fbpx

Novembro Azul: Hospital de Amor faz alerta sobre o câncer de próstata

A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens a partir dos 50 anos no Brasil, perdendo apenas para o câncer de pele não-melanoma.

“Novembro Azul” é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele não-melanoma, e as maiores vítimas são homens a partir de 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença. Por se tratar de uma doença assintomática em fases iniciais, a melhor maneira de se detectar é através do exame de rastreamento (também conhecido como exame de toque) e de PSA (sigla de Antígeno Prostático Específico, que pode ser avaliado através de um exame de sangue simples). Esses dois, juntos, possuem uma capacidade de detecção maior para o câncer de próstata.

De acordo com o médico urologista e coordenador do departamento de urologia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre César Santos, em termos estatísticos, o câncer de próstata é responsável pela morte de 3% da população. “Há uma prevalência mais frequente, em torno de 16% dos homens da população em geral, que podem ser acometidos pela doença. Graças à campanha Novembro Azul, é possível perceber uma diminuição da mortalidade por esse tipo de tumor”, afirmou.

Diagnóstico
Para se ter um diagnóstico preciso do câncer de próstata, é realizado um rastreamento inicial, que leva em consideração outros fatores, como a raça e histórico familiar. Com base nisso, são feitos exames de rastreamento para detecção da doença. Caso o diagnóstico seja positivo, o paciente é encaminhado para iniciar o tratamento. Caso o diagnóstico seja negativo, é feita uma estratégia de prevenção: se os riscos forem baixos, os rastreamentos são anuais ou a cada dois ou três anos.

Prevenção
Pelo fato do câncer de próstata não apresentar sintoma em fases iniciais, os exames preventivos são muito importantes. A doença surge em uma região da próstata e, na maioria das vezes, os pacientes não sentem dor, não há sangramento na urina e não há dificuldade em urinar ou evacuar. Enquanto isso, o tumor continua crescendo na próstata deste homem.

Quando ele demora para fazer os exames preventivos, o diagnóstico é tardio e, na maioria das vezes, o tumor não está apenas na próstata, tendo já gerado metástase, acometendo ossos e outros órgãos. Nesta fase, não há mais cura para o paciente, apenas um tratamento paliativo dos sintomas.

Como prevenir?
As pessoas que possuem convênio ou planos de saúde devem procurar o urologista de confiança, relacionado ao convênio. Os pacientes que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que desejam realizar os exames de prevenção e que estão situados no Departamento Regional de Saúde de Barretos (DRS), devem fazer o agendamento junto ao projeto ‘Saúde do Homem’, no AME, através do 0800-779-000, onde são realizadas, gratuitamente, avaliações urológicas e cardíacas, com base em uma fila de espera. Já os homens que não têm acesso a essa possibilidade, devem procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência e solicitar ao médico o encaminhamento ou exame de rastreamento para a detecção do câncer de próstata.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença.
Para o gerente de captação de recursos, o encontro é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo.

Como diz o ditado popular: ‘depois da tempestade, vem a bonança’, e o propósito do ”Encontro Nacional de Coordenadores” do Hospital de Amor não é diferente! Depois de vestirem a camisa da solidariedade, abraçarem com muito amor e dedicação a causa, e desempenharem um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita e durante todo o ano, os coordenadores voluntários de eventos (leilão, quermesses, festas, almoços, ação entre amigos, etc.) se unem, em Barretos (SP), para comemorar.

Neste ano, o evento – que já é tradição e faz parte do calendário de ações do HA – aconteceu no dia 26 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, e reuniu mais de 1.000 pessoas. Com o objetivo de integrar os voluntários de todo o Brasil, eles tiveram a oportunidade de celebrar as conquistas alcançadas ao longo do ano, além de compartilhar as metas e desafios para 2020.

Emerson Rodrigues é coordenador voluntário de Bela Vista (MS).

O encontro contou com palestras ministradas pelo presidente da instituição, Henrique Prata, e pelo gerente de captação de recursos, Luiz Antônio Zardini. Os dois ressaltaram a importância do trabalho desenvolvido pelos coordenadores, na tentativa de diminuir o alto déficit mensal do hospital e melhorar, ainda mais, os atendimentos de excelência oferecidos aos pacientes. “De coração, eu agradeço a todos pela presença em mais esse encontro. Eu acho muito importante prestar contas pra vocês, dos nossos planos, dos nossos sonhos e projetos. Os tamanhos dos desafios que nos surgem são muito grandes e eu fico muito feliz de saber que eu consigo contar com cada um de vocês. Eu me apoio na fé para gerir essa obra e eu sei que vocês também são movidos por esse sentimento. Nossa instituição está vivendo uma experiência de crescimento que eu mesmo me impressiono com o que tem acontecido. Por isso, eu conto com vocês pra cada vez mais tragam mais pessoas para abraçar essa causa das mais diversas formas”, declarou o Henrique Prata.

Para o gerente de captação de recursos, o encontro é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo. “Eles são responsáveis por uma importante parte das receitas do Hospital. É um trabalho fundamental e muito amoroso. É gratificante ver a cumplicidade deles com a instituição e, sem dúvidas, é isso que mantém as portas abertas, oferecendo assistência e tratamento de qualidade”, afirmou Zardini.

Além disso, o radio-oncologista e coordenador do projeto de reabilitação Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; e a coordenadora do Centro de Transplante de Medula Óssea, Dra. Neysimelia Costa Villela, carinhosamente conhecida como Dra. Neysi, apresentaram seus departamentos e as novidades em tecnologia e tratamento que eles proporcionam aos pacientes do hospital.

Rita Lilian é coordenadora do município de Goiandira (GO).

Trabalho Voluntário
O coordenador voluntário Emerson Rodrigues, o Buiu, veio de Bela Vista (MS), na divisa com o Paraguai, andando mais de 1.000 KM e compareceu ao evento. Há 3 anos comandando o leilão de seu município, ele se sente completamente motivado a continuar esse trabalho de solidariedade. “É muito gratificante poder ajudar aquelas pessoas que precisam de um atendimento especializado. Quando surgiu a oportunidade de ocupar esse cargo, eu abracei de corpo, alma, mente e coração e, desde então, eu tenho feito esse trabalho. Faça tudo isso com muito amor! Estar aqui, trocando experiências com os meus colegas coordenadores de todo o país e buscando conhecimento junto a equipe do HA é maravilhoso”, contou.

A coordenadora do município de Goiandira (GO), Rita Lilian, esteve pela primeira vez no encontro e ficou encantada com o evento. “Tive o prazer de realizar o primeiro leilão na minha cidade e o prazer maior de estar aqui, nesta festa linda dedicada aos coordenadores. Acredito que o motivo maior de ajudarmos essa instituição é confiar e respeitar o trabalho que é desenvolvido aqui. Só quem conhece, consegue sentir esse amor que é o Hospital de Amor. Vale muito a pena!”, finalizou Rita.

O evento, que já é tradição e faz parte do calendário de ações do HA, reuniu mais de 1.000 voluntários, com o objetivo refletir sobre o trabalho e comemorar os feitos de 2019.
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição e alguns de seus principais projetos.

Uma visita especial marcou o Hospital de Amor neste dia 25 de outubro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição (como a unidade infantojuvenil e o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrica -TMO), e alguns de seus principais projetos (como o de reabilitação, Bella Vita).

Entre os setores visitados, a primeira-dama conheceu o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico e o projeto de reabilitação, Bella Vita.

Após o almoço, Michelle se reuniu com centenas de pessoas, entre voluntários, diretores e colaboradores do HA, além de políticos e representantes, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, para fazer uma palestra sobre o Programa Pátria Voluntária, o qual preside.

Durante a cerimônia, o gerente de captação de recursos do Hospital de Amor, Luiz Antônio Zardini, falou sobre a importância do trabalho voluntário para o mundo e, especialmente, para os pacientes do hospital. “O voluntário é um visionário, pois ele consegue enxergar a fraternidade e o amor. Eles são presença de Deus junto aos pacientes, seja no hospital ou em suas residências. Afinal, não basta servir, é preciso amar!”, afirmou.

A coordenadora do departamento de Recursos Humanos da instituição, Renata Paschoal, explicou sobre os dois tipos de voluntariado que existem no HA (o que é conduzido pela Associação Voluntária de Combate ao Câncer – AVCC – e o que é gerenciado pelo departamento de Projetos Sociais da instituição) e suas diversas áreas de atuação.

Em seguida, a primeira-dama falou sobre a “Pátria Voluntária” e sua missão: fomentar a cultura do voluntariado do Brasil, contribuindo com um país mais justo, inclusivo e social. “Estou muito feliz em estar aqui e muito honrada em ser intitulada ‘Madrinha do projeto de reabilitação não oncológica Dream’, pois a reabilitação é tão importante quanto o tratamento. Muito obrigada!”, declarou Michelle.

Da esquerda para a direita: deputada federal, Silvia Chagas; presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; prefeito municipal de Barretos (SP), Guilherme de Ávila; coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; primeira-dama, Michelle Bolsonaro; deputada federal, Katia Sastre; e secretário de saúde de Araguaína (TO), Jean Coutinho.

Para comprovar isso e na tentativa de superar seus próprios limites, o Coral ‘Papo Furado’ – composto por pacientes laringectomizados, ou seja, que retiraram a laringe por causa do câncer – se apresentou e emocionou a todos, entoando a música ‘É preciso saber viver, do Titãs.

O rádio-oncologista e coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi, explicou sobre o trabalho de reabilitação do Hospital de Amor e enalteceu seu principal objetivo, que é oferecer aos pacientes condições dignas para se reinserir na sociedade, ser integrado e incluído. “Hoje a nossa instituição dá um grande passo, pois vamos construir o melhor centro de reabilitação não oncológica da América Latina, o ‘Dream’, que receberá o nome da nossa primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Grandes sonhos só se tornam realidade com pessoas que acreditam nele, por isso, não posso deixar de homenagear o prefeito Guilherme de Ávila; a deputada federal, Katia Sastre (responsável pela doação da ala dos surdos no novo centro); a deputada federal, Silvia Chagas; e o secretário de saúde de Araguaína, Jean Coutinho (representando o prefeito Ronaldo Dimas), que levará uma outra unidade deste centro para o estado do Tocantins. E como um grande sonho deve estar nas mãos de uma grande pessoa, convidamos a senhora Michelle Bolsonaro para ser a madrinha”, explicou o médico.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, esse dia vai ficar escrito na história do HA. “Quem tem amor dentro do hospital, não limita seus sonhos, e quando o Dr. Daniel me desenhou esse projeto, eu senti que ele foi escolhido por Deus para fazer, com muita competência, o maior complexo de reabilitação da América Latina. E a Michelle nos mostrou que seu coração é igual ao nosso e nos acolheu com esse sonho. Muito obrigado! O Hospital de Amor tem o maior orgulho em tê-la no ‘quadro da família HA’”, finalizou.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.
Quem se cuida, voa mais longe - Azul Linhas Aéreas e Hospital de Amor

Uma importante parceria entre o Hospital de Amor e a Azul Linhas Aéreas tem beneficiado de maneira muito significativa mulheres atendidas pelas unidades de prevenção do hospital espalhadas pelo Brasil. A Azul tem o “Outubro Rosa” – mês de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama –  como sua maior causa social e, há 9 anos, trabalha em ações relacionadas à prevenção e à detecção precoce da doença. Desde 2017, a empresa passou a desenvolver projetos que contribuem com o trabalho de qualidade e humanização que é desenvolvido pelo Hospital de Amor.

A 2ª edição da premiação do concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória” ocorreu no último 18/10, em Barretos (SP).

As iniciativas, que vão desde o “Conexão Azul Rosa” – que já proporcionou com que mais de 90 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, vindas das diversas regiões do Brasil, tivessem a oportunidade de chegar a um centro especializado de tratamento com o conforto e a agilidade que uma viagem de avião podem oferecer; passando pela coleção “Outubro Rosa” da Azul Collection – que é a linha de produtos oficiais da Azul – que também beneficia a instituição; até o concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória” – uma ação ligada à unidade de negócios da Azul (Azul Viagens),  que oferece uma viagem incrível para pacientes com um acompanhante.

Para a coordenadora de responsabilidade social da companhia aérea, Ivana Nascimento, a parceria entre a Azul e o HA tem trazido resultados muito satisfatórios e tende a se expandir cada vez mais. “Nós sabemos o quanto essas iniciativas têm rendido bons frutos e esperamos que elas durem por muito mais tempo. O impacto social que elas trazem é muito grande e positivo”, afirmou.

“Nosso instituto conta com várias iniciativas que visam integrar cultura, saúde e ciência, em busca de trazer à sociedade uma abordagem da temática do câncer  que pode ser pensada a partir de atividades lúdicas que vão além do universo da doença, a partir de vivências e linguagens que estimulam a humanização dos processos de prevenção, tratamento e cura, e isso se alinha perfeitamente ao que a Azul quer proporcionar a essas pacientes”, explicou a coordenadora de projetos do Instituto Sociocultural do Hospital de Amor, Marcella Marchioreto.

Eliane da Silva e Sirlei David foram as vencedoras da edição 2019 do concurso de cartas.

Premiando histórias inspiradoras
Na última sexta-feira, 18 de outubro, aconteceu a segunda edição da premiação do concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória”, que é realizado numa parceria entre a Azul Viagens e o Instituto Sociocultural do Hospital de Amor. Na cerimônia, duas pacientes – Eliane Rodrigues da Silva e Sirlei Mantovani David – foram contempladas com uma viagem com acompanhante para o Nordeste (podendo optar entre os destinos de Fortaleza/CE e Natal/RN), com tudo pago. Para Sirlei, que vai levar o filho como acompanhante, a conquista foi algo que veio na hora certa. “Eu acho que já estava escrito por Deus, pois, eu sempre sonhei em conhecer uma praia do Nordeste. Meu filho não conhece a praia, e eu sempre quis dar uma viagem para ele”. Eliana já sabe exatamente quem será sua companheira de viagens: a irmã, Erodite. “Ela é mais do que uma irmã. Sempre esteve do meu lado nas lutas, e agora não vai ser diferente”, relatou.

Em seu primeiro ano, o concurso premiou outros duas pacientes que lutaram contra o câncer de mama. Uma dessas mulheres, Luzia Silva, também participou da cerimônia de 2019 e contou sua experiência. O encontro reuniu ainda representantes da Azul, profissionais que atuam no voluntariado da empresa e colaboradores do HA.

Você pode conferir as cartas das duas pacientes ganhadoras deste ano, clicando aqui.

Um voo Azul Rosa
Outra convidada especial abrilhantou ainda mais o evento de celebração dessa parceria de sucesso. A sul-mato-grossense, Zaira Leite, uma das mais de 90 mulheres beneficiadas com o projeto “Conexão Azul Rosa”, trouxe seu relato de esperança, reforçando o impacto dessas ações na vida das pacientes do hospital. “Essa viagem de avião deixou meu tratamento mais leve. É muito difícil lutar contra o câncer e essa, sem dúvida, foi uma aventura que transformou completamente meu tratamento, de uma maneira muito positiva”, declarou.

Uma coleção que salva vidas
Apoiar a causa do “Outubro Rosa” é muito mais fácil com a Azul Collection. A linha de produtos inclui camisetas, chaveiros, copos, bloco de notas, meias e muito mais. Para adquirir os itens solidários, basta clicar no banner abaixo ou acessar o link: www.azulcollection.com.br/outubro-rosa.

 

 

o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’, que ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus.

“Alecrim, alecrim dourado, que nasceu no campo sem ser semeado”. Desde muito cedo, as comidinhas já estão no imaginário das crianças. O bom mesmo é quando podem ser degustadas de maneira saudável e segura.

O consumo de alimentos orgânicos pode contribuir com uma boa saúde, embora, muitas vezes, seja um grande desafio devido à correria do dia a dia. Pensando em oferecer alimentos de qualidade e entretenimento aos acompanhantes do Hospital de Amor Infantojuvenil, o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’. A ação ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus, que é administrado pela equipe do hospital e fica localizado a uma quadra da unidade pediátrica da instituição.

O projeto que teve início em maio deste ano, consiste em reunir os acompanhantes dos pacientes para plantarem e cuidarem das hortaliças na horta comunitária. De acordo com a gerente do Lar de Amor, Lilian Borges, que chefia as atividades, a instituição tem buscado olhar para os pacientes também fora do hospital. “Sabemos que em relação ao tratamento, nós oferecemos o melhor nos mais diversos aspectos, mas quando o paciente está fora do hospital, nos alojamentos ou em casas, infelizmente, eles acabam ficando ociosos e, muitas vezes, ficam tristes, já que muitos pais precisam abrir mão de seus ofícios, hobbies e do convívio com seus familiares e amigos. Esses fatores contribuíram para iniciarmos a hortinha”, declara Lilian.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), através de um projeto de extensão, que agrega com experimentos práticos de química e biologia, permitindo assim aproximar a teoria da prática. Atualmente, dois alunos do IFSP vão semanalmente até o alojamento, onde ensinam sobre o manejo das mudas e das plantas, sempre com supervisão dos professores do instituto.

Para José Carlos Trindade, pai do paciente Keivinson Ricardo, de 10 anos, natural do estado da Bahia, poder passar o tempo na horta funciona como uma terapia. “Estar aqui e poder ajudar é muito bom. Gosto muito quando nós podemos mexer na terra e plantar na horta, dá até saudade de casa”, afirma o lavrador que também é beneficiado pelo projeto, já que vive com o seu filho no alojamento há quatro meses.

De acordo com a nutricionista responsável pela unidade infantojuvenil, Mariana Murra, o consumo de alimentos ricos em agrotóxicos não apenas pelos pacientes, mas por todas as pessoas, é alarmante. A profissional afirma que consumir alimentos orgânicos, como os da horta comunitária, é mais seguro e mais saboroso, o que também contribui para gerar incentivo à uma alimentação mais saudável e balanceada, já que o consumo de alimentos mais seguros nutricionalmente pode aumentar o consumo da chamada “boa comida”.

A alimentação e o tratamento de câncer
Os alimentos orgânicos são os que utilizam técnicas que respeitam o meio ambiente, de modo que não há a utilização de agrotóxicos, nem outros produtos quem possam causar danos à saúde.
A nutricionista afirma que durante as diferentes fases do tratamento, as crianças ficam limitadas a ingerir alimentos crus, o que pode resultar em dificuldade alimentares no futuro. Por este motivo, durante todas as etapas do tramento, incentivar uma alimentação balanceada é extremamente importante. Além das diversas verduras, como alface, almeirão, couve, entre outras possibilidades, os temperos naturais também podem ser cultivados na horta, como: salsinha, cebolinha, hortelã, orégano, manjericão, alecrim, etc.

Mariana também ressalta que a alimentação não saudável é um dos fatores que podem contribuir com o desenvolvimento do câncer. “Quando pensamos em uma alimentação saudável, rica em frutas e verduras (3 a 5 porções ao longo do dia), o próprio consumo contribui na prevenção de diferentes tipos de câncer. Porém, não há alimento milagrosos, há uma alimentação saudável e equilibrada que colabora com a prevenção (antes que a doença se estabeleça). Após a doença já ter se instalado, é importante alinhar o cardápio e evitar alimentos sem valor nutricional” diz Mariana. Também vale ressaltar que o equilíbrio é tudo, ou seja, uma alimentação correta também possui carboidratos, proteínas e gorduras, que devem ser fracionadas ao longo do dia.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Dentro de um centro de tratamento oncológico, o nutricionista exerce funções tanto na produção de refeições, quanto na área clínica.

O nutricionista é um profissional da área da saúde que estuda os alimentos e o efeito que eles produzem nos organismos. Ele pode atuar em diversas áreas, desde a prescrição de dietas para indivíduos até o acompanhamento de atletas profissionais, passando por pesquisa, entre outros.

No dia 31 de agosto é celebrado, anualmente, o Dia do Nutricionista – data que recorda a criação da Associação Brasileira de Nutricionistas (ABN), fundada no ano de 1949. O Hospital de Amor, preocupado em oferecer o melhor e mais digno tratamento aos seus pacientes, reconhece a importância deste especialista e aproveita a data para homenageá-lo.

Dentro de um centro de tratamento oncológico, este profissional exerce funções tanto na produção de refeições, quanto na área clínica. Os nutricionistas de produção acompanham toda a cadeia de recebimento até a distribuição dos alimentos, garantindo condições higiênico-sanitárias adequadas e qualidade no alimento servido ao paciente e ao colaborador da instituição. “O papel do nutricionista é fundamental para a boa saúde do indivíduo. Em um centro oncológico, esta função torna-se ainda mais importante, já que os pacientes, muitas vezes, estão com seu estado nutricional prejudicado pela doença ou pelo tratamento. Comer é uma ação simples, porém de um significado e de uma importância enorme. Devolver, facilitar e/ou melhorar esta atividade na vida de um indivíduo é mais do que nutrir o organismo, é alimentar sua esperança de viver melhor”, afirmou a coordenadora do departamento de nutrição do HA, Camila Avi.

Em média, 60% dos alimentos utilizados pelo Hospital de Amor vêm de doação.

Nutricionistas no Hospital de Amor
O departamento de nutrição do Hospital de Amor conta com 113 colaboradores (técnicos, administrativos e operacionais), dentre eles, 14 são nutricionistas, que se dividem entre as unidades: central, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso, Hospital Nossa Senhora, AME, alojamentos e creche.

São 3 toneladas (em média) de alimentos produzidas por dia e 200 mil (em média) refeições servidas por mês. E não são só os pacientes que recebem acompanhamento nutricional. De acordo com a coordenadora, o cardápio destinado aos colaboradores da instituição, que contém café da manhã, almoço, jantar e ceia, também é elaborado de forma balanceada, afim de atender todas as necessidades nutricionais. “Há um controle higiênico-sanitário para garantir a segurança alimentar e saúde do indivíduo. Além disso, em datas comemorativas, a equipe prepara um cardápio diferenciado, com o objetivo de acolher o funcionário, para que ele tenha uma refeição mais agradável”, esclareceu Camila.

A importância das doações
A mobilização da sociedade é de extrema relevância para o bom andamento do setor de nutrição do Hospital de Amor. Em média, 60% dos alimentos utilizados pela instituição vêm de doação.

Entre os alimentos doados mais solicitados, destacam-se: arroz, feijão, café, açúcar, óleo, leite, macarrão, fubá, sal, vinagre, achocolatado e biscoitos, por serem alimentos utilizados diariamente pela entidade.

O departamento de nutrição do HAr conta com 113 colaboradores (técnicos, administrativos e operacionais), dentre eles, 14 são nutricionistas, que se dividem entre as unidades: central, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso, Hospital Nossa Senhora, AME, alojamentos e creche.
Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

No Hospital de Amor, são realizados mais de 300 procedimentos quimioterápicos por dia.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Estes remédios se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células ruins que estão formando a doença e impedindo, também, que elas se espalhem pelo organismo.
Para esclarecer as principais dúvidas sobre a quimioterapia e sua importância na luta contra o câncer, eliminar os mitos envolvendo esse tipo de tratamento e ainda saber mais informações sobre seus efeitos colaterais, o Hospital de Amor traz uma entrevista exclusiva com o oncologista clínico da instituição, Dr. Luís Eduardo Zucca. Confira!

1) Qual é o principal objetivo da quimioterapia no tratamento de câncer?
R.: Existem 4 tipos de tratamento com quimioterapia:
• A quimioterapia neoadjuvante: esse tipo de quimioterapia é utilizado antes de um tratamento curativo para um tumor localizado. Geralmente, faz-se sessões de quimioterapia para tentar a redução do tumor e, assim, no tratamento curativo (seja ele com radioterapia ou cirurgia), o resultado ser mais efetivo e eficaz. Dessa forma, há menos riscos do desenvolvimento de comorbidades (surgimento de outras doenças em simultâneo) para o paciente.

• A quimioterapia adjuvante: utilizada após um tratamento curativo (seja ele em cirurgia ou radioterapia), tem o objetivo de diminuir e tentar matar todas as micrometástases (células cancerígenas se multiplicam num local distante para formar pequenos tumores) que possivelmente possam ter ficado no corpo, diminuindo assim as chances do câncer voltar.

• A quimioterapia paliativa: como o próprio nome diz, serve para paliar (amenizar) os sintomas dos pacientes. Podem ser pacientes que estejam com dor (proporcionando a melhora a deles com o uso da quimioterapia) e, por última instância, para melhorar a sobrevida com medicamentos quimioterápicos paliativos nos casos de pacientes com tumores metastáticos (quando o câncer se espalha além do local de origem para outras partes do corpo).

• A quimioterapia concomitante à radioterapia: nestes casos, a quimioterapia serve como um veículo para aumentar a potência da radioterapia.

2) Ela é indicada para quais tipos de tumores?
R.: A quimioterapia (seja ela neoadjuvante, adjuvante, paliativa ou concomitante à radioterapia) é indicada para a maioria dos tumores malignos.

3) Como é realizado o procedimento?
R.: Existem, basicamente, 2 tipos principais de procedimentos quimioterápicos: a quimioterapia intravenosa (pela veia), na qual o paciente é puncionado por uma veia periférica ou mesmo por um port-a-cath (dispositivo colocado pelo cirurgião dentro de uma veia mais calibrosa – aquelas com maior dilatação – no corpo do paciente); e a quimioterapia injetável, que é feita em ambientes preparados para receber a quimioterapia com um enfermeiro especializado. Geralmente, os pacientes ficam de 30 minutos até 6 horas fazendo quimioterapia intravenosa. Além disso, existem também as quimioterapias administradas por via oral, nas quais o paciente leva para casa os comprimidos orais e ingere de acordo com o esquema quimioterápico que o médico fornece para ele.

4) Existe mais de um tipo de quimioterapia?
R.: Existem vários tipos de quimioterapias, desde as específicas para certo tipo de tumor, até a quimioterapia que nós tratamos para uma variedade de tumores.

5) Existem efeitos colaterais na utilização da quimioterapia? Quais?
R.: As quimioterapias têm alguns efeitos colaterais manejáveis. Dependendo do esquema de quimioterapia que o paciente recebe, podem ocasionar náuseas, vômitos, cansaço, fadiga e baixa energia. A questão central, também dependendo do esquema de quimioterapia, é que geralmente os tratamentos quimioterápicos não matam apenas as células ruins, atingindo células boas que se multiplicam rapidamente (como cabelo e unha). Então, alguns esquemas quimioterápicos podem ocasionar a queda de cabelo e algumas alterações, mas também as células de defesa do nosso corpo. Dessa forma, em alguns casos, elas podem deixar o nosso corpo mais vulnerável a infecções.

6) Quando esses efeitos aparecem, o que é preciso fazer?
R.: Quando qualquer um desses efeitos aparecer é necessário procurar o seu médico e procurar o hospital. Por exemplo, para os pacientes que estão fazendo quimioterapia e têm febre, a primeira recomendação indicada é a procura do Hospital para passar pela avaliação do médico, pois como a quimioterapia também mata as células boas, o corpo fica vulnerável à infecção. Uma vez que o paciente tenha infecção e células de defesa baixa, nós, médicos, precisamos iniciar antibióticos e terapias o mais rápido possível. Mas, existem outros efeitos colaterais também manejáveis, como náuseas, vômitos, fadigas, inclusive queda de cabelo.

7) Qual é o tempo mínimo e qual é o tempo máximo de duração da quimioterapia?
R.: Existem vários tempos de quimioterapia, desde as que duram 15 minutos, como a blaumicina; aquelas que podem durar o dia inteiro, como a cisplatina; ou até a quimioterapia que o paciente vai para casa com um dispositivo e a quimioterapia fica correndo durante 48 horas dentro do seu organismo.

8) O paciente que é submetido a esse tipo de tratamento pode seguir sua rotina de atividades/trabalho normalmente?
R.: Dependendo do tipo de quimioterapia e do esquema quimioterápico, sim, é possível viver normalmente, inclusive trabalhando, estudando, fazendo as atividades diárias. Isso porque, hoje em dia, a maioria dos efeitos colaterais é bastante controlável, porém, sempre é necessário respeitar o próprio corpo.

9) Em média, quais são os custos da quimioterapia?
R.: O custo da quimioterapia também é variável, desde quimioterapias mais baratas, até aquelas que custam de 20 a 30 mil reais por mês.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor.
Vindos de diferentes regiões do país e protagonistas de suas próprias histórias de luta e superação, os jovens pacientes da unidade infantojuvenil, com idades entre 14 e 16 anos, foram selecionados pelos médicos da instituição, de acordo com suas necessidades, para debutar neste evento especial. O grande presente? Ninguém pagou nada para participar! Foto: Paulo Villas Boas.

O dia 24 de julho vai ficar marcado na memória de 70 adolescentes em tratamento no Hospital de Amor Barretos. Uma noite digna de príncipes e princesas, com direito a valsa, roupas de gala, madrinhas, padrinhos e muitos artistas fizeram o tradicional “Baile de Debutantes” tornar-se inesquecível! A 8ª edição da grandiosa festa de 15 anos (sendo a 4ª exclusiva para os pacientes do HA) aconteceu no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata e contou com o tema ‘Cirque d’Amour’.

Liliane Caron é idealizadora do projeto Fadas Madrinhas e realiza há mais de 20 anos o sonho de adolescentes de todo Brasil. Foto: Paulo Villas Boas.

Vindos de diferentes regiões do país e protagonistas de suas próprias histórias de luta e superação, os jovens pacientes da unidade infantojuvenil, com idades entre 14 e 16 anos, foram selecionados pelos médicos da instituição, de acordo com suas necessidades, para debutar neste evento especial. O grande presente? Ninguém pagou nada para participar! A festa foi organizada pelo projeto ‘Fadas Madrinhas’, que reúne voluntários maquiadores, cabeleireiros, fotógrafos, estilista, buffet e artistas com um único objetivo: fazer esses meninos e meninas felizes.

De acordo com a idealizadora do projeto, Liliane Barros Marty Caron, a intenção de se realizar uma festa de 15 anos para adolescentes carentes surgiu depois de um sonho dela. “Eu sonhei que fazia 15 anos em uma grande festa. Tinha vestido longo, valsa e as minhas convidadas eram as meninas que eu visitava e ajudava. Era realmente um sonho. No dia seguinte, comecei a tornar isso realidade”, contou. Mesmo morando no Principado de Andorra (pequeno principado independente situado entre a França e a Espanha), Lili, como é carinhosamente conhecida, não hesitou em realizar mais uma edição do baile em prol dos pacientes do HA.

O 8º Baile de Debutantes contou com o tema ‘Cirque d’Amour’. Foto: Paulo Villas Boas.

Para o diretor médico da unidade infantojuvenil e grande apoiador do projeto, Dr. Luiz Fernando Lopes, dois dos melhores remédios para esses pacientes são o amor e a realização de sonhos. “É muito importante para esses pacientes deixar o ambiente hospitalar e vivenciar um momento como esse. É uma forma deles enxergarem que a doença não interrompe seus sonhos. Isso é humanização”, afirmou o médico.

Após se deparar com a decoração impecável, meninos e meninas felizes e curtindo a festa dedicada a eles, a idealizadora se emocionou. “Estou me sentindo lisonjeada e muito agradecida. Acredito que a realização do baile de debutantes, pela terceira vez em parceria com o Hospital de Amor, tenha um propósito muito especial: o de levar essa linda festa até esses jovens que merecem momentos de alegria”, declarou Liliane.

E o conto de fadas só estaria completo com a presença de pessoas ilustres, certo? Por isso, o evento contou com a participação especial de alguns artistas e personalidades, como: Paulo Dalagnoli, Carla Prata, Danny Pink, as duplas Pedro Paulo & Alex e Augusto & Atílio, o influenciador Tulio Rocha, a estilista Martha Medeiros, entre outras celebridades. O som ficou por conta do DJ Guga Guizelini e um super show surpresa com o fenômeno da atualidade, Kevinho.

Personalidades do mundo fashion e gastronômico também apoiaram o projeto. A decoração ficou por conta de Roni Vieira e o cerimonial, pelas competentes Suzana Freire e Ana Araújo. Para vestir as debutantes, o estilista Marco Castioni, já as coroas de princesa ficaram por conta de Miguel Arcade. O buffet foi assinado por Danilo Borges, os drinks pela Flairs Bartenders, os doces, por Marina Magalhães e os bolos, por Andréia Fernandes Costa e Dona Baunilha Doceria.

A debutante Sabrina Ferreira e seu padrinho, o maquiador Cris Rozzini. Foto: Paulo Villas Boas.

Aprovação
Em 2014, a estudante Sabrina Ferreira da Silva, de 15 anos, veio de Ariquemes (RO) para realizar tratamento no Hospital de Amor contra um craniofaringioma. Apesar de já ter feito aniversário, ela ainda não tinha tido sua tão sonhada festa. “A festa foi do jeitinho que eu sonhei. A companhia das pessoas, a presença dos artistas, a decoração, comida, estava tudo perfeito! Fiquei muito feliz em conhecer o Kevinho, principalmente porque ele disse que nós somos as fãs mais lindas do mundo”, brinca a jovem.

O paciente Gabriel Domingues ao lado de sua madrinha, Dra. Alessandra Ministro. Foto: Paulo Villas Boas.

Quem também se sentiu feliz em ser escolhido para debutar foi o estudante e violeiro, Gabriel Domingues, de São Simão (GO). Diagnosticado com leucemia, o adolescente de 15 anos está há pouco mais de 5 meses em tratamento na instituição. “Quando eu cheguei e vi toda a estrutura, eu fiquei encantado. Eu achei que era uma festa como as outras, mas isso aqui é um sonho para qualquer pessoa. Superou todas as minhas expectativas, eu estou muito feliz”, finalizou.

E não foram apenas os pacientes do Hospital que aprovaram e se divertiram. Alguns artistas também se mostraram emocionados e felizes em fazer parte deste sonho. “Esse é o meu terceiro ano como parceiro do projeto Fadas Madrinhas e o que eu tenho a dizer é algo muito especial: a gente dá o presente, mas quem recebe o presente somos nós! Todas as pessoas precisam conhecer o trabalho realizado pelo Hospital de Amor, pois nós evoluímos como seres humanos e passamos a valorizar as pequenas coisas da vida”, comentou o ator Paulo Dalagnoli.

“Quando eu recebi o convite para participar do Baile de Debutantes, eu não pensei duas vezes. Fiz questão de estar aqui, pois sabemos o quanto o hospital faz por esses pacientes e o quanto essa festa é importante para a vida deles. Cada sorriso que recebemos é maravilhoso, é sempre uma troca mútua. Estou muito feliz em ter sido padrinho dessa noite” afirmou o YouTuber, Tulio Rocha.

“Eu estou muito feliz em estar participando, pela primeira vez, dessa festa maravilhosa. Só de saber que eu estou vivendo esse momento, fazendo a noite de alguém mais agradável e feliz, me deixa muito honrada” declarou Carla Prata.

A festa reuniu atrações e celebridades para dançar a tradicional valsa com os debutantes. Foto: Paulo Villas Boas.

Sobre o Fadas Madrinhas
O projeto Fadas Madrinhas é uma produção independente, de iniciativa privada e sem fins lucrativos, da empresária Liliane Barros Marty Caron, que realiza há mais de 20 anos o sonho de adolescentes de todo Brasil. A missão ė realizar sonhos de jovens com histórias de vida marcantes, sem condições de realizar, com recursos próprios ou familiares, o desejo de ter uma grande festa de debutantes.

Todo o projeto, que já impactou a vida de mais de 500 adolescentes, é mantido através de ações solidárias, como jantares, bazares, rifas e apoio de amigos, voluntários e simpatizantes à causa.
O projeto chega a receber mais de cinco mil cartas por ano, e a dura tarefa tem sido escolher, entre tantas histórias, quais as selecionadas. Praticamente em todas as cartas, os jovens falam da importância de não desistirem dos próprios sonhos, apesar de demonstrarem todas as dificuldades do seu dia a dia e a luta pela superação.

Informações sobre edições anteriores ou sobre como apoiar o projeto Fadas Madrinhas podem ser obtidas acessando o site: www.projetofadasmadrinhas.com.br. Fanpage: Baile de Debutantes #projetofadasmadrinhas ou pelo Instagram: @fadas_madrinhas.

Produção e edição do vídeo: Guilherme Burgos.

Ter os avós em nossas vidas é uma dádiva! Eles são conselheiros, companheiros, amigos, educadores, acolhedores. Possuem todo amor e carinho do mundo armazenados dentro deles e, através desses sentimentos, criam vínculos especiais com seus netos. Eles podem ser velhinhos, mais jovens, cumprir seus papeis de avós ou, muitas vezes, até mesmo de pais. Independentemente da situação e da função que assumem, eles são fundamentais na vida das crianças.

Pensando nisso e após uma pesquisa que teve como tema “O impacto do câncer na família de crianças e adolescentes: a percepção, visão e apoio dos avós”, realizada pelo diretor médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, profissionais da unidade do HA desenvolveram um projeto especial de acolhimento, cuidado e apoio para os avós que acompanham seus netos durante o tratamento de câncer na instituição: o “Encontro de Avós”. “Dentre os familiares, os avós possuem um papel muito importante no suporte aos netos em tratamento, como também aos filhos, genros e noras que passam a lidar com a doença. Alguns avós desempenham uma função parental com seus netos e tornam-se a figura central das relações familiares. Estudos comprovam que os avós sofrem duplamente quando um neto está enfrentando o câncer: pelo próprio neto e pelo filho, por isso, sentimos a necessidade de cuidar deles também”, afirmou a coordenadora do projeto e psicóloga do Hospital de Amor Infantojuvenil, Patrícia Barberá Gallego.

Além dela, o médico responsável pela pesquisa e a psicóloga residente, Fernanda Prado Brocchi, coordenam a iniciativa, que visa proporcionar um espaço de acolhimento, escuta e reflexão para as vivências que afetam os avós ao acompanhar seus netos durante o tratamento de câncer. Através do compartilhamento de experiências, os profissionais buscam fornecer suporte emocional e possibilitar a construção de sentidos para as experiências dos participantes.

A avó Valdelucia veio do Pará para acompanhar seu neto, João Lucas, no tratamento contra o câncer no Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com a psicóloga, os encontros contam com recursos artísticos (poemas, imagens, músicas, etc.) para sensibilizar os participantes e servir como abertura para as discussões e troca de experiências entre os membros. A partir disso, os coordenadores passam a mediar e conduzir as conversas, impulsionando a expressão de sentimentos e vivências, direcionadas pelos próprios avós e baseadas em suas emoções do momento. “Ao proporcionar um espaço de escuta e acolhimento aos avós, pretendemos fortalecer a relação deles com o Hospital e, principalmente, com seus netos e com o modo de enfretamento da doença. Auxiliando essas pessoas, que são verdadeiros cuidadores, estaremos auxiliando também, indiretamente, a maneira com que os pequenos pacientes da instituição enfrentarão a difícil luta contra o câncer”, esclareceu Patrícia.

O papel de avó e mãe
Quem olha a Valdelucia Sousa Pereira, de 39 anos, e João Lucas Siqueira Lima, de apenas 1 ano e 8 meses, não imagina a história de amor incondicional e superação que os dois trazem. Apesar da pouca idade a aparência bem jovem, a avó cumpriu sua função com maestria: decidiu largar tudo e todos em São Félix do Xingu, no Pará, para acompanhar o neto em tratamento no Hospital de Amor Infantojuvenil.

Eles viajaram quatro dias até Barretos (SP) e estão residindo, há uma semana, no Lar de Amor (casa de apoio da instituição). “A mãe do João, minha filha, sofre de depressão e ficou no Pará cuidando da irmãzinha dele. Como somos muito apegados, pois nós já morávamos juntos, eu preferi vir com ele”, contou.
Além da doença, a saudade de casa e de toda a família ainda é um obstáculo muito grande que os dois têm de enfrentar, mas juntos, graças à segurança, os ensinamentos e o afeto que somente os avós podem oferecer, eles vão tirar de letra.

Como participar do Encontro de Avós
O Encontro de Avós é voltado para os familiares de pacientes da unidade infantojivenil do Hospital de Amor, em Barretos (SP), e acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do hospital. Os interessados em participar das reuniões devem comparecer, no dia e horário indicados, sem agendamento prévio.

A origem da data
O Dia dos Avós, celebrado no dia 26 de julho, surgiu em homenagem à Santa Ana e São Joaquim – os pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo – considerados os padroeiros de todos os avós pela Igreja Católica. No dia 26 de julho de 1584, os avós de Jesus foram canonizados pelo Papa Gregório VII.

O “Encontro de Avós” acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do Hospital de Amor Infantojuvenil.

Publicado em 26 de jul de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares
A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens a partir dos 50 anos no Brasil, perdendo apenas para o câncer de pele não-melanoma.

“Novembro Azul” é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença ainda continua sendo o tipo de câncer mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele não-melanoma, e as maiores vítimas são homens a partir de 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença. Por se tratar de uma doença assintomática em fases iniciais, a melhor maneira de se detectar é através do exame de rastreamento (também conhecido como exame de toque) e de PSA (sigla de Antígeno Prostático Específico, que pode ser avaliado através de um exame de sangue simples). Esses dois, juntos, possuem uma capacidade de detecção maior para o câncer de próstata.

De acordo com o médico urologista e coordenador do departamento de urologia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre César Santos, em termos estatísticos, o câncer de próstata é responsável pela morte de 3% da população. “Há uma prevalência mais frequente, em torno de 16% dos homens da população em geral, que podem ser acometidos pela doença. Graças à campanha Novembro Azul, é possível perceber uma diminuição da mortalidade por esse tipo de tumor”, afirmou.

Diagnóstico
Para se ter um diagnóstico preciso do câncer de próstata, é realizado um rastreamento inicial, que leva em consideração outros fatores, como a raça e histórico familiar. Com base nisso, são feitos exames de rastreamento para detecção da doença. Caso o diagnóstico seja positivo, o paciente é encaminhado para iniciar o tratamento. Caso o diagnóstico seja negativo, é feita uma estratégia de prevenção: se os riscos forem baixos, os rastreamentos são anuais ou a cada dois ou três anos.

Prevenção
Pelo fato do câncer de próstata não apresentar sintoma em fases iniciais, os exames preventivos são muito importantes. A doença surge em uma região da próstata e, na maioria das vezes, os pacientes não sentem dor, não há sangramento na urina e não há dificuldade em urinar ou evacuar. Enquanto isso, o tumor continua crescendo na próstata deste homem.

Quando ele demora para fazer os exames preventivos, o diagnóstico é tardio e, na maioria das vezes, o tumor não está apenas na próstata, tendo já gerado metástase, acometendo ossos e outros órgãos. Nesta fase, não há mais cura para o paciente, apenas um tratamento paliativo dos sintomas.

Como prevenir?
As pessoas que possuem convênio ou planos de saúde devem procurar o urologista de confiança, relacionado ao convênio. Os pacientes que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que desejam realizar os exames de prevenção e que estão situados no Departamento Regional de Saúde de Barretos (DRS), devem fazer o agendamento junto ao projeto ‘Saúde do Homem’, no AME, através do 0800-779-000, onde são realizadas, gratuitamente, avaliações urológicas e cardíacas, com base em uma fila de espera. Já os homens que não têm acesso a essa possibilidade, devem procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência e solicitar ao médico o encaminhamento ou exame de rastreamento para a detecção do câncer de próstata.

Embora seja uma doença comum, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto, às vezes por medo ou até desinformação. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 75% dos casos de câncer de próstata são em homens com idade acima de 65 anos e, até 2018, as estimativas apontavam 68.220 novos casos e 15.391 mortes pela doença.
Para o gerente de captação de recursos, o encontro é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo.

Como diz o ditado popular: ‘depois da tempestade, vem a bonança’, e o propósito do ”Encontro Nacional de Coordenadores” do Hospital de Amor não é diferente! Depois de vestirem a camisa da solidariedade, abraçarem com muito amor e dedicação a causa, e desempenharem um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita e durante todo o ano, os coordenadores voluntários de eventos (leilão, quermesses, festas, almoços, ação entre amigos, etc.) se unem, em Barretos (SP), para comemorar.

Neste ano, o evento – que já é tradição e faz parte do calendário de ações do HA – aconteceu no dia 26 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, e reuniu mais de 1.000 pessoas. Com o objetivo de integrar os voluntários de todo o Brasil, eles tiveram a oportunidade de celebrar as conquistas alcançadas ao longo do ano, além de compartilhar as metas e desafios para 2020.

Emerson Rodrigues é coordenador voluntário de Bela Vista (MS).

O encontro contou com palestras ministradas pelo presidente da instituição, Henrique Prata, e pelo gerente de captação de recursos, Luiz Antônio Zardini. Os dois ressaltaram a importância do trabalho desenvolvido pelos coordenadores, na tentativa de diminuir o alto déficit mensal do hospital e melhorar, ainda mais, os atendimentos de excelência oferecidos aos pacientes. “De coração, eu agradeço a todos pela presença em mais esse encontro. Eu acho muito importante prestar contas pra vocês, dos nossos planos, dos nossos sonhos e projetos. Os tamanhos dos desafios que nos surgem são muito grandes e eu fico muito feliz de saber que eu consigo contar com cada um de vocês. Eu me apoio na fé para gerir essa obra e eu sei que vocês também são movidos por esse sentimento. Nossa instituição está vivendo uma experiência de crescimento que eu mesmo me impressiono com o que tem acontecido. Por isso, eu conto com vocês pra cada vez mais tragam mais pessoas para abraçar essa causa das mais diversas formas”, declarou o Henrique Prata.

Para o gerente de captação de recursos, o encontro é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo. “Eles são responsáveis por uma importante parte das receitas do Hospital. É um trabalho fundamental e muito amoroso. É gratificante ver a cumplicidade deles com a instituição e, sem dúvidas, é isso que mantém as portas abertas, oferecendo assistência e tratamento de qualidade”, afirmou Zardini.

Além disso, o radio-oncologista e coordenador do projeto de reabilitação Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; e a coordenadora do Centro de Transplante de Medula Óssea, Dra. Neysimelia Costa Villela, carinhosamente conhecida como Dra. Neysi, apresentaram seus departamentos e as novidades em tecnologia e tratamento que eles proporcionam aos pacientes do hospital.

Rita Lilian é coordenadora do município de Goiandira (GO).

Trabalho Voluntário
O coordenador voluntário Emerson Rodrigues, o Buiu, veio de Bela Vista (MS), na divisa com o Paraguai, andando mais de 1.000 KM e compareceu ao evento. Há 3 anos comandando o leilão de seu município, ele se sente completamente motivado a continuar esse trabalho de solidariedade. “É muito gratificante poder ajudar aquelas pessoas que precisam de um atendimento especializado. Quando surgiu a oportunidade de ocupar esse cargo, eu abracei de corpo, alma, mente e coração e, desde então, eu tenho feito esse trabalho. Faça tudo isso com muito amor! Estar aqui, trocando experiências com os meus colegas coordenadores de todo o país e buscando conhecimento junto a equipe do HA é maravilhoso”, contou.

A coordenadora do município de Goiandira (GO), Rita Lilian, esteve pela primeira vez no encontro e ficou encantada com o evento. “Tive o prazer de realizar o primeiro leilão na minha cidade e o prazer maior de estar aqui, nesta festa linda dedicada aos coordenadores. Acredito que o motivo maior de ajudarmos essa instituição é confiar e respeitar o trabalho que é desenvolvido aqui. Só quem conhece, consegue sentir esse amor que é o Hospital de Amor. Vale muito a pena!”, finalizou Rita.

O evento, que já é tradição e faz parte do calendário de ações do HA, reuniu mais de 1.000 voluntários, com o objetivo refletir sobre o trabalho e comemorar os feitos de 2019.
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição e alguns de seus principais projetos.

Uma visita especial marcou o Hospital de Amor neste dia 25 de outubro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição (como a unidade infantojuvenil e o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrica -TMO), e alguns de seus principais projetos (como o de reabilitação, Bella Vita).

Entre os setores visitados, a primeira-dama conheceu o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico e o projeto de reabilitação, Bella Vita.

Após o almoço, Michelle se reuniu com centenas de pessoas, entre voluntários, diretores e colaboradores do HA, além de políticos e representantes, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, para fazer uma palestra sobre o Programa Pátria Voluntária, o qual preside.

Durante a cerimônia, o gerente de captação de recursos do Hospital de Amor, Luiz Antônio Zardini, falou sobre a importância do trabalho voluntário para o mundo e, especialmente, para os pacientes do hospital. “O voluntário é um visionário, pois ele consegue enxergar a fraternidade e o amor. Eles são presença de Deus junto aos pacientes, seja no hospital ou em suas residências. Afinal, não basta servir, é preciso amar!”, afirmou.

A coordenadora do departamento de Recursos Humanos da instituição, Renata Paschoal, explicou sobre os dois tipos de voluntariado que existem no HA (o que é conduzido pela Associação Voluntária de Combate ao Câncer – AVCC – e o que é gerenciado pelo departamento de Projetos Sociais da instituição) e suas diversas áreas de atuação.

Em seguida, a primeira-dama falou sobre a “Pátria Voluntária” e sua missão: fomentar a cultura do voluntariado do Brasil, contribuindo com um país mais justo, inclusivo e social. “Estou muito feliz em estar aqui e muito honrada em ser intitulada ‘Madrinha do projeto de reabilitação não oncológica Dream’, pois a reabilitação é tão importante quanto o tratamento. Muito obrigada!”, declarou Michelle.

Da esquerda para a direita: deputada federal, Silvia Chagas; presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; prefeito municipal de Barretos (SP), Guilherme de Ávila; coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; primeira-dama, Michelle Bolsonaro; deputada federal, Katia Sastre; e secretário de saúde de Araguaína (TO), Jean Coutinho.

Para comprovar isso e na tentativa de superar seus próprios limites, o Coral ‘Papo Furado’ – composto por pacientes laringectomizados, ou seja, que retiraram a laringe por causa do câncer – se apresentou e emocionou a todos, entoando a música ‘É preciso saber viver, do Titãs.

O rádio-oncologista e coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi, explicou sobre o trabalho de reabilitação do Hospital de Amor e enalteceu seu principal objetivo, que é oferecer aos pacientes condições dignas para se reinserir na sociedade, ser integrado e incluído. “Hoje a nossa instituição dá um grande passo, pois vamos construir o melhor centro de reabilitação não oncológica da América Latina, o ‘Dream’, que receberá o nome da nossa primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Grandes sonhos só se tornam realidade com pessoas que acreditam nele, por isso, não posso deixar de homenagear o prefeito Guilherme de Ávila; a deputada federal, Katia Sastre (responsável pela doação da ala dos surdos no novo centro); a deputada federal, Silvia Chagas; e o secretário de saúde de Araguaína, Jean Coutinho (representando o prefeito Ronaldo Dimas), que levará uma outra unidade deste centro para o estado do Tocantins. E como um grande sonho deve estar nas mãos de uma grande pessoa, convidamos a senhora Michelle Bolsonaro para ser a madrinha”, explicou o médico.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, esse dia vai ficar escrito na história do HA. “Quem tem amor dentro do hospital, não limita seus sonhos, e quando o Dr. Daniel me desenhou esse projeto, eu senti que ele foi escolhido por Deus para fazer, com muita competência, o maior complexo de reabilitação da América Latina. E a Michelle nos mostrou que seu coração é igual ao nosso e nos acolheu com esse sonho. Muito obrigado! O Hospital de Amor tem o maior orgulho em tê-la no ‘quadro da família HA’”, finalizou.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.
Quem se cuida, voa mais longe - Azul Linhas Aéreas e Hospital de Amor

Uma importante parceria entre o Hospital de Amor e a Azul Linhas Aéreas tem beneficiado de maneira muito significativa mulheres atendidas pelas unidades de prevenção do hospital espalhadas pelo Brasil. A Azul tem o “Outubro Rosa” – mês de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama –  como sua maior causa social e, há 9 anos, trabalha em ações relacionadas à prevenção e à detecção precoce da doença. Desde 2017, a empresa passou a desenvolver projetos que contribuem com o trabalho de qualidade e humanização que é desenvolvido pelo Hospital de Amor.

A 2ª edição da premiação do concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória” ocorreu no último 18/10, em Barretos (SP).

As iniciativas, que vão desde o “Conexão Azul Rosa” – que já proporcionou com que mais de 90 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, vindas das diversas regiões do Brasil, tivessem a oportunidade de chegar a um centro especializado de tratamento com o conforto e a agilidade que uma viagem de avião podem oferecer; passando pela coleção “Outubro Rosa” da Azul Collection – que é a linha de produtos oficiais da Azul – que também beneficia a instituição; até o concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória” – uma ação ligada à unidade de negócios da Azul (Azul Viagens),  que oferece uma viagem incrível para pacientes com um acompanhante.

Para a coordenadora de responsabilidade social da companhia aérea, Ivana Nascimento, a parceria entre a Azul e o HA tem trazido resultados muito satisfatórios e tende a se expandir cada vez mais. “Nós sabemos o quanto essas iniciativas têm rendido bons frutos e esperamos que elas durem por muito mais tempo. O impacto social que elas trazem é muito grande e positivo”, afirmou.

“Nosso instituto conta com várias iniciativas que visam integrar cultura, saúde e ciência, em busca de trazer à sociedade uma abordagem da temática do câncer  que pode ser pensada a partir de atividades lúdicas que vão além do universo da doença, a partir de vivências e linguagens que estimulam a humanização dos processos de prevenção, tratamento e cura, e isso se alinha perfeitamente ao que a Azul quer proporcionar a essas pacientes”, explicou a coordenadora de projetos do Instituto Sociocultural do Hospital de Amor, Marcella Marchioreto.

Eliane da Silva e Sirlei David foram as vencedoras da edição 2019 do concurso de cartas.

Premiando histórias inspiradoras
Na última sexta-feira, 18 de outubro, aconteceu a segunda edição da premiação do concurso de cartas “Próximo Destino: a Vitória”, que é realizado numa parceria entre a Azul Viagens e o Instituto Sociocultural do Hospital de Amor. Na cerimônia, duas pacientes – Eliane Rodrigues da Silva e Sirlei Mantovani David – foram contempladas com uma viagem com acompanhante para o Nordeste (podendo optar entre os destinos de Fortaleza/CE e Natal/RN), com tudo pago. Para Sirlei, que vai levar o filho como acompanhante, a conquista foi algo que veio na hora certa. “Eu acho que já estava escrito por Deus, pois, eu sempre sonhei em conhecer uma praia do Nordeste. Meu filho não conhece a praia, e eu sempre quis dar uma viagem para ele”. Eliana já sabe exatamente quem será sua companheira de viagens: a irmã, Erodite. “Ela é mais do que uma irmã. Sempre esteve do meu lado nas lutas, e agora não vai ser diferente”, relatou.

Em seu primeiro ano, o concurso premiou outros duas pacientes que lutaram contra o câncer de mama. Uma dessas mulheres, Luzia Silva, também participou da cerimônia de 2019 e contou sua experiência. O encontro reuniu ainda representantes da Azul, profissionais que atuam no voluntariado da empresa e colaboradores do HA.

Você pode conferir as cartas das duas pacientes ganhadoras deste ano, clicando aqui.

Um voo Azul Rosa
Outra convidada especial abrilhantou ainda mais o evento de celebração dessa parceria de sucesso. A sul-mato-grossense, Zaira Leite, uma das mais de 90 mulheres beneficiadas com o projeto “Conexão Azul Rosa”, trouxe seu relato de esperança, reforçando o impacto dessas ações na vida das pacientes do hospital. “Essa viagem de avião deixou meu tratamento mais leve. É muito difícil lutar contra o câncer e essa, sem dúvida, foi uma aventura que transformou completamente meu tratamento, de uma maneira muito positiva”, declarou.

Uma coleção que salva vidas
Apoiar a causa do “Outubro Rosa” é muito mais fácil com a Azul Collection. A linha de produtos inclui camisetas, chaveiros, copos, bloco de notas, meias e muito mais. Para adquirir os itens solidários, basta clicar no banner abaixo ou acessar o link: www.azulcollection.com.br/outubro-rosa.

 

 

o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’, que ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus.

“Alecrim, alecrim dourado, que nasceu no campo sem ser semeado”. Desde muito cedo, as comidinhas já estão no imaginário das crianças. O bom mesmo é quando podem ser degustadas de maneira saudável e segura.

O consumo de alimentos orgânicos pode contribuir com uma boa saúde, embora, muitas vezes, seja um grande desafio devido à correria do dia a dia. Pensando em oferecer alimentos de qualidade e entretenimento aos acompanhantes do Hospital de Amor Infantojuvenil, o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’. A ação ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus, que é administrado pela equipe do hospital e fica localizado a uma quadra da unidade pediátrica da instituição.

O projeto que teve início em maio deste ano, consiste em reunir os acompanhantes dos pacientes para plantarem e cuidarem das hortaliças na horta comunitária. De acordo com a gerente do Lar de Amor, Lilian Borges, que chefia as atividades, a instituição tem buscado olhar para os pacientes também fora do hospital. “Sabemos que em relação ao tratamento, nós oferecemos o melhor nos mais diversos aspectos, mas quando o paciente está fora do hospital, nos alojamentos ou em casas, infelizmente, eles acabam ficando ociosos e, muitas vezes, ficam tristes, já que muitos pais precisam abrir mão de seus ofícios, hobbies e do convívio com seus familiares e amigos. Esses fatores contribuíram para iniciarmos a hortinha”, declara Lilian.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), através de um projeto de extensão, que agrega com experimentos práticos de química e biologia, permitindo assim aproximar a teoria da prática. Atualmente, dois alunos do IFSP vão semanalmente até o alojamento, onde ensinam sobre o manejo das mudas e das plantas, sempre com supervisão dos professores do instituto.

Para José Carlos Trindade, pai do paciente Keivinson Ricardo, de 10 anos, natural do estado da Bahia, poder passar o tempo na horta funciona como uma terapia. “Estar aqui e poder ajudar é muito bom. Gosto muito quando nós podemos mexer na terra e plantar na horta, dá até saudade de casa”, afirma o lavrador que também é beneficiado pelo projeto, já que vive com o seu filho no alojamento há quatro meses.

De acordo com a nutricionista responsável pela unidade infantojuvenil, Mariana Murra, o consumo de alimentos ricos em agrotóxicos não apenas pelos pacientes, mas por todas as pessoas, é alarmante. A profissional afirma que consumir alimentos orgânicos, como os da horta comunitária, é mais seguro e mais saboroso, o que também contribui para gerar incentivo à uma alimentação mais saudável e balanceada, já que o consumo de alimentos mais seguros nutricionalmente pode aumentar o consumo da chamada “boa comida”.

A alimentação e o tratamento de câncer
Os alimentos orgânicos são os que utilizam técnicas que respeitam o meio ambiente, de modo que não há a utilização de agrotóxicos, nem outros produtos quem possam causar danos à saúde.
A nutricionista afirma que durante as diferentes fases do tratamento, as crianças ficam limitadas a ingerir alimentos crus, o que pode resultar em dificuldade alimentares no futuro. Por este motivo, durante todas as etapas do tramento, incentivar uma alimentação balanceada é extremamente importante. Além das diversas verduras, como alface, almeirão, couve, entre outras possibilidades, os temperos naturais também podem ser cultivados na horta, como: salsinha, cebolinha, hortelã, orégano, manjericão, alecrim, etc.

Mariana também ressalta que a alimentação não saudável é um dos fatores que podem contribuir com o desenvolvimento do câncer. “Quando pensamos em uma alimentação saudável, rica em frutas e verduras (3 a 5 porções ao longo do dia), o próprio consumo contribui na prevenção de diferentes tipos de câncer. Porém, não há alimento milagrosos, há uma alimentação saudável e equilibrada que colabora com a prevenção (antes que a doença se estabeleça). Após a doença já ter se instalado, é importante alinhar o cardápio e evitar alimentos sem valor nutricional” diz Mariana. Também vale ressaltar que o equilíbrio é tudo, ou seja, uma alimentação correta também possui carboidratos, proteínas e gorduras, que devem ser fracionadas ao longo do dia.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Dentro de um centro de tratamento oncológico, o nutricionista exerce funções tanto na produção de refeições, quanto na área clínica.

O nutricionista é um profissional da área da saúde que estuda os alimentos e o efeito que eles produzem nos organismos. Ele pode atuar em diversas áreas, desde a prescrição de dietas para indivíduos até o acompanhamento de atletas profissionais, passando por pesquisa, entre outros.

No dia 31 de agosto é celebrado, anualmente, o Dia do Nutricionista – data que recorda a criação da Associação Brasileira de Nutricionistas (ABN), fundada no ano de 1949. O Hospital de Amor, preocupado em oferecer o melhor e mais digno tratamento aos seus pacientes, reconhece a importância deste especialista e aproveita a data para homenageá-lo.

Dentro de um centro de tratamento oncológico, este profissional exerce funções tanto na produção de refeições, quanto na área clínica. Os nutricionistas de produção acompanham toda a cadeia de recebimento até a distribuição dos alimentos, garantindo condições higiênico-sanitárias adequadas e qualidade no alimento servido ao paciente e ao colaborador da instituição. “O papel do nutricionista é fundamental para a boa saúde do indivíduo. Em um centro oncológico, esta função torna-se ainda mais importante, já que os pacientes, muitas vezes, estão com seu estado nutricional prejudicado pela doença ou pelo tratamento. Comer é uma ação simples, porém de um significado e de uma importância enorme. Devolver, facilitar e/ou melhorar esta atividade na vida de um indivíduo é mais do que nutrir o organismo, é alimentar sua esperança de viver melhor”, afirmou a coordenadora do departamento de nutrição do HA, Camila Avi.

Em média, 60% dos alimentos utilizados pelo Hospital de Amor vêm de doação.

Nutricionistas no Hospital de Amor
O departamento de nutrição do Hospital de Amor conta com 113 colaboradores (técnicos, administrativos e operacionais), dentre eles, 14 são nutricionistas, que se dividem entre as unidades: central, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso, Hospital Nossa Senhora, AME, alojamentos e creche.

São 3 toneladas (em média) de alimentos produzidas por dia e 200 mil (em média) refeições servidas por mês. E não são só os pacientes que recebem acompanhamento nutricional. De acordo com a coordenadora, o cardápio destinado aos colaboradores da instituição, que contém café da manhã, almoço, jantar e ceia, também é elaborado de forma balanceada, afim de atender todas as necessidades nutricionais. “Há um controle higiênico-sanitário para garantir a segurança alimentar e saúde do indivíduo. Além disso, em datas comemorativas, a equipe prepara um cardápio diferenciado, com o objetivo de acolher o funcionário, para que ele tenha uma refeição mais agradável”, esclareceu Camila.

A importância das doações
A mobilização da sociedade é de extrema relevância para o bom andamento do setor de nutrição do Hospital de Amor. Em média, 60% dos alimentos utilizados pela instituição vêm de doação.

Entre os alimentos doados mais solicitados, destacam-se: arroz, feijão, café, açúcar, óleo, leite, macarrão, fubá, sal, vinagre, achocolatado e biscoitos, por serem alimentos utilizados diariamente pela entidade.

O departamento de nutrição do HAr conta com 113 colaboradores (técnicos, administrativos e operacionais), dentre eles, 14 são nutricionistas, que se dividem entre as unidades: central, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso, Hospital Nossa Senhora, AME, alojamentos e creche.
Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

No Hospital de Amor, são realizados mais de 300 procedimentos quimioterápicos por dia.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Estes remédios se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células ruins que estão formando a doença e impedindo, também, que elas se espalhem pelo organismo.
Para esclarecer as principais dúvidas sobre a quimioterapia e sua importância na luta contra o câncer, eliminar os mitos envolvendo esse tipo de tratamento e ainda saber mais informações sobre seus efeitos colaterais, o Hospital de Amor traz uma entrevista exclusiva com o oncologista clínico da instituição, Dr. Luís Eduardo Zucca. Confira!

1) Qual é o principal objetivo da quimioterapia no tratamento de câncer?
R.: Existem 4 tipos de tratamento com quimioterapia:
• A quimioterapia neoadjuvante: esse tipo de quimioterapia é utilizado antes de um tratamento curativo para um tumor localizado. Geralmente, faz-se sessões de quimioterapia para tentar a redução do tumor e, assim, no tratamento curativo (seja ele com radioterapia ou cirurgia), o resultado ser mais efetivo e eficaz. Dessa forma, há menos riscos do desenvolvimento de comorbidades (surgimento de outras doenças em simultâneo) para o paciente.

• A quimioterapia adjuvante: utilizada após um tratamento curativo (seja ele em cirurgia ou radioterapia), tem o objetivo de diminuir e tentar matar todas as micrometástases (células cancerígenas se multiplicam num local distante para formar pequenos tumores) que possivelmente possam ter ficado no corpo, diminuindo assim as chances do câncer voltar.

• A quimioterapia paliativa: como o próprio nome diz, serve para paliar (amenizar) os sintomas dos pacientes. Podem ser pacientes que estejam com dor (proporcionando a melhora a deles com o uso da quimioterapia) e, por última instância, para melhorar a sobrevida com medicamentos quimioterápicos paliativos nos casos de pacientes com tumores metastáticos (quando o câncer se espalha além do local de origem para outras partes do corpo).

• A quimioterapia concomitante à radioterapia: nestes casos, a quimioterapia serve como um veículo para aumentar a potência da radioterapia.

2) Ela é indicada para quais tipos de tumores?
R.: A quimioterapia (seja ela neoadjuvante, adjuvante, paliativa ou concomitante à radioterapia) é indicada para a maioria dos tumores malignos.

3) Como é realizado o procedimento?
R.: Existem, basicamente, 2 tipos principais de procedimentos quimioterápicos: a quimioterapia intravenosa (pela veia), na qual o paciente é puncionado por uma veia periférica ou mesmo por um port-a-cath (dispositivo colocado pelo cirurgião dentro de uma veia mais calibrosa – aquelas com maior dilatação – no corpo do paciente); e a quimioterapia injetável, que é feita em ambientes preparados para receber a quimioterapia com um enfermeiro especializado. Geralmente, os pacientes ficam de 30 minutos até 6 horas fazendo quimioterapia intravenosa. Além disso, existem também as quimioterapias administradas por via oral, nas quais o paciente leva para casa os comprimidos orais e ingere de acordo com o esquema quimioterápico que o médico fornece para ele.

4) Existe mais de um tipo de quimioterapia?
R.: Existem vários tipos de quimioterapias, desde as específicas para certo tipo de tumor, até a quimioterapia que nós tratamos para uma variedade de tumores.

5) Existem efeitos colaterais na utilização da quimioterapia? Quais?
R.: As quimioterapias têm alguns efeitos colaterais manejáveis. Dependendo do esquema de quimioterapia que o paciente recebe, podem ocasionar náuseas, vômitos, cansaço, fadiga e baixa energia. A questão central, também dependendo do esquema de quimioterapia, é que geralmente os tratamentos quimioterápicos não matam apenas as células ruins, atingindo células boas que se multiplicam rapidamente (como cabelo e unha). Então, alguns esquemas quimioterápicos podem ocasionar a queda de cabelo e algumas alterações, mas também as células de defesa do nosso corpo. Dessa forma, em alguns casos, elas podem deixar o nosso corpo mais vulnerável a infecções.

6) Quando esses efeitos aparecem, o que é preciso fazer?
R.: Quando qualquer um desses efeitos aparecer é necessário procurar o seu médico e procurar o hospital. Por exemplo, para os pacientes que estão fazendo quimioterapia e têm febre, a primeira recomendação indicada é a procura do Hospital para passar pela avaliação do médico, pois como a quimioterapia também mata as células boas, o corpo fica vulnerável à infecção. Uma vez que o paciente tenha infecção e células de defesa baixa, nós, médicos, precisamos iniciar antibióticos e terapias o mais rápido possível. Mas, existem outros efeitos colaterais também manejáveis, como náuseas, vômitos, fadigas, inclusive queda de cabelo.

7) Qual é o tempo mínimo e qual é o tempo máximo de duração da quimioterapia?
R.: Existem vários tempos de quimioterapia, desde as que duram 15 minutos, como a blaumicina; aquelas que podem durar o dia inteiro, como a cisplatina; ou até a quimioterapia que o paciente vai para casa com um dispositivo e a quimioterapia fica correndo durante 48 horas dentro do seu organismo.

8) O paciente que é submetido a esse tipo de tratamento pode seguir sua rotina de atividades/trabalho normalmente?
R.: Dependendo do tipo de quimioterapia e do esquema quimioterápico, sim, é possível viver normalmente, inclusive trabalhando, estudando, fazendo as atividades diárias. Isso porque, hoje em dia, a maioria dos efeitos colaterais é bastante controlável, porém, sempre é necessário respeitar o próprio corpo.

9) Em média, quais são os custos da quimioterapia?
R.: O custo da quimioterapia também é variável, desde quimioterapias mais baratas, até aquelas que custam de 20 a 30 mil reais por mês.

A quimioterapia é um dos principais tipos de tratamento no combate ao câncer. Trata-se de uma terapia que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor.
Vindos de diferentes regiões do país e protagonistas de suas próprias histórias de luta e superação, os jovens pacientes da unidade infantojuvenil, com idades entre 14 e 16 anos, foram selecionados pelos médicos da instituição, de acordo com suas necessidades, para debutar neste evento especial. O grande presente? Ninguém pagou nada para participar! Foto: Paulo Villas Boas.

O dia 24 de julho vai ficar marcado na memória de 70 adolescentes em tratamento no Hospital de Amor Barretos. Uma noite digna de príncipes e princesas, com direito a valsa, roupas de gala, madrinhas, padrinhos e muitos artistas fizeram o tradicional “Baile de Debutantes” tornar-se inesquecível! A 8ª edição da grandiosa festa de 15 anos (sendo a 4ª exclusiva para os pacientes do HA) aconteceu no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata e contou com o tema ‘Cirque d’Amour’.

Liliane Caron é idealizadora do projeto Fadas Madrinhas e realiza há mais de 20 anos o sonho de adolescentes de todo Brasil. Foto: Paulo Villas Boas.

Vindos de diferentes regiões do país e protagonistas de suas próprias histórias de luta e superação, os jovens pacientes da unidade infantojuvenil, com idades entre 14 e 16 anos, foram selecionados pelos médicos da instituição, de acordo com suas necessidades, para debutar neste evento especial. O grande presente? Ninguém pagou nada para participar! A festa foi organizada pelo projeto ‘Fadas Madrinhas’, que reúne voluntários maquiadores, cabeleireiros, fotógrafos, estilista, buffet e artistas com um único objetivo: fazer esses meninos e meninas felizes.

De acordo com a idealizadora do projeto, Liliane Barros Marty Caron, a intenção de se realizar uma festa de 15 anos para adolescentes carentes surgiu depois de um sonho dela. “Eu sonhei que fazia 15 anos em uma grande festa. Tinha vestido longo, valsa e as minhas convidadas eram as meninas que eu visitava e ajudava. Era realmente um sonho. No dia seguinte, comecei a tornar isso realidade”, contou. Mesmo morando no Principado de Andorra (pequeno principado independente situado entre a França e a Espanha), Lili, como é carinhosamente conhecida, não hesitou em realizar mais uma edição do baile em prol dos pacientes do HA.

O 8º Baile de Debutantes contou com o tema ‘Cirque d’Amour’. Foto: Paulo Villas Boas.

Para o diretor médico da unidade infantojuvenil e grande apoiador do projeto, Dr. Luiz Fernando Lopes, dois dos melhores remédios para esses pacientes são o amor e a realização de sonhos. “É muito importante para esses pacientes deixar o ambiente hospitalar e vivenciar um momento como esse. É uma forma deles enxergarem que a doença não interrompe seus sonhos. Isso é humanização”, afirmou o médico.

Após se deparar com a decoração impecável, meninos e meninas felizes e curtindo a festa dedicada a eles, a idealizadora se emocionou. “Estou me sentindo lisonjeada e muito agradecida. Acredito que a realização do baile de debutantes, pela terceira vez em parceria com o Hospital de Amor, tenha um propósito muito especial: o de levar essa linda festa até esses jovens que merecem momentos de alegria”, declarou Liliane.

E o conto de fadas só estaria completo com a presença de pessoas ilustres, certo? Por isso, o evento contou com a participação especial de alguns artistas e personalidades, como: Paulo Dalagnoli, Carla Prata, Danny Pink, as duplas Pedro Paulo & Alex e Augusto & Atílio, o influenciador Tulio Rocha, a estilista Martha Medeiros, entre outras celebridades. O som ficou por conta do DJ Guga Guizelini e um super show surpresa com o fenômeno da atualidade, Kevinho.

Personalidades do mundo fashion e gastronômico também apoiaram o projeto. A decoração ficou por conta de Roni Vieira e o cerimonial, pelas competentes Suzana Freire e Ana Araújo. Para vestir as debutantes, o estilista Marco Castioni, já as coroas de princesa ficaram por conta de Miguel Arcade. O buffet foi assinado por Danilo Borges, os drinks pela Flairs Bartenders, os doces, por Marina Magalhães e os bolos, por Andréia Fernandes Costa e Dona Baunilha Doceria.

A debutante Sabrina Ferreira e seu padrinho, o maquiador Cris Rozzini. Foto: Paulo Villas Boas.

Aprovação
Em 2014, a estudante Sabrina Ferreira da Silva, de 15 anos, veio de Ariquemes (RO) para realizar tratamento no Hospital de Amor contra um craniofaringioma. Apesar de já ter feito aniversário, ela ainda não tinha tido sua tão sonhada festa. “A festa foi do jeitinho que eu sonhei. A companhia das pessoas, a presença dos artistas, a decoração, comida, estava tudo perfeito! Fiquei muito feliz em conhecer o Kevinho, principalmente porque ele disse que nós somos as fãs mais lindas do mundo”, brinca a jovem.

O paciente Gabriel Domingues ao lado de sua madrinha, Dra. Alessandra Ministro. Foto: Paulo Villas Boas.

Quem também se sentiu feliz em ser escolhido para debutar foi o estudante e violeiro, Gabriel Domingues, de São Simão (GO). Diagnosticado com leucemia, o adolescente de 15 anos está há pouco mais de 5 meses em tratamento na instituição. “Quando eu cheguei e vi toda a estrutura, eu fiquei encantado. Eu achei que era uma festa como as outras, mas isso aqui é um sonho para qualquer pessoa. Superou todas as minhas expectativas, eu estou muito feliz”, finalizou.

E não foram apenas os pacientes do Hospital que aprovaram e se divertiram. Alguns artistas também se mostraram emocionados e felizes em fazer parte deste sonho. “Esse é o meu terceiro ano como parceiro do projeto Fadas Madrinhas e o que eu tenho a dizer é algo muito especial: a gente dá o presente, mas quem recebe o presente somos nós! Todas as pessoas precisam conhecer o trabalho realizado pelo Hospital de Amor, pois nós evoluímos como seres humanos e passamos a valorizar as pequenas coisas da vida”, comentou o ator Paulo Dalagnoli.

“Quando eu recebi o convite para participar do Baile de Debutantes, eu não pensei duas vezes. Fiz questão de estar aqui, pois sabemos o quanto o hospital faz por esses pacientes e o quanto essa festa é importante para a vida deles. Cada sorriso que recebemos é maravilhoso, é sempre uma troca mútua. Estou muito feliz em ter sido padrinho dessa noite” afirmou o YouTuber, Tulio Rocha.

“Eu estou muito feliz em estar participando, pela primeira vez, dessa festa maravilhosa. Só de saber que eu estou vivendo esse momento, fazendo a noite de alguém mais agradável e feliz, me deixa muito honrada” declarou Carla Prata.

A festa reuniu atrações e celebridades para dançar a tradicional valsa com os debutantes. Foto: Paulo Villas Boas.

Sobre o Fadas Madrinhas
O projeto Fadas Madrinhas é uma produção independente, de iniciativa privada e sem fins lucrativos, da empresária Liliane Barros Marty Caron, que realiza há mais de 20 anos o sonho de adolescentes de todo Brasil. A missão ė realizar sonhos de jovens com histórias de vida marcantes, sem condições de realizar, com recursos próprios ou familiares, o desejo de ter uma grande festa de debutantes.

Todo o projeto, que já impactou a vida de mais de 500 adolescentes, é mantido através de ações solidárias, como jantares, bazares, rifas e apoio de amigos, voluntários e simpatizantes à causa.
O projeto chega a receber mais de cinco mil cartas por ano, e a dura tarefa tem sido escolher, entre tantas histórias, quais as selecionadas. Praticamente em todas as cartas, os jovens falam da importância de não desistirem dos próprios sonhos, apesar de demonstrarem todas as dificuldades do seu dia a dia e a luta pela superação.

Informações sobre edições anteriores ou sobre como apoiar o projeto Fadas Madrinhas podem ser obtidas acessando o site: www.projetofadasmadrinhas.com.br. Fanpage: Baile de Debutantes #projetofadasmadrinhas ou pelo Instagram: @fadas_madrinhas.

Produção e edição do vídeo: Guilherme Burgos.

Ter os avós em nossas vidas é uma dádiva! Eles são conselheiros, companheiros, amigos, educadores, acolhedores. Possuem todo amor e carinho do mundo armazenados dentro deles e, através desses sentimentos, criam vínculos especiais com seus netos. Eles podem ser velhinhos, mais jovens, cumprir seus papeis de avós ou, muitas vezes, até mesmo de pais. Independentemente da situação e da função que assumem, eles são fundamentais na vida das crianças.

Pensando nisso e após uma pesquisa que teve como tema “O impacto do câncer na família de crianças e adolescentes: a percepção, visão e apoio dos avós”, realizada pelo diretor médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, profissionais da unidade do HA desenvolveram um projeto especial de acolhimento, cuidado e apoio para os avós que acompanham seus netos durante o tratamento de câncer na instituição: o “Encontro de Avós”. “Dentre os familiares, os avós possuem um papel muito importante no suporte aos netos em tratamento, como também aos filhos, genros e noras que passam a lidar com a doença. Alguns avós desempenham uma função parental com seus netos e tornam-se a figura central das relações familiares. Estudos comprovam que os avós sofrem duplamente quando um neto está enfrentando o câncer: pelo próprio neto e pelo filho, por isso, sentimos a necessidade de cuidar deles também”, afirmou a coordenadora do projeto e psicóloga do Hospital de Amor Infantojuvenil, Patrícia Barberá Gallego.

Além dela, o médico responsável pela pesquisa e a psicóloga residente, Fernanda Prado Brocchi, coordenam a iniciativa, que visa proporcionar um espaço de acolhimento, escuta e reflexão para as vivências que afetam os avós ao acompanhar seus netos durante o tratamento de câncer. Através do compartilhamento de experiências, os profissionais buscam fornecer suporte emocional e possibilitar a construção de sentidos para as experiências dos participantes.

A avó Valdelucia veio do Pará para acompanhar seu neto, João Lucas, no tratamento contra o câncer no Hospital de Amor Infantojuvenil.

De acordo com a psicóloga, os encontros contam com recursos artísticos (poemas, imagens, músicas, etc.) para sensibilizar os participantes e servir como abertura para as discussões e troca de experiências entre os membros. A partir disso, os coordenadores passam a mediar e conduzir as conversas, impulsionando a expressão de sentimentos e vivências, direcionadas pelos próprios avós e baseadas em suas emoções do momento. “Ao proporcionar um espaço de escuta e acolhimento aos avós, pretendemos fortalecer a relação deles com o Hospital e, principalmente, com seus netos e com o modo de enfretamento da doença. Auxiliando essas pessoas, que são verdadeiros cuidadores, estaremos auxiliando também, indiretamente, a maneira com que os pequenos pacientes da instituição enfrentarão a difícil luta contra o câncer”, esclareceu Patrícia.

O papel de avó e mãe
Quem olha a Valdelucia Sousa Pereira, de 39 anos, e João Lucas Siqueira Lima, de apenas 1 ano e 8 meses, não imagina a história de amor incondicional e superação que os dois trazem. Apesar da pouca idade a aparência bem jovem, a avó cumpriu sua função com maestria: decidiu largar tudo e todos em São Félix do Xingu, no Pará, para acompanhar o neto em tratamento no Hospital de Amor Infantojuvenil.

Eles viajaram quatro dias até Barretos (SP) e estão residindo, há uma semana, no Lar de Amor (casa de apoio da instituição). “A mãe do João, minha filha, sofre de depressão e ficou no Pará cuidando da irmãzinha dele. Como somos muito apegados, pois nós já morávamos juntos, eu preferi vir com ele”, contou.
Além da doença, a saudade de casa e de toda a família ainda é um obstáculo muito grande que os dois têm de enfrentar, mas juntos, graças à segurança, os ensinamentos e o afeto que somente os avós podem oferecer, eles vão tirar de letra.

Como participar do Encontro de Avós
O Encontro de Avós é voltado para os familiares de pacientes da unidade infantojivenil do Hospital de Amor, em Barretos (SP), e acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do hospital. Os interessados em participar das reuniões devem comparecer, no dia e horário indicados, sem agendamento prévio.

A origem da data
O Dia dos Avós, celebrado no dia 26 de julho, surgiu em homenagem à Santa Ana e São Joaquim – os pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo – considerados os padroeiros de todos os avós pela Igreja Católica. No dia 26 de julho de 1584, os avós de Jesus foram canonizados pelo Papa Gregório VII.

O “Encontro de Avós” acontece todas as primeiras terças-feiras de cada mês (de agosto a dezembro de 2019), às 11h, no auditório do Hospital de Amor Infantojuvenil.

Publicado em 26 de jul de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Diagnóstico e Tratamento, Pacientes e Familiares