fbpx

HA realiza primeira edição de “Workshop de Comunicação de Más Notícias em Oncologia”

O evento contou com a participação de atores que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso.

O Hospital de Amor sabe da importância de garantir que as orientações relacionadas ao tratamento, mesmo aquelas de caráter mais delicado, sejam transmitidas da maneira adequada aos pacientes e a seus familiares. Neste contexto, nos dias 22 e 29 de março, a instituição realizou a primeira edição do “Workshop de Comunicação de Más Notícias em Oncologia”. Voltado a médicos residentes do departamento de Oncologia Clínica, o treinamento, que ocorreu na sede da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB), teve como intuito possibilitar que estes profissionais pudessem vivenciar de maneira didática a experiência de transmitir notícias difíceis, considerando situações críticas comuns na rotina de um oncologista e embasando-se em protocolos já bem estruturados sobre o tema.

A ação, que contou com 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB), foi realizada em uma parceria com o Laboratório Grünenthal e com o Instituto de Ensino e Pesquisa do HA e foi conduzida com o apoio de 4 atores, que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com as orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso, a fim de garantir as melhores práticas clínicas. De acordo com o oncologista clínico e membro do Grupo de Pesquisa em Cuidados Paliativos e Qualidade de Vida da instituição (GPQual), Dr. Carlos Eduardo Paiva, esse tipo de experiência é muito importante para os profissionais, pois contribui para que eles possam desenvolver uma interação mais humana e eficaz com o paciente. “Uma comunicação adequada favorece vários desfechos positivos, como o fortalecimento do vínculo médico-paciente, o aumento da adesão ao tratamento, a melhora da satisfação do paciente, dentre outros fatores”, afirmou.

Para a aluna do 1º ano de residência em Oncologia Clínica do HA, natural de Araguaína (TO), Izabella Santos Negreiros, o evento foi muito proveitoso. “O workshop foi excelente. A maneira como o tema foi abordado foi bem interessante, abrindo espaço para discussões e para que os participantes tirassem suas dúvidas ou expusessem suas dificuldades. Finalizando com uma atividade prática de simulação, que sintetizou tudo o que havia sido dito. Por se tratar de uma realidade frequente no nosso cenário, saber comunicar más notícias é umas das principais habilidades que um oncologista precisa ter, e a iniciativa foi essencial para que eu percebesse meus pontos fracos e aprendesse como poder melhorá-los”, declarou.

O workshop, que foi voltado a residentes do setor de Oncologia Clínica do HA, reuniu 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB).

Publicado em 06 de maio de 2019   |   Destaques, Ensino e Pesquisa
O evento contou com a participação de atores que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso.

O Hospital de Amor sabe da importância de garantir que as orientações relacionadas ao tratamento, mesmo aquelas de caráter mais delicado, sejam transmitidas da maneira adequada aos pacientes e a seus familiares. Neste contexto, nos dias 22 e 29 de março, a instituição realizou a primeira edição do “Workshop de Comunicação de Más Notícias em Oncologia”. Voltado a médicos residentes do departamento de Oncologia Clínica, o treinamento, que ocorreu na sede da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB), teve como intuito possibilitar que estes profissionais pudessem vivenciar de maneira didática a experiência de transmitir notícias difíceis, considerando situações críticas comuns na rotina de um oncologista e embasando-se em protocolos já bem estruturados sobre o tema.

A ação, que contou com 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB), foi realizada em uma parceria com o Laboratório Grünenthal e com o Instituto de Ensino e Pesquisa do HA e foi conduzida com o apoio de 4 atores, que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com as orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso, a fim de garantir as melhores práticas clínicas. De acordo com o oncologista clínico e membro do Grupo de Pesquisa em Cuidados Paliativos e Qualidade de Vida da instituição (GPQual), Dr. Carlos Eduardo Paiva, esse tipo de experiência é muito importante para os profissionais, pois contribui para que eles possam desenvolver uma interação mais humana e eficaz com o paciente. “Uma comunicação adequada favorece vários desfechos positivos, como o fortalecimento do vínculo médico-paciente, o aumento da adesão ao tratamento, a melhora da satisfação do paciente, dentre outros fatores”, afirmou.

Para a aluna do 1º ano de residência em Oncologia Clínica do HA, natural de Araguaína (TO), Izabella Santos Negreiros, o evento foi muito proveitoso. “O workshop foi excelente. A maneira como o tema foi abordado foi bem interessante, abrindo espaço para discussões e para que os participantes tirassem suas dúvidas ou expusessem suas dificuldades. Finalizando com uma atividade prática de simulação, que sintetizou tudo o que havia sido dito. Por se tratar de uma realidade frequente no nosso cenário, saber comunicar más notícias é umas das principais habilidades que um oncologista precisa ter, e a iniciativa foi essencial para que eu percebesse meus pontos fracos e aprendesse como poder melhorá-los”, declarou.

O workshop, que foi voltado a residentes do setor de Oncologia Clínica do HA, reuniu 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB).

Publicado em 06 de maio de 2019   |   Destaques, Ensino e Pesquisa