fbpx

O Agro Contra o Câncer: conheça esse projeto de arrecadação de recursos do HA

José Rubens de Carvalho, o ‘Rubikinho’, é coordenador do projeto.

Com um déficit mensal de mais de R$ 24 milhões e dependendo dos mais diversos tipos de doações para manter suas portas abertas e oferecer um tratamento de excelência a seus pacientes, o Hospital de Amor (HA) também conta com um projeto de arrecadação de recursos voltado ao agronegócio. ‘O Agro Contra o Câncer’ busca atingir todos os setores do segmento no país, tanto na área de produção de matéria-prima, quanto na agroindústria, para combater uma doença que só no Brasil afeta mais de meio milhão de pessoas todos os anos.

A iniciativa surgiu após uma conversa dos empresários barretenses, Geovane Barroti e José Rubens de Carvalho (conhecido como ‘Rubikinho’ e coordenador do projeto), na tentativa de encontrar outras formas de arrecadação para o Hospital diferente das já existentes. A primeira ação foi solicitar aos produtores de laranja a doação de alguns caminhões, tendo uma ótima adesão por parte deles. “Foi a partir daí que nasceu ‘O Agro Contra o Câncer’, inicialmente voltado para a soja, cana, café e boi, e agora abrangendo todo o meio rural”, afirmou o coordenador.

Além dos frigoríficos, 4 usinas, 1 cooperativa de café e 1 armazém de recebimento e comercialização de soja estão envolvidos no projeto.

O público-alvo são os produtores rurais, as indústrias processadoras de matéria-prima e as de insumos em geral. A parceria começou com o Frigorífico Minerva, em novembro de 2017, mas, desde janeiro de 2018, várias outras empresas do setor, como por exemplo, Estrela, Marfrig e JBS, já estão engajadas. Além dos frigoríficos, quatro usinas, uma cooperativa de café e um armazém de recebimento e comercialização de soja estão envolvidos no projeto. “Tudo o que estiver relacionado ao agro está na nossa mira! As doações pedidas são muito razoáveis, mas, com o volume de adesões, tornam-se valores expressivos. Estamos solicitando sempre um percentual da produção no momento da comercialização dos produtos”, explicou Rubikinho.

Apesar do setor ainda ser pouco explorado pela instituição, o coordenador (também produtor rural na cidade de Barretos/SP e Miranorte/SP) está otimista quanto aos resultados que o Hospital de Amor receberá com a nova forma de arrecadação. “Queremos alcançar todos os estados do país. Não estamos pedindo uma doação única, mas sim parceiros fiéis, que vão nos doar todas as vezes em que comercializarem seus produtos. Desta forma, esperamos sanar uma boa parte do déficit mensal que a instituição possui”, finalizou.

Se você deseja contribuir com o projeto e receber mais informações, basta ligar para: (17) 3321-6600, ramal 6624, ou enviar um e-mail para: rubikinho@hcancerbarretos.com.br.

Você também pode salvar vidas
Confira as várias formas de ajudar o Hospital de Amor em: hospitaldeamor.com.br/ajude.

‘O Agro Contra o Câncer’ busca atingir todos os setores do segmento no país, tanto na área de produção de matéria-prima, quanto na agroindústria, para combater uma doença que só no Brasil afeta mais de meio milhão de pessoas todos os anos.

 


Publicado em 29 de ago de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Captação de Recursos
José Rubens de Carvalho, o ‘Rubikinho’, é coordenador do projeto.

Com um déficit mensal de mais de R$ 24 milhões e dependendo dos mais diversos tipos de doações para manter suas portas abertas e oferecer um tratamento de excelência a seus pacientes, o Hospital de Amor (HA) também conta com um projeto de arrecadação de recursos voltado ao agronegócio. ‘O Agro Contra o Câncer’ busca atingir todos os setores do segmento no país, tanto na área de produção de matéria-prima, quanto na agroindústria, para combater uma doença que só no Brasil afeta mais de meio milhão de pessoas todos os anos.

A iniciativa surgiu após uma conversa dos empresários barretenses, Geovane Barroti e José Rubens de Carvalho (conhecido como ‘Rubikinho’ e coordenador do projeto), na tentativa de encontrar outras formas de arrecadação para o Hospital diferente das já existentes. A primeira ação foi solicitar aos produtores de laranja a doação de alguns caminhões, tendo uma ótima adesão por parte deles. “Foi a partir daí que nasceu ‘O Agro Contra o Câncer’, inicialmente voltado para a soja, cana, café e boi, e agora abrangendo todo o meio rural”, afirmou o coordenador.

Além dos frigoríficos, 4 usinas, 1 cooperativa de café e 1 armazém de recebimento e comercialização de soja estão envolvidos no projeto.

O público-alvo são os produtores rurais, as indústrias processadoras de matéria-prima e as de insumos em geral. A parceria começou com o Frigorífico Minerva, em novembro de 2017, mas, desde janeiro de 2018, várias outras empresas do setor, como por exemplo, Estrela, Marfrig e JBS, já estão engajadas. Além dos frigoríficos, quatro usinas, uma cooperativa de café e um armazém de recebimento e comercialização de soja estão envolvidos no projeto. “Tudo o que estiver relacionado ao agro está na nossa mira! As doações pedidas são muito razoáveis, mas, com o volume de adesões, tornam-se valores expressivos. Estamos solicitando sempre um percentual da produção no momento da comercialização dos produtos”, explicou Rubikinho.

Apesar do setor ainda ser pouco explorado pela instituição, o coordenador (também produtor rural na cidade de Barretos/SP e Miranorte/SP) está otimista quanto aos resultados que o Hospital de Amor receberá com a nova forma de arrecadação. “Queremos alcançar todos os estados do país. Não estamos pedindo uma doação única, mas sim parceiros fiéis, que vão nos doar todas as vezes em que comercializarem seus produtos. Desta forma, esperamos sanar uma boa parte do déficit mensal que a instituição possui”, finalizou.

Se você deseja contribuir com o projeto e receber mais informações, basta ligar para: (17) 3321-6600, ramal 6624, ou enviar um e-mail para: rubikinho@hcancerbarretos.com.br.

Você também pode salvar vidas
Confira as várias formas de ajudar o Hospital de Amor em: hospitaldeamor.com.br/ajude.

‘O Agro Contra o Câncer’ busca atingir todos os setores do segmento no país, tanto na área de produção de matéria-prima, quanto na agroindústria, para combater uma doença que só no Brasil afeta mais de meio milhão de pessoas todos os anos.

 


Publicado em 29 de ago de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Captação de Recursos