fbpx

Hospital de Amor inicia novo projeto de rastreamento de câncer de pulmão

A nova unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América.Latina.
Segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

No Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) lançou oficialmente uma unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América Latina. A novidade faz parte da expansão do programa de apoio antitabaco, realizado pela instituição em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Barretos. De acordo com o médico radiologista do Hospital de Amor, Rodrigo Sampaio Chiarantano, esse é um projeto revolucionário, visto que a tomografia computadorizada de baixa dose (rastreamento) para detecção de câncer de pulmão ainda é indisponível no SUS e na maior parte da rede privada de saúde do país. “Por meio da unidade móvel, esse exame poderá chegar, em um futuro próximo, a diferentes lugares do país”, afirma.

Para se ter uma ideia da importância dessa ação, segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

A doença
O câncer de pulmão é um dos tumores que mais mata no Brasil, muito por conta do diagnóstico tardio. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) de 2018, essa doença silenciosa é a segunda que mais incide entre os homens e o quarto tipo de câncer mais frequente em mulheres. No ano passado, o Hospital de Amor tratou cerca de 1.300 pacientes com essa neoplastia maligna de pulmão, sendo 400 novos casos.

“A importância dessa ação é que a maioria dos fumantes se concentra nos estratos mais carentes da população, de onde vem também a maior parte dos casos de câncer de pulmão. Essa doença é silenciosa e geralmente identificada no estágio avançado. Com a detecção precoce, a taxa de sobrevida é estimada em 56%”, diz Chiarantano.

O projeto
O programa inicialmente será realizado em Barretos com os fumantes atendidos pelas unidades básicas de saúde (UBSs) da cidade, que se enquadram nos critérios de maior risco para o câncer de pulmão. “A ideia a médio prazo é que o exame seja oferecido a toda a população da cidade. A longo prazo, o Hospital de Amor espera disponibilizar o programa aos municípios vizinhos e nas demais cidades com unidades de prevenção da instituição, como Campinas”, conta o médico.

Na ação, ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas.

Os critérios para o rastreamento são: que a pessoa seja fumante ou ex-fumante (neste segundo caso, que tenha parado há menos de 15 anos), possua entre 55 e 75 anos e histórico de consumo maior ou igual a 30 anos-maço (número de anos que fumou multiplicado por quantos maços fumava por dia, resultando no número de anos-maço).

Evento em Barretos
Para apresentar o projeto para a população, incluindo o programa antitabaco oferecido pelas unidades básicas de saúde de Barretos, o Hospital de Amor e a Secretaria Municipal de Saúde do município realizaram, nos dias 31 de maio e 1 de junho, uma ação que reuniu centenas de pessoas no centro da cidade. Ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas para os próximos dias.

Presidente do HA, Henrique Prata, e diretor executivo da MSD, Nicolás Villar após a formalização da parceria. Foto: Márcio Oliveira
Dr. Antônio Buzaid, durante a cerimônia de assinatura da parceria. Foto: Márcio Oliveira.

Os milhares de pacientes que realizam tratamento no Hospital de Amor Barretos agora contam com uma nova alternativa de medicação para os tratamentos de cânceres de pulmão e melanoma (tipo mais grave de câncer de pele) em estágios avançados. Graças à parceria firmada com a farmacêutica MSD, a instituição poderá oferecer aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) o tratamento com a terapia anti-PD-1, conhecida como pembrolizumabe (Keytruda). O Hospital de Amor é a primeira entidade de saúde pública no Brasil a oferecer a imunoterapia.

A assinatura do termo aconteceu na última segunda-feira, dia 3 de setembro, reunindo médicos, o presidente do Hospital, Henrique Prata, e o diretor-geral do Centro Oncológico “Antônio Ermírio de Moraes” – Beneficência Portuguesa, de São Paulo, e membro do comitê de direção do Centro Oncológico do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Antônio Buzaid.

De acordo com Buzaid, o tratamento imunoterápico é uma nova alternativa para a quimioterapia, além de possuir efeitos colaterais menores. “Quando aplicamos o Anti-PD-1, estimulamos uma sobrevida no paciente. Por isso, é tão importante investir em pesquisas clínicas para aumentar a receita da instituição e melhorar o tratamento básico. Para nós, o Hospital de Amor é um motivo de muito orgulho”, afirmou.

Para a diretora médica de oncologia da MSD Brasil, Dra. Márcia Datz Abadi, “o pembrolizumabe representa um avanço importante no tratamento do câncer e é um orgulho poder oferecer essa inovação aos pacientes do SUS. Nos sentimos honrados pela parceria e pioneirismo do Hospital de Amor”.

Após essa conquista, o HA poderá facilitar o acesso ao medicamento, acelerar o tratamento e as chances de cura e sobrevida dos pacientes. A estimativa é de que em duas semanas essa alternativa já esteja sendo aplicada na instituição. Segundo Henrique Prata, a assinatura do convênio representa um marco histórico nos mais de 50 anos de trajetória do Hospital e também para a oncologia brasileira. “Todas as pessoas têm direito de ter um tratamento digno. Portanto, temos muito o que comemorar com essa conquista”, declarou.

Embalagem do pembrolizumabe (Keytruda).

Câncer de Pulmão
O câncer de pulmão é considerado o mais comum e letal entre todos os tumores malignos. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para este ano é de que 30 mil novos casos sejam diagnosticados no Brasil, sendo o de células não pequenas o mais comum – correspondente a 85% de todos os casos. Estimativas globais apontam que apenas 1% dos pacientes com câncer de pulmão avançado estão vivos, cinco anos após o diagnóstico.

Em junho, o Brasil se tornou o primeiro país do mundo a aprovar, baseado em um estudo de fase 3, o uso combinado de pembrolizumabe e quimioterapia para tratamento de pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPNPC) em estágio avançado ou metastático. De acordo com o estudo KEYNOTE-189, publicado no New England Journal of Medicine, o uso de pembrolizumabe associado à quimioterapia (pemetrexede e cisplatina ou carboplatina), quando utilizado em primeira linha de tratamento, reduz em 51% o risco de morte.

Para o oncologista clínico do HA, Dr. Pedro de Marchi, poder oferecer esse medicamento gratuitamente aos pacientes é um motivo de grande alegria. “Sem dúvida, estamos falando de um marco na história do Brasil. Com essa nova alternativa, a sobrevida é de 8 meses a 3 anos”, ressaltou.

O oncologista explica ainda que o Hospital de Amor recebe cerca de 600 novos pacientes com câncer de pulmão, por ano. Desses, 450 irão precisar de tratamento sistêmico. Entre eles, 360 possuem doença metastática. Desses, 320 não têm mutações. “Isso quer dizer que, desses 320 pacientes, 17% apresenta PD-L1 maior que 50% e seriam candidatos a esse tipo de tratamento, o que resultaria em, aproximadamente, 54 pacientes novos por ano”, finalizou Dr. Pedro de Marchi.

Câncer Melanoma
O melanoma é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células que compõem a pele. A incidência deste tipo de câncer tem aumentado nas últimas quatro décadas. Só o Brasil registra, anualmente, cerca de 5.500 novos casos da doença e, aproximadamente, 1.547 óbitos, segundo o INCA. Esse tipo de câncer é considerado o mais comum entre jovens adultos, mas também pode ser diagnosticado em crianças, adolescentes e idosos.

De acordo com o estudo Keynote-001, em 655 pacientes com melanoma metastático, 34% de todos eles e 41% dos que não haviam tido qualquer tratamento prévio, permanecem vivos após 5 anos do uso de pembrolizumabe, em uma doença em que a quimioterapia oferecia apenas poucos meses de sobrevida. Já o estudo KEYNOTE-006 mostrou que 42% dos pacientes tratados com pembrolizumabe estavam vivos após quatro anos de diagnóstico.

“É trágico saber que somente pacientes que possuem convênios ou acesso aos atendimentos privados, conseguem ter acesso a esse tipo de tratamento. Agora, pela primeira vez, os pacientes do SUS, atendidos no Hospital de Amor, poderão contar com uma medicação inovadora. É uma luz de esperança para que, em pouco tempo, mais pacientes possam conseguir esta e todas as outras medicações que ainda não estão disponíveis gratuitamente”, declarou o oncologista clínico do HA, Dr. Sérgio Serrano.

O medicamento
O medicamento (pembrolizumabe) já pode ser utilizado no Brasil para o tratamento em primeira linha de melanoma avançado para pacientes com câncer de pulmão avançado, do tipo CPCNP, com expressão elevada ou moderada do biomarcador PD-L1 no tumor (expressão ≥50% ou 1%<49%) e tratamento de câncer urotelial (o mais comum é o câncer de bexiga). Ele também foi aprovado este ano para tratamento de câncer gástrico (o mais comum é o de estômago), após falha de duas terapias prévias.
A imunoterapia anti-PD-1 da MSD está sendo avaliada para mais de 30 tipos de tumores em 790 estudos clínicos. No Brasil, o medicamento está sendo pesquisado em mais de 29 ensaios clínicos, com cerca de 232 instituições envolvidas e mais de 500 pacientes em tratamento.

Representantes da diretoria da farmacêutica MSD com presidente do HA, Henrique Prata. Foto: Márcio Oliveira.
Dra. Eliana Lourenço, médica pneumologista do Hospital de Amor.

De acordo com o DATASUS, o tabagismo é considerado a maior causa isolada evitável de adoecimento e mortes no mundo. Neste “Dia Nacional de Combate ao Fumo”, o Hospital de Amor traz uma entrevista completa abordando esse assunto com a pneumologista da instituição, Dra. Eliana Lourenço.

Qual a importância de considerarmos o “Dia Nacional de Combate ao Fumo” e qual o objetivo dessa data?
R.: Quando criamos uma discussão sobre esse importante assunto, toda mobilização é válida! Desta forma, conseguimos colocar em foco as consequências, malefícios e doenças que o cigarro pode causar. O objetivo principal dessa data é conscientizar a população sobre os danos que o tabaco pode acarretar na vida e na saúde das pessoas, na tentativa de parar esse consumo tóxico o quanto antes.

Quais os malefícios causados pelo cigarro?
R.: Costumo dizer para os pacientes que o cigarro não tem nenhum componente que faz bem à saúde. Desde do seu papel, até a liberação das substâncias tóxicas, tudo traz prejuízo ao organismo. Para se ter uma ideia, quando uma pessoa inala o cigarro, aproximadamente 5 mil componentes são liberados. Desses, temos a certeza de que 800 causam câncer. Além disso, o calor da fumaça chega até a 800º C e, ao entrar no organismo, queima a mucosa, agredindo-a consideravelmente.

Desde que uma pessoa começa a fumar, quanto tempo ela leva para desenvolver uma doença causada pelo tabaco?
R.: Isso pode variar de um indivíduo para o outro, pois existem pessoas que possuem o organismo mais suscetível para desenvolver doenças do que outras. O que observamos na prática é que elas podem demorar de 10 até 20 anos para se manifestar. É importante entendemos que, a partir do momento que em o cigarro entra no organismo, imediatamente ele já começa a causar alterações perceptíveis, tais como: surgimento de rinite (inflamação na mucosa nasal), espirros e tosses. Já as doenças mais estabelecidas levam de 5 a 10 anos para surgir.

Quais são as doenças mais frequentes causadas por esse vício?
R.: As principais doenças ocasionadas pelo cigarro são as que estão diretamente relacionadas com a fumaça: rinite, bronquite, faringite e várias outras na área da garganta. Sem contar as alterações nas pregas vocais, na voz (onde as pessoas vão ficando roucas), aparecimento de nódulos nessa região, etc.
Existe ainda o aumento da incidência de doenças pulmonares, como o câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica e enfisemas; e as doenças venosas (já que o cigarro aumenta a viscosidade do sangue), como insuficiência venosa, arterial, aumento das chances de infarto e acidentes vasculares.

No Hospital de Amor, é possível encontrar muitos pacientes que desenvolveram câncer por conta do cigarro?
R.: Em relação aos pacientes atendidos pela equipe de pneumologia do hospital, nós temos uma estimativa de que aproximadamente 90% deles têm uma doença relacionada ao uso do cigarro, seja no passado ou no presente.

Ao inalarmos um cigarro, o que acontece com nosso organismo?
R.: Geralmente, a fumaça entra e as substâncias tóxicas são absorvidas. O grande problema é que existem vários compostos no tabaco, como por exemplo: o tolueno, benzeno, cádmio, níquel, fósforo, arsênio e várias outras substâncias que estão presentes em outros produtos, como: tintas, solventes, chumbo e tíner, que são altamente tóxicos para nosso organismo. Além disso, os gases e metais que compõem o cigarro, entram no organismo causando lesões, alterações nas células, irritações e inflamações, principalmente no trato respiratório. Apesar de serem consumidas doses pequenas, são doses diárias. Quando a célula é agredida, ela se regenera, mas, chega um ponto em que essa regeneração começa a ser defeituosa. Inicia-se a produção de células alteradas e o câncer é desenvolvido.

O fumante passivo também tem grandes chances de desenvolver doenças causadas pelo cigarro?
R.: O fumante passivo (aquele não-fumante que convive com fumantes em ambientes fechados, ficando assim, expostos aos componentes tóxicos) é tão prejudicado quanto o fumante ativo. Ao inalar essa fumaça, ele pode absorver uma quantidade maior do que o próprio fumante. Em alguns casos, dependendo do contato, o fumante passivo absorve 2/3 da carga que está sendo exalada. Por exemplo: se uma pessoa fumar 20 cigarros dentro de um quarto, o não-fumante que está ali tem uma absorção de 15 cigarros. É assustador!

Por que é tão fácil viciar-se no cigarro?
R.: A razão do cigarro ser tão atraente está numa substância chamada “nicotina”. A partir do momento em que a fumaça do tabaco é inalada, ela demora 7 segundos para chegar ao cérebro, e lá ela é absorvida. A explicação é simples: a nicotina chega e se liga aos receptores do cérebro que estão relacionados ao sentimento de prazer. Essa sensação (deliciosa para os fumantes) possui um grau de tolerância, ou seja, vai chegar um momento em que essa mesma quantidade de cigarro não proporciona o mesmo prazer, e aí é necessário aumentar o volume de tabaco. É onde nasce o vício.

Quantos cigarros são necessários para uma pessoa ficar viciada?
R.: Um único cigarro já é suficiente. Dependente muito da vulnerabilidade da pessoa, pois existem aquelas que tendem a se viciar muito rapidamente e outras que fazem isso em um grau menor. Mas, no geral, basta um cigarro.

É possível parar de fumar?
R.: Com certeza é possível parar de fumar, porém, não é uma tarefa fácil. As pessoas com maior nível de dependência, ou seja, as consideradas viciadas, possuem mais dificuldade, pois o prazer que elas sentem com o ato é maior. Quando tiramos a nicotina da rotina das pessoas, elas desenvolvem sintomas de abstinência – assim como acontece com outras drogas: dores de cabeça, suores, febre, tristeza, nervosismo intenso, depressão, entre outros. A dificuldade em parar está na dificuldade em se ver livre daquele círculo vicioso do prazer da nicotina.
É justamente por esse motivo, que consideramos o cigarro como uma das piores drogas que existem, pois, além da dependência da substância, há também a dependência de hábito (aquele prazer oral de colocar o cigarro na boca) e a dependência psicológica (momento que em a pessoa enxerga-o com um bom companheiro). Esses indivíduos veem o cigarro como um apoio, uma válvula de escape e, em uma situação de estresse, elas recorrem a ele como forma de se acalmar.

Existem tratamentos para acabar com esse vício?
R.: Uma das principais formas de tratamento está relacionada à tentativa de evitar esse prazer. Para isso, utilizamos duas medicações que atuam na tentativa de bloquear a ação da nicotina no cérebro, diminuindo ou até evitando a sensação prazerosa. Ao ingerir esses remédios, a pessoa passa a sentir um amargor ao fumar, ajudando na diminuição do consumo. Além disso, existe também uma terapia de reposição: tenta-se oferecer a nicotina em um período inicial (através de adesivos, gomas e pastilhas), para que o paciente não sinta tanta falta do cigarro, até ele ir se libertando do vício.
É claro que esses tratamentos não dão tanto prazer como o uso do cigarro. Isso significa que, mesmo usando as medicações, o fumante acaba passando por alguns sintomas da abstinência. Um tratamento completo é o medicamentoso e o psicológico. No HA, são realizados encontros em grupos para que o paciente veja que não está vivendo aquela fase difícil sozinho e encontre mais força para combater o vício.

Em quanto tempo o paciente começa a sentir os benefícios de largar o cigarro?
R.: Geralmente, em 24 horas, a pessoa já sente a diferença! Ela passa a respirar melhor; em 3 dias, a frequência e a pressão cardíacas já se normalizam; em 1 mês, a coloração da pele melhora e o paladar volta ao normal, aumentando o apetite. Em alguns casos, como a comida fica muito saborosa, a pessoa come mais ou acaba substituindo a ansiedade (antes depositada no uso do cigarro) para a comida. Dessa forma, é comum que essas pessoas engordem, em média, de 5 a 6 kg.

O ‘narguilé’ é tão perigoso quanto o cigarro?
R.: A maioria dos narguilés possui nicotina em sua essência. Consideramos que cada 1 hora de uso do narguilé equivale ao uso de 100 cigarros. O malefício é tão grande que o usuário pode passar mal, ter uma parada cardíaca, entre outras complicações, principalmente os que são muito jovens. Esse é o primeiro contato com a nicotina, ou seja, o cérebro começa a se familiarizar com aquela sensação de prazer e, em um segundo momento, o indivíduo vai procurar por uma dose maior daquele sentimento, acabando no cigarro. Isso sem contar outras questões que devemos levar em consideração: em um grupo, o usuário do narguilé passa o mesmo bocal para outra pessoa e acaba disseminando outras doenças infecciosas transmitidas pela saliva, como herpes, mononucleose (conhecida como a ‘doença do beijo’) e hepatites.

Como médica pneumologista, qual é o recado que você deixa para os fumantes nesta data de conscientização?
R.: O ideal seria nunca ter entrado nesse vício, mas, independente disso, não se deixe abater. Não diga frases como: “Eu já estou fumando há muitos anos. Não adianta parar agora, pois meu organismo não vai se recuperar”. Sabemos que existem compostos do cigarro que demoram até 30 anos para sair do organismo, porém, trata-se de uma dose acumulativa, ou seja, a partir do primeiro momento em que você inala o cigarro, aquela dose vai se acumulando. Independentemente da idade, o ideal é parar de fumar, pois é importante não acumular essas substâncias tóxicas dentro do seu organismo.

Foto: Pexels.

Publicado em 29 de ago de 2018   |   Artigos, Destaques, Prevenção
A nova unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América.Latina.
Segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

No Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, o Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) lançou oficialmente uma unidade móvel equipada com aparelho radiológico de Rastreamento de Câncer de Pulmão, pioneira na América Latina. A novidade faz parte da expansão do programa de apoio antitabaco, realizado pela instituição em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Barretos. De acordo com o médico radiologista do Hospital de Amor, Rodrigo Sampaio Chiarantano, esse é um projeto revolucionário, visto que a tomografia computadorizada de baixa dose (rastreamento) para detecção de câncer de pulmão ainda é indisponível no SUS e na maior parte da rede privada de saúde do país. “Por meio da unidade móvel, esse exame poderá chegar, em um futuro próximo, a diferentes lugares do país”, afirma.

Para se ter uma ideia da importância dessa ação, segundo os critérios estabelecidos pelo programa, estima-se que, apenas em Barretos, 3.376 indivíduos sejam elegíveis para o rastreamento.

A doença
O câncer de pulmão é um dos tumores que mais mata no Brasil, muito por conta do diagnóstico tardio. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) de 2018, essa doença silenciosa é a segunda que mais incide entre os homens e o quarto tipo de câncer mais frequente em mulheres. No ano passado, o Hospital de Amor tratou cerca de 1.300 pacientes com essa neoplastia maligna de pulmão, sendo 400 novos casos.

“A importância dessa ação é que a maioria dos fumantes se concentra nos estratos mais carentes da população, de onde vem também a maior parte dos casos de câncer de pulmão. Essa doença é silenciosa e geralmente identificada no estágio avançado. Com a detecção precoce, a taxa de sobrevida é estimada em 56%”, diz Chiarantano.

O projeto
O programa inicialmente será realizado em Barretos com os fumantes atendidos pelas unidades básicas de saúde (UBSs) da cidade, que se enquadram nos critérios de maior risco para o câncer de pulmão. “A ideia a médio prazo é que o exame seja oferecido a toda a população da cidade. A longo prazo, o Hospital de Amor espera disponibilizar o programa aos municípios vizinhos e nas demais cidades com unidades de prevenção da instituição, como Campinas”, conta o médico.

Na ação, ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas.

Os critérios para o rastreamento são: que a pessoa seja fumante ou ex-fumante (neste segundo caso, que tenha parado há menos de 15 anos), possua entre 55 e 75 anos e histórico de consumo maior ou igual a 30 anos-maço (número de anos que fumou multiplicado por quantos maços fumava por dia, resultando no número de anos-maço).

Evento em Barretos
Para apresentar o projeto para a população, incluindo o programa antitabaco oferecido pelas unidades básicas de saúde de Barretos, o Hospital de Amor e a Secretaria Municipal de Saúde do município realizaram, nos dias 31 de maio e 1 de junho, uma ação que reuniu centenas de pessoas no centro da cidade. Ao todo, 85 tomografias foram realizadas e mais de 50 foram agendadas para os próximos dias.

Presidente do HA, Henrique Prata, e diretor executivo da MSD, Nicolás Villar após a formalização da parceria. Foto: Márcio Oliveira
Dr. Antônio Buzaid, durante a cerimônia de assinatura da parceria. Foto: Márcio Oliveira.

Os milhares de pacientes que realizam tratamento no Hospital de Amor Barretos agora contam com uma nova alternativa de medicação para os tratamentos de cânceres de pulmão e melanoma (tipo mais grave de câncer de pele) em estágios avançados. Graças à parceria firmada com a farmacêutica MSD, a instituição poderá oferecer aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) o tratamento com a terapia anti-PD-1, conhecida como pembrolizumabe (Keytruda). O Hospital de Amor é a primeira entidade de saúde pública no Brasil a oferecer a imunoterapia.

A assinatura do termo aconteceu na última segunda-feira, dia 3 de setembro, reunindo médicos, o presidente do Hospital, Henrique Prata, e o diretor-geral do Centro Oncológico “Antônio Ermírio de Moraes” – Beneficência Portuguesa, de São Paulo, e membro do comitê de direção do Centro Oncológico do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Antônio Buzaid.

De acordo com Buzaid, o tratamento imunoterápico é uma nova alternativa para a quimioterapia, além de possuir efeitos colaterais menores. “Quando aplicamos o Anti-PD-1, estimulamos uma sobrevida no paciente. Por isso, é tão importante investir em pesquisas clínicas para aumentar a receita da instituição e melhorar o tratamento básico. Para nós, o Hospital de Amor é um motivo de muito orgulho”, afirmou.

Para a diretora médica de oncologia da MSD Brasil, Dra. Márcia Datz Abadi, “o pembrolizumabe representa um avanço importante no tratamento do câncer e é um orgulho poder oferecer essa inovação aos pacientes do SUS. Nos sentimos honrados pela parceria e pioneirismo do Hospital de Amor”.

Após essa conquista, o HA poderá facilitar o acesso ao medicamento, acelerar o tratamento e as chances de cura e sobrevida dos pacientes. A estimativa é de que em duas semanas essa alternativa já esteja sendo aplicada na instituição. Segundo Henrique Prata, a assinatura do convênio representa um marco histórico nos mais de 50 anos de trajetória do Hospital e também para a oncologia brasileira. “Todas as pessoas têm direito de ter um tratamento digno. Portanto, temos muito o que comemorar com essa conquista”, declarou.

Embalagem do pembrolizumabe (Keytruda).

Câncer de Pulmão
O câncer de pulmão é considerado o mais comum e letal entre todos os tumores malignos. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para este ano é de que 30 mil novos casos sejam diagnosticados no Brasil, sendo o de células não pequenas o mais comum – correspondente a 85% de todos os casos. Estimativas globais apontam que apenas 1% dos pacientes com câncer de pulmão avançado estão vivos, cinco anos após o diagnóstico.

Em junho, o Brasil se tornou o primeiro país do mundo a aprovar, baseado em um estudo de fase 3, o uso combinado de pembrolizumabe e quimioterapia para tratamento de pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPNPC) em estágio avançado ou metastático. De acordo com o estudo KEYNOTE-189, publicado no New England Journal of Medicine, o uso de pembrolizumabe associado à quimioterapia (pemetrexede e cisplatina ou carboplatina), quando utilizado em primeira linha de tratamento, reduz em 51% o risco de morte.

Para o oncologista clínico do HA, Dr. Pedro de Marchi, poder oferecer esse medicamento gratuitamente aos pacientes é um motivo de grande alegria. “Sem dúvida, estamos falando de um marco na história do Brasil. Com essa nova alternativa, a sobrevida é de 8 meses a 3 anos”, ressaltou.

O oncologista explica ainda que o Hospital de Amor recebe cerca de 600 novos pacientes com câncer de pulmão, por ano. Desses, 450 irão precisar de tratamento sistêmico. Entre eles, 360 possuem doença metastática. Desses, 320 não têm mutações. “Isso quer dizer que, desses 320 pacientes, 17% apresenta PD-L1 maior que 50% e seriam candidatos a esse tipo de tratamento, o que resultaria em, aproximadamente, 54 pacientes novos por ano”, finalizou Dr. Pedro de Marchi.

Câncer Melanoma
O melanoma é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células que compõem a pele. A incidência deste tipo de câncer tem aumentado nas últimas quatro décadas. Só o Brasil registra, anualmente, cerca de 5.500 novos casos da doença e, aproximadamente, 1.547 óbitos, segundo o INCA. Esse tipo de câncer é considerado o mais comum entre jovens adultos, mas também pode ser diagnosticado em crianças, adolescentes e idosos.

De acordo com o estudo Keynote-001, em 655 pacientes com melanoma metastático, 34% de todos eles e 41% dos que não haviam tido qualquer tratamento prévio, permanecem vivos após 5 anos do uso de pembrolizumabe, em uma doença em que a quimioterapia oferecia apenas poucos meses de sobrevida. Já o estudo KEYNOTE-006 mostrou que 42% dos pacientes tratados com pembrolizumabe estavam vivos após quatro anos de diagnóstico.

“É trágico saber que somente pacientes que possuem convênios ou acesso aos atendimentos privados, conseguem ter acesso a esse tipo de tratamento. Agora, pela primeira vez, os pacientes do SUS, atendidos no Hospital de Amor, poderão contar com uma medicação inovadora. É uma luz de esperança para que, em pouco tempo, mais pacientes possam conseguir esta e todas as outras medicações que ainda não estão disponíveis gratuitamente”, declarou o oncologista clínico do HA, Dr. Sérgio Serrano.

O medicamento
O medicamento (pembrolizumabe) já pode ser utilizado no Brasil para o tratamento em primeira linha de melanoma avançado para pacientes com câncer de pulmão avançado, do tipo CPCNP, com expressão elevada ou moderada do biomarcador PD-L1 no tumor (expressão ≥50% ou 1%<49%) e tratamento de câncer urotelial (o mais comum é o câncer de bexiga). Ele também foi aprovado este ano para tratamento de câncer gástrico (o mais comum é o de estômago), após falha de duas terapias prévias.
A imunoterapia anti-PD-1 da MSD está sendo avaliada para mais de 30 tipos de tumores em 790 estudos clínicos. No Brasil, o medicamento está sendo pesquisado em mais de 29 ensaios clínicos, com cerca de 232 instituições envolvidas e mais de 500 pacientes em tratamento.

Representantes da diretoria da farmacêutica MSD com presidente do HA, Henrique Prata. Foto: Márcio Oliveira.
Dra. Eliana Lourenço, médica pneumologista do Hospital de Amor.

De acordo com o DATASUS, o tabagismo é considerado a maior causa isolada evitável de adoecimento e mortes no mundo. Neste “Dia Nacional de Combate ao Fumo”, o Hospital de Amor traz uma entrevista completa abordando esse assunto com a pneumologista da instituição, Dra. Eliana Lourenço.

Qual a importância de considerarmos o “Dia Nacional de Combate ao Fumo” e qual o objetivo dessa data?
R.: Quando criamos uma discussão sobre esse importante assunto, toda mobilização é válida! Desta forma, conseguimos colocar em foco as consequências, malefícios e doenças que o cigarro pode causar. O objetivo principal dessa data é conscientizar a população sobre os danos que o tabaco pode acarretar na vida e na saúde das pessoas, na tentativa de parar esse consumo tóxico o quanto antes.

Quais os malefícios causados pelo cigarro?
R.: Costumo dizer para os pacientes que o cigarro não tem nenhum componente que faz bem à saúde. Desde do seu papel, até a liberação das substâncias tóxicas, tudo traz prejuízo ao organismo. Para se ter uma ideia, quando uma pessoa inala o cigarro, aproximadamente 5 mil componentes são liberados. Desses, temos a certeza de que 800 causam câncer. Além disso, o calor da fumaça chega até a 800º C e, ao entrar no organismo, queima a mucosa, agredindo-a consideravelmente.

Desde que uma pessoa começa a fumar, quanto tempo ela leva para desenvolver uma doença causada pelo tabaco?
R.: Isso pode variar de um indivíduo para o outro, pois existem pessoas que possuem o organismo mais suscetível para desenvolver doenças do que outras. O que observamos na prática é que elas podem demorar de 10 até 20 anos para se manifestar. É importante entendemos que, a partir do momento que em o cigarro entra no organismo, imediatamente ele já começa a causar alterações perceptíveis, tais como: surgimento de rinite (inflamação na mucosa nasal), espirros e tosses. Já as doenças mais estabelecidas levam de 5 a 10 anos para surgir.

Quais são as doenças mais frequentes causadas por esse vício?
R.: As principais doenças ocasionadas pelo cigarro são as que estão diretamente relacionadas com a fumaça: rinite, bronquite, faringite e várias outras na área da garganta. Sem contar as alterações nas pregas vocais, na voz (onde as pessoas vão ficando roucas), aparecimento de nódulos nessa região, etc.
Existe ainda o aumento da incidência de doenças pulmonares, como o câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica e enfisemas; e as doenças venosas (já que o cigarro aumenta a viscosidade do sangue), como insuficiência venosa, arterial, aumento das chances de infarto e acidentes vasculares.

No Hospital de Amor, é possível encontrar muitos pacientes que desenvolveram câncer por conta do cigarro?
R.: Em relação aos pacientes atendidos pela equipe de pneumologia do hospital, nós temos uma estimativa de que aproximadamente 90% deles têm uma doença relacionada ao uso do cigarro, seja no passado ou no presente.

Ao inalarmos um cigarro, o que acontece com nosso organismo?
R.: Geralmente, a fumaça entra e as substâncias tóxicas são absorvidas. O grande problema é que existem vários compostos no tabaco, como por exemplo: o tolueno, benzeno, cádmio, níquel, fósforo, arsênio e várias outras substâncias que estão presentes em outros produtos, como: tintas, solventes, chumbo e tíner, que são altamente tóxicos para nosso organismo. Além disso, os gases e metais que compõem o cigarro, entram no organismo causando lesões, alterações nas células, irritações e inflamações, principalmente no trato respiratório. Apesar de serem consumidas doses pequenas, são doses diárias. Quando a célula é agredida, ela se regenera, mas, chega um ponto em que essa regeneração começa a ser defeituosa. Inicia-se a produção de células alteradas e o câncer é desenvolvido.

O fumante passivo também tem grandes chances de desenvolver doenças causadas pelo cigarro?
R.: O fumante passivo (aquele não-fumante que convive com fumantes em ambientes fechados, ficando assim, expostos aos componentes tóxicos) é tão prejudicado quanto o fumante ativo. Ao inalar essa fumaça, ele pode absorver uma quantidade maior do que o próprio fumante. Em alguns casos, dependendo do contato, o fumante passivo absorve 2/3 da carga que está sendo exalada. Por exemplo: se uma pessoa fumar 20 cigarros dentro de um quarto, o não-fumante que está ali tem uma absorção de 15 cigarros. É assustador!

Por que é tão fácil viciar-se no cigarro?
R.: A razão do cigarro ser tão atraente está numa substância chamada “nicotina”. A partir do momento em que a fumaça do tabaco é inalada, ela demora 7 segundos para chegar ao cérebro, e lá ela é absorvida. A explicação é simples: a nicotina chega e se liga aos receptores do cérebro que estão relacionados ao sentimento de prazer. Essa sensação (deliciosa para os fumantes) possui um grau de tolerância, ou seja, vai chegar um momento em que essa mesma quantidade de cigarro não proporciona o mesmo prazer, e aí é necessário aumentar o volume de tabaco. É onde nasce o vício.

Quantos cigarros são necessários para uma pessoa ficar viciada?
R.: Um único cigarro já é suficiente. Dependente muito da vulnerabilidade da pessoa, pois existem aquelas que tendem a se viciar muito rapidamente e outras que fazem isso em um grau menor. Mas, no geral, basta um cigarro.

É possível parar de fumar?
R.: Com certeza é possível parar de fumar, porém, não é uma tarefa fácil. As pessoas com maior nível de dependência, ou seja, as consideradas viciadas, possuem mais dificuldade, pois o prazer que elas sentem com o ato é maior. Quando tiramos a nicotina da rotina das pessoas, elas desenvolvem sintomas de abstinência – assim como acontece com outras drogas: dores de cabeça, suores, febre, tristeza, nervosismo intenso, depressão, entre outros. A dificuldade em parar está na dificuldade em se ver livre daquele círculo vicioso do prazer da nicotina.
É justamente por esse motivo, que consideramos o cigarro como uma das piores drogas que existem, pois, além da dependência da substância, há também a dependência de hábito (aquele prazer oral de colocar o cigarro na boca) e a dependência psicológica (momento que em a pessoa enxerga-o com um bom companheiro). Esses indivíduos veem o cigarro como um apoio, uma válvula de escape e, em uma situação de estresse, elas recorrem a ele como forma de se acalmar.

Existem tratamentos para acabar com esse vício?
R.: Uma das principais formas de tratamento está relacionada à tentativa de evitar esse prazer. Para isso, utilizamos duas medicações que atuam na tentativa de bloquear a ação da nicotina no cérebro, diminuindo ou até evitando a sensação prazerosa. Ao ingerir esses remédios, a pessoa passa a sentir um amargor ao fumar, ajudando na diminuição do consumo. Além disso, existe também uma terapia de reposição: tenta-se oferecer a nicotina em um período inicial (através de adesivos, gomas e pastilhas), para que o paciente não sinta tanta falta do cigarro, até ele ir se libertando do vício.
É claro que esses tratamentos não dão tanto prazer como o uso do cigarro. Isso significa que, mesmo usando as medicações, o fumante acaba passando por alguns sintomas da abstinência. Um tratamento completo é o medicamentoso e o psicológico. No HA, são realizados encontros em grupos para que o paciente veja que não está vivendo aquela fase difícil sozinho e encontre mais força para combater o vício.

Em quanto tempo o paciente começa a sentir os benefícios de largar o cigarro?
R.: Geralmente, em 24 horas, a pessoa já sente a diferença! Ela passa a respirar melhor; em 3 dias, a frequência e a pressão cardíacas já se normalizam; em 1 mês, a coloração da pele melhora e o paladar volta ao normal, aumentando o apetite. Em alguns casos, como a comida fica muito saborosa, a pessoa come mais ou acaba substituindo a ansiedade (antes depositada no uso do cigarro) para a comida. Dessa forma, é comum que essas pessoas engordem, em média, de 5 a 6 kg.

O ‘narguilé’ é tão perigoso quanto o cigarro?
R.: A maioria dos narguilés possui nicotina em sua essência. Consideramos que cada 1 hora de uso do narguilé equivale ao uso de 100 cigarros. O malefício é tão grande que o usuário pode passar mal, ter uma parada cardíaca, entre outras complicações, principalmente os que são muito jovens. Esse é o primeiro contato com a nicotina, ou seja, o cérebro começa a se familiarizar com aquela sensação de prazer e, em um segundo momento, o indivíduo vai procurar por uma dose maior daquele sentimento, acabando no cigarro. Isso sem contar outras questões que devemos levar em consideração: em um grupo, o usuário do narguilé passa o mesmo bocal para outra pessoa e acaba disseminando outras doenças infecciosas transmitidas pela saliva, como herpes, mononucleose (conhecida como a ‘doença do beijo’) e hepatites.

Como médica pneumologista, qual é o recado que você deixa para os fumantes nesta data de conscientização?
R.: O ideal seria nunca ter entrado nesse vício, mas, independente disso, não se deixe abater. Não diga frases como: “Eu já estou fumando há muitos anos. Não adianta parar agora, pois meu organismo não vai se recuperar”. Sabemos que existem compostos do cigarro que demoram até 30 anos para sair do organismo, porém, trata-se de uma dose acumulativa, ou seja, a partir do primeiro momento em que você inala o cigarro, aquela dose vai se acumulando. Independentemente da idade, o ideal é parar de fumar, pois é importante não acumular essas substâncias tóxicas dentro do seu organismo.

Foto: Pexels.

Publicado em 29 de ago de 2018   |   Artigos, Destaques, Prevenção