da doença vem aumentando progressivamente no país e, ações como esta, trazem resultados importantes. “Assim como o resto do mundo, nós adotamos o mês de março para fazer a campanha e elaboramos uma série de atividades que promovem o conhecimento sobre o câncer colorretal, além de dar destaque para a prevenção, que acontece de maneira simples através da atividade física e alimentação saudável em todas as idades, e do rastreamento para aqueles entre 50 e 65 anos”, declarou.

O Concurso de Redação possui, ao todo, cinto etapas que iniciam hoje, 2 de abril, e seguem até o dia 19 de agosto. Entre as milhares de redações, cinco serão selecionadas e os autores serão premiados com três dias de estágio no Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do HA, onde desenvolverão atividades científicas e laboratoriais, além de serem estimulados a respeito da conscientização sobre os fatores ambientais que podem desencadear o desenvolvido do câncer e outras doenças. Já o primeiro colocado ganhará um notebook, assim como o professor orientador, e os demais finalistas ganharão um tablet. “Os temas das redações são anualmente escolhidos com a intenção de que os estudantes participantes se aproximem da pesquisa”, completou o coordenador do NEC.

Para a dirigente regional de ensino da Diretoria de Ensino da Região de Barretos, Solange de Oliveira Bellini, o projeto tem oferecido oportunidade para implementar e enriquecer o currículo escolar, tanto na área das ciências biológicas, quanto na área de linguagens. “Criou-se, entre os estudantes e profissionais das escolas, a expectativa sobre qual temática a ser desenvolvida a cada ano e quais desafios eles terão que vencer para a melhor colocação dos candidatos e instituições. Isso também colabora para um aprendizado voltado para melhoria das habilidades de investigação, pesquisa, criticidade e criatividade na competência escritora dos jovens, diante das temáticas apresentadas. Paralelo a isso, o desafio de competir com um número maior de candidatos também os coloca diante de uma situação real do aprendizado para a vida cotidiana. Neste sentido, muito ganhamos e muito aprendemos com esta parceria”, declarou.

O professor da Escola Estadual Embaixador Macedo Soares (uma das participantes do concurso), Rildo Vasconcelos, afirma que todo o conteúdo absorvido e repassado aos alunos se torna uma importante ferramenta de prevenção do câncer e de outras doenças, além se tornar uma importante ferramenta de criação de autonomia sobre o saber. “Eu tenho certeza de que tudo que os alunos aprendem por meio deste projeto ultrapassa os muros das escolas e, muitas vezes, se sobrepõe ao que chamamos de educação formal”, declarou.

Confira o cronograma do 7º Concurso de Redação:

 Fase I Período de Produção das Redações nas escolas  Entre 02/04 e 24/05
Fase II

 

Banca de Avaliação nas escolas

Envio das Redações para as Diretorias Regionais de Ensino

Entre 27/05 e 07/06

Até 07/06

Fase III Banca de Avaliação nas Diretorias de Ensino Regionais

Envio das Redações para o NEC

Entre 10/06 e 28/06

 

Até 28/06

Fase IV Banca de Avaliação no Hospital de Câncer de Barretos

Publicação dos nomes dos finalistas no site do Hospital

Entre 01/07 e 26/07

 

 

29/07

Fase V Cerimônia de Premiação dos finalistas

Estágio no Hospital de Câncer de Barretos

07/08

07/08 A 09/08

A expectativa para o Concurso de Redação deste ano é ultrapassar as mais de 19 mil redações produzidas em 2018, levando, assim, para mais pessoas e lugares a mensagem de prevenção, qualidade de vida e, consequentemente, uma cultura de autocuidado e de vida mais saudável.
A edição 2018 da “Caminhada Passos que Salvam” movimentou mais de 650 municípios, em 20 estados do Brasil.

A cada ano que passa, a Caminhada “Passos que Salvam” – uma das principais campanhas de conscientização promovidas pelo Hospital de Amor – ganha espaço e conquista municípios que abraçam a causa em favor do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Após o sucesso da 7ª edição, que aconteceu no dia 25 de novembro de 2018, e para que o projeto continue ajudando ainda mais pessoas a descobrir os sinais e sintomas da doença, o HA deu mais um passo e realizou, pelo sexto ano consecutivo, a ‘Capacitação de Médicos em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’.

O encontro aconteceu nos dias 22 e 23 de março, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP). Das 650 cidades participantes na última caminhada, 140 médicos (que prestam atendimento a crianças e adolescentes na rede pública de saúde), vindos de 11 estados do Brasil, participaram do evento.

As palestras, ministradas por colaboradores da unidade infantojuvenil do Hospital de Amor, tiveram como objetivo orientar e capacitar esses profissionais para que possam colaborar no diagnóstico precoce do câncer e enviar esses pacientes com mais rapidez para tratamento na instituição. Graças ao treinamento, os participantes poderão se tornar referência na cidade onde atuam, criando um acesso direto com os médicos do Hospital, facilitando o envio de exames e a discussão de casos.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, metade das crianças que chegam a Barretos para o tratamento da doença já se encontra em estágio muito avançado, sendo difícil oferecer taxas elevadas de cura. “Nós temos que mostrar para o pediatra como detectar o câncer precocemente, pois se os pacientes continuarem chegando à instituição tarde demais, não conseguiremos melhorar”, afirmou.

Os dois dias de programação contaram com discussões sobre os seguintes temas: Epidemiologia do Câncer Infantil; Aplicação dos Estudos Moleculares e Genéticos no Diagnóstico Precoce; Os Sinais de Alerta no Hemograma do Diagnóstico Precoce; Estudos de Peregrinação das famílias e pacientes até a chegada a Barretos; Indicação de exames de imagem do Diagnóstico Precoce; Aspectos Importantes da Cirurgia Pediátrica; Vacinação no Imunossuprimido; Abordagem teórica e apresentação de casos: Tumores Abdominais, Retinoblastoma, Leucemias, Tumores Cerebrais, Tumores Ósseos e Linfomas.

Naima Kathib é coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”.

Segundo o médico, é possível perceber resultados positivos em decorrência dos eventos anteriores. “Já estamos medindo isso. Temos dados estatísticos das crianças que foram encaminhadas para cá antes do treinamento e depois dele. E estamos reduzindo, significativamente, o número de pacientes que chegaram com tumor avançado, e agora chegam com a doença em estágios mais iniciais, permitindo que se curem”, finalizou Lopes.

Para a coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”, Naima Kathib, esse é um dos projetos mais importantes desenvolvidos pelo Hospital. “Desde de 2014, quando começamos a capacitar os médicos de todo o Brasil, já foi possível perceber a mudança no olhar desses profissionais em relação aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Mais de 1.200 médicos já se tornaram referência em seus municípios para o envio de pacientes ao HA e nós não vamos parar por aí!”, relatou a coordenadora.

O câncer infantojuvenil
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos com câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. Para o Dr. Luiz Fernando Lopes, 12.500 novos casos são diagnosticados todos os anos no Brasil, e a expectativa é de que até 2020 este número aumente em 30%.

Capacitação de Enfermeiros
Os municípios que realizaram a caminhada também poderão enviar seus enfermeiros para participar da ‘Capacitação de Enfermeiros em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’. O treinamento destes profissionais acontecerá nos dias 24 e 25 de maio de 2019. Para mais informações, basta entrar em contato com o departamento responsável pela Caminhada “Passos que Salvam” através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7169, ou e-mail: ‘passosquesalvam@hcancerbarretos.com.br’.

140 profissionais, vindos de 11 estados do Brasil, participaram do treinamento para contribuir com o diagnóstico precoce da doença e aumentar as chances de cura.

Publicado em 26 de mar de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento, Captação de Recursos, Pacientes e Familiares
A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens a partir dos 50 anos no Brasil, perdendo apenas para o câncer de pele não-melanoma.

“Novembro Azul” é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele não-melanoma, e as maiores vítimas são homens a partir de 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença. Por se tratar de uma doença assintomática em fases iniciais, a melhor maneira de se detectar é através do exame de rastreamento (também conhecido como exame de toque) e de PSA (sigla de Antígeno Prostático Específico, que pode ser avaliado através de um exame de sangue simples). Esses dois, juntos, possuem uma capacidade de detecção maior para o câncer de próstata.

De acordo com o médico urologista e coordenador do departamento de urologia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre César Santos, em termos estatísticos, o câncer de próstata é responsável pela morte de 3% da população. “Há uma prevalência mais frequente, em torno de 16% dos homens da população em geral, que podem ser acometidos pela doença. Graças à campanha Novembro Azul, é possível perceber uma diminuição da mortalidade por esse tipo de tumor”, afirmou.

Diagnóstico
Para se ter um diagnóstico preciso do câncer de próstata, é realizado um rastreamento inicial, que leva em consideração outros fatores, como a raça e histórico familiar. Com base nisso, são feitos exames de rastreamento para detecção da doença. Caso o diagnóstico seja positivo, o paciente é encaminhado para iniciar o tratamento. Caso o diagnóstico seja negativo, é feita uma estratégia de prevenção: se os riscos forem baixos, os rastreamentos são anuais ou a cada dois ou três anos.

Prevenção
Pelo fato do câncer de próstata não apresentar sintoma em fases iniciais, os exames preventivos são muito importantes. A doença surge em uma região da próstata e, na maioria das vezes, os pacientes não sentem dor, não há sangramento na urina e não há dificuldade em urinar ou evacuar. Enquanto isso, o tumor continua crescendo na próstata deste homem.

Quando ele demora para fazer os exames preventivos, o diagnóstico é tardio e, na maioria das vezes, o tumor não está apenas na próstata, tendo já gerado metástase, acometendo ossos e outros órgãos. Nesta fase, não há mais cura para o paciente, apenas um tratamento paliativo dos sintomas.

Como prevenir?
As pessoas que possuem convênio ou planos de saúde devem procurar o urologista de confiança, relacionado ao convênio. Os pacientes que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que desejam realizar os exames de prevenção e que estão situados no Departamento Regional de Saúde de Barretos (DRS), devem fazer o agendamento junto ao projeto ‘Saúde do Homem’, no AME, através do 0800-779-000, onde são realizadas, gratuitamente, avaliações urológicas e cardíacas, com base em uma fila de espera. Já os homens que não têm acesso a essa possibilidade, devem procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência e solicitar ao médico o encaminhamento ou exame de rastreamento para a detecção do câncer de próstata.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença.
Devido a seu intenso trabalho relacionado ao diagnóstico precoce de câncer de mama, em 2018, 73% dos casos foram descobertos em estágio inicial.

O décimo mês do ano é mais do que especial para o Hospital de Amor, pois ele é marcado pela maior campanha de conscientização sobre o diagnóstico precoce e sobre a importância do exame de mamografia.

O HA conta com unidades fixas de prevenção nas seguintes cidades: Barretos (SP), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Fernandópolis (SP), Ji-Paraná (RO), Juazeiro (BA), Lagarto (SE), Macapá (AP), Nova Andradina (MS), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

O “Outubro Rosa” – movimento que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama – teve início nos Estados Unidos, na década de 1990, com algumas ações isoladas. A iniciativa chegou ao congresso americano e conquistou a aprovação de uma lei que tornaria outubro como o mês nacional de prevenção à doença. Atualmente, a ação acontece em vários países ao redor do mundo e, para despertar a atenção das pessoas, em especial, das mulheres, monumentos (como Torre Eiffel e Cristo Redentor), praças públicas, igrejas e estabelecimentos comerciais são iluminados por luzes rosas.

Segundo o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. De acordo com as últimas estatísticas do Globocan 2018 (BRAY, 2018), foram estimados 2,1 milhões de novos casos de câncer e 627 mil óbitos pela doença. No Brasil, as estimativas de incidência de câncer de mama para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% da doença em mulheres, com exceção do câncer de pele não melanoma. Além disso, a cada semana, um novo caso de câncer é descoberto em uma mulher que não sente absolutamente nada. Está aí a grande importância de se atentar aos exames preventivos.

Em 2018, o Hospital de Amor realizou 171.478 exames de mamografia, graças às suas 22 unidades móveis (carretas) e seus 13 institutos de prevenção espalhados pelo país, levando grandes chances de cura contra o câncer de mama a mulheres de 40 a 69 anos. Devido a esse intenso trabalho, 73% dos casos foram descobertos em estágio inicial. “Quanto mais cedo a doença for encontrada, maiores serão as chances de cura. Com certeza, a mamografia ainda é a melhor forma de se fazer isso”, declarou a médica radiologista do Instituto de Prevenção, Dra. Silvia Sabino.

Faça seu exame

Durante todo o mês de outubro, os Institutos de Prevenção do Hospital de Amor estarão de braços abertos esperando pelas mulheres.  Vá até a unidade mais próxima de você e realize, gratuitamente, seu exame de mamografia para a prevenção do câncer de mama.

– Quem deve fazer o exame de mamografia?
Mulheres de 40 a 49 anos, anualmente.
Mulheres de 50 a 69 anos, a cada dois anos.

– Como e onde fazer?
Ligue e agende seus exames no Instituto de Prevenção do HA, pelos telefones (17) 3321-6626 ou (17) 3321-6600 (ramais 7054 e 7050).

 – O que devo levar?
RG, CPF, comprovante de residência e Cartão SUS.

– Onde estão localizados os Institutos de Prevenção?
O Hospital de Amor conta com unidades fixas de prevenção nas seguintes cidades: Barretos (SP), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Fernandópolis (SP), Ji-Paraná (RO), Juazeiro (BA), Lagarto (SE), Macapá (AP), Nova Andradina (MS), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

Quer saber mais? Para esclarecer as dúvidas sobre o câncer de mama e ainda saber os mitos e verdades que envolvem a doença, clique aqui.

Em 2018, o Hospital de Amor realizou 171.478 exames de mamografia, graças às suas 22 unidades móveis (carretas) e seus 13 institutos de prevenção espalhados pelo país.
Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

No Hospital de Amor, são realizados mais de 300 procedimentos quimioterápicos por dia.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Estes remédios se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células ruins que estão formando a doença e impedindo, também, que elas se espalhem pelo organismo.
Para esclarecer as principais dúvidas sobre a quimioterapia e sua importância na luta contra o câncer, eliminar os mitos envolvendo esse tipo de tratamento e ainda saber mais informações sobre seus efeitos colaterais, o Hospital de Amor traz uma entrevista exclusiva com o oncologista clínico da instituição, Dr. Luís Eduardo Zucca. Confira!

1) Qual é o principal objetivo da quimioterapia no tratamento de câncer?
R.: Existem 4 tipos de tratamento com quimioterapia:
• A quimioterapia neoadjuvante: esse tipo de quimioterapia é utilizado antes de um tratamento curativo para um tumor localizado. Geralmente, faz-se sessões de quimioterapia para tentar a redução do tumor e, assim, no tratamento curativo (seja ele com radioterapia ou cirurgia), o resultado ser mais efetivo e eficaz. Dessa forma, há menos riscos do desenvolvimento de comorbidades (surgimento de outras doenças em simultâneo) para o paciente.

• A quimioterapia adjuvante: utilizada após um tratamento curativo (seja ele em cirurgia ou radioterapia), tem o objetivo de diminuir e tentar matar todas as micrometástases (células cancerígenas se multiplicam num local distante para formar pequenos tumores) que possivelmente possam ter ficado no corpo, diminuindo assim as chances do câncer voltar.

• A quimioterapia paliativa: como o próprio nome diz, serve para paliar (amenizar) os sintomas dos pacientes. Podem ser pacientes que estejam com dor (proporcionando a melhora a deles com o uso da quimioterapia) e, por última instância, para melhorar a sobrevida com medicamentos quimioterápicos paliativos nos casos de pacientes com tumores metastáticos (quando o câncer se espalha além do local de origem para outras partes do corpo).

• A quimioterapia concomitante à radioterapia: nestes casos, a quimioterapia serve como um veículo para aumentar a potência da radioterapia.

2) Ela é indicada para quais tipos de tumores?
R.: A quimioterapia (seja ela neoadjuvante, adjuvante, paliativa ou concomitante à radioterapia) é indicada para a maioria dos tumores malignos.

3) Como é realizado o procedimento?
R.: Existem, basicamente, 2 tipos principais de procedimentos quimioterápicos: a quimioterapia intravenosa (pela veia), na qual o paciente é puncionado por uma veia periférica ou mesmo por um port-a-cath (dispositivo colocado pelo cirurgião dentro de uma veia mais calibrosa – aquelas com maior dilatação – no corpo do paciente); e a quimioterapia injetável, que é feita em ambientes preparados para receber a quimioterapia com um enfermeiro especializado. Geralmente, os pacientes ficam de 30 minutos até 6 horas fazendo quimioterapia intravenosa. Além disso, existem também as quimioterapias administradas por via oral, nas quais o paciente leva para casa os comprimidos orais e ingere de acordo com o esquema quimioterápico que o médico fornece para ele.

4) Existe mais de um tipo de quimioterapia?
R.: Existem vários tipos de quimioterapias, desde as específicas para certo tipo de tumor, até a quimioterapia que nós tratamos para uma variedade de tumores.

5) Existem efeitos colaterais na utilização da quimioterapia? Quais?
R.: As quimioterapias têm alguns efeitos colaterais manejáveis. Dependendo do esquema de quimioterapia que o paciente recebe, podem ocasionar náuseas, vômitos, cansaço, fadiga e baixa energia. A questão central, também dependendo do esquema de quimioterapia, é que geralmente os tratamentos quimioterápicos não matam apenas as células ruins, atingindo células boas que se multiplicam rapidamente (como cabelo e unha). Então, alguns esquemas quimioterápicos podem ocasionar a queda de cabelo e algumas alterações, mas também as células de defesa do nosso corpo. Dessa forma, em alguns casos, elas podem deixar o nosso corpo mais vulnerável a infecções.

6) Quando esses efeitos aparecem, o que é preciso fazer?
R.: Quando qualquer um desses efeitos aparecer é necessário procurar o seu médico e procurar o hospital. Por exemplo, para os pacientes que estão fazendo quimioterapia e têm febre, a primeira recomendação indicada é a procura do Hospital para passar pela avaliação do médico, pois como a quimioterapia também mata as células boas, o corpo fica vulnerável à infecção. Uma vez que o paciente tenha infecção e células de defesa baixa, nós, médicos, precisamos iniciar antibióticos e terapias o mais rápido possível. Mas, existem outros efeitos colaterais também manejáveis, como náuseas, vômitos, fadigas, inclusive queda de cabelo.

7) Qual é o tempo mínimo e qual é o tempo máximo de duração da quimioterapia?
R.: Existem vários tempos de quimioterapia, desde as que duram 15 minutos, como a blaumicina; aquelas que podem durar o dia inteiro, como a cisplatina; ou até a quimioterapia que o paciente vai para casa com um dispositivo e a quimioterapia fica correndo durante 48 horas dentro do seu organismo.

8) O paciente que é submetido a esse tipo de tratamento pode seguir sua rotina de atividades/trabalho normalmente?
R.: Dependendo do tipo de quimioterapia e do esquema quimioterápico, sim, é possível viver normalmente, inclusive trabalhando, estudando, fazendo as atividades diárias. Isso porque, hoje em dia, a maioria dos efeitos colaterais é bastante controlável, porém, sempre é necessário respeitar o próprio corpo.

9) Em média, quais são os custos da quimioterapia?
R.: O custo da quimioterapia também é variável, desde quimioterapias mais baratas, até aquelas que custam de 20 a 30 mil reais por mês.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor.

Ter os avós em nossas vidas é uma dádiva! Eles são conselheiros, companheiros, amigos, educadores, acolhedores. Possuem todo amor e carinho do mundo armazenados dentro deles e, através desses sentimentos, criam vínculos especiais com seus netos. Eles podem ser velhinhos, mais jovens, cumprir seus papeis de avós ou, muitas vezes, até mesmo de pais. Independentemente da situação e da função que assumem, eles são fundamentais na vida das crianças.

Pensando nisso e após uma pesquisa que teve como tema “O impacto do câncer na família de crianças e adolescentes: a percepção, visão e apoio dos avós”, realizada pelo diretor médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, profissionais da unidade do HA desenvolveram um projeto especial de acolhimento, cuidado e apoio para os avós que acompanham seus netos durante o tratamento de câncer na instituição: o “Encontro de Avós”. “Dentre os familiares, os avós possuem um papel muito importante no suporte aos netos em tratamento, como também aos filhos, genros e noras que passam a lidar com a doença. Alguns avós desempenham uma função parental com seus netos e tornam-se a figura central das relações familiares. Estudos comprovam que os avós sofrem duplamente quando um neto está enfrentando o câncer: pelo próprio neto e pelo filho, por isso, sentimos a necessidade de cuidar deles também”, afirmou a coordenadora do projeto e psicóloga do Hospital de Amor Infantojuvenil, Patrícia Barberá Gallego.

Além dela, o médico responsável pela pesquisa e a psicóloga residente, Fernanda Prado Brocchi, coordenam a iniciativa, que visa proporcionar um espaço de acolhimento, escuta e reflexão para as vivências que afetam os avós ao acompanhar seus netos durante o tratamento de câncer. Através do compartilhamento de experiências, os profissionais buscam fornecer suporte emocional e possibilitar a construção de sentidos para as experiências dos participantes.

A avó Valdelucia veio do Pará para acompanhar seu neto, João Lucas, no tratamento contra o câncer no Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com a psicóloga, os encontros contam com recursos artísticos (poemas, imagens, músicas, etc.) para sensibilizar os participantes e servir como abertura para as discussões e troca de experiências entre os membros. A partir disso, os coordenadores passam a mediar e conduzir as conversas, impulsionando a expressão de sentimentos e vivências, direcionadas pelos próprios avós e baseadas em suas emoções do momento. “Ao proporcionar um espaço de escuta e acolhimento aos avós, pretendemos fortalecer a relação deles com o Hospital e, principalmente, com seus netos e com o modo de enfretamento da doença. Auxiliando essas pessoas, que são verdadeiros cuidadores, estaremos auxiliando também, indiretamente, a maneira com que os pequenos pacientes da instituição enfrentarão a difícil luta contra o câncer”, esclareceu Patrícia.

O papel de avó e mãe
Quem olha a Valdelucia Sousa Pereira, de 39 anos, e João Lucas Siqueira Lima, de apenas 1 ano e 8 meses, não imagina a história de amor incondicional e superação que os dois trazem. Apesar da pouca idade a aparência bem jovem, a avó cumpriu sua função com maestria: decidiu largar tudo e todos em São Félix do Xingu, no Pará, para acompanhar o neto em tratamento no Hospital de Amor Infantojuvenil.

Eles viajaram quatro dias até Barretos (SP) e estão residindo, há uma semana, no Lar de Amor (casa de apoio da instituição). “A mãe do João, minha filha, sofre de depressão e ficou no Pará cuidando da irmãzinha dele. Como somos muito apegados, pois nós já morávamos juntos, eu preferi vir com ele”, contou.
Além da doença, a saudade de casa e de toda a família ainda é um obstáculo muito grande que os dois têm de enfrentar, mas juntos, graças à segurança, os ensinamentos e o afeto que somente os avós podem oferecer, eles vão tirar de letra.

Como participar do Encontro de Avós
O Encontro de Avós é voltado para os familiares de pacientes da unidade infantojivenil do Hospital de Amor, em Barretos (SP), e acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do hospital. Os interessados em participar das reuniões devem comparecer, no dia e horário indicados, sem agendamento prévio.

A origem da data
O Dia dos Avós, celebrado no dia 26 de julho, surgiu em homenagem à Santa Ana e São Joaquim – os pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo – considerados os padroeiros de todos os avós pela Igreja Católica. No dia 26 de julho de 1584, os avós de Jesus foram canonizados pelo Papa Gregório VII.

O “Encontro de Avós” acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do Hospital de Amor Infantojuvenil.
‘Julho Verde’ é o período em que é realizada a campanha nacional de prevenção do câncer de cabeça e pescoço, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e formas de preveni-la.

Há cinco anos, a Federação Internacional das Sociedades Oncológicas de Cabeça e Pescoço (IFHNOS) e a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) instituíram o dia 27 de julho como o ‘Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço’. A partir de então, o mês ficou conhecido como ‘Julho Verde’ – período em que é realizada a campanha nacional de prevenção deste tipo de câncer, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e formas de preveni-la.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), por meio de seus associados e parceiros, como a Associação do Câncer de Boca e Garganta (ACBG), trazem em 2019 a campanha: “O câncer tá na cara, mas as vezes você não vê”, que visa alertar a população dos primeiros sinais e sintomas, que possibilitariam um diagnóstico precoce e, em consequência, tratamentos menos agressivos e a maior possibilidade de cura. Neste contexto, o Hospital de Amor (HA) apresenta um papel crucial como instituição de ensino e pesquisa, na divulgação da campanha e nas ações que envolvem a mesma.

Dr. Ricardo Ribeiro Gama é cirurgião e vice-diretor do departamento de cabeça e pescoço do HA.

De acordo com dados recentes do Instituto Nacional de Câncer (INCA), os cânceres que afetam a região da cabeça e pescoço que, somados, ocupam a segunda maior incidência entre os homens brasileiros. Segundo o cirurgião e vice-coordenador do departamento de cabeça e pescoço do HA, Dr. Ricardo Ribeiro Gama, apesar desse tipo de tumor não ser o mais frequente na população e nem o que apresenta maior índices de morte, ele ainda acomete mais de 500 mil novas pessoas em todo o mundo. Para o médico, o problema é que muitos desses casos são diagnosticados tardiamente, o que prejudica o tratamento e as chances de cura. “A necessidade da campanha nasceu da falta de esclarecimento da população e profissionais da área de saúde sobre a doença. Apesar de ser de fácil acesso o exame clínico, o câncer de boca – o mais comum em nosso meio (em cerca de 70% a 80% das vezes), é diagnosticado em fase avançada, o que acarreta alta mortalidade e graves sequelas relacionadas ao tratamento realizado”, afirma Gama.

Em função do diagnostico tardio, os tumores de cabeça e pescoço, por serem diagnosticados em fase avançada, apresentam altas taxas de mortalidade. Quando um tumor é diagnosticado precocemente, a chance de o paciente sobreviver à doença em cinco anos é de, aproximadamente, 90%. Mas, quando diagnosticado tardiamente, a taxa de sobrevivência cai para algo em torno de 30%, independentemente dos tratamentos realizados com intenção curativa.

Tipos mais comuns
O câncer de cabeça e pescoço compreende um conjunto de neoplasias malignas localizadas em diferentes regiões da via aérea e digestiva superiores, como: boca, faringe, laringe, glândulas salivares, seios da face e cavidade nasal. Dr. Ricardo Gama afirma que os homens são os mais afetados pelos tumores. “Isso acontece pelos hábitos do homem de beber e fumar mais, ter uma qualidade de vida pior e não se preocupar muito em ir ao médico. No entanto, o número de casos em mulheres tem aumentado, devido à maior liberdade do sexo feminino nos tempos atuais”.

Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: caroços ou nódulos no pescoço, feridas na boca com mais de 15 dias que não cicatrizam e rouquidão.

Sinais e sintomas
É importante que as pessoas fiquem atentas sobre os sinais e sintomas da doença. Os mais comuns são caroços ou nódulos no pescoço, feridas na boca com mais de 15 dias que não cicatrizam e rouquidão. Muitas vezes, são os profissionais de odontologia que percebem a ocorrência dessas lesões, mas, também é fundamental procurar um médico de sua confiança se perceber qualquer um desses sintomas.

Prevenção
O desenvolvimento desses tumores também está relacionado a hábitos não saudáveis de vida, tais como: consumo exagerado de álcool e tabaco, além de relações sexuais de risco, ou seja, sem uso de preservativos.

Para o médico, a principal forma de se prevenir esse tipo de câncer é não fumar, independente se cigarro de filtro, de palha ou corda, cachimbo, charuto ou narguile, pois todos podem causar câncer na área da cabeça e pescoço. “Outra forma de prevenção é se cuidar com o uso de bebida alcoólica, procurando não ingerir ou, se ingerir, em quantidades pequenas e, de preferência, não diariamente. De forma geral, a pessoa que ingere mais de duas latas ou garrafas pequenas de cerveja por dia; mais de dois cálices de vinho por dia; ou mais de duas doses de destilado vodka, cachaça, conhaque, whisky), já pode ser considerado um consumidor acentuado de álcool”, relatou.

A incorporação de bons hábitos, como a escovação da boca e dental três vezes ao dia, ir ao dentista duas vezes ao ano e alimentação rica em legumes, verduras e frutas, é essencial para a saúde da boca.

A incorporação de bons hábitos, como a escovação da boca e dental três vezes ao dia, ir ao dentista duas vezes ao ano e alimentação rica em legumes, verduras e frutas, é essencial para a saúde da boca. A vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) também previne contra o câncer de garganta na vida, sendo assim, a vacinação deve ocorrer em meninas e meninos, pré-adolescentes, preferencialmente antes da primeira relação sexual.

Formas de tratamento
Quando diagnosticado na fase inicial, o tratamento consiste em cirurgias menos agressivas ou em radioterapia, causando menos problemas de função, como mastigar, sentir o gosto ou cheiro do alimento, engolir, respirar, falar, menor ou nenhuma deformidade no pescoço e face, e menor chance de complicações para a função do pescoço, ombros e braços. Quando diagnosticado em fase avançada, o tratamento consiste em radioterapia e quimioterapia, que podem ser associados a cirurgias agressivas. Estes tratamentos combinados levam a graves sequelas, muitas delas definitivas, causando grande prejuízo estético e funcional na área da cabeça e pescoço.

“É importante lembrar que apesar dos tratamentos agressivos para estes tumores avançados, as chances de curas são pequenas: cerca de 30% em 5 anos após o diagnóstico de um câncer avançado, por mais que o melhor tratamento seja realizado. Por isso, o diagnóstico precoce é muito importante, assim como a conscientização da população sobre a doença, seus sinais e sintomas e de como preveni-la, através de campanhas como o “Julho Verde”, finalizou Gama.

A campanha no Hospital de Amor
Sabendo da importância do diagnóstico precoce, formas de prevenção e manejo do tratamento e de suas complicações a curto, médio e longo prazo, visando melhorias na qualidade de vida do paciente e melhor prognóstico, o departamento de cirurgia de cabeça e pescoço do Hospital de Amor auxilia na divulgação do ‘Julho Verde’.

No dia 31 de julho, profissionais dos setores de cabeça e pescoço, fonoaudiologia, enfermagem, epidemiologia e prevenção da instituição se reunirão para um evento especial, que tem como objetivo divulgar a especialidade e a equipe multidisciplinar que a envolve, além de esclarecer o que trata a Oncologia de Cabeça e Pescoço.

De acordo com o Dr. Ricardo Gama, serão realizadas palestras que abordarão temáticas destinadas para profissionais da área da saúde. “O evento mostrará a importância da equipe multidisciplinar no manejo clínico destes pacientes e enfatizará a epidemiologia, os fatores de risco, diagnóstico, tratamento e o prognóstico de pacientes com os dois tipos mais comuns de tumor da via aerodigestiva superior: o câncer de boca e o de laringe. Nossa intenção é mostrar o que o departamento tem avançado no tratamento e na reabilitação destes pacientes”, declarou.

Além do evento, haverá mobilização no calçadão de Barretos (SP), aos sábados, onde profissionais do hospital estarão falando com a população sobre a doença e oferecendo exames gratuitos de boca. A Unidade Móvel de Prevenção Odontológica do Hospital de Amor, ficará estacionada no calçadão, em datas que serão previamente divulgadas, oferecendo os exames que serão realizados por dentistas.

A nova unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América.Latina.
Segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

No Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) lançou oficialmente uma unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América Latina. A novidade faz parte da expansão do programa de apoio antitabaco, realizado pela instituição em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Barretos. De acordo com o médico radiologista do Hospital de Amor, Rodrigo Sampaio Chiarantano, esse é um projeto revolucionário, visto que a tomografia computadorizada de baixa dose (rastreamento) para detecção de câncer de pulmão ainda é indisponível no SUS e na maior parte da rede privada de saúde do país. “Por meio da unidade móvel, esse exame poderá chegar, em um futuro próximo, a diferentes lugares do país”, afirma.

Para se ter uma ideia da importância dessa ação, segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

A doença
O câncer de pulmão é um dos tumores que mais mata no Brasil, muito por conta do diagnóstico tardio. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) de 2018, essa doença silenciosa é a segunda que mais incide entre os homens e o quarto tipo de câncer mais frequente em mulheres. No ano passado, o Hospital de Amor tratou cerca de 1.300 pacientes com essa neoplastia maligna de pulmão, sendo 400 novos casos.

“A importância dessa ação é que a maioria dos fumantes se concentra nos estratos mais carentes da população, de onde vem também a maior parte dos casos de câncer de pulmão. Essa doença é silenciosa e geralmente identificada no estágio avançado. Com a detecção precoce, a taxa de sobrevida é estimada em 56%”, diz Chiarantano.

O projeto
O programa inicialmente será realizado em Barretos com os fumantes atendidos pelas unidades básicas de saúde (UBSs) da cidade, que se enquadram nos critérios de maior risco para o câncer de pulmão. “A ideia a médio prazo é que o exame seja oferecido a toda a população da cidade. A longo prazo, o Hospital de Amor espera disponibilizar o programa aos municípios vizinhos e nas demais cidades com unidades de prevenção da instituição, como Campinas”, conta o médico.

Na ação, ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas.

Os critérios para o rastreamento são: que a pessoa seja fumante ou ex-fumante (neste segundo caso, que tenha parado há menos de 15 anos), possua entre 55 e 75 anos e histórico de consumo maior ou igual a 30 anos-maço (número de anos que fumou multiplicado por quantos maços fumava por dia, resultando no número de anos-maço).

Evento em Barretos
Para apresentar o projeto para a população, incluindo o programa antitabaco oferecido pelas unidades básicas de saúde de Barretos, o Hospital de Amor e a Secretaria Municipal de Saúde do município realizaram, nos dias 31 de maio e 1 de junho, uma ação que reuniu centenas de pessoas no centro da cidade. Ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas para os próximos dias.

Na tarde desta sexta-feira, 5 de abril, o Hospital de Amor realizou mais um importante evento: a cerimônia de apresentação do Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico. O novo prédio conta com uma estrutura moderna e humanizada, quartos individuais para os acompanhantes, junto aos leitos dos pacientes, sistema de filtragem de ar em todos os espaços, além de uma unidade de terapia intensiva (UTI) dedicada. O centro, localizado em Barretos (SP) – anexo a unidade infantojuvenil do HA – atenderá crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos, e terá capacidade de transplantar 70 pacientes por ano, reduzindo assim, o tempo de espera na fila do transplante do hospital, que hoje, chega a aproximadamente 10 meses.

Dr. Luiz Fernando Lopes é o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, no Brasil, o número de centros de transplantes de medula óssea (TMO) especializados na população pediátrica é pequeno. “Desde 2012, a nossa unidade infantojuvenil é a sede do Grupo Cooperativo Brasileiro de Síndromes Mielodisplásicas em Pediatria. Por conta disso, crianças e adolescentes de todo o país com suspeita de síndromes mielodisplásicas (SMD) – grupos raros de doenças pré-malignas, com risco de transformação para leucemia – ou leucemia mielomonocítica juvenil (LMMJ) – também uma doença rara, com características mieloproliferativas e displásicas, próprias da população pediátricas – são encaminhadas para o Hospital de Amor para a realização do diagnóstico e tratamento, que inclui o transplante de medula óssea”, explicou.

Antes da conquista do novo centro, a unidade contava com apenas 3 leitos para a realização do procedimento, sendo capaz de executar menos de 30 transplantes por ano. Com a inauguração do espaço, a unidade ganha 13 leitos, sendo 8 destinados para os transplantes e 5 para a terapia intensiva, além de serem utilizados também para o tratamento clínico dos pacientes com SMD e LMMJ. “Essa conquista, com certeza, irá salvar muitas vidas! Poderemos receber também para o transplante um número maior de crianças com leucemias e outras patologias, que muitas vezes falecem sem a oportunidade de tratamento em um serviço especializado, considerando-se o déficit de leitos de TMO no país”, afirmou Lopes.

A realização deste projeto, que irá beneficiar tantas famílias, só foi possível graças a generosa doação de alguns beneméritos e parceiros do Hospital de Amor, entre eles, a família Riscali, que também prestigiou a apresentação.

Segundo a coordenadora do Centro de Transplante de Medula Óssea, Dra. Neysimelia Costa Villela, carinhosamente conhecida como Dra. Neysi, a concretização desse sonho tem um impacto muito grande na vida de todos os pacientes, mas, especialmente, para os profissionais que atuam no Hospital de Amor Infantojuvenil e que, a partir de agora, poderão tratar crianças e adolescentes em tempo hábil, permitindo que elas consigam a reabilitação e a cura, e sigam uma vida feliz. “Esse era o nosso maior sonho, e hoje ele se realizou. Não tenho palavras para agradecer a todos que contribuíram”, declarou a médica.

O Ministro de Estado da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, conheceu a estrutura do Centro TMO Pediátrico.

Cerimônia
Quem também esteve presente na cerimônia de apresentação do Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico, foi: o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; a presidente emérita da instituição, Dra. Scylla Duarte Prata; o Ministro de Estado da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; o Deputado Federal, Geninho; o Prefeito de Barretos, Guilherme de Ávila; o Procurador do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região de Campinas, Dr. Ronaldo Lira (representando o Dr. Ronaldo Fleury); representantes da ALSAC (organização de arrecadação e conscientização do Hospital de Pesquisas St. Jude Children); médicos renomados vindos de países como Estados Unidos, Alemanha e Dinamarca; além de autoridades, diretores, médicos e colaboradores do HA e de demais instituições.

Para o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, é uma honra muito grande conseguir realizar esse projeto em um país tão injusto quando o assunto é saúde pública. “Hoje, nossos convidados, em especial o Ministro da Saúde, pôde ver as crianças e os adolescentes, vindos dos 26 estados do Brasil, em busca de um tratamento digno. Ele percebeu as dificuldades que a gente tem e o quanto nós queremos ajudar esse país. Por isso estamos aqui, comemorando mais esse êxito. É um motivo de muito orgulho ter uma equipe igual a que nós temos aqui, que acredita que vale a pena trabalhar por amor e nada mais do que amor. Todos com vocação de servir a Deus e ao nosso próximo, fazendo o melhor por ele”, finalizou Prata.

Assinatura do termo de compromisso que firmou a união do Ministério da Saúde e do Hospital de Amor.

Após conhecer a estrutura moderna e humanizada do novo centro de transplante e ver de perto o trabalho desenvolvido pelo Hospital de Amor, o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ficou encantado com o tratamento de excelência, via Sistema Único de Saúde (SUS), oferecido pela instituição. “Nosso país luta e sempre lutou pelo desafio de se construir um Sistema Único de Saúde universal, para atender os brasileiros. Todo esse complexo apresentando aqui hoje, e que futuramente será inaugurado, possui custos extremamente elevados e é destinado para todas as pessoas. Viemos para assinar o termo de compromisso, para que consigamos estar prontos em relação aos orçamentos necessários. A intenção, é que as crianças diagnosticadas com câncer cheguem aos centros de excelência para seus tratamentos e que, ao entrarem, não encontrem o ‘gargalo’ da burocracia”, afirmou.

No evento, o Ministro Luiz Henrique e o presidente do HA, Henrique Prata, assinaram o termo de compromisso que firmou a união do Ministério da Saúde e do Hospital de Amor, com a finalidade de estipular metas para a concretização do plano de expansão da radioterapia do SUS, junto à Portaria que estabelece recursos do Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde a serem incorporados ao Grupo de Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar – MAC, do Estado de São Paulo e do município de Barretos (SP), cujo valor é R$ 3.164.666,27.

Coral “Acordes Vocais” e o trio “A Bela e os Tenores”.

Para abrilhantar ainda mais esse marco na trajetória do Hospital de Amor, o coral “Acordes Vocais” (grupo composto por pacientes, colaboradores do HA, além de barretenses), apresentou-se sob a regência da maestrina Angélica Amêndola de Oliveira Silva, e participação especial do trio “A Bela e os Tenores” (formado pelos cantores líricos Giovanna Maira, Jorge Durian e Armando Valsani).

Ao final, os participantes foram convidados para uma visita ao Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico.

Sobre o Hospital de Amor:
Excelência em oncologia, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) assumiu a liderança do ranking 2018 da Scimago Institutions Rankings (SIR), entre todos os centros de saúde do Brasil e da América Latina. O levantamento é uma ferramenta de reconhecimento internacional, que avalia a qualidade de instituições (públicas ou privadas) em todo o mundo, considerando os critérios: pesquisa, inovação e impacto social.

A instituição é historicamente reconhecida. Foi escolhida, em 2000, pelo Ministério da Saúde, como o melhor hospital público do país. Em 2011, tornou-se “instituição irmã” do MD Anderson Cancer Center (EUA), o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo, e ainda recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao Câncer de Mama”. Em 2012, assinou acordo com o Saint Jude Children´s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”.

O Hospital de Amor foi o grande destaque da 4ª Edição do Prêmio “Melhores Hospitais”, projeto realizado pela Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, realizado em dezembro de 2014. A entidade ganhou em três categorias: melhor hospital, internação e ambulatório. O principal objetivo da premiação é monitorar a qualidade de atendimento e a satisfação do usuário, reconhecer os bons prestadores, identificar possíveis irregularidades e ampliar a capacidade de gestão eficiente da saúde pública. Na categoria “Internação”, o Hospital de Amor liderou o ranking interior, com mais de 97% de aprovação. A instituição também teve um alto índice no quesito “Ambulatório” – 96,5% dos usuários disseram estar satisfeitos com o trabalho realizado.

O centro, localizado em Barretos (SP) – anexo a unidade infantojuvenil do HA – atenderá crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos, e terá capacidade de transplantar 70 pacientes por ano, reduzindo assim, o tempo de espera na fila do transplante do hospital, que hoje, chega a aproximadamente 10 meses.
“Alimentação saudável e atividade física: de olho no futuro sem câncer colorretal” é o tema do 7º Concurso de Redação.

O Concurso de Redação, iniciativa promovida pelo Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor, já virou tradição entre os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II, matriculados nas escolas estaduais do Estado de São Paulo e nas escolas privadas da cidade de Barretos (SP). Com o objetivo de difundir o conhecimento e popularizar a ciência, os jovens talentos são estimulados na investigação científica para que, no futuro, possam gerar aprendizado e inovações que beneficiem toda a sociedade.

No último dia 29 de março, o NEC, em parceria com o Departamento de Prevenção e apoio das Secretarias Municipais de Esporte e Cultura, lançou a 7ª edição do concurso, que neste ano traz como tema a prevenção do câncer colorretal (“Alimentação saudável e atividade física: de olho no futuro sem câncer colorretal”), assunto abordado durante o mês de março (conhecido como Março Marinho). O evento, que aconteceu no estacionamento do Ginásio de Esportes João Batista da Rocha – o Rochão, foi aberto a toda comunidade do município e da região e contou com uma programação especial, repleta de atividades físicas e educativas, orientações sobre prevenção, saúde e qualidade, além da presença da unidade móvel de educação ‘Missão Gênese’.

“O Concurso de Redação é, atualmente, uma das principais ferramentas na ampliação do nosso Programa de Divulgação Científica, e as importantes parcerias estabelecidas por meio dele, como o apoio da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, que é composta por 91 Diretorias Regionais de Ensino, e da Secretaria Municipal de Educação de Barretos, são de extrema relevância na obtenção de grandes resultados. A expectativa para este ano é ultrapassar as mais de 19 mil redações produzidas em 2018, levando, assim, para mais pessoas e lugares a mensagem de prevenção, qualidade de vida e, consequentemente, uma cultura de autocuidado e de vida mais saudável”, afirmou coordenador do Núcleo de Educação em Câncer, Gerson Vieira.

A iniciativa é gerar o conhecimento sobre o câncer colorretal, além de dar destaque para a prevenção, que acontece de maneira simples através da atividade física e alimentação saudável em todas as idades.

Março Marinho no Concurso de Redação
Não por acaso, neste ano, o lançamento do Concurso de Redação foi realizado junto ao encerramento da campanha “Março Marinho” – já marcada pela conscientização da importância de se prevenir do câncer colorretal (aquele que acomete o intestino grosso e o reto). Segundo a médica endoscopista e responsável pelo Programa de Rastreamento do Câncer Colorretal do Hospital de Amor, Dra. Denise Guimarães, implantado em Barretos há 3 anos, a incidência da doença vem aumentando progressivamente no país e, ações como esta, trazem resultados importantes. “Assim como o resto do mundo, nós adotamos o mês de março para fazer a campanha e elaboramos uma série de atividades que promovem o conhecimento sobre o câncer colorretal, além de dar destaque para a prevenção, que acontece de maneira simples através da atividade física e alimentação saudável em todas as idades, e do rastreamento para aqueles entre 50 e 65 anos”, declarou.

O Concurso de Redação possui, ao todo, cinto etapas que iniciam hoje, 2 de abril, e seguem até o dia 19 de agosto. Entre as milhares de redações, cinco serão selecionadas e os autores serão premiados com três dias de estágio no Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do HA, onde desenvolverão atividades científicas e laboratoriais, além de serem estimulados a respeito da conscientização sobre os fatores ambientais que podem desencadear o desenvolvido do câncer e outras doenças. Já o primeiro colocado ganhará um notebook, assim como o professor orientador, e os demais finalistas ganharão um tablet. “Os temas das redações são anualmente escolhidos com a intenção de que os estudantes participantes se aproximem da pesquisa”, completou o coordenador do NEC.

Para a dirigente regional de ensino da Diretoria de Ensino da Região de Barretos, Solange de Oliveira Bellini, o projeto tem oferecido oportunidade para implementar e enriquecer o currículo escolar, tanto na área das ciências biológicas, quanto na área de linguagens. “Criou-se, entre os estudantes e profissionais das escolas, a expectativa sobre qual temática a ser desenvolvida a cada ano e quais desafios eles terão que vencer para a melhor colocação dos candidatos e instituições. Isso também colabora para um aprendizado voltado para melhoria das habilidades de investigação, pesquisa, criticidade e criatividade na competência escritora dos jovens, diante das temáticas apresentadas. Paralelo a isso, o desafio de competir com um número maior de candidatos também os coloca diante de uma situação real do aprendizado para a vida cotidiana. Neste sentido, muito ganhamos e muito aprendemos com esta parceria”, declarou.

O professor da Escola Estadual Embaixador Macedo Soares (uma das participantes do concurso), Rildo Vasconcelos, afirma que todo o conteúdo absorvido e repassado aos alunos se torna uma importante ferramenta de prevenção do câncer e de outras doenças, além se tornar uma importante ferramenta de criação de autonomia sobre o saber. “Eu tenho certeza de que tudo que os alunos aprendem por meio deste projeto ultrapassa os muros das escolas e, muitas vezes, se sobrepõe ao que chamamos de educação formal”, declarou.

Confira o cronograma do 7º Concurso de Redação:

 Fase I Período de Produção das Redações nas escolas  Entre 02/04 e 24/05
Fase II

 

Banca de Avaliação nas escolas

Envio das Redações para as Diretorias Regionais de Ensino

Entre 27/05 e 07/06

Até 07/06

Fase III Banca de Avaliação nas Diretorias de Ensino Regionais

Envio das Redações para o NEC

Entre 10/06 e 28/06

 

Até 28/06

Fase IV Banca de Avaliação no Hospital de Câncer de Barretos

Publicação dos nomes dos finalistas no site do Hospital

Entre 01/07 e 26/07

 

 

29/07

Fase V Cerimônia de Premiação dos finalistas

Estágio no Hospital de Câncer de Barretos

07/08

07/08 A 09/08

A expectativa para o Concurso de Redação deste ano é ultrapassar as mais de 19 mil redações produzidas em 2018, levando, assim, para mais pessoas e lugares a mensagem de prevenção, qualidade de vida e, consequentemente, uma cultura de autocuidado e de vida mais saudável.
A edição 2018 da “Caminhada Passos que Salvam” movimentou mais de 650 municípios, em 20 estados do Brasil.

A cada ano que passa, a Caminhada “Passos que Salvam” – uma das principais campanhas de conscientização promovidas pelo Hospital de Amor – ganha espaço e conquista municípios que abraçam a causa em favor do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Após o sucesso da 7ª edição, que aconteceu no dia 25 de novembro de 2018, e para que o projeto continue ajudando ainda mais pessoas a descobrir os sinais e sintomas da doença, o HA deu mais um passo e realizou, pelo sexto ano consecutivo, a ‘Capacitação de Médicos em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’.

O encontro aconteceu nos dias 22 e 23 de março, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP). Das 650 cidades participantes na última caminhada, 140 médicos (que prestam atendimento a crianças e adolescentes na rede pública de saúde), vindos de 11 estados do Brasil, participaram do evento.

As palestras, ministradas por colaboradores da unidade infantojuvenil do Hospital de Amor, tiveram como objetivo orientar e capacitar esses profissionais para que possam colaborar no diagnóstico precoce do câncer e enviar esses pacientes com mais rapidez para tratamento na instituição. Graças ao treinamento, os participantes poderão se tornar referência na cidade onde atuam, criando um acesso direto com os médicos do Hospital, facilitando o envio de exames e a discussão de casos.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, metade das crianças que chegam a Barretos para o tratamento da doença já se encontra em estágio muito avançado, sendo difícil oferecer taxas elevadas de cura. “Nós temos que mostrar para o pediatra como detectar o câncer precocemente, pois se os pacientes continuarem chegando à instituição tarde demais, não conseguiremos melhorar”, afirmou.

Os dois dias de programação contaram com discussões sobre os seguintes temas: Epidemiologia do Câncer Infantil; Aplicação dos Estudos Moleculares e Genéticos no Diagnóstico Precoce; Os Sinais de Alerta no Hemograma do Diagnóstico Precoce; Estudos de Peregrinação das famílias e pacientes até a chegada a Barretos; Indicação de exames de imagem do Diagnóstico Precoce; Aspectos Importantes da Cirurgia Pediátrica; Vacinação no Imunossuprimido; Abordagem teórica e apresentação de casos: Tumores Abdominais, Retinoblastoma, Leucemias, Tumores Cerebrais, Tumores Ósseos e Linfomas.

Naima Kathib é coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”.

Segundo o médico, é possível perceber resultados positivos em decorrência dos eventos anteriores. “Já estamos medindo isso. Temos dados estatísticos das crianças que foram encaminhadas para cá antes do treinamento e depois dele. E estamos reduzindo, significativamente, o número de pacientes que chegaram com tumor avançado, e agora chegam com a doença em estágios mais iniciais, permitindo que se curem”, finalizou Lopes.

Para a coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”, Naima Kathib, esse é um dos projetos mais importantes desenvolvidos pelo Hospital. “Desde de 2014, quando começamos a capacitar os médicos de todo o Brasil, já foi possível perceber a mudança no olhar desses profissionais em relação aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Mais de 1.200 médicos já se tornaram referência em seus municípios para o envio de pacientes ao HA e nós não vamos parar por aí!”, relatou a coordenadora.

O câncer infantojuvenil
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos com câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. Para o Dr. Luiz Fernando Lopes, 12.500 novos casos são diagnosticados todos os anos no Brasil, e a expectativa é de que até 2020 este número aumente em 30%.

Capacitação de Enfermeiros
Os municípios que realizaram a caminhada também poderão enviar seus enfermeiros para participar da ‘Capacitação de Enfermeiros em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’. O treinamento destes profissionais acontecerá nos dias 24 e 25 de maio de 2019. Para mais informações, basta entrar em contato com o departamento responsável pela Caminhada “Passos que Salvam” através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7169, ou e-mail: ‘passosquesalvam@hcancerbarretos.com.br’.

140 profissionais, vindos de 11 estados do Brasil, participaram do treinamento para contribuir com o diagnóstico precoce da doença e aumentar as chances de cura.

Publicado em 26 de mar de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento, Captação de Recursos, Pacientes e Familiares