fbpx

Hospital de Amor e SESC: uma parceria de sucesso em prevenção

Entre os dias 20 e 31 de maio, o Hospital de Amor, através do seu Centro de Treinamento em Prevenção e do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia, realizou mais um treinamento para os colaboradores do SESC. A 6ª turma, que contou com 29 novos profissionais, entre eles: coordenadores, enfermeiros, técnicos de radiologia e educadores em saúde, veio de várias partes do Brasil para participar da capacitação.

Roberta Vilhena é analista de saúde do departamento nacional do SESC.

De acordo com a analista de saúde do departamento nacional do SESC, Roberta Vilhena, trata-se de uma formação destinada aos novos colaboradores do projeto “Sesc Saúde Mulher” – composto por unidades móveis que realizam exames para prevenção de câncer de mama e colo de útero, além do desenvolvimento de ações educativas para promoção em saúde. “Esse treinamento é extremamente importante para que os funcionários iniciem suas atividades em nossa instituição alinhados com nossa proposta metodológica e alcançando o nível de qualidade que esperamos. Sendo assim, devido à excelência e qualidade reconhecidos internacionalmente, não poderíamos deixar de ter o Hospital de Amor como parceiro nesse trabalho”, afirmou.

Ao todo, o HA já capacitou 196 alunos do SESC, entre os cursos de ‘Reciclagem em Mamografia’ (onde os técnicos em mamografia são orientados para fazer o posicionamento correto da mama no exame), ‘Gerência em Prevenção do Câncer de Mama com Ênfase em Qualidade’ (destinado para colaboradores que são responsáveis pelas unidades móveis), ‘Educação em Saúde’, ‘Coleta de Papanicolaou’ (destinado a enfermeiras) e ‘Suporte Básico à Vida’. Todas as capacitações são realizadas por profissionais do Hospital de Amor, que oferecem também suporte em tempo integral aos participantes.

A 6ª turma do SESC contou com 29 novos profissionais, entre eles: coordenadores, enfermeiros, técnicos de radiologia e educadores em saúde.

Segundo o coordenador do Centro de Treinamento do Hospital de Amor, Thiago Buosi Silva, além dos treinamentos dos profissionais, o hospital emite os laudos de mamografia de todas as unidades móveis do SESC (sendo 25 no total) e faz o controle de qualidade técnico, clínico e médico dessas imagens. “Graças a essa parceria, todas as pessoas que começam a atuar na equipe do SESC, vêm ao Hospital de Amor receber a capacitação. Com a expansão do projeto, outras unidades sendo inauguradas e também novas admissões, finalizamos a 6ª turma e já estamos planejando a 7ª”, declarou o coordenador.

Até o momento, o Centro de Treinamento já realizou 190 cursos e capacitou 1.126 alunos de instituições de todos os estados do país.

Sobre o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia
Criado em 2012, na cidade de Barretos, interior do estado de São Paulo, o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia presta serviços nas áreas de capacitação, reciclagem, treinamento e pós-graduação em mamografia, em parceria com o Instituto de Prevenção do Hospital de Amor e com a Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB).

Para atender a uma demanda do meio profissional e acadêmico, e com o objetivo de fornecer instrumentos de avaliação práticos, válidos e confiáveis, o núcleo elabora e administra cursos 80% práticos, baseados em modelos europeus de qualidade.

Os cursos oferecidos são reconhecidos na área educacional pelo Ministério da Educação (MEC) e apoiados por centros de treinamento internacionais, como o LRCB – National Expert and Training Centre for Breast Cancer Screening, e também por profissionais de saúde que coordenam serviços de mamografia em diversos locais do Brasil, devido aos resultados precisos e consistentes fornecidos.

Além disso, o reconhecimento dos cursos do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia possibilitou a criação de uma certificação de abrangência nacional adequada às necessidades do país como uma alternativa aos certificados internacionais disponíveis.

Saiba mais sobre o núcleo acessando: www.nucleodemamografia.com.br.

Para atender a uma demanda do meio profissional e acadêmico, e com o objetivo de fornecer instrumentos de avaliação práticos, válidos e confiáveis, o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia elabora e administra cursos 80% práticos, baseados em modelos europeus de qualidade.

 

O programa de treinamento contou com a parceria entre o HA, a Arte Despertar, e o apoio do laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD).

A humanização já é marca registrada no Hospital de Amor! Em todas as suas unidades espalhadas pelo país e também nas ações desenvolvidas por cada um de seus profissionais, é possível encontrar carinho, dedicação e amor ao próximo. E para que essa prática fosse aprimorada, os colaboradores do HA e da Santa Casa de Misericórdia de Barretos participaram, no último dia 11 de abril, do 1º módulo do programa de treinamento “Arte Despertar”, com o objetivo de estimular habilidades e competências em liderança, comunicação, trabalho em equipe e motivação, para fortalecer, ainda mais, o atendimento humanizado aos pacientes.

Vivências envolvendo música e narração de histórias foram os destaques da capacitação, que contou com a parceria entre o HA, a Arte Despertar, e o apoio do laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD).

De acordo com a gerente de recursos humanos da instituição, Fernanda Vieira Zabeu, a iniciativa gerou momentos de reflexão entre os participantes. “O projeto trará a possibilidade de desenvolvimento de ações pelos colaboradores, que transformará o ambiente de trabalho”, afirmou. Para a gerente de recursos humanos da Santa Casa, Renata Paschoal, o programa de treinamento vai ao encontro dos valores do hospital. “Os propósitos oferecidos pelo Arte Despertar são excelentes para que os funcionários vivenciem um cuidado diferenciado aos pacientes. Trata-se de um projeto muito bonito e sério. Estamos felizes com a parceria”, explicou Renata.

Segundo a diretora executiva do programa, Rosana Junqueira Morales, o maior beneficiado com essa aliança entre as três entidades será o próprio paciente, que passará a receber um atendimento ainda mais qualificado. “Quando o profissional da saúde percebe que está sendo cuidado com carinho, ele vai refletir isso em seu atendimento aos pacientes e na melhoria de todo o ambiente hospitalar. O Hospital de Amor já é reconhecido por essa atenção aos detalhes e, para nós, é uma honra e responsabilidade muito grande receber a missão de contribuir com essa forte política de humanização”, declarou.

Neste primeiro momento, cerca de 140 profissionais receberam a capacitação.

O treinamento
Os treinamentos foram divididos em duas turmas, de cada instituição, e contaram com 25 até 30 profissionais de equipes multidisciplinares em cada uma delas. De acordo com a atriz, arte-educadora e narradora de histórias do projeto, Cristiana Ceschi, o ponto principal do trabalho é a arte, praticada para despertar qualidades, aptidões e sentimentos que expandem o consciente do ser humano. “Todo indivíduo tem uma história, então, nesse trabalho ocorre a tomada de consciência. Por isso, nós utilizamos as narrativas – que dá sentido e valor a existência humana. É preciso se reconhecer, olhar para frente e seguir a diante, através de um percurso que é feito com a arte”, explicou.

Segundo a psicologia do Arte Despertar, Soraya Dacal, o primeiro módulo do treinamento foi sobre o ‘autoconhecimento’, que veio alinhado a teoria “Inteligência Emocional”, de Daniel Goleman. “Nossa ideia é que as pessoas reflitam, vivenciem e resgatem suas emoções. A partir do momento em que as pessoas reconhecem suas emoções, elas podem controla-las e isso será muito importante no contato com o paciente, gerando empatia e refletindo na recuperação dele. O colaborador aprende a levar o coração consigo nos atendimentos”, declarou Soraya.

Neste primeiro momento, cerca de 140 profissionais, das duas instituições, receberam a capacitação. Os próximos módulos, que abordarão temas como: comunicação, empatia e trabalho em equipe, serão realizados nos dias 9 de maio, 13 de junho e 11 de julho, no Hospital de Amor Barretos, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu (a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor), Hospital de Amor Jales, Hospital de Amor Nossa Senhora e na Santa Casa de Misericórdia de Barretos.

O 1º módulo do treinamento foi sobre o ‘autoconhecimento’.

Momentos de reflexão
Para a enfermeira do Hospital de Amor São Judas Tadeu, Rubia Maira Skavronki Rodrigues, o treinamento trouxe um momento de descontração e de muita reflexão. “Durante esse tempo eu pude pensar sobre as coisas no qual eu devo valorizar, como o meu trabalho, o meu paciente, minha família e a minha vida pessoal. Tudo o que foi dito me fez pensar se eu estou dando o melhor de mim”, afirmou a enfermeira.

De acordo com o coordenador de enfermagem do HA, Hudson Menezes Taveira, participar do treinamento foi muito gratificante e um bom momento para reunir os colaboradores dos mais diversos departamentos. “A gente pôde trabalhar as memórias e as nossas emoções, já que às vezes nós não temos tempo, devido às atividades do dia a dia no trabalho. Foi um momento para resgatar as nossas emoções. O treinamento superou muito as minhas expectativas”, finalizou Taveira, animado para participar do próximo módulo.

Sobre a Arte Despertar
Há mais de 21 anos, a Arte Despertar contribui para a humanização dos hospitais a partir de uma metodologia própria que usa a narração de histórias e a música para despertar nos pacientes aquilo que está saudável e contribuir para a elevação da sua autoestima, ressiginificando o momento vivido no ambiente hospitalar.

Desde o início, a Arte Despertar preocupou-se também em levar essa experiência aos profissionais da saúde. Para isso, criou seu próprio método de treinamento para desenvolver e fortalecer competências relacionadas ao autoconhecimento, empatia, comunicação, relacionamento interpessoal, dentre outras.

O 1º módulo do programa de treinamento “Arte Despertar”, teve o objetivo de estimular habilidades e competências em liderança, comunicação, trabalho em equipe e motivação, para fortalecer, ainda mais, o atendimento humanizado aos pacientes.

Espirrar, coçar, tossir ou sentir outros sintomas parecidos com esses é muito comum na vida de diversas pessoas que sofrem com alguma alergia. Reconhecida pelos especialistas como uma reação de hipersensibilidade, essa doença é uma resposta exagerada do sistema imunológico, após contato com algum agente causador. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que cerca de 30% da população brasileira possui algum tipo de alergia. Dentre elas, está a ‘alergia alimentar’ – reação adversa a determinado alimento, que, quando não evitada, pode causar inchaço ou coceira nos lábios, diarreia, vômitos e até mesmo rouquidão.

O “Bem-Vindo Alérgico” é um projeto de conscientização em alergia alimentar que oferece soluções para organizações que servem alimentação, como hotéis, restaurantes, escolas e hospitais.

Sabendo da importância de se ter protocolos de segurança que protejam pacientes e colaboradores acometidos por essa reação, o Serviço de Nutrição do Hospital de Amor recebeu o treinamento da técnica “Bem-Vindo Alérgico”, um projeto de conscientização em alergia alimentar que oferece soluções para organizações que servem alimentação, como hotéis, restaurantes, escolas e hospitais, liderado pela farmacêutica e idealizadora da iniciativa, Dra. Danila Blanco de Carvalho.

Nos dias 20 e 21 de fevereiro, cozinheiros e auxiliares da instituição participaram da capacitação. Já nos dias 27 e 28, foi a vez dos nutricionistas, técnicos e residentes em nutrição receberem as orientações. Através de treinamentos personalizados, os profissionais tiveram a oportunidade de aprender mais sobre o que é a alergia alimentar; os riscos para a vida dos pacientes e colaboradores que sofrem com essa reação; as diferenças entre alergia e intolerância; alergia alimentar em pacientes imunodeprimidos; os cuidados nas preparações dos alimentos; alternativas de substituição dos alimentos, além da revisão de mapeamento de riscos dentro da cozinha da instituição.

Após ganhar o selo “Bem-Vindo Alérgico: aqui eu posso comer”, o Hospital de Amor tornou-se apto para acolher pessoas com alergia e intolerâncias alimentares, oferecendo muito mais segurança. “A partir de agora, a instituição tornou-se pioneira na capacitação em alergia alimentar”, afirmou a coordenadora do departamento de nutrição do Hospital de Amor, Camila Avi.

Alérgicos no Hospital de Amor
De acordo com a nutricionista do HA, estima-se que 8% das crianças e 4% dos adultos possuem algum tipo de alergia alimentar. As intolerâncias mais comuns estão relacionadas a: leite, ovo, trigo, soja, amendoim, peixes, crustáceos e castanhas. No Brasil, a maior incidência em crianças é a alergia à proteína do leite da vaca, e em adultos, a peixes e crustáceos. “Quando nos referimos à intolerância alimentar, o número chega a 15% da população geral. No Hospital de Amor, vemos a recorrência desses problemas principalmente em pacientes com doença celíaca (aquela que é causada pela intolerância ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e seus derivados). Por isso, já era uma prática da equipe de cozinheiros evita servir refeições com esses tipos de alimentos a pacientes com restrições. A partir de agora, com os conhecimentos mais aprofundados, os cuidados foram tecnicamente intensificados” afirmou Camila.

Sabendo da importância de se ter protocolos de segurança que protejam pacientes e colaboradores acometidos por essa reação, o Serviço de Nutrição do Hospital de Amor recebeu o treinamento da técnica “Bem-Vindo Alérgico”.
A edição 2018 da “Caminhada Passos que Salvam” movimentou mais de 650 municípios, em 20 estados do Brasil.

A cada ano que passa, a Caminhada “Passos que Salvam” – uma das principais campanhas de conscientização promovidas pelo Hospital de Amor – ganha espaço e conquista municípios que abraçam a causa em favor do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Após o sucesso da 7ª edição, que aconteceu no dia 25 de novembro de 2018, e para que o projeto continue ajudando ainda mais pessoas a descobrir os sinais e sintomas da doença, o HA deu mais um passo e realizou, pelo sexto ano consecutivo, a ‘Capacitação de Médicos em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’.

O encontro aconteceu nos dias 22 e 23 de março, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP). Das 650 cidades participantes na última caminhada, 140 médicos (que prestam atendimento a crianças e adolescentes na rede pública de saúde), vindos de 11 estados do Brasil, participaram do evento.

As palestras, ministradas por colaboradores da unidade infantojuvenil do Hospital de Amor, tiveram como objetivo orientar e capacitar esses profissionais para que possam colaborar no diagnóstico precoce do câncer e enviar esses pacientes com mais rapidez para tratamento na instituição. Graças ao treinamento, os participantes poderão se tornar referência na cidade onde atuam, criando um acesso direto com os médicos do Hospital, facilitando o envio de exames e a discussão de casos.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, metade das crianças que chegam a Barretos para o tratamento da doença já se encontra em estágio muito avançado, sendo difícil oferecer taxas elevadas de cura. “Nós temos que mostrar para o pediatra como detectar o câncer precocemente, pois se os pacientes continuarem chegando à instituição tarde demais, não conseguiremos melhorar”, afirmou.

Os dois dias de programação contaram com discussões sobre os seguintes temas: Epidemiologia do Câncer Infantil; Aplicação dos Estudos Moleculares e Genéticos no Diagnóstico Precoce; Os Sinais de Alerta no Hemograma do Diagnóstico Precoce; Estudos de Peregrinação das famílias e pacientes até a chegada a Barretos; Indicação de exames de imagem do Diagnóstico Precoce; Aspectos Importantes da Cirurgia Pediátrica; Vacinação no Imunossuprimido; Abordagem teórica e apresentação de casos: Tumores Abdominais, Retinoblastoma, Leucemias, Tumores Cerebrais, Tumores Ósseos e Linfomas.

Naima Kathib é coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”.

Segundo o médico, é possível perceber resultados positivos em decorrência dos eventos anteriores. “Já estamos medindo isso. Temos dados estatísticos das crianças que foram encaminhadas para cá antes do treinamento e depois dele. E estamos reduzindo, significativamente, o número de pacientes que chegaram com tumor avançado, e agora chegam com a doença em estágios mais iniciais, permitindo que se curem”, finalizou Lopes.

Para a coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”, Naima Kathib, esse é um dos projetos mais importantes desenvolvidos pelo Hospital. “Desde de 2014, quando começamos a capacitar os médicos de todo o Brasil, já foi possível perceber a mudança no olhar desses profissionais em relação aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Mais de 1.200 médicos já se tornaram referência em seus municípios para o envio de pacientes ao HA e nós não vamos parar por aí!”, relatou a coordenadora.

O câncer infantojuvenil
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos com câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. Para o Dr. Luiz Fernando Lopes, 12.500 novos casos são diagnosticados todos os anos no Brasil, e a expectativa é de que até 2020 este número aumente em 30%.

Capacitação de Enfermeiros
Os municípios que realizaram a caminhada também poderão enviar seus enfermeiros para participar da ‘Capacitação de Enfermeiros em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’. O treinamento destes profissionais acontecerá nos dias 24 e 25 de maio de 2019. Para mais informações, basta entrar em contato com o departamento responsável pela Caminhada “Passos que Salvam” através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7169, ou e-mail: ‘passosquesalvam@hcancerbarretos.com.br’.

140 profissionais, vindos de 11 estados do Brasil, participaram do treinamento para contribuir com o diagnóstico precoce da doença e aumentar as chances de cura.
Esperança e Mendriciana viajaram mais de 8 mil km até Barretos para aprender técnicas de radioterapia e trocar experiências com especialistas.

Atravessar o oceano Atlântico para poder aprimorar os conhecimentos em um centro oncológico que é referência na América Latina, foi uma grande conquista alcançada por duas enfermeiras de Moçambique, na África. Graças a uma parceria com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), as profissionais Esperança Fátima Carma A. Guambe, de 53 anos, e Mendriciana Xavier Guambe, de 28, iniciaram, em dezembro de 2018, um treinamento focado em técnicas de radioterapia, no departamento de Radioterapia do Hospital de Amor.

Moçambique, que está localizado no sudoeste da África, também já foi uma antiga colônia portuguesa. Atualmente, possui 29 milhões de habitantes e uma expectativa de vida inferior a 55 anos de idade. A taxa de pobreza do país é considerada alta: cerca de 54%, com Índice de Desenvolvimento Humano em 0.415. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a população de Moçambique sofre com doenças transmissíveis, possui altos índices de mortalidade materna e acidentes que representam 66% de óbitos no país. O câncer é responsável por 4% das mortes, porém, embora o número seja baixo em relação às outras causas, ainda são precárias as condições de rastreio para diagnóstico precoce, atendimento e tratamento oncológico, dificultando as possibilidades de cura dos pacientes.

As amigas ficaram surpresas ao se depararem com a estrutura e com os equipamentos altamente tecnológicos do HA.

Segundo as enfermeiras moçambicanas, que atuam no maior hospital do país africano – o Hospital Central de Maputo, situado em Maputo (capital do país) – o tratamento radioterápico (uma das principais formas de terapia para combate ao câncer) ainda não é oferecido aos pacientes de lá. “Quando a equipe médica indica a radioterapia como uma parte do processo do tratamento, apenas os pacientes que possuem recursos financeiros conseguem fazer, pois é necessário realizar o deslocamento para outros países, como a África do Sul, por exemplo”, relatou Mendriciana.

As amigas, que nunca haviam saído do continente africano, ficaram extremamente surpresas ao se depararem com a estrutura e com os equipamentos altamente tecnológicos do Hospital de Amor. Desde dezembro do ano passado na instituição, as profissionais ficarão até o mês de julho, acompanhadas pela equipe de enfermagem do HA, atuando como enfermeiras observacionais e tendo a oportunidade de participar de treinamentos sobre procedimentos de radioterapia. “É nítida a diferença em quase todas as coisas por aqui. As pessoas são muito bacanas, a relação entre colaboradores é de muita gentileza e a relação entre médicos e pacientes é amigável e muito admirável. Fiquei muito surpresa! Espero aprender muito nesses 6 meses, para poder aplicar esse conhecimento lá em Moçambique”, declarou Esperança.

Para a enfermeira do departamento de radioterapia do Hospital, Franciele de Oliveira Gomes, essa troca de experiências é muito importante para ambas as partes. “É notável a falta de acessibilidade e tecnologia no local em que a Esperança e a Mendriciana atuam, por isso, o cronograma de atividades delas aqui no HA inclui o trabalho observacional no setor de radioterapia (por um período de 3 meses) e no de oncologia clínica (por mais 3 meses). Além disso, as moçambicanas conhecerão a cidade de Barretos e outros locais da região”, disse Franciele.

Esperança
A enfermeira, cujo nome reflete o motivo da vinda das duas profissionais africanas para o Brasil, não só realizou o sonho de conhecer o país latino-americano, como também está tendo a chance de aprimorar suas habilidades e levar aprendizado para sua terra natal. Para Esperança, essa experiência está ligada a uma grande responsabilidade, que ela pretende honrar na sua volta a Moçambique. “Creio que é um grande passo poder levar conhecimento ao nosso país. Minha esperança é de que esse discernimento possa ser compartilhado de uma maneira profissional, didática e, como aprendi aqui, com muito amor”, finalizou.

Desde dezembro de 2018 na instituição, as profissionais ficarão até o mês de julho, acompanhadas pela equipe de enfermagem do HA, atuando como enfermeiras observacionais e tendo a oportunidade de participar de treinamentos sobre procedimentos de radioterapia.

Publicado em 31 de jan de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Ensino e Pesquisa, Diagnóstico e Tratamento

Entre os dias 20 e 31 de maio, o Hospital de Amor, através do seu Centro de Treinamento em Prevenção e do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia, realizou mais um treinamento para os colaboradores do SESC. A 6ª turma, que contou com 29 novos profissionais, entre eles: coordenadores, enfermeiros, técnicos de radiologia e educadores em saúde, veio de várias partes do Brasil para participar da capacitação.

Roberta Vilhena é analista de saúde do departamento nacional do SESC.

De acordo com a analista de saúde do departamento nacional do SESC, Roberta Vilhena, trata-se de uma formação destinada aos novos colaboradores do projeto “Sesc Saúde Mulher” – composto por unidades móveis que realizam exames para prevenção de câncer de mama e colo de útero, além do desenvolvimento de ações educativas para promoção em saúde. “Esse treinamento é extremamente importante para que os funcionários iniciem suas atividades em nossa instituição alinhados com nossa proposta metodológica e alcançando o nível de qualidade que esperamos. Sendo assim, devido à excelência e qualidade reconhecidos internacionalmente, não poderíamos deixar de ter o Hospital de Amor como parceiro nesse trabalho”, afirmou.

Ao todo, o HA já capacitou 196 alunos do SESC, entre os cursos de ‘Reciclagem em Mamografia’ (onde os técnicos em mamografia são orientados para fazer o posicionamento correto da mama no exame), ‘Gerência em Prevenção do Câncer de Mama com Ênfase em Qualidade’ (destinado para colaboradores que são responsáveis pelas unidades móveis), ‘Educação em Saúde’, ‘Coleta de Papanicolaou’ (destinado a enfermeiras) e ‘Suporte Básico à Vida’. Todas as capacitações são realizadas por profissionais do Hospital de Amor, que oferecem também suporte em tempo integral aos participantes.

A 6ª turma do SESC contou com 29 novos profissionais, entre eles: coordenadores, enfermeiros, técnicos de radiologia e educadores em saúde.

Segundo o coordenador do Centro de Treinamento do Hospital de Amor, Thiago Buosi Silva, além dos treinamentos dos profissionais, o hospital emite os laudos de mamografia de todas as unidades móveis do SESC (sendo 25 no total) e faz o controle de qualidade técnico, clínico e médico dessas imagens. “Graças a essa parceria, todas as pessoas que começam a atuar na equipe do SESC, vêm ao Hospital de Amor receber a capacitação. Com a expansão do projeto, outras unidades sendo inauguradas e também novas admissões, finalizamos a 6ª turma e já estamos planejando a 7ª”, declarou o coordenador.

Até o momento, o Centro de Treinamento já realizou 190 cursos e capacitou 1.126 alunos de instituições de todos os estados do país.

Sobre o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia
Criado em 2012, na cidade de Barretos, interior do estado de São Paulo, o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia presta serviços nas áreas de capacitação, reciclagem, treinamento e pós-graduação em mamografia, em parceria com o Instituto de Prevenção do Hospital de Amor e com a Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB).

Para atender a uma demanda do meio profissional e acadêmico, e com o objetivo de fornecer instrumentos de avaliação práticos, válidos e confiáveis, o núcleo elabora e administra cursos 80% práticos, baseados em modelos europeus de qualidade.

Os cursos oferecidos são reconhecidos na área educacional pelo Ministério da Educação (MEC) e apoiados por centros de treinamento internacionais, como o LRCB – National Expert and Training Centre for Breast Cancer Screening, e também por profissionais de saúde que coordenam serviços de mamografia em diversos locais do Brasil, devido aos resultados precisos e consistentes fornecidos.

Além disso, o reconhecimento dos cursos do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia possibilitou a criação de uma certificação de abrangência nacional adequada às necessidades do país como uma alternativa aos certificados internacionais disponíveis.

Saiba mais sobre o núcleo acessando: www.nucleodemamografia.com.br.

Para atender a uma demanda do meio profissional e acadêmico, e com o objetivo de fornecer instrumentos de avaliação práticos, válidos e confiáveis, o Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia elabora e administra cursos 80% práticos, baseados em modelos europeus de qualidade.

 

O programa de treinamento contou com a parceria entre o HA, a Arte Despertar, e o apoio do laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD).

A humanização já é marca registrada no Hospital de Amor! Em todas as suas unidades espalhadas pelo país e também nas ações desenvolvidas por cada um de seus profissionais, é possível encontrar carinho, dedicação e amor ao próximo. E para que essa prática fosse aprimorada, os colaboradores do HA e da Santa Casa de Misericórdia de Barretos participaram, no último dia 11 de abril, do 1º módulo do programa de treinamento “Arte Despertar”, com o objetivo de estimular habilidades e competências em liderança, comunicação, trabalho em equipe e motivação, para fortalecer, ainda mais, o atendimento humanizado aos pacientes.

Vivências envolvendo música e narração de histórias foram os destaques da capacitação, que contou com a parceria entre o HA, a Arte Despertar, e o apoio do laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD).

De acordo com a gerente de recursos humanos da instituição, Fernanda Vieira Zabeu, a iniciativa gerou momentos de reflexão entre os participantes. “O projeto trará a possibilidade de desenvolvimento de ações pelos colaboradores, que transformará o ambiente de trabalho”, afirmou. Para a gerente de recursos humanos da Santa Casa, Renata Paschoal, o programa de treinamento vai ao encontro dos valores do hospital. “Os propósitos oferecidos pelo Arte Despertar são excelentes para que os funcionários vivenciem um cuidado diferenciado aos pacientes. Trata-se de um projeto muito bonito e sério. Estamos felizes com a parceria”, explicou Renata.

Segundo a diretora executiva do programa, Rosana Junqueira Morales, o maior beneficiado com essa aliança entre as três entidades será o próprio paciente, que passará a receber um atendimento ainda mais qualificado. “Quando o profissional da saúde percebe que está sendo cuidado com carinho, ele vai refletir isso em seu atendimento aos pacientes e na melhoria de todo o ambiente hospitalar. O Hospital de Amor já é reconhecido por essa atenção aos detalhes e, para nós, é uma honra e responsabilidade muito grande receber a missão de contribuir com essa forte política de humanização”, declarou.

Neste primeiro momento, cerca de 140 profissionais receberam a capacitação.

O treinamento
Os treinamentos foram divididos em duas turmas, de cada instituição, e contaram com 25 até 30 profissionais de equipes multidisciplinares em cada uma delas. De acordo com a atriz, arte-educadora e narradora de histórias do projeto, Cristiana Ceschi, o ponto principal do trabalho é a arte, praticada para despertar qualidades, aptidões e sentimentos que expandem o consciente do ser humano. “Todo indivíduo tem uma história, então, nesse trabalho ocorre a tomada de consciência. Por isso, nós utilizamos as narrativas – que dá sentido e valor a existência humana. É preciso se reconhecer, olhar para frente e seguir a diante, através de um percurso que é feito com a arte”, explicou.

Segundo a psicologia do Arte Despertar, Soraya Dacal, o primeiro módulo do treinamento foi sobre o ‘autoconhecimento’, que veio alinhado a teoria “Inteligência Emocional”, de Daniel Goleman. “Nossa ideia é que as pessoas reflitam, vivenciem e resgatem suas emoções. A partir do momento em que as pessoas reconhecem suas emoções, elas podem controla-las e isso será muito importante no contato com o paciente, gerando empatia e refletindo na recuperação dele. O colaborador aprende a levar o coração consigo nos atendimentos”, declarou Soraya.

Neste primeiro momento, cerca de 140 profissionais, das duas instituições, receberam a capacitação. Os próximos módulos, que abordarão temas como: comunicação, empatia e trabalho em equipe, serão realizados nos dias 9 de maio, 13 de junho e 11 de julho, no Hospital de Amor Barretos, Hospital de Amor Infantojuvenil, Hospital São Judas Tadeu (a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor), Hospital de Amor Jales, Hospital de Amor Nossa Senhora e na Santa Casa de Misericórdia de Barretos.

O 1º módulo do treinamento foi sobre o ‘autoconhecimento’.

Momentos de reflexão
Para a enfermeira do Hospital de Amor São Judas Tadeu, Rubia Maira Skavronki Rodrigues, o treinamento trouxe um momento de descontração e de muita reflexão. “Durante esse tempo eu pude pensar sobre as coisas no qual eu devo valorizar, como o meu trabalho, o meu paciente, minha família e a minha vida pessoal. Tudo o que foi dito me fez pensar se eu estou dando o melhor de mim”, afirmou a enfermeira.

De acordo com o coordenador de enfermagem do HA, Hudson Menezes Taveira, participar do treinamento foi muito gratificante e um bom momento para reunir os colaboradores dos mais diversos departamentos. “A gente pôde trabalhar as memórias e as nossas emoções, já que às vezes nós não temos tempo, devido às atividades do dia a dia no trabalho. Foi um momento para resgatar as nossas emoções. O treinamento superou muito as minhas expectativas”, finalizou Taveira, animado para participar do próximo módulo.

Sobre a Arte Despertar
Há mais de 21 anos, a Arte Despertar contribui para a humanização dos hospitais a partir de uma metodologia própria que usa a narração de histórias e a música para despertar nos pacientes aquilo que está saudável e contribuir para a elevação da sua autoestima, ressiginificando o momento vivido no ambiente hospitalar.

Desde o início, a Arte Despertar preocupou-se também em levar essa experiência aos profissionais da saúde. Para isso, criou seu próprio método de treinamento para desenvolver e fortalecer competências relacionadas ao autoconhecimento, empatia, comunicação, relacionamento interpessoal, dentre outras.

O 1º módulo do programa de treinamento “Arte Despertar”, teve o objetivo de estimular habilidades e competências em liderança, comunicação, trabalho em equipe e motivação, para fortalecer, ainda mais, o atendimento humanizado aos pacientes.

Espirrar, coçar, tossir ou sentir outros sintomas parecidos com esses é muito comum na vida de diversas pessoas que sofrem com alguma alergia. Reconhecida pelos especialistas como uma reação de hipersensibilidade, essa doença é uma resposta exagerada do sistema imunológico, após contato com algum agente causador. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que cerca de 30% da população brasileira possui algum tipo de alergia. Dentre elas, está a ‘alergia alimentar’ – reação adversa a determinado alimento, que, quando não evitada, pode causar inchaço ou coceira nos lábios, diarreia, vômitos e até mesmo rouquidão.

O “Bem-Vindo Alérgico” é um projeto de conscientização em alergia alimentar que oferece soluções para organizações que servem alimentação, como hotéis, restaurantes, escolas e hospitais.

Sabendo da importância de se ter protocolos de segurança que protejam pacientes e colaboradores acometidos por essa reação, o Serviço de Nutrição do Hospital de Amor recebeu o treinamento da técnica “Bem-Vindo Alérgico”, um projeto de conscientização em alergia alimentar que oferece soluções para organizações que servem alimentação, como hotéis, restaurantes, escolas e hospitais, liderado pela farmacêutica e idealizadora da iniciativa, Dra. Danila Blanco de Carvalho.

Nos dias 20 e 21 de fevereiro, cozinheiros e auxiliares da instituição participaram da capacitação. Já nos dias 27 e 28, foi a vez dos nutricionistas, técnicos e residentes em nutrição receberem as orientações. Através de treinamentos personalizados, os profissionais tiveram a oportunidade de aprender mais sobre o que é a alergia alimentar; os riscos para a vida dos pacientes e colaboradores que sofrem com essa reação; as diferenças entre alergia e intolerância; alergia alimentar em pacientes imunodeprimidos; os cuidados nas preparações dos alimentos; alternativas de substituição dos alimentos, além da revisão de mapeamento de riscos dentro da cozinha da instituição.

Após ganhar o selo “Bem-Vindo Alérgico: aqui eu posso comer”, o Hospital de Amor tornou-se apto para acolher pessoas com alergia e intolerâncias alimentares, oferecendo muito mais segurança. “A partir de agora, a instituição tornou-se pioneira na capacitação em alergia alimentar”, afirmou a coordenadora do departamento de nutrição do Hospital de Amor, Camila Avi.

Alérgicos no Hospital de Amor
De acordo com a nutricionista do HA, estima-se que 8% das crianças e 4% dos adultos possuem algum tipo de alergia alimentar. As intolerâncias mais comuns estão relacionadas a: leite, ovo, trigo, soja, amendoim, peixes, crustáceos e castanhas. No Brasil, a maior incidência em crianças é a alergia à proteína do leite da vaca, e em adultos, a peixes e crustáceos. “Quando nos referimos à intolerância alimentar, o número chega a 15% da população geral. No Hospital de Amor, vemos a recorrência desses problemas principalmente em pacientes com doença celíaca (aquela que é causada pela intolerância ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e seus derivados). Por isso, já era uma prática da equipe de cozinheiros evita servir refeições com esses tipos de alimentos a pacientes com restrições. A partir de agora, com os conhecimentos mais aprofundados, os cuidados foram tecnicamente intensificados” afirmou Camila.

Sabendo da importância de se ter protocolos de segurança que protejam pacientes e colaboradores acometidos por essa reação, o Serviço de Nutrição do Hospital de Amor recebeu o treinamento da técnica “Bem-Vindo Alérgico”.
A edição 2018 da “Caminhada Passos que Salvam” movimentou mais de 650 municípios, em 20 estados do Brasil.

A cada ano que passa, a Caminhada “Passos que Salvam” – uma das principais campanhas de conscientização promovidas pelo Hospital de Amor – ganha espaço e conquista municípios que abraçam a causa em favor do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Após o sucesso da 7ª edição, que aconteceu no dia 25 de novembro de 2018, e para que o projeto continue ajudando ainda mais pessoas a descobrir os sinais e sintomas da doença, o HA deu mais um passo e realizou, pelo sexto ano consecutivo, a ‘Capacitação de Médicos em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’.

O encontro aconteceu nos dias 22 e 23 de março, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP). Das 650 cidades participantes na última caminhada, 140 médicos (que prestam atendimento a crianças e adolescentes na rede pública de saúde), vindos de 11 estados do Brasil, participaram do evento.

As palestras, ministradas por colaboradores da unidade infantojuvenil do Hospital de Amor, tiveram como objetivo orientar e capacitar esses profissionais para que possam colaborar no diagnóstico precoce do câncer e enviar esses pacientes com mais rapidez para tratamento na instituição. Graças ao treinamento, os participantes poderão se tornar referência na cidade onde atuam, criando um acesso direto com os médicos do Hospital, facilitando o envio de exames e a discussão de casos.

De acordo com o diretor-médico do Hospital de Amor Infantojuvenil, Dr. Luiz Fernando Lopes, metade das crianças que chegam a Barretos para o tratamento da doença já se encontra em estágio muito avançado, sendo difícil oferecer taxas elevadas de cura. “Nós temos que mostrar para o pediatra como detectar o câncer precocemente, pois se os pacientes continuarem chegando à instituição tarde demais, não conseguiremos melhorar”, afirmou.

Os dois dias de programação contaram com discussões sobre os seguintes temas: Epidemiologia do Câncer Infantil; Aplicação dos Estudos Moleculares e Genéticos no Diagnóstico Precoce; Os Sinais de Alerta no Hemograma do Diagnóstico Precoce; Estudos de Peregrinação das famílias e pacientes até a chegada a Barretos; Indicação de exames de imagem do Diagnóstico Precoce; Aspectos Importantes da Cirurgia Pediátrica; Vacinação no Imunossuprimido; Abordagem teórica e apresentação de casos: Tumores Abdominais, Retinoblastoma, Leucemias, Tumores Cerebrais, Tumores Ósseos e Linfomas.

Naima Kathib é coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”.

Segundo o médico, é possível perceber resultados positivos em decorrência dos eventos anteriores. “Já estamos medindo isso. Temos dados estatísticos das crianças que foram encaminhadas para cá antes do treinamento e depois dele. E estamos reduzindo, significativamente, o número de pacientes que chegaram com tumor avançado, e agora chegam com a doença em estágios mais iniciais, permitindo que se curem”, finalizou Lopes.

Para a coordenadora da Caminhada “Passos que Salvam”, Naima Kathib, esse é um dos projetos mais importantes desenvolvidos pelo Hospital. “Desde de 2014, quando começamos a capacitar os médicos de todo o Brasil, já foi possível perceber a mudança no olhar desses profissionais em relação aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Mais de 1.200 médicos já se tornaram referência em seus municípios para o envio de pacientes ao HA e nós não vamos parar por aí!”, relatou a coordenadora.

O câncer infantojuvenil
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos com câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. Para o Dr. Luiz Fernando Lopes, 12.500 novos casos são diagnosticados todos os anos no Brasil, e a expectativa é de que até 2020 este número aumente em 30%.

Capacitação de Enfermeiros
Os municípios que realizaram a caminhada também poderão enviar seus enfermeiros para participar da ‘Capacitação de Enfermeiros em Sinais e Sintomas do Câncer Infantojuvenil’. O treinamento destes profissionais acontecerá nos dias 24 e 25 de maio de 2019. Para mais informações, basta entrar em contato com o departamento responsável pela Caminhada “Passos que Salvam” através do telefone (17) 3321-6600, ramal 7169, ou e-mail: ‘passosquesalvam@hcancerbarretos.com.br’.

140 profissionais, vindos de 11 estados do Brasil, participaram do treinamento para contribuir com o diagnóstico precoce da doença e aumentar as chances de cura.
Esperança e Mendriciana viajaram mais de 8 mil km até Barretos para aprender técnicas de radioterapia e trocar experiências com especialistas.

Atravessar o oceano Atlântico para poder aprimorar os conhecimentos em um centro oncológico que é referência na América Latina, foi uma grande conquista alcançada por duas enfermeiras de Moçambique, na África. Graças a uma parceria com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), as profissionais Esperança Fátima Carma A. Guambe, de 53 anos, e Mendriciana Xavier Guambe, de 28, iniciaram, em dezembro de 2018, um treinamento focado em técnicas de radioterapia, no departamento de Radioterapia do Hospital de Amor.

Moçambique, que está localizado no sudoeste da África, também já foi uma antiga colônia portuguesa. Atualmente, possui 29 milhões de habitantes e uma expectativa de vida inferior a 55 anos de idade. A taxa de pobreza do país é considerada alta: cerca de 54%, com Índice de Desenvolvimento Humano em 0.415. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a população de Moçambique sofre com doenças transmissíveis, possui altos índices de mortalidade materna e acidentes que representam 66% de óbitos no país. O câncer é responsável por 4% das mortes, porém, embora o número seja baixo em relação às outras causas, ainda são precárias as condições de rastreio para diagnóstico precoce, atendimento e tratamento oncológico, dificultando as possibilidades de cura dos pacientes.

As amigas ficaram surpresas ao se depararem com a estrutura e com os equipamentos altamente tecnológicos do HA.

Segundo as enfermeiras moçambicanas, que atuam no maior hospital do país africano – o Hospital Central de Maputo, situado em Maputo (capital do país) – o tratamento radioterápico (uma das principais formas de terapia para combate ao câncer) ainda não é oferecido aos pacientes de lá. “Quando a equipe médica indica a radioterapia como uma parte do processo do tratamento, apenas os pacientes que possuem recursos financeiros conseguem fazer, pois é necessário realizar o deslocamento para outros países, como a África do Sul, por exemplo”, relatou Mendriciana.

As amigas, que nunca haviam saído do continente africano, ficaram extremamente surpresas ao se depararem com a estrutura e com os equipamentos altamente tecnológicos do Hospital de Amor. Desde dezembro do ano passado na instituição, as profissionais ficarão até o mês de julho, acompanhadas pela equipe de enfermagem do HA, atuando como enfermeiras observacionais e tendo a oportunidade de participar de treinamentos sobre procedimentos de radioterapia. “É nítida a diferença em quase todas as coisas por aqui. As pessoas são muito bacanas, a relação entre colaboradores é de muita gentileza e a relação entre médicos e pacientes é amigável e muito admirável. Fiquei muito surpresa! Espero aprender muito nesses 6 meses, para poder aplicar esse conhecimento lá em Moçambique”, declarou Esperança.

Para a enfermeira do departamento de radioterapia do Hospital, Franciele de Oliveira Gomes, essa troca de experiências é muito importante para ambas as partes. “É notável a falta de acessibilidade e tecnologia no local em que a Esperança e a Mendriciana atuam, por isso, o cronograma de atividades delas aqui no HA inclui o trabalho observacional no setor de radioterapia (por um período de 3 meses) e no de oncologia clínica (por mais 3 meses). Além disso, as moçambicanas conhecerão a cidade de Barretos e outros locais da região”, disse Franciele.

Esperança
A enfermeira, cujo nome reflete o motivo da vinda das duas profissionais africanas para o Brasil, não só realizou o sonho de conhecer o país latino-americano, como também está tendo a chance de aprimorar suas habilidades e levar aprendizado para sua terra natal. Para Esperança, essa experiência está ligada a uma grande responsabilidade, que ela pretende honrar na sua volta a Moçambique. “Creio que é um grande passo poder levar conhecimento ao nosso país. Minha esperança é de que esse discernimento possa ser compartilhado de uma maneira profissional, didática e, como aprendi aqui, com muito amor”, finalizou.

Desde dezembro de 2018 na instituição, as profissionais ficarão até o mês de julho, acompanhadas pela equipe de enfermagem do HA, atuando como enfermeiras observacionais e tendo a oportunidade de participar de treinamentos sobre procedimentos de radioterapia.

Publicado em 31 de jan de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Ensino e Pesquisa, Diagnóstico e Tratamento