fbpx

Hospital de Amor Amazônia inaugura novas instalações

O Hospital de Amor inaugurou uma moderna ala dentro do Hospital de Amor Amazônia, unidade da instituição localizada em Porto Velho (RO). O centro oncológico passou a dispor de Centro Cirúrgico, UTI e Internação. Foto: Daniela Nascimento.
As instalações contam com 120 leitos de internação, 20 de UTI e 6 salas de cirurgia. Foto: Daniela Nascimento.

Nesta sexta-feira, dia 22 de março, a população da região Norte do Brasil ganhou uma nova conquista! O Hospital de Amor – referência nacional no tratamento de câncer – inaugurou uma moderna ala dentro do Hospital de Amor Amazônia, unidade da instituição localizada em Porto Velho (RO). O centro oncológico passou a dispor de Centro Cirúrgico, UTI e Internação, atendendo, gratuitamente, com excelência e humanização (práticas reconhecidas da entidade), crianças e adultos em tratamento oncológico. As recém-adquiridas instalações contam com estrutura de 120 leitos de internação, 20 de UTI e 6 salas de cirurgia.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, foram investidos mais de R$ 20 milhões em estrutura e equipamentos. “A concretização desse projeto só foi possível graças ao investimento de voluntários, artistas, como o astro norte-americano, Garth Brooks, e empresas parceiras, como a BigSal, Grupo Irmãos Gonçalves e Grupo Cairu, que estão sempre engajados na causa e acreditam que as doações podem salvar vidas”, ressaltou.

O objetivo da expansão é facilitar, ainda mais, o acesso das pessoas que residem nas cidades da região Norte do país, e também dos indígenas, a um atendimento médico especializado. “O nosso foco foi reduzir a distância que os pacientes, muitas vezes, têm que percorrer até Barretos, visto que 95% dos pacientes oncológicos rondonienses, por exemplo, tinham como referência o Hospital de Amor Barretos, que está localizado a três mil quilômetros do estado de Rondônia”, afirmou Prata.

O Hospital de Amor Amazônia possui uma equipe altamente qualificada e uma estrutura de excelência. Foto: Daniela Nascimento.

O Hospital de Amor Amazônia
A unidade, que está em funcionamento desde 2017, possui uma equipe altamente qualificada e uma estrutura de excelência: com duas salas cirúrgicas inteligentes, que podem funcionar em caráter de treinamento, realizando transmissões simultâneas para diversos outros centros. O hospital conta também com uma infraestrutura de ponta, com equipamentos audiovisuais para cirurgias minimamente invasivas.

“Com essa inauguração, estamos implantando um polo completo para tratamento oncológico, com o que há de melhor nesta área, para os pacientes do Norte do Brasil. O valor total de investimento, entre os setores já existentes e os que acabamos de inaugurar, foi de R$ 100 milhões”, relatou o presidente da instituição.

Há 3 anos, desde sua inauguração, o Hospital de Amor Amazônia oferece aos seus pacientes procedimentos de quimioterapia e radioterapia; laboratório de análises clínicas e patológicas; centro de intercorrência ambulatorial (CIA); radiologia com duas salas de raios-X; três aparelhos de ultrassonografia; ressonância magnética, mamógrafo e tomógrafo. Além disso, a unidade possui duas salas de exames e ambulatório com 13 consultórios.

Sobre o Hospital de Amor
Excelência em oncologia, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) assumiu a liderança do ranking 2018 da Scimago Institutions Rankings (SIR), entre todos os centros de saúde do Brasil e da América Latina. O levantamento é uma ferramenta de reconhecimento internacional, que avalia a qualidade de instituições (públicas ou privadas) em todo o mundo, considerando os critérios: pesquisa, inovação e impacto social.

A instituição é historicamente reconhecida por seu grandioso trabalho. Foi escolhida, em 2000, pelo Ministério da Saúde, como o melhor hospital público do país. Em 2011, tornou-se “instituição irmã” do MD Anderson Cancer Center (EUA), o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo, e ainda recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao Câncer de Mama”. Em 2012, assinou acordo com o Saint Jude Children´s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”.

A entidade foi o grande destaque da 4ª Edição do Prêmio “Melhores Hospitais”, projeto realizado pela Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, realizado em dezembro de 2014. O HA ganhou em três categorias: melhor hospital, internação e ambulatório. O principal objetivo da premiação é monitorar a qualidade de atendimento e a satisfação do usuário, reconhecer os bons prestadores, identificar possíveis irregularidades e ampliar a capacidade de gestão eficiente da saúde pública. Na categoria “Internação”, o Hospital de Amor liderou o ranking interior, com mais de 97% de aprovação. A instituição também teve um alto índice no quesito “Ambulatório” – 96,5% dos usuários disseram estar satisfeitos com o trabalho realizado.

O Hospital de Amor Amazônia está localizado na cidade de Porto Velho, estado de Rondônia, a três mil quilômetros de Barretos (SP).
O Mestrado Profissional é aberto para colaboradores graduados que atuam nas áreas assistenciais dentro do HA.

O Instituto de Ensino de Pesquisa (IEP) do Hospital de Amor iniciou o ano com uma grande novidade para os colaboradores da instituição: o Mestrado Profissional. A nova modalidade de pós-graduação, que tem como tema ‘Inovação em Saúde’, traz outro diferencial muito importante: não é restrita apenas a profissionais da área da saúde, ou seja, é destinada a todos os segmentos assistenciais do HA, visando possibilitar ao pós-graduando condições para o desenvolvimento de estudos que demonstrem o domínio dos instrumentos conceituais, técnicos e metodológicos essenciais na sua área.

De acordo com o diretor de ensino do IEP, Dr. Ricardo Reis, a nova modalidade foi aprovada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES) no dia 27 de dezembro do último ano e possui a mesma validação e titulação que o mestrado acadêmico. “Apesar de títulos semelhantes, os mestrados possuem objetivos diferentes. O acadêmico tem a função de explicar algum estudo ou pesquisa; já o profissional, é responsável por explicar e, o mais importante, aplicar um determinado tema de pesquisa. Por isso, a ideia é abranger todas as áreas de atuação do Hospital de Amor”, relatou Reis.

Os alunos do mestrado serão estimulados a desenvolver estudos, protocolos, aplicativos e técnicas voltadas para a melhora dos seus desempenhos, com o intuito de atingir altos níveis profissionais. Durante o curso, serão valorizadas as produções artísticas, desenvolvimento de aplicativos para saúde, revisões sistemáticas, artigos científicos, patentes, registros de propriedade intelectual, projetos de elaboração de técnicas, elaboração de protocolos e fluxogramas, publicações de inovações tecnológicas, desenvolvimento de materiais didáticos, educacionais e de instrução, elaboração de processos, produção de programas de mídia, elaboração de softwares, estudos de casos, criação de manuais para operações técnicas, desenvolvimento de protocolo experimental ou de aplicação em serviços, proposta de criação de dispositivos para melhorar procedimentos clínicos ou de serviço e projetos para desenvolvimento ou produção de instrumentos.

“A nossa intenção é despertar no aluno um tipo especial de interesse pela pesquisa e desenvolvimento de produtos, ao ponto que ele possa incluí-la, naturalmente, em sua rotina de trabalho como um elo entre as diferentes etapas de ganho constante de conhecimento e a aplicação dele na prática diária. Dessa forma, um colaborador dos departamentos de engenharia, enfermagem, tecnologia da informação, comunicação, entre tantos outros, pode iniciar a modalidade de mestrado profissional. Basta ter um estudo aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) do HA e, a partir de então, com o auxílio de um orientador, iniciar a especialização stricto sensu.

A nova modalidade foi aprovada pela CAPES no dia 27/12/2018 e possui a mesma validação e titulação que o mestrado acadêmico.

Linhas de Pesquisa
O programa de ‘Mestrado Profissional – Inovação em Saúde’ está estruturado em torno de cinco linhas de pesquisa que abrangem a saúde da comunidade. São elas:
I – Redes em Saúde: Criação, Disseminação e Integração;
II – Informática e Tecnologia;
III – Políticas em Saúde Assistencial;
IV – Prevenção e Políticas de Promoção a Saúde;
V – Reabilitação, Qualidade de Vida e Medicina Integrativa.

Para participar do curso de especialização, os candidatos devem ser colaboradores contratados do Hospital de Amor, Santa Casa de Misericórdia de Barretos, Unidades Básicas de Saúde subordinadas ao HA, serem bolsistas ou terem dedicação exclusiva ao programa de pós-graduação da instituição. “A nossa dica para aqueles que estão interessados em cursar o mestrado é para que desenvolvam seus projetos de pesquisa junto aos seus orientadores (todos eles vinculados à nova modalidade) e enviem para a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Assim, no momento em que abrirem as inscrições, os candidatos já estão com o processo aprovado e preparados para cursar”, explicou o diretor de ensino.

Expectativas
Apesar de, inicialmente, o curso ser destinado aos colaboradores do Hospital de Amor, a expectativa é de que seja aberto ao público e possa abranger o Brasil inteiro, como já acontece com o mestrado acadêmico da instituição. “Nós já temos mais de 30 professores/orientadores dentro do mestrado profissional e diversos centros querendo enviar alunos para a especialização. O plano é de que, nos próximos dois meses, a equipe organize a estrutura do programa (secretariado, disciplinas, professores, locais onde as aulas serão ministradas, etc.) para que em abril a 1ª turma (com aproximadamente 40 alunos) seja aberta”, declarou Reis.

Os interessados podem entrar em contato com o departamento de Pós-Graduação do Hospital de Amor, através do e-mail ‘posgrad@hcancerbarretos.com.br’, além de ficarem atentos às informações do site www.hospitaldeamor.com.br.

“Estamos todos muito felizes com essa fantástica inovação, que irá contribuir com o aprimoramento dos profissionais e dos serviços prestados pela instituição”, finalizou o Dr. Ricardo Reis.

Apesar de, inicialmente, o curso ser destinado aos colaboradores do Hospital de Amor, a expectativa é de que seja aberto ao público e possa abranger o Brasil inteiro, como já acontece com o mestrado acadêmico da instituição.

Com estrutura inaugurada em março de 2017, junto ao Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital de Amor, o biotério da instituição deu início, oficialmente, às suas atividades na última semana de novembro, com o I Encontro da Comissão de Ética no Uso de Animais da instituição, marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O evento reuniu, além da própria Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-CPOM), pesquisadores e profissionais que farão parte da equipe responsável pela nova área.

Dra. Silvia Teixeira é coordenadora do Biotério no Hospital de Amor.

Segundo a coordenadora do local, Dra. Silvia Teixeira, o início das atividades completa os diferentes campos da pesquisa na instituição e é um importante passo na busca pela integração com os departamentos clínicos do Hospital, que contemplam no biotério uma possibilidade de novas abordagens terapêuticas. “Também será possível complementar a capacitação dos alunos de pós-graduação e pesquisadores, que terão um novo enfoque para o desenvolvimento de estudos inovadores que poderão levar a uma melhora na qualidade dos tratamentos dos pacientes. As pesquisas poderão ser direcionadas para a busca de terapias ainda mais personalizadas, validação de ensaios in vitro para novos alvos terapêuticos, entre outras. Os resultados poderão indicar medicamentos, ou associação de medicamentos, e terapias que possam ser mais eficazes e poderão implicar em aumento na sobrevida e na qualidade de vida dos pacientes”, explicou.

Durante o evento, as pesquisadoras, Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, destacaram a importância da pluralidade da CEUA-CPOM, composta por docentes, pesquisadores, colaboradores das áreas das ciências exatas e biológicas, além de um representante da sociedade protetora dos animais; e afirmaram que tal composição garante uma melhor qualidade na pesquisa e, principalmente, o máximo rigor a todos os princípios éticos na experimentação animal.

Para a médica veterinária, Dra. Ekaterina Riviera, mestre em Ciências de Animais de Laboratório pela Universidade de Londres e Doutora Notório Saber pela Universidade Federal de Goiás (UFG), os princípios do Hospital de Amor guiarão o biotério para que se torne um dos únicos – se não o único – do País a aplicar, de maneira estruturada, o que ela chamou de Cultura da Consciência, que, de forma simplificada, é a responsabilidade e consciência de sua importância por parte de todos os agentes envolvidos no processo, desde a parte administrativa até os profissionais responsáveis pela limpeza.

Silvia esclareceu, ainda, que, para que um projeto seja proposto e aceito, é necessário que a pergunta seja adequada, que todos os outros meios de buscar respostas tenham sido contemplados e que a relevância da pesquisa seja convincente. “Essa é a filosofia de toda a equipe do Biotério, pensamos e buscamos ao máximo propor bem-estar aos animais. Para isso, estamos promovendo todos os cuidados necessários, enriquecimento ambiental adequado durante os processos de criação e experimentação. Pretendemos colaborar com os pesquisadores no direcionamento do projeto, de forma a minimizar o uso de animais, e a promover o cuidado necessário durante o desenvolvimento das pesquisas. Todo esse cuidado não é só por poder interferir nos resultados, gerando viés na pesquisa, mas também porque temos uma grande responsabilidade nesse processo. Toda a estrutura oferecida pelo IEP e pelo CPOM nos permite realizar estes procedimentos de forma adequada. Além disso, o investimento na capacitação da equipe do biotério, visando a qualificação dos colaboradores, permitiu que esse perfil fosse desenvolvido. Com esses cuidados, acreditamos que os resultados poderão levar a um aumento na reprodutibilidade e aplicação dos resultados na clínica, tendo em vista a melhora das condições e qualidade de vida das pessoas com câncer”, finalizou.

O evento foi marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA).
Mais de 80 pessoas que perderam algum ente querido tiveram a oportunidade de compartilhar sentimentos de dor, luto e carinho.

Viver o processo de alguma perda torna-se menos difícil quando é possível encontrar apoio e conforto. O luto é o tempo necessário para a mente entender o sentimento de perda que o coração já sente e, na medida em que é compartilhado, passa a ser uma fase mais leve, menos dolorida. Foi o que as pessoas que perderam algum ente querido nos últimos 12 meses encontraram no dia 29 de setembro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata. A 3ª edição do “Outono em Cores”, evento realizado pelo Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – reuniu mais de 80 pessoas, que tiveram a oportunidade de participar de dinâmicas e de um bate-papo com os profissionais da instituição.

O projeto, que surgiu em 2014 com o objetivo de reunir familiares na tentativa de gerar a troca de experiências entre eles, reforçando os vínculos durante o processo de luto, nasceu a partir de uma conversa entre a equipe do hospital, que identificou a necessidade de oferecer atenção às famílias que sofriam com as perdas. “Esse é um momento em que as pessoas se sentem muito solitárias e, quando elas se encontram com outras que estão passando ou que passaram pelo mesmo sentimento, elas compartilham essa dor, tornando a caminhada menos dolorida. Aqui, eles encontram tanto acolhimento que acabam se sentindo à vontade. Cria-se uma rede de ajuda para o enfrentamento desse processo tão doloroso, mas que faz parte da vida”, afirmou a médica assistente da unidade e uma das idealizadoras do projeto, Dra. Michelle Uchida.

Dra. Michelle Uchida é médica assistente do Hospital São Judas Tadeu e uma das idealizadores do projeto.

Durante o emocionante encontro, os participantes se dividiram em 11 grupos separados por cores. No centro das rodas, haviam flores coloridas: à medida em que as pessoas iam contando suas experiências, expondo suas dores e dividindo suas angústias, elas as seguravam. No final, entregavam a outro participante que viveu uma situação semelhante, para que ele também tivesse espaço de expor esses sentimentos. Enquanto isso, os colaboradores do Hospital São Judas Tadeu participavam da dinâmica, ouvindo as histórias e dando apoio a essas famílias.

“A intenção é compartilhar dor e carinho! Queremos que essas pessoas se abram para a vida e sigam com esse ente querido dentro de seus corações. Convidamos essas pessoas para ver se elas estão bem e para que saiam daqui refletindo que estão passando por uma fase delicada, mas que devem olhar significativamente para essa dor, pois ela precisa ser vivida”, contou a psicóloga do Hospital de Amor, Mariana Paschoal.

Ao final do evento, foi impossível não se emocionar: as famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas. “Mais um ano nós estamos muito contentes com a aceitação das famílias, pois nós fazemos o convite para o evento e, sem receios, eles percorrem longas distâncias para estarem aqui e viver esses momentos junto a nós”, declarou Dra. Michelle.

Fábio Marques, de Matão (SP), junto da esposa e o cunhado.

Para Fábio Marques, de Matão (SP), participar do “Outono em Cores” vai além de dividir dores e encontrar carinho. É uma forma de gratidão pelo tratamento que o sogro recebeu nos quase 30 dias em que esteve no Hospital. “Eu não podia deixar de vir e agradecer ao Hospital por tudo o que fizeram pelo meu sogro no pouco tempo em que ele ficou por lá. O evento é uma iniciativa maravilhosa, pois é um momento em que a gente vê que a nossa dor não é maior do que a do outro, pois ele também sofre pela falta de alguém. A gente enxerga que não estamos sozinhos nessa caminhada dolorosa”, relatou.

Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), levou a filha e a prima para participar do evento.

A advogada Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), sentiu-se lisonjeada ao receber o convite do Hospital e percebeu a necessidade de participar. “Esse encontro é como uma terapia em grupo: você expõe seus sentimentos e parece que vai aceitando melhor o luto. Fiquei maravilhada com cada história que ouvi. Foi importante perceber que existem perdas tão dolorosas quanto a nossa”, finalizou.

Outono em Cores
O nome do evento foi escolhido para fazer alusão ao tempo em que os familiares demoram para progredir em relação à dor da perda, uma vez que, após a estação do outono, a primavera traz uma nova energia, através da chegada das flores e suas cores.

 

As famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas.

 


Publicado em 01 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Pacientes e Familiares
O Hospital de Amor inaugurou uma moderna ala dentro do Hospital de Amor Amazônia, unidade da instituição localizada em Porto Velho (RO). O centro oncológico passou a dispor de Centro Cirúrgico, UTI e Internação. Foto: Daniela Nascimento.
As instalações contam com 120 leitos de internação, 20 de UTI e 6 salas de cirurgia. Foto: Daniela Nascimento.

Nesta sexta-feira, dia 22 de março, a população da região Norte do Brasil ganhou uma nova conquista! O Hospital de Amor – referência nacional no tratamento de câncer – inaugurou uma moderna ala dentro do Hospital de Amor Amazônia, unidade da instituição localizada em Porto Velho (RO). O centro oncológico passou a dispor de Centro Cirúrgico, UTI e Internação, atendendo, gratuitamente, com excelência e humanização (práticas reconhecidas da entidade), crianças e adultos em tratamento oncológico. As recém-adquiridas instalações contam com estrutura de 120 leitos de internação, 20 de UTI e 6 salas de cirurgia.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, foram investidos mais de R$ 20 milhões em estrutura e equipamentos. “A concretização desse projeto só foi possível graças ao investimento de voluntários, artistas, como o astro norte-americano, Garth Brooks, e empresas parceiras, como a BigSal, Grupo Irmãos Gonçalves e Grupo Cairu, que estão sempre engajados na causa e acreditam que as doações podem salvar vidas”, ressaltou.

O objetivo da expansão é facilitar, ainda mais, o acesso das pessoas que residem nas cidades da região Norte do país, e também dos indígenas, a um atendimento médico especializado. “O nosso foco foi reduzir a distância que os pacientes, muitas vezes, têm que percorrer até Barretos, visto que 95% dos pacientes oncológicos rondonienses, por exemplo, tinham como referência o Hospital de Amor Barretos, que está localizado a três mil quilômetros do estado de Rondônia”, afirmou Prata.

O Hospital de Amor Amazônia possui uma equipe altamente qualificada e uma estrutura de excelência. Foto: Daniela Nascimento.

O Hospital de Amor Amazônia
A unidade, que está em funcionamento desde 2017, possui uma equipe altamente qualificada e uma estrutura de excelência: com duas salas cirúrgicas inteligentes, que podem funcionar em caráter de treinamento, realizando transmissões simultâneas para diversos outros centros. O hospital conta também com uma infraestrutura de ponta, com equipamentos audiovisuais para cirurgias minimamente invasivas.

“Com essa inauguração, estamos implantando um polo completo para tratamento oncológico, com o que há de melhor nesta área, para os pacientes do Norte do Brasil. O valor total de investimento, entre os setores já existentes e os que acabamos de inaugurar, foi de R$ 100 milhões”, relatou o presidente da instituição.

Há 3 anos, desde sua inauguração, o Hospital de Amor Amazônia oferece aos seus pacientes procedimentos de quimioterapia e radioterapia; laboratório de análises clínicas e patológicas; centro de intercorrência ambulatorial (CIA); radiologia com duas salas de raios-X; três aparelhos de ultrassonografia; ressonância magnética, mamógrafo e tomógrafo. Além disso, a unidade possui duas salas de exames e ambulatório com 13 consultórios.

Sobre o Hospital de Amor
Excelência em oncologia, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) assumiu a liderança do ranking 2018 da Scimago Institutions Rankings (SIR), entre todos os centros de saúde do Brasil e da América Latina. O levantamento é uma ferramenta de reconhecimento internacional, que avalia a qualidade de instituições (públicas ou privadas) em todo o mundo, considerando os critérios: pesquisa, inovação e impacto social.

A instituição é historicamente reconhecida por seu grandioso trabalho. Foi escolhida, em 2000, pelo Ministério da Saúde, como o melhor hospital público do país. Em 2011, tornou-se “instituição irmã” do MD Anderson Cancer Center (EUA), o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo, e ainda recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao Câncer de Mama”. Em 2012, assinou acordo com o Saint Jude Children´s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”.

A entidade foi o grande destaque da 4ª Edição do Prêmio “Melhores Hospitais”, projeto realizado pela Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, realizado em dezembro de 2014. O HA ganhou em três categorias: melhor hospital, internação e ambulatório. O principal objetivo da premiação é monitorar a qualidade de atendimento e a satisfação do usuário, reconhecer os bons prestadores, identificar possíveis irregularidades e ampliar a capacidade de gestão eficiente da saúde pública. Na categoria “Internação”, o Hospital de Amor liderou o ranking interior, com mais de 97% de aprovação. A instituição também teve um alto índice no quesito “Ambulatório” – 96,5% dos usuários disseram estar satisfeitos com o trabalho realizado.

O Hospital de Amor Amazônia está localizado na cidade de Porto Velho, estado de Rondônia, a três mil quilômetros de Barretos (SP).
O Mestrado Profissional é aberto para colaboradores graduados que atuam nas áreas assistenciais dentro do HA.

O Instituto de Ensino de Pesquisa (IEP) do Hospital de Amor iniciou o ano com uma grande novidade para os colaboradores da instituição: o Mestrado Profissional. A nova modalidade de pós-graduação, que tem como tema ‘Inovação em Saúde’, traz outro diferencial muito importante: não é restrita apenas a profissionais da área da saúde, ou seja, é destinada a todos os segmentos assistenciais do HA, visando possibilitar ao pós-graduando condições para o desenvolvimento de estudos que demonstrem o domínio dos instrumentos conceituais, técnicos e metodológicos essenciais na sua área.

De acordo com o diretor de ensino do IEP, Dr. Ricardo Reis, a nova modalidade foi aprovada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES) no dia 27 de dezembro do último ano e possui a mesma validação e titulação que o mestrado acadêmico. “Apesar de títulos semelhantes, os mestrados possuem objetivos diferentes. O acadêmico tem a função de explicar algum estudo ou pesquisa; já o profissional, é responsável por explicar e, o mais importante, aplicar um determinado tema de pesquisa. Por isso, a ideia é abranger todas as áreas de atuação do Hospital de Amor”, relatou Reis.

Os alunos do mestrado serão estimulados a desenvolver estudos, protocolos, aplicativos e técnicas voltadas para a melhora dos seus desempenhos, com o intuito de atingir altos níveis profissionais. Durante o curso, serão valorizadas as produções artísticas, desenvolvimento de aplicativos para saúde, revisões sistemáticas, artigos científicos, patentes, registros de propriedade intelectual, projetos de elaboração de técnicas, elaboração de protocolos e fluxogramas, publicações de inovações tecnológicas, desenvolvimento de materiais didáticos, educacionais e de instrução, elaboração de processos, produção de programas de mídia, elaboração de softwares, estudos de casos, criação de manuais para operações técnicas, desenvolvimento de protocolo experimental ou de aplicação em serviços, proposta de criação de dispositivos para melhorar procedimentos clínicos ou de serviço e projetos para desenvolvimento ou produção de instrumentos.

“A nossa intenção é despertar no aluno um tipo especial de interesse pela pesquisa e desenvolvimento de produtos, ao ponto que ele possa incluí-la, naturalmente, em sua rotina de trabalho como um elo entre as diferentes etapas de ganho constante de conhecimento e a aplicação dele na prática diária. Dessa forma, um colaborador dos departamentos de engenharia, enfermagem, tecnologia da informação, comunicação, entre tantos outros, pode iniciar a modalidade de mestrado profissional. Basta ter um estudo aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) do HA e, a partir de então, com o auxílio de um orientador, iniciar a especialização stricto sensu.

A nova modalidade foi aprovada pela CAPES no dia 27/12/2018 e possui a mesma validação e titulação que o mestrado acadêmico.

Linhas de Pesquisa
O programa de ‘Mestrado Profissional – Inovação em Saúde’ está estruturado em torno de cinco linhas de pesquisa que abrangem a saúde da comunidade. São elas:
I – Redes em Saúde: Criação, Disseminação e Integração;
II – Informática e Tecnologia;
III – Políticas em Saúde Assistencial;
IV – Prevenção e Políticas de Promoção a Saúde;
V – Reabilitação, Qualidade de Vida e Medicina Integrativa.

Para participar do curso de especialização, os candidatos devem ser colaboradores contratados do Hospital de Amor, Santa Casa de Misericórdia de Barretos, Unidades Básicas de Saúde subordinadas ao HA, serem bolsistas ou terem dedicação exclusiva ao programa de pós-graduação da instituição. “A nossa dica para aqueles que estão interessados em cursar o mestrado é para que desenvolvam seus projetos de pesquisa junto aos seus orientadores (todos eles vinculados à nova modalidade) e enviem para a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Assim, no momento em que abrirem as inscrições, os candidatos já estão com o processo aprovado e preparados para cursar”, explicou o diretor de ensino.

Expectativas
Apesar de, inicialmente, o curso ser destinado aos colaboradores do Hospital de Amor, a expectativa é de que seja aberto ao público e possa abranger o Brasil inteiro, como já acontece com o mestrado acadêmico da instituição. “Nós já temos mais de 30 professores/orientadores dentro do mestrado profissional e diversos centros querendo enviar alunos para a especialização. O plano é de que, nos próximos dois meses, a equipe organize a estrutura do programa (secretariado, disciplinas, professores, locais onde as aulas serão ministradas, etc.) para que em abril a 1ª turma (com aproximadamente 40 alunos) seja aberta”, declarou Reis.

Os interessados podem entrar em contato com o departamento de Pós-Graduação do Hospital de Amor, através do e-mail ‘posgrad@hcancerbarretos.com.br’, além de ficarem atentos às informações do site www.hospitaldeamor.com.br.

“Estamos todos muito felizes com essa fantástica inovação, que irá contribuir com o aprimoramento dos profissionais e dos serviços prestados pela instituição”, finalizou o Dr. Ricardo Reis.

Apesar de, inicialmente, o curso ser destinado aos colaboradores do Hospital de Amor, a expectativa é de que seja aberto ao público e possa abranger o Brasil inteiro, como já acontece com o mestrado acadêmico da instituição.

Com estrutura inaugurada em março de 2017, junto ao Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital de Amor, o biotério da instituição deu início, oficialmente, às suas atividades na última semana de novembro, com o I Encontro da Comissão de Ética no Uso de Animais da instituição, marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O evento reuniu, além da própria Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-CPOM), pesquisadores e profissionais que farão parte da equipe responsável pela nova área.

Dra. Silvia Teixeira é coordenadora do Biotério no Hospital de Amor.

Segundo a coordenadora do local, Dra. Silvia Teixeira, o início das atividades completa os diferentes campos da pesquisa na instituição e é um importante passo na busca pela integração com os departamentos clínicos do Hospital, que contemplam no biotério uma possibilidade de novas abordagens terapêuticas. “Também será possível complementar a capacitação dos alunos de pós-graduação e pesquisadores, que terão um novo enfoque para o desenvolvimento de estudos inovadores que poderão levar a uma melhora na qualidade dos tratamentos dos pacientes. As pesquisas poderão ser direcionadas para a busca de terapias ainda mais personalizadas, validação de ensaios in vitro para novos alvos terapêuticos, entre outras. Os resultados poderão indicar medicamentos, ou associação de medicamentos, e terapias que possam ser mais eficazes e poderão implicar em aumento na sobrevida e na qualidade de vida dos pacientes”, explicou.

Durante o evento, as pesquisadoras, Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, destacaram a importância da pluralidade da CEUA-CPOM, composta por docentes, pesquisadores, colaboradores das áreas das ciências exatas e biológicas, além de um representante da sociedade protetora dos animais; e afirmaram que tal composição garante uma melhor qualidade na pesquisa e, principalmente, o máximo rigor a todos os princípios éticos na experimentação animal.

Para a médica veterinária, Dra. Ekaterina Riviera, mestre em Ciências de Animais de Laboratório pela Universidade de Londres e Doutora Notório Saber pela Universidade Federal de Goiás (UFG), os princípios do Hospital de Amor guiarão o biotério para que se torne um dos únicos – se não o único – do País a aplicar, de maneira estruturada, o que ela chamou de Cultura da Consciência, que, de forma simplificada, é a responsabilidade e consciência de sua importância por parte de todos os agentes envolvidos no processo, desde a parte administrativa até os profissionais responsáveis pela limpeza.

Silvia esclareceu, ainda, que, para que um projeto seja proposto e aceito, é necessário que a pergunta seja adequada, que todos os outros meios de buscar respostas tenham sido contemplados e que a relevância da pesquisa seja convincente. “Essa é a filosofia de toda a equipe do Biotério, pensamos e buscamos ao máximo propor bem-estar aos animais. Para isso, estamos promovendo todos os cuidados necessários, enriquecimento ambiental adequado durante os processos de criação e experimentação. Pretendemos colaborar com os pesquisadores no direcionamento do projeto, de forma a minimizar o uso de animais, e a promover o cuidado necessário durante o desenvolvimento das pesquisas. Todo esse cuidado não é só por poder interferir nos resultados, gerando viés na pesquisa, mas também porque temos uma grande responsabilidade nesse processo. Toda a estrutura oferecida pelo IEP e pelo CPOM nos permite realizar estes procedimentos de forma adequada. Além disso, o investimento na capacitação da equipe do biotério, visando a qualificação dos colaboradores, permitiu que esse perfil fosse desenvolvido. Com esses cuidados, acreditamos que os resultados poderão levar a um aumento na reprodutibilidade e aplicação dos resultados na clínica, tendo em vista a melhora das condições e qualidade de vida das pessoas com câncer”, finalizou.

O evento foi marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA).
Mais de 80 pessoas que perderam algum ente querido tiveram a oportunidade de compartilhar sentimentos de dor, luto e carinho.

Viver o processo de alguma perda torna-se menos difícil quando é possível encontrar apoio e conforto. O luto é o tempo necessário para a mente entender o sentimento de perda que o coração já sente e, na medida em que é compartilhado, passa a ser uma fase mais leve, menos dolorida. Foi o que as pessoas que perderam algum ente querido nos últimos 12 meses encontraram no dia 29 de setembro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata. A 3ª edição do “Outono em Cores”, evento realizado pelo Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – reuniu mais de 80 pessoas, que tiveram a oportunidade de participar de dinâmicas e de um bate-papo com os profissionais da instituição.

O projeto, que surgiu em 2014 com o objetivo de reunir familiares na tentativa de gerar a troca de experiências entre eles, reforçando os vínculos durante o processo de luto, nasceu a partir de uma conversa entre a equipe do hospital, que identificou a necessidade de oferecer atenção às famílias que sofriam com as perdas. “Esse é um momento em que as pessoas se sentem muito solitárias e, quando elas se encontram com outras que estão passando ou que passaram pelo mesmo sentimento, elas compartilham essa dor, tornando a caminhada menos dolorida. Aqui, eles encontram tanto acolhimento que acabam se sentindo à vontade. Cria-se uma rede de ajuda para o enfrentamento desse processo tão doloroso, mas que faz parte da vida”, afirmou a médica assistente da unidade e uma das idealizadoras do projeto, Dra. Michelle Uchida.

Dra. Michelle Uchida é médica assistente do Hospital São Judas Tadeu e uma das idealizadores do projeto.

Durante o emocionante encontro, os participantes se dividiram em 11 grupos separados por cores. No centro das rodas, haviam flores coloridas: à medida em que as pessoas iam contando suas experiências, expondo suas dores e dividindo suas angústias, elas as seguravam. No final, entregavam a outro participante que viveu uma situação semelhante, para que ele também tivesse espaço de expor esses sentimentos. Enquanto isso, os colaboradores do Hospital São Judas Tadeu participavam da dinâmica, ouvindo as histórias e dando apoio a essas famílias.

“A intenção é compartilhar dor e carinho! Queremos que essas pessoas se abram para a vida e sigam com esse ente querido dentro de seus corações. Convidamos essas pessoas para ver se elas estão bem e para que saiam daqui refletindo que estão passando por uma fase delicada, mas que devem olhar significativamente para essa dor, pois ela precisa ser vivida”, contou a psicóloga do Hospital de Amor, Mariana Paschoal.

Ao final do evento, foi impossível não se emocionar: as famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas. “Mais um ano nós estamos muito contentes com a aceitação das famílias, pois nós fazemos o convite para o evento e, sem receios, eles percorrem longas distâncias para estarem aqui e viver esses momentos junto a nós”, declarou Dra. Michelle.

Fábio Marques, de Matão (SP), junto da esposa e o cunhado.

Para Fábio Marques, de Matão (SP), participar do “Outono em Cores” vai além de dividir dores e encontrar carinho. É uma forma de gratidão pelo tratamento que o sogro recebeu nos quase 30 dias em que esteve no Hospital. “Eu não podia deixar de vir e agradecer ao Hospital por tudo o que fizeram pelo meu sogro no pouco tempo em que ele ficou por lá. O evento é uma iniciativa maravilhosa, pois é um momento em que a gente vê que a nossa dor não é maior do que a do outro, pois ele também sofre pela falta de alguém. A gente enxerga que não estamos sozinhos nessa caminhada dolorosa”, relatou.

Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), levou a filha e a prima para participar do evento.

A advogada Ivanielda Castro, de Itumbiara (GO), sentiu-se lisonjeada ao receber o convite do Hospital e percebeu a necessidade de participar. “Esse encontro é como uma terapia em grupo: você expõe seus sentimentos e parece que vai aceitando melhor o luto. Fiquei maravilhada com cada história que ouvi. Foi importante perceber que existem perdas tão dolorosas quanto a nossa”, finalizou.

Outono em Cores
O nome do evento foi escolhido para fazer alusão ao tempo em que os familiares demoram para progredir em relação à dor da perda, uma vez que, após a estação do outono, a primavera traz uma nova energia, através da chegada das flores e suas cores.

 

As famílias soltaram balões coloridos com mensagens repletas de saudade, na tentativa de “liberar” aquela angústia vivida e trazer um novo ciclo para suas vidas.

 


Publicado em 01 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Pacientes e Familiares