fbpx

Prevenção do câncer colorretal no HA: conheça o ‘Março Marinho’

Desde 2015, o HA conta com seu programa rastreamento e, de lá para cá, já foram alcançadas 12.723 pessoas com ele. Dessas, ao todo, 48 pacientes foram diagnosticados com esse tipo de tumor, que apesar de não ser tão divulgado, é muito frequente no Brasil.

Há 2 anos, o Hospital de Amor deu início a uma campanha muito importante de incentivo a prevenção e detecção precoce do câncer colorretal. Assim como acontece em vários meses, principalmente quando nos referimos ao movimento conhecido como Outubro Rosa (que estimula a participação da população na prevenção do câncer de mama), criou-se o “Março Marinho”, em alusão ao “Dia Nacional de Combate ao Câncer de Intestino”, comemorado em 27/3.

Mas, desde 2015, a instituição conta com seu programa rastreamento e, de lá para cá, já foram alcançadas 12.723 pessoas com ele. Dessas, ao todo, 48 pacientes foram diagnosticados com esse tipo de tumor, que apesar de não ser tão divulgado, é muito frequente no Brasil: o terceiro mais recorrente entre os homens e o segundo entre as mulheres (chegando a ultrapassar as estatísticas do câncer do colo do útero). Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que, para cada ano do biênio 2018/2019, serão diagnosticados 36.360 novos casos da doença no Brasil, sendo 17.380 em homens e 18.980 nas mulheres. Em geral, o risco de uma pessoa desenvolver câncer colorretal é de 1 em 22 (4,49%) para eles e 1 em 24 (4,15%) para elas.

Você conhece o câncer colorretal?
Os cânceres colorretais são aqueles que acometem o trato digestivo (intestino grosso e reto). Esses tumores são considerados mais passíveis de prevenção, pois a evolução natural deles é bem conhecida pela medicina: eles começam com lesões precursoras, ou seja, lesões pré-malignas que são detectáveis e que podem ser removidas. Com essas medidas, é possível interromper a progressão do tumor.

Geralmente, as chamadas ‘lesões precursoras’ não apresentam sintomas (como sangramentos ou dores), por isso, para identificá-las, é necessário submeter o indivíduo a um rastreamento para prevenir a evolução da doença.

Existem dois exames que podem ser utilizados para realizar o rastreamento desse tipo de tumor: o teste FIT e a colonoscopia.

Conheça o programa de rastreamento
Existem dois exames que podem ser utilizados para realizar o rastreamento desse tipo de tumor, sendo eles: o teste de imunoquímica fecal (conhecido também como teste FIT ou exame de sangue oculto nas fezes) e a colonoscopia (que é um exame de vídeo para visualizar o interior do intestino grosso e a parte final do intestino delgado). Cabe ao médico indicar qual é a melhor opção para cada paciente.

O programa de rastreamento através do teste FIT é indicado para um público bem específico: homens e mulheres que tenham entre 50 e 65 anos, que não tenham feito nenhum exame de colonoscopia ou de retossigmoidoscopia nos últimos 5 anos, não tenham nenhum histórico de doença inflamatória intestinal e de pólipos colorretais. “É muito importante que esses critérios sejam respeitados, pois caso a pessoa não se enquadre nesse perfil, o exame pode não ser a melhor opção para o paciente”, afirmou a médica endoscopista do Hospital de Amor, Dra. Denise Peixoto Guimarães.

De acordo com a especialista, os sintomas só irão se manifestar quando a doença já estiver em estado avançado. Nesse momento, o tratamento já não é tão eficaz e as chances de cura, menores ainda. “Nessa hora, os principais sintomas a serem percebidos são: sangramento nas fezes, dor abdominal ou nódulo abdominal, emagrecimento ou anemia”, explicou.

Saiba como se prevenir
Alguns fatores externos podem contribuir para o desenvolvimento da doença, como:
– Consumo de carne vermelha e processada;
– Ausência de atividade física regular (sedentarismo);
– Ingestão abusiva de álcool;
– Tabagismo;
– Sobrepeso e obesidade.

Segundo informações do INCA, as duas regiões do Brasil onde são encontradas as maiores incidências do câncer colorretal são o Sudeste e o Sul do país. Especula-se que isso acontece devido à urbanização e a adoção de hábitos alimentares de países desenvolvidos, onde são encontrados os maiores números de casos da doença. “Por isso, é fundamental conscientizarmos a população e os médicos sobre esse tipo de câncer. Ele é passível de prevenção, então, por meio de informação correta e de qualidade, conseguimos diminuir o número de casos e fazer com que menos pessoas sofram e morram em decorrência desse tumor”, concluiu Dra. Denise.

O câncer colorretal é hereditário?
Existe uma porcentagem mínima de hereditariedade no caso do câncer colorretal, porém, é importante ficar atento caso algum familiar já tenha sido diagnosticado com a doença. “Especialmente nesses casos, nem sempre o sangue oculto nas fezes é indicado. É melhor optar pela colonoscopia, pois os riscos de se encontrar pólipos nessas pessoas são maiores”, finalizou a médica.

“Março Marinho” no HA
Educar, informar e divulgar as informações sobre a prevenção do câncer colorretal e sobre sua incidência no país, são os principais pilares das iniciativas realizadas pelo Hospital de Amor no “Março Marinho”. Durante todo o mês, a instituição promoverá ações em Barretos (SP) para alertar e convidar a população para participar do programa de rastreamento. Além de palestras educativas no Posto de Saúde (Postão), a equipe estará visitando alguns pontos do município com a unidade móvel I (carreta), disponibilizando o teste FIT.

Previna-se! Se você se enquadra nos requisitos e faz parte do público-alvo do programa de rastreamento, venha até o Instituto de Prevenção, no Pavilhão Victor & Léo, ou entre em contato através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7194.

Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que, para cada ano do biênio 2018/2019, serão diagnosticados 36.360 novos casos da doença no Brasil, sendo 17.380 em homens e 18.980 nas mulheres.

Publicado em 01 de mar de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento
Desde 2015, o HA conta com seu programa rastreamento e, de lá para cá, já foram alcançadas 12.723 pessoas com ele. Dessas, ao todo, 48 pacientes foram diagnosticados com esse tipo de tumor, que apesar de não ser tão divulgado, é muito frequente no Brasil.

Há 2 anos, o Hospital de Amor deu início a uma campanha muito importante de incentivo a prevenção e detecção precoce do câncer colorretal. Assim como acontece em vários meses, principalmente quando nos referimos ao movimento conhecido como Outubro Rosa (que estimula a participação da população na prevenção do câncer de mama), criou-se o “Março Marinho”, em alusão ao “Dia Nacional de Combate ao Câncer de Intestino”, comemorado em 27/3.

Mas, desde 2015, a instituição conta com seu programa rastreamento e, de lá para cá, já foram alcançadas 12.723 pessoas com ele. Dessas, ao todo, 48 pacientes foram diagnosticados com esse tipo de tumor, que apesar de não ser tão divulgado, é muito frequente no Brasil: o terceiro mais recorrente entre os homens e o segundo entre as mulheres (chegando a ultrapassar as estatísticas do câncer do colo do útero). Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que, para cada ano do biênio 2018/2019, serão diagnosticados 36.360 novos casos da doença no Brasil, sendo 17.380 em homens e 18.980 nas mulheres. Em geral, o risco de uma pessoa desenvolver câncer colorretal é de 1 em 22 (4,49%) para eles e 1 em 24 (4,15%) para elas.

Você conhece o câncer colorretal?
Os cânceres colorretais são aqueles que acometem o trato digestivo (intestino grosso e reto). Esses tumores são considerados mais passíveis de prevenção, pois a evolução natural deles é bem conhecida pela medicina: eles começam com lesões precursoras, ou seja, lesões pré-malignas que são detectáveis e que podem ser removidas. Com essas medidas, é possível interromper a progressão do tumor.

Geralmente, as chamadas ‘lesões precursoras’ não apresentam sintomas (como sangramentos ou dores), por isso, para identificá-las, é necessário submeter o indivíduo a um rastreamento para prevenir a evolução da doença.

Existem dois exames que podem ser utilizados para realizar o rastreamento desse tipo de tumor: o teste FIT e a colonoscopia.

Conheça o programa de rastreamento
Existem dois exames que podem ser utilizados para realizar o rastreamento desse tipo de tumor, sendo eles: o teste de imunoquímica fecal (conhecido também como teste FIT ou exame de sangue oculto nas fezes) e a colonoscopia (que é um exame de vídeo para visualizar o interior do intestino grosso e a parte final do intestino delgado). Cabe ao médico indicar qual é a melhor opção para cada paciente.

O programa de rastreamento através do teste FIT é indicado para um público bem específico: homens e mulheres que tenham entre 50 e 65 anos, que não tenham feito nenhum exame de colonoscopia ou de retossigmoidoscopia nos últimos 5 anos, não tenham nenhum histórico de doença inflamatória intestinal e de pólipos colorretais. “É muito importante que esses critérios sejam respeitados, pois caso a pessoa não se enquadre nesse perfil, o exame pode não ser a melhor opção para o paciente”, afirmou a médica endoscopista do Hospital de Amor, Dra. Denise Peixoto Guimarães.

De acordo com a especialista, os sintomas só irão se manifestar quando a doença já estiver em estado avançado. Nesse momento, o tratamento já não é tão eficaz e as chances de cura, menores ainda. “Nessa hora, os principais sintomas a serem percebidos são: sangramento nas fezes, dor abdominal ou nódulo abdominal, emagrecimento ou anemia”, explicou.

Saiba como se prevenir
Alguns fatores externos podem contribuir para o desenvolvimento da doença, como:
– Consumo de carne vermelha e processada;
– Ausência de atividade física regular (sedentarismo);
– Ingestão abusiva de álcool;
– Tabagismo;
– Sobrepeso e obesidade.

Segundo informações do INCA, as duas regiões do Brasil onde são encontradas as maiores incidências do câncer colorretal são o Sudeste e o Sul do país. Especula-se que isso acontece devido à urbanização e a adoção de hábitos alimentares de países desenvolvidos, onde são encontrados os maiores números de casos da doença. “Por isso, é fundamental conscientizarmos a população e os médicos sobre esse tipo de câncer. Ele é passível de prevenção, então, por meio de informação correta e de qualidade, conseguimos diminuir o número de casos e fazer com que menos pessoas sofram e morram em decorrência desse tumor”, concluiu Dra. Denise.

O câncer colorretal é hereditário?
Existe uma porcentagem mínima de hereditariedade no caso do câncer colorretal, porém, é importante ficar atento caso algum familiar já tenha sido diagnosticado com a doença. “Especialmente nesses casos, nem sempre o sangue oculto nas fezes é indicado. É melhor optar pela colonoscopia, pois os riscos de se encontrar pólipos nessas pessoas são maiores”, finalizou a médica.

“Março Marinho” no HA
Educar, informar e divulgar as informações sobre a prevenção do câncer colorretal e sobre sua incidência no país, são os principais pilares das iniciativas realizadas pelo Hospital de Amor no “Março Marinho”. Durante todo o mês, a instituição promoverá ações em Barretos (SP) para alertar e convidar a população para participar do programa de rastreamento. Além de palestras educativas no Posto de Saúde (Postão), a equipe estará visitando alguns pontos do município com a unidade móvel I (carreta), disponibilizando o teste FIT.

Previna-se! Se você se enquadra nos requisitos e faz parte do público-alvo do programa de rastreamento, venha até o Instituto de Prevenção, no Pavilhão Victor & Léo, ou entre em contato através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7194.

Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que, para cada ano do biênio 2018/2019, serão diagnosticados 36.360 novos casos da doença no Brasil, sendo 17.380 em homens e 18.980 nas mulheres.

Publicado em 01 de mar de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento