fbpx

Pioneirismo: HA publica estudo para tratamento com radioterapia acelerada

Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

Dr. Rui Manuel Reis,Diretor executivo e científico do IEP, durante lançamento do smartAMOR.

No último dia 28 dezembro de 2018, o Hospital de Amor deu um grande passo tecnológico, um avanço em ciência e desenvolvimento ao criar o ‘Centro de Inovação em Tecnologias para a Oncologia 4.0’ – projeto nomeado smartAMOR, que permitirá maior agilidade no atendimento, diagnóstico e tratamento dos pacientes oncológicos por meio da integração de dados em prontuários eletrônicos e da patologia digital, que faz uso de Inteligência Artificial para otimizar a integração e operacionalização em larga escala.

Financiado pelo Ministério da Saúde, através do Departamento do Complexo Industrial e Inovação da Saúde (DECIIS), e coordenado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do Hospital de Amor, o projeto conta com as parcerias da Escola Politécnica da USP (Poli-USP), por meio da Gestão e Automação em TI (GAESI), e do Instituto e Tecnologia de Software (ITS). A cerimônia de lançamento do smartAMOR teve a participação do presidente do HA, Henrique Prata, do então Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e de outras autoridades.

Para Prata, a criação do centro é um marco na história da instituição e um avanço muito importante em ciência e tecnologia. “Sempre foi um sonho do meu pai que o hospital oferecesse para o paciente muito além do tratamento do câncer, abrangendo áreas como prevenção e pesquisa. E hoje, cada vez mais, eu consigo ver o quanto dar esses passos é realmente é importante. É uma alegria e um orgulho muito grande pra mim saber que estamos indo no caminho certo”.

Gilberto Occhi assinou um convênio de R$ 28 milhões para a implantação do Centro de Inovação em Tecnologia.

Benefícios
O modelo de oncologia 4.0 irá agilizar a tomada de decisões nos pontos de atendimento aos pacientes, possibilitando a intervenção precoce e a cura de lesões. Sem tratamento imediato e de baixo custo, as chances de cura são reduzidas e têm um grande impacto financeiro no Sistema Único de Saúde (SUS). Com a implantação do centro, a rede de cuidados do Hospital de Amor (5 hospitais, 11 unidades fixas de prevenção e 18 unidades móveis para fazer rastreamento oncológico) e as outras instituições envolvidas no projeto irão atuar de maneira inter e multidisciplinar.

O smartAMOR contará com três núcleos temáticos: Integração, Imagem e Ômica (análise global dos sistemas biológicos), com distintos projetos dentro de cada um deles. “ A revolução 4.0, que prevê cruzar os limites entre o mundo digital, físico e biológico, também está se materializando no âmbito da saúde, com a convergência tecnológica de universos como a internet das coisas, inteligência artificial, big data e realidade aumentada. A Saúde 4.0 engloba a digitalização de dados, a interconectividade entre máquinas e comandos, bancos de dados mais eficientes e, principalmente, uma maior autonomia dos pacientes em relação à própria saúde”, afirmou o diretor executivo e científico do IEP, Dr. Rui Manuel Reis.

Durante a solenidade, Gilberto Occhi realizou um dos últimos atos como ministro da saúde e assinou um convênio de R$ 28 milhões para a implantação do Centro de Inovação em Tecnologia. “Assino, no último dia de gestão, essa parceria para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia. Será o início da grande mudança que ajudará a saúde. Com esse projeto, teremos capacidade para armazenar as informações necessárias que irão contribuir com os tratamentos. O trabalho que é desenvolvido no Hospital de Amor traz esperança, e eu creio que é o amor e a fé que os movem. Eu já lutei contra o câncer e gostaria de ter tido o apoio desse hospital. Aqui é diferente, é especial. Foi uma grande honra poder contribuir. Desejo um grande ano para toda essa equipe”, declarou Occhi.

Eduardo Mário Dias é coordenador do GAESI (Gestão e Automação em TI).

De acordo com o coordenador do GAESI, Eduardo Mário Dias, a implantação do smartAMOR é importante não só para o Hospital de Amor, mas para todo o país, pois representa uma revolução positiva no SUS. Trata-se de uma inovação mundial e, por isso, é necessária muita precisão em sua aplicação. “Vai ser um desafio muito grande integrar a base de dados de diversos setores, mas nós vamos trazer o conhecimento de outras áreas. Ao todo, são 12 profissionais da USP envolvidos no projeto, além da minha participação acadêmica e de outro professor. Agradeço à equipe do HA por nos permitir desenvolver algo tão importante, com esse grau de ousadia”, contou.

Tecnologia
Para o gerente do departamento de Tecnologia da Informação (TI) do Hospital de Amor, Luís Alexandre Covello, o projeto irá possibilitar que a instituição continue evoluindo na busca por conhecimento na luta contra o câncer. “Só para termos uma ideia da importância do smartAMOR: em 2005, quando o Hospital ainda dava seus primeiros passos na área de informática, nós tínhamos 2 equipamentos dessa ‘camada’ que vamos ter em 2019, ou seja, eram 2 servidores para sustentar 300 pontos de rede. Agora, contamos com mais de 30 servidores e 300 pontos de rede, com infraestrutura e de maneira integrada. Esses 14 anos de crescimento da TI (que também acompanha a evolução do HA) mostram o valor do projeto e dessa revolução”, finalizou Covello.

A estimativa é de que o smartAMOR inicie suas atividades após a instalação de toda a infraestrutura de tecnologia e da implementação da patologia digital de milhares de exames realizados anualmente.

O lançamento do projeto smartAMOR contou com a presença do diretor executivo e científico do IEP, Dr. Rui Manuel Reis; ex-ministro da saúde, Gilberto Occhi. presidente do HA, Henrique Prata; deputado federal, Baleia Rossi e coordenador do GAESI, Eduardo Mário Dias.

 

Com intuito de gerar reflexões e promover trocas de experiências relacionadas ao tratamento radioterápico, o Hospital de Amor, em parceria com a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e a reconhecida empresa do ramo radiológico, Varian Medical Systems, realizou o congresso internacional de radioterapia “Barretos-UCLA Week.” Nos dias 14, 16 e 17 de novembro, o evento reuniu, no IRCAD América Latina, profissionais do HA, médicos de todo o Brasil e representantes da universidade norte-americana, para debater sobre as novas tecnologias aplicadas na área e compartilhar os conhecimentos de inovações no tratamento de câncer.

Dr. Percy Lee é médico e professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

De acordo com o médico e professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles, Dr. Percy Lee, o simpósio é extremamente importante para as instituições envolvidas, principalmente em relação ao compartilhamento de ideias e novas técnicas. “Graças a eventos como esse, nós podemos aprender uns com os outros. Sei que os colegas que atuam no Hospital de Amor estão sempre buscando aprender e otimizar o desenvolvimento de seus trabalhos, adaptando-se às novas tecnologias. Por isso, embora os cursos sejam de curta duração, são muito produtivos, e quem ganha são os pacientes e toda a comunidade”, relatou. Durante sua palestra, Lee afirmou estar impressionado com a estrutura da instituição e qualificou-a como um dos melhores hospitais do país.

Para o coordenador do departamento de radioterapia do HA, Dr. Alisson Bruno Barcelos Borges, o congresso reforça o laço de amizade e a parceria institucional com a UCLA. “Essa parceria tem melhorado significativamente a questão cientifica do nosso departamento, além de ter melhorado a qualidade do tratamento que nós oferecemos aos nossos pacientes”, declarou.

Os 200 profissionais que participaram do evento, entre eles, oito convidados que atuam na UCLA, além de médicos, físicos, enfermeiros e técnicos do hospital, se dividiram em dois grupos: radioterapia e física médica. Dentro desses segmentos, discutiram assuntos multidisciplinares sobre radioterapia, oncologia clínica, cirurgia, suporte clínico, entre outros relacionados ao tratamento dos pacientes.

Edições anteriores
Essa foi a segunda edição do congresso em que profissionais de outras instituições puderam participar. Após a consolidação da parceria entre as duas instituições, o evento se expandiu e foi aberto ao público do segmento, crescendo ano a ano.

Para o rádio-oncologista que atua na Santa Casa de Araraquara (SP) e de São Carlos (SP), Dr. Guilherme Paulão Mendes, é enriquecedor poder aprender com os profissionais americanos sobre novas tecnologias. “Na instituição de Araraquara, nós iremos passar por uma reforma e será necessário levar novos equipamentos, que irão contribuir para um atendimento mais eficaz aos nossos pacientes. Por isso, é fundamental que a gente tenha contato com essas tecnologias e com essa troca de experiências. Esse tipo de simpósio que o Hospital de Amor realiza é muito importante para todos nós”, finalizou.

O evento reuniu profissionais do HA, médicos de todo o Brasil e representantes da universidade norte-americana, para debater sobre as novas tecnologias aplicadas na área e compartilhar os conhecimentos.

Publicado em 29 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Ensino e Pesquisa, Diagnóstico e Tratamento
Estudo HIPO-CP: ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”.

O departamento de radioterapia do Hospital de Amor deu mais um grande passo no que se refere à tecnologia e excelência e publicou, no dia 23 de outubro de 2018, na revista científica BMC Cancer (um periódico médico de acesso aberto, revisado por profissionais que publicam pesquisas originais sobre câncer e oncologia), um estudo chamado HIPO-CP. Trata-se de um ensaio clínico feito no HA com o objetivo de estudar a viabilidade de se realizar um tratamento com “radioterapia acelerada”, associado com quimioterapia, para o tratamento de câncer de cabeça e pescoço.

Através de uma tecnologia chamada IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) foi possível comprovar a segurança do tratamento, que passou a ter duração de apenas 4 semanas, ao invés de 7, e resultados expressivos à doença. Pioneiro no Brasil, o estudo também foi o primeiro no mundo a usar cisplatina (quimioterapia mais recomendada para se associar à radioterapia nesta doença).

De acordo com o coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor, Dr. Alexandre Arthur Jacinto, mais de 160 pacientes em tratamento de câncer de cabeça e pescoço na instituição já foram beneficiados com a radioterapia acelerada. “A partir deste método, abre-se um novo potencial de estudo em câncer de cabeça e pescoço e uma mudança no padrão de tratamento para este tipo de doença”, afirmou.

Dr. Alexandre Arthur Jacinto é coordenador científico do departamento de radioterapia do Hospital de Amor.

Os benefícios
Segundo o médico, quando falamos em câncer, estamos nos referindo a uma doença muito agressiva, onde os tratamentos acelerados podem ser bem mais efetivos. Além disso, trata-se de uma enfermidade muito frequente no mundo todo, sendo mais frequente e com maiores taxas de mortalidade em países com menos recursos de saúde, especialmente aqueles com baixo acesso à radioterapia, como é o caso do Brasil.

Graças ao estudo, é possível oferecer um tratamento com potencial maior de cura e com tempo de duração mais rápido que o habitual, permitindo que o paciente volte para sua casa antes, já que a grande maioria dos pacientes do HA viajam longas distâncias para receber tratamento. “Apesar de todos esses benefícios, o maior impacto deste estudo é a possibilidade de se otimizar o uso dos poucos equipamentos de radioterapia existentes no país, onde há longas filas de espera para se conseguir realizar o procedimento. É importante lembrarmos que, infelizmente, muitos pacientes morrem antes mesmo de se conseguir receber a radioterapia por falta de acesso ao tratamento. Isso é uma realidade não apenas do nosso país, mas de muitos outros também”, declarou Jacinto.

Dentre todos os benefícios proporcionados pela radioterapia acelerada, estão:
1) Maior potencial de cura para uma doença tão frequente e grave;
2) Tratamento mais rápido e pacientes com retornos antecipados para suas casas;
3) Mais acesso dos pacientes com câncer ao tratamento de radioterapia, já que o procedimento será encurtado.

Atualmente, o departamento de radioterapia do Hospital de Amor está participando de um grande projeto de pesquisa internacional, que visa comparar este tratamento de radioterapia acelerada, com a radioterapia convencional. Trata-se do HYPNO TRIAL – coordenado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e ligada à Organização das Nações Unidas (ONU). O estudo multicêntrico já recrutou 700 pacientes, entre 850 previstos.

A boa notícia é que o Hospital de Amor é considerado um dos maiores centros em termos de taxas de inclusão no estudo.

Para ter acesso à publicação do estudo referente à radioterapia acelerada, clique aqui.

Dr. Rui Manuel Reis,Diretor executivo e científico do IEP, durante lançamento do smartAMOR.

No último dia 28 dezembro de 2018, o Hospital de Amor deu um grande passo tecnológico, um avanço em ciência e desenvolvimento ao criar o ‘Centro de Inovação em Tecnologias para a Oncologia 4.0’ – projeto nomeado smartAMOR, que permitirá maior agilidade no atendimento, diagnóstico e tratamento dos pacientes oncológicos por meio da integração de dados em prontuários eletrônicos e da patologia digital, que faz uso de Inteligência Artificial para otimizar a integração e operacionalização em larga escala.

Financiado pelo Ministério da Saúde, através do Departamento do Complexo Industrial e Inovação da Saúde (DECIIS), e coordenado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do Hospital de Amor, o projeto conta com as parcerias da Escola Politécnica da USP (Poli-USP), por meio da Gestão e Automação em TI (GAESI), e do Instituto e Tecnologia de Software (ITS). A cerimônia de lançamento do smartAMOR teve a participação do presidente do HA, Henrique Prata, do então Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e de outras autoridades.

Para Prata, a criação do centro é um marco na história da instituição e um avanço muito importante em ciência e tecnologia. “Sempre foi um sonho do meu pai que o hospital oferecesse para o paciente muito além do tratamento do câncer, abrangendo áreas como prevenção e pesquisa. E hoje, cada vez mais, eu consigo ver o quanto dar esses passos é realmente é importante. É uma alegria e um orgulho muito grande pra mim saber que estamos indo no caminho certo”.

Gilberto Occhi assinou um convênio de R$ 28 milhões para a implantação do Centro de Inovação em Tecnologia.

Benefícios
O modelo de oncologia 4.0 irá agilizar a tomada de decisões nos pontos de atendimento aos pacientes, possibilitando a intervenção precoce e a cura de lesões. Sem tratamento imediato e de baixo custo, as chances de cura são reduzidas e têm um grande impacto financeiro no Sistema Único de Saúde (SUS). Com a implantação do centro, a rede de cuidados do Hospital de Amor (5 hospitais, 11 unidades fixas de prevenção e 18 unidades móveis para fazer rastreamento oncológico) e as outras instituições envolvidas no projeto irão atuar de maneira inter e multidisciplinar.

O smartAMOR contará com três núcleos temáticos: Integração, Imagem e Ômica (análise global dos sistemas biológicos), com distintos projetos dentro de cada um deles. “ A revolução 4.0, que prevê cruzar os limites entre o mundo digital, físico e biológico, também está se materializando no âmbito da saúde, com a convergência tecnológica de universos como a internet das coisas, inteligência artificial, big data e realidade aumentada. A Saúde 4.0 engloba a digitalização de dados, a interconectividade entre máquinas e comandos, bancos de dados mais eficientes e, principalmente, uma maior autonomia dos pacientes em relação à própria saúde”, afirmou o diretor executivo e científico do IEP, Dr. Rui Manuel Reis.

Durante a solenidade, Gilberto Occhi realizou um dos últimos atos como ministro da saúde e assinou um convênio de R$ 28 milhões para a implantação do Centro de Inovação em Tecnologia. “Assino, no último dia de gestão, essa parceria para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia. Será o início da grande mudança que ajudará a saúde. Com esse projeto, teremos capacidade para armazenar as informações necessárias que irão contribuir com os tratamentos. O trabalho que é desenvolvido no Hospital de Amor traz esperança, e eu creio que é o amor e a fé que os movem. Eu já lutei contra o câncer e gostaria de ter tido o apoio desse hospital. Aqui é diferente, é especial. Foi uma grande honra poder contribuir. Desejo um grande ano para toda essa equipe”, declarou Occhi.

Eduardo Mário Dias é coordenador do GAESI (Gestão e Automação em TI).

De acordo com o coordenador do GAESI, Eduardo Mário Dias, a implantação do smartAMOR é importante não só para o Hospital de Amor, mas para todo o país, pois representa uma revolução positiva no SUS. Trata-se de uma inovação mundial e, por isso, é necessária muita precisão em sua aplicação. “Vai ser um desafio muito grande integrar a base de dados de diversos setores, mas nós vamos trazer o conhecimento de outras áreas. Ao todo, são 12 profissionais da USP envolvidos no projeto, além da minha participação acadêmica e de outro professor. Agradeço à equipe do HA por nos permitir desenvolver algo tão importante, com esse grau de ousadia”, contou.

Tecnologia
Para o gerente do departamento de Tecnologia da Informação (TI) do Hospital de Amor, Luís Alexandre Covello, o projeto irá possibilitar que a instituição continue evoluindo na busca por conhecimento na luta contra o câncer. “Só para termos uma ideia da importância do smartAMOR: em 2005, quando o Hospital ainda dava seus primeiros passos na área de informática, nós tínhamos 2 equipamentos dessa ‘camada’ que vamos ter em 2019, ou seja, eram 2 servidores para sustentar 300 pontos de rede. Agora, contamos com mais de 30 servidores e 300 pontos de rede, com infraestrutura e de maneira integrada. Esses 14 anos de crescimento da TI (que também acompanha a evolução do HA) mostram o valor do projeto e dessa revolução”, finalizou Covello.

A estimativa é de que o smartAMOR inicie suas atividades após a instalação de toda a infraestrutura de tecnologia e da implementação da patologia digital de milhares de exames realizados anualmente.

O lançamento do projeto smartAMOR contou com a presença do diretor executivo e científico do IEP, Dr. Rui Manuel Reis; ex-ministro da saúde, Gilberto Occhi. presidente do HA, Henrique Prata; deputado federal, Baleia Rossi e coordenador do GAESI, Eduardo Mário Dias.

 

Com intuito de gerar reflexões e promover trocas de experiências relacionadas ao tratamento radioterápico, o Hospital de Amor, em parceria com a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e a reconhecida empresa do ramo radiológico, Varian Medical Systems, realizou o congresso internacional de radioterapia “Barretos-UCLA Week.” Nos dias 14, 16 e 17 de novembro, o evento reuniu, no IRCAD América Latina, profissionais do HA, médicos de todo o Brasil e representantes da universidade norte-americana, para debater sobre as novas tecnologias aplicadas na área e compartilhar os conhecimentos de inovações no tratamento de câncer.

Dr. Percy Lee é médico e professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

De acordo com o médico e professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles, Dr. Percy Lee, o simpósio é extremamente importante para as instituições envolvidas, principalmente em relação ao compartilhamento de ideias e novas técnicas. “Graças a eventos como esse, nós podemos aprender uns com os outros. Sei que os colegas que atuam no Hospital de Amor estão sempre buscando aprender e otimizar o desenvolvimento de seus trabalhos, adaptando-se às novas tecnologias. Por isso, embora os cursos sejam de curta duração, são muito produtivos, e quem ganha são os pacientes e toda a comunidade”, relatou. Durante sua palestra, Lee afirmou estar impressionado com a estrutura da instituição e qualificou-a como um dos melhores hospitais do país.

Para o coordenador do departamento de radioterapia do HA, Dr. Alisson Bruno Barcelos Borges, o congresso reforça o laço de amizade e a parceria institucional com a UCLA. “Essa parceria tem melhorado significativamente a questão cientifica do nosso departamento, além de ter melhorado a qualidade do tratamento que nós oferecemos aos nossos pacientes”, declarou.

Os 200 profissionais que participaram do evento, entre eles, oito convidados que atuam na UCLA, além de médicos, físicos, enfermeiros e técnicos do hospital, se dividiram em dois grupos: radioterapia e física médica. Dentro desses segmentos, discutiram assuntos multidisciplinares sobre radioterapia, oncologia clínica, cirurgia, suporte clínico, entre outros relacionados ao tratamento dos pacientes.

Edições anteriores
Essa foi a segunda edição do congresso em que profissionais de outras instituições puderam participar. Após a consolidação da parceria entre as duas instituições, o evento se expandiu e foi aberto ao público do segmento, crescendo ano a ano.

Para o rádio-oncologista que atua na Santa Casa de Araraquara (SP) e de São Carlos (SP), Dr. Guilherme Paulão Mendes, é enriquecedor poder aprender com os profissionais americanos sobre novas tecnologias. “Na instituição de Araraquara, nós iremos passar por uma reforma e será necessário levar novos equipamentos, que irão contribuir para um atendimento mais eficaz aos nossos pacientes. Por isso, é fundamental que a gente tenha contato com essas tecnologias e com essa troca de experiências. Esse tipo de simpósio que o Hospital de Amor realiza é muito importante para todos nós”, finalizou.

O evento reuniu profissionais do HA, médicos de todo o Brasil e representantes da universidade norte-americana, para debater sobre as novas tecnologias aplicadas na área e compartilhar os conhecimentos.

Publicado em 29 de nov de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Ensino e Pesquisa, Diagnóstico e Tratamento