Pacientes laringectomizados do HA são beneficiados com dispositivo FreeHands

O “FreeHands” é um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade, permitindo uma reabilitação quase completa ao paciente.

O departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor obteve mais uma importante conquista no último mês de outubro, que irá beneficiar centenas de pacientes que enfrentaram o câncer e, por conta da doença, tiveram que retirar a laringe. O “FreeHands” – dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade – permite uma reabilitação quase completa ao paciente da instituição, melhorando significativamente a qualidade de vida dele, clínica e socialmente.

Em uma entrevista exclusiva para o site do HA, a fonoaudióloga da instituição, Gisele Giroldo, contou sobre a nova aquisição do hospital, pioneiro em oferecer esse serviço, e esclareceu as principais dúvidas. Confira:

1) O que é o FreeHands?
R.: Trata-se de um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática (reabilitação vocal) e um filtro permutador de calor de umidade (reabilitação pulmonar).

2) Quais são os seus principais benefícios?
R.: Todos os pacientes laringectomizados do Hospital de Amor, que utilizam uma prótese fonatória para reabilitação vocal, precisam fechar o estoma (abertura) com o dedo impedido a saída de ar e permitindo a fala. O FreeHands faz com que a pressão de ar que vem dos pulmões feche automaticamente o dispositivo sem a obrigatoriedade de o paciente utilizar as mãos, fazendo com que ele execute atividades com as duas mãos e falar normalmente (diferentemente da laringe eletrônica, por exemplo). Além disso, ele é acoplado também a um filtro que faz a reabilitação pulmonar, evitando volume de secreção, tosse e expectoração.
Com o FreeHands, o paciente passa a ter um cenário de reabilitação muito próximo da rotina que levava antes da cirurgia, melhorando significativamente a qualidade de vida no contexto clínico e social.

3) É necessário fazer algum procedimento cirúrgico para a colocação do dispositivo?
R.: Não. A colocação é feita pela equipe de fonoaudiologia do Hospital de Amor, responsável pela seleção e adaptação da válvula. Depois desse primeiro passo, o fonoaudiólogo atua na reabilitação desse paciente para o uso adequado do dispositivo.

4) Houve alguma parceria com o Hospital de Amor para a aquisição do FreeHands?
R.: Graças à parceria do Bella Vita (projeto de reabilitação do HA) e da empresa Atos Medical (líder mundial em produtos para pacientes laringectomizados totais), foi possível fazer a aquisição da nova prótese.

5) Os hospitais oncológicos do Brasil (públicos e privados) já contam com essa prótese ou o Hospital de Amor é a 1ª instituição do país a oferecer isso gratuitamente aos pacientes?
R.: Não, nenhuma outra instituição do Brasil oferece esse serviço. O Hospital de Amor é o primeiro centro oncológico do país a oferecer a reabilitação completa, considerada “padrão-ouro mundial”, destinado ao paciente laringectomizado total. Essa prótese faz parte do material padrão oferecido aos pacientes em países com um sistema de reembolso para reabilitação de voz.

6) Como será a escolha dos pacientes beneficiados com o FreeHands?
R.: Todos os pacientes que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME.

7) Quais são os departamentos do HA envolvidos com esta novidade?
R.: Setores de fonoaudiologia, enfermagem e cabeça e pescoço.

8) Com esse avanço, tanto os pacientes, quanto o hospital ganham. Que ganho é esse e o que ele significa?
R.: O maior benefício é, sem dúvidas, a melhora da qualidade de vida do paciente. O HA já oferecia a reabilitação completa com a prótese fonatória – melhorando a condição da voz e, principalmente, devolvendo a identidade dele, já que a comunicação é de extrema importância para a vida do ser humano – e com a reabilitação pulmonar utilizando o filtro HME – evitando a deterioração pulmonar e causando menor necessidade de intervenções e hospitalizações por pneumonia ou infecções respiratórias.
O processo com o FreeHands oferece a liberdade de falar sem a oclusão (fechamento), aproximando esse paciente da sua imagem corporal antes da cirurgia de retirada da laringe e da abertura permanente no pescoço por onde ele respira. O uso do dispositivo tira o “estigma” da deficiência. É possível oferecer aos pacientes o retorno à vida profissional, já que muitos precisam se afastar de atividades onde o uso das mãos se faz necessário, como motorista, costureira, mecânico, cozinheiro, vendedor, entre outros.
O Hospital de Amor também ganha e muito! A instituição terá exposição internacional como referência em reabilitação de pacientes laringectomizados, podendo resultar em parcerias com centros internacionais para projetos de pesquisas.

9) O FreeHands é mais um ‘braço’ do processo de reabilitação oferecido pelo HA. Como é esse processo e o que ele se difere de outras instituições?
R.: Hoje, somos a primeira instituição no Brasil a oferecer o melhor e mais completo tratamento para o paciente laringectomizado total, que sofre com a mutilação e a mudez pós-cirurgia, tendo sua autoestima totalmente comprometida. Oferecendo a reabilitação para este paciente, iremos de forma direta devolver a qualidade de vida e, principalmente, a sua identidade, já que precisamos da comunicação não somente para nos expressar. As sequelas do tratamento e suas complicações geram ao indivíduo uma angústia existencial e física. Entretanto, se bem amparado, orientado e devidamente reabilitado, esse sujeito pode ser reintegrado, trazendo ganho social e econômico à sociedade.
Após essa conquista, o Hospital de Amor poderá ser comparado ao Instituto do Câncer da Holanda (The Netherlands Cancer Institute), que há mais de 100 anos encontra-se na vanguarda internacional da pesquisa e tratamento do câncer.

Todos os pacientes do Hospital de Amor que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME, serão beneficiados com o FreeHands.

Anualmente, o Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor reúne educadores e profissionais da saúde para o “Simpósio de Educação em Saúde”, que neste ano aconteceu no dia 8 de novembro, com o intuito de promover o diálogo sobre temáticas que versam os campos da educação e da saúde, tendo em vista a troca de experiências e a oportunidade de pensar estratégias que embasem os trabalhos e projetos que interfiram na realidade e cotidiano da sociedade atual.

O Simpósio contou com a apresentação de trabalhos orais e pôsteres, além das apresentações artísticas do Grupo Virtuoso e do Coral Acordes Vocais.

Em sua quarta edição, o evento trouxe como temática central a importante relação entre o bem-estar mental e a educação, trabalhada por meio de workshops e palestras ministradas por nomes de destaque no cenário nacional, como a neurocientista Carla Tieppo, doutora em ciências pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisadora e especialista sobre o funcionamento do sistema nervoso e suas relações com a mente e o comportamento humano.

Segundo a Dra. Carla Tieppo, existe um aspecto muito importante em se trabalhar a saúde mental dentro da educação, “fundamentalmente porque preservar a saúde mental e trabalhar a prevenção em patologias de saúde mental está diretamente relacionada a qualidade de vida. E qualidade de vida é algo que a gente constrói, é algo que se educa para ter”, ressalta.

O coordenador do NEC, Gerson Lucio Vieira, explica que a temática escolhida vai de encontro com o propósito do Núcleo, que é a de impulsionar e propagar informações que promovam conhecimento sobre qualidade de vida e promoção de saúde, tornando o indivíduo autônomo, independente e consciente no que diz respeito ao seu bem-estar físico e mental.

Com cerca de 140 participantes, o Simpósio contou, ainda, com a apresentação de trabalhos orais e pôsteres, além das apresentações artísticas do Grupo Virtuoso e do Coral Acordes Vocais, formado por médicos, pesquisadores e colaboradores do Hospital de Amor.

 

Em sua quarta edição, o evento trouxe como temática central a importante relação entre o bem-estar mental e a educação, trabalhada por meio de workshops e palestras ministradas por nomes de destaque no cenário nacional.

Outubro ainda não chegou, mas as ações que se estenderão durante o mês destinado à conscientização sobre a prevenção do câncer de mama já começaram no Hospital de Amor. Exemplo disso é o projeto Talento Rosa 2019, lançado na última quarta-feira (18) para cerca de 170 professores, dirigentes e representantes das escolas públicas e particulares de Barretos (SP) e região. O projeto, que é organizado pelo Núcleo de Educação em Câncer (NEC), ligado ao Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do HA, tem o intuito de estimular nos alunos a cultura do autocuidado, qualidade de vida, prevenção primária e secundária do câncer de mama por meio da produção de vídeos, frases, desenhos e cartazes.

Paula Carvalho – enfermeira coordenadora do Instituto de Prevenção do Hospital de Amor – ao lado da presidente do Instituto HUMSOL e vice-presidente da FEMAMA, Tânia Mary Gomez.

Todos os anos, é durante o lançamento que os educadores são capacitados e orientados sobre a aplicação do projeto em sala de aula. Em 2019, o NEC trouxe até Barretos a palestra ‘Prevenir é o alvo’ e a oficina ‘Chaveiro da Vida – Prevenção ao alcance das mãos’, ministradas pela presidente do Instituto HUMSOL (Instituto Humanista de Desenvolvimento Social) e vice-presidente da FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama), Tânia Mary Gomez. “Eu faço este trabalho há anos Já viajei o para vários lugares do Brasil e do mundo conhecendo de perto trabalhos de conscientização e prevenção de câncer, mas o que é desenvolvido pelo Hospital de Amor e a maneira como os programas são aplicados aqui é incrível, louvável”.

O Coordenador do NEC, Gerson Lucio Vieira, explica que o Talento Rosa, que faz parte do Programa de Educação em Saúde e Câncer nas Escolas, é um dos projetos de maior capilaridade e que chega a ser aplicado para quase 30 mil crianças e adolescentes. “Os alunos são estimulados a realizar produções artísticas de acordo com os ciclos escolares, e cada sala de aula elege uma que melhor represente a reflexão da turma. No último ano, recebemos 715 produções de 80 instituições de ensino. Para nós, é importante ver o quanto eles se mobilizam e como toda a informação trabalhada em sala de aula também chega aos familiares, neste caso, para as mulheres de seu núcleo familiar”, se orgulha o coordenador. O NEC também é responsável por oferecer todo o material de subsídio teórico sobre o tema aos docentes, como textos, artigos e vídeos.

O projeto Talento Rosa 2019, lançado na última quarta-feira (18), reuniu cerca de 170 professores, dirigentes e representantes das escolas públicas e particulares de Barretos (SP) e região.
O evento contou com a participação de atores que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso.

O Hospital de Amor sabe da importância de garantir que as orientações relacionadas ao tratamento, mesmo aquelas de caráter mais delicado, sejam transmitidas da maneira adequada aos pacientes e a seus familiares. Neste contexto, nos dias 22 e 29 de março, a instituição realizou a primeira edição do “Workshop de Comunicação de Más Notícias em Oncologia”. Voltado a médicos residentes do departamento de Oncologia Clínica, o treinamento, que ocorreu na sede da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB), teve como intuito possibilitar que estes profissionais pudessem vivenciar de maneira didática a experiência de transmitir notícias difíceis, considerando situações críticas comuns na rotina de um oncologista e embasando-se em protocolos já bem estruturados sobre o tema.

A ação, que contou com 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB), foi realizada em uma parceria com o Laboratório Grünenthal e com o Instituto de Ensino e Pesquisa do HA e foi conduzida com o apoio de 4 atores, que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com as orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso, a fim de garantir as melhores práticas clínicas. De acordo com o oncologista clínico e membro do Grupo de Pesquisa em Cuidados Paliativos e Qualidade de Vida da instituição (GPQual), Dr. Carlos Eduardo Paiva, esse tipo de experiência é muito importante para os profissionais, pois contribui para que eles possam desenvolver uma interação mais humana e eficaz com o paciente. “Uma comunicação adequada favorece vários desfechos positivos, como o fortalecimento do vínculo médico-paciente, o aumento da adesão ao tratamento, a melhora da satisfação do paciente, dentre outros fatores”, afirmou.

Para a aluna do 1º ano de residência em Oncologia Clínica do HA, natural de Araguaína (TO), Izabella Santos Negreiros, o evento foi muito proveitoso. “O workshop foi excelente. A maneira como o tema foi abordado foi bem interessante, abrindo espaço para discussões e para que os participantes tirassem suas dúvidas ou expusessem suas dificuldades. Finalizando com uma atividade prática de simulação, que sintetizou tudo o que havia sido dito. Por se tratar de uma realidade frequente no nosso cenário, saber comunicar más notícias é umas das principais habilidades que um oncologista precisa ter, e a iniciativa foi essencial para que eu percebesse meus pontos fracos e aprendesse como poder melhorá-los”, declarou.

O workshop, que foi voltado a residentes do setor de Oncologia Clínica do HA, reuniu 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB).

Com estrutura inaugurada em março de 2017, junto ao Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital de Amor, o biotério da instituição deu início, oficialmente, às suas atividades na última semana de novembro, com o I Encontro da Comissão de Ética no Uso de Animais da instituição, marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O evento reuniu, além da própria Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-CPOM), pesquisadores e profissionais que farão parte da equipe responsável pela nova área.

Dra. Silvia Teixeira é coordenadora do Biotério no Hospital de Amor.

Segundo a coordenadora do local, Dra. Silvia Teixeira, o início das atividades completa os diferentes campos da pesquisa na instituição e é um importante passo na busca pela integração com os departamentos clínicos do Hospital, que contemplam no biotério uma possibilidade de novas abordagens terapêuticas. “Também será possível complementar a capacitação dos alunos de pós-graduação e pesquisadores, que terão um novo enfoque para o desenvolvimento de estudos inovadores que poderão levar a uma melhora na qualidade dos tratamentos dos pacientes. As pesquisas poderão ser direcionadas para a busca de terapias ainda mais personalizadas, validação de ensaios in vitro para novos alvos terapêuticos, entre outras. Os resultados poderão indicar medicamentos, ou associação de medicamentos, e terapias que possam ser mais eficazes e poderão implicar em aumento na sobrevida e na qualidade de vida dos pacientes”, explicou.

Durante o evento, as pesquisadoras, Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, destacaram a importância da pluralidade da CEUA-CPOM, composta por docentes, pesquisadores, colaboradores das áreas das ciências exatas e biológicas, além de um representante da sociedade protetora dos animais; e afirmaram que tal composição garante uma melhor qualidade na pesquisa e, principalmente, o máximo rigor a todos os princípios éticos na experimentação animal.

Para a médica veterinária, Dra. Ekaterina Riviera, mestre em Ciências de Animais de Laboratório pela Universidade de Londres e Doutora Notório Saber pela Universidade Federal de Goiás (UFG), os princípios do Hospital de Amor guiarão o biotério para que se torne um dos únicos – se não o único – do País a aplicar, de maneira estruturada, o que ela chamou de Cultura da Consciência, que, de forma simplificada, é a responsabilidade e consciência de sua importância por parte de todos os agentes envolvidos no processo, desde a parte administrativa até os profissionais responsáveis pela limpeza.

Silvia esclareceu, ainda, que, para que um projeto seja proposto e aceito, é necessário que a pergunta seja adequada, que todos os outros meios de buscar respostas tenham sido contemplados e que a relevância da pesquisa seja convincente. “Essa é a filosofia de toda a equipe do Biotério, pensamos e buscamos ao máximo propor bem-estar aos animais. Para isso, estamos promovendo todos os cuidados necessários, enriquecimento ambiental adequado durante os processos de criação e experimentação. Pretendemos colaborar com os pesquisadores no direcionamento do projeto, de forma a minimizar o uso de animais, e a promover o cuidado necessário durante o desenvolvimento das pesquisas. Todo esse cuidado não é só por poder interferir nos resultados, gerando viés na pesquisa, mas também porque temos uma grande responsabilidade nesse processo. Toda a estrutura oferecida pelo IEP e pelo CPOM nos permite realizar estes procedimentos de forma adequada. Além disso, o investimento na capacitação da equipe do biotério, visando a qualificação dos colaboradores, permitiu que esse perfil fosse desenvolvido. Com esses cuidados, acreditamos que os resultados poderão levar a um aumento na reprodutibilidade e aplicação dos resultados na clínica, tendo em vista a melhora das condições e qualidade de vida das pessoas com câncer”, finalizou.

O evento foi marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA).
A expectativa para o próximo ano é expandir o acesso da carreta educativa “Missão Gênese” para outras cidades do estado de São Paulo.

Um evento muito especial marcou o encerramento do segundo ano do projeto da carreta educativa “Missão Gênese – Uma Jornada Nanocientífica”. No dia 23 de novembro, o Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor reuniu parceiros, amigos e viabilizadores da iniciativa, com o intuito de apresentar os resultados obtidos nos anos de 2017 e 2018, além de possibilitar o reencontro de todos que participaram do desenvolvimento e da execução desta importante missão.

Iniciado em agosto de 2017, o projeto ‘Missão Gênese’ surgiu da necessidade de aproximar o público do conhecimento produzido no HA. Diante disso, elaborou-se um trabalho de imersão voltado aos adolescentes, de 11 a 15 anos, na tentativa de difundir a cultura e o conhecimento sobre autocuidado e a prevenção do câncer, levando conscientização às crianças, fazendo com que elas compartilhem essas informações tão importantes em seus meios de convívio. A Missão faz uso de gamificação (uso de mecânicas e dinâmicas de jogos para engajar pessoas, resolver problemas e melhorar o aprendizado, motivando ações e comportamentos em ambientes fora do contexto de jogos) visando proporcionar uma experiência que aborda um tema complexo de maneira lúdica, transformando estudantes em protagonistas de uma aventura de investigação científica.

De acordo com coordenador do NEC, Gerson Vieira, o objetivo do evento de prestação de contas é apresentar para toda a comunidade os resultados obtidos nesse período de um ano e meio e o quanto essas estratégias deram certo. Para ele, a satisfação de todo esse projeto está nos números alcançados. “Encerramos o programa em 2017 abrangendo 90 participantes. Neste ano, os números nos surpreenderam: foram 4.313 alunos que vivenciaram esse experimento e puderam expandir os conhecimentos para dentro de suas casas”, afirmou.

Números
Em 2017, a carreta educativa esteve na cidade de Barretos (SP) e passou pelas escolas E. M. São Francisco, P. E. I Valois Scortecci e E. E. Cel. Silvestre de Lima. Já em 2018, os alunos das escolas P. E. I Prof. Aymoré do Brasil, E. E. Dr. Antônio Olympio, E. E. Cel. Almeida Pinto e E. M. Giuseppe Carnímeo também passaram pela missão.

Confira outras cidades e colégios que também receberam a unidade móvel: Colina (SP) – Colégio Cecília Meireles e Colégio e E. M. Lamounier de Andrade; Piracicaba (SP) – P. E. I Adolpho Carvalho; Brotas (SP) – Colégio Construindo, COC, SESI, Sinhá, Dinah, E. M. Álvaro Calhado; Severínia (SP) – E. M. Victória Maldonado Cazarine e E. M. Esmeralda Duarte da Silva; Colômbia (SP) – E. M. Santa do Prado; Guaíra (SP) – E. E. Enoch Garcia.

Resultados: 4.313 alunos, 466 professores, 1.690 visitações, 6.469 de público total, 25.876 de público atingido indiretamente, 10 cidades, 20 escolas e 6 eventos.

Para o procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas, Dr. Ronaldo José de Lira, a parceria entre o órgão público e a instituição beneficiou milhares de adolescentes, mas o maior mérito são os frutos que o HA conseguiu colher, através de seu trabalho de seriedade, em prol da sociedade. “Em 20 anos de ministério, eu nunca me senti tão realizado e feliz como nesses últimos 4 em que estive tão próximo do Hospital de Amor, graças à parceria com o MPT (Ministério Público do Trabalho). Vocês sempre me agradecem, mas sou eu quem preciso agradecer vocês. Quem quer fazer o bem, encontra obstáculos de todos os tamanhos, mas é preciso ter muita fé para conseguir! Aqui, a gente encontra amor e é isso que eu sinto todas as vezes que venho. Muito obrigado”, declarou.

A expectativa para o próximo ano é expandir o acesso da carreta educativa “Missão Gênese” para outras cidades do estado de São Paulo, especialmente para os municípios onde estão localizadas as unidades do Hospital de Amor. “Após esse momento, a nossa intenção é chegar nos outros estados e em cidades que possuem parcerias com a instituição”, esclareceu o coordenador do NEC.

Dr. Ronaldo Lira, ao lado dos alunos e da diretora da Escola Estadual Prof. Valois Scortecci, Sônia Goreti Baldan Levi.

Depoimentos
Durante a cerimônia de prestação de contas, alguns professores e alunos deram seus depoimentos sobre a experiência de receber a carreta educativa, vivenciar a missão e aprender mais sobre prevenção de câncer e qualidade de vida. Segundo a diretora da Escola Estadual Prof. Valois Scortecci, Sônia Goreti Baldan Levi, os estudantes que tiveram a oportunidade de conhecer a unidade móvel nunca mais serão os mesmos. “Fazer parte desse projeto foi mais do que um sonho! Pudemos ver nossos alunos conversando sobre oncologia, realizando atividades relacionadas ao assunto, entendendo sobre a importância da prevenção e divulgando os conhecimentos adquiridos em suas casas e bairros, foi muito gratificante. Só temos que agradecer pelo conhecimento que todos nós ganhamos”, finalizou Sônia.

Sobre a Carreta Educativa
A concretização do projeto só foi possível graças às verbas do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região. Parte dos recursos obtidos em uma ação civil pública foram destinados para cinco iniciativas relacionadas à pesquisa e atendimentos de saúde. O maior deles, orçado em R$ 69,9 milhões, foi para o Hospital de Amor. Desse montante, R$ 34 milhões foram dispostos para a construção do Instituto de Prevenção em Campinas (SP) e de cinco unidades móveis, entre elas, a carreta educativa Missão Gênese.
As tecnologias utilizadas na unidade foram desenvolvidas pela empresa YDreams Global, que opera como parceira de instituições e marcas para reformular a estratégia de atuação por meio de iniciativas relevantes que integrem a experiência digital com o espaço físico e presencial.

O HA reuniu parceiros, amigos e viabilizadores da iniciativa, com o intuito de apresentar os resultados obtidos nos anos de 2017 e 2018, além de possibilitar o reencontro de todos que participaram do desenvolvimento e da execução desta importante missão.
Mais de 500 participantes se reuniram no evento, superando as expectativas dos anos anteriores.

O Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – realizou no dia 6 de outubro, a 4ª edição da “Caminhada Lado a Lado com o Idoso”. A ação, que ocorreu na Região dos Lagos, em Barretos (SP), tem como objetivo promover o bem-estar do público idoso, através de atividades físicas e interação entre os participantes.

Os idosos foram recepcionados com massagem relaxadora.

Mais de 500 participantes se reuniram no evento, superando as expectativas dos anos anteriores. Voltado para o público com idade acima de 60 anos e inscrições gratuitas, o percurso teve 900 metros de caminhada. Segundo a enfermeira da unidade de cuidados paliativos do HA, Verônica Faustino, profissionais de diversas áreas, entre eles educadores físicos, estão envolvidos na organização da ação para garantir conforto e prezar pelo bem-estar dos idosos. “Nossa intenção é que eles não sintam dor ou cansaço, mas que sintam prazer em estar participando. Durante todo o percurso, eles encontram água. Quando eles terminam, são recepcionados com massagem relaxadora, aferição de pressão, testes e um delicioso café da manhã com frutas e sucos”, contou.

De acordo com a fisioterapeuta do Hospital São Judas Tadeu, Adriana Ferreira, a caminhada é um exercício muito importante, não só para o público da terceira idade, mas também para a melhora da qualidade de vida de todas as pessoas. “Escolhemos a caminhada por que ela é responsável por promover o fortalecimento muscular, a destreza, evitar quedas, entre outras qualidades. É uma atividade muito benéfica”, afirmou.

E você sabe qual outro benefício que a atividade física traz para os maiores de 60 anos? Vitalidade! “É a prova de que eles são capazes. Por isso, é tão importante praticar exercícios na terceira idade”, comentou Verônica.

Daniel Bampa Netto e Zaira foram escolhidos para apadrinhar a Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” deste ano.

O contador barretense, Daniel Bampa Netto, de 79 anos, e sua esposa, Zaira, foram escolhidos para apadrinhar a Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” deste ano. O casal, exemplo a ser seguido, tem a atividade física em sua rotina há mais de 12 anos e garante: idosos que se exercitam, vão longe! “Para nós, grandes incentivadores de exercícios físicos, participar de um evento como este é um orgulho e uma energia única. Não apenas pela caminhada em si, mas pela amizade que se cria, o companheirismo, o bate-papo. Isso vale muito a pena e é uma bela maneira de passar a vida! Como padrinho desta ação, eu espero servir de inspiração para muitas pessoas. O recado que fica é: vamos nos exercitar para podemos acompanhar o tempo que ainda nos falta”, comentou empolgado.

Vencedor
Com 70 anos e uma energia de causar inveja, o pedreiro Archimedes Damas apertou o passo e foi o vencedor da caminhada. Satisfeito com o evento e feliz com seu troféu de primeiro colocado, ele se considera um grande incentivador para os outros idosos. “Em qualquer disputa que a gente entra, a intenção é vencer. Por isso, eu estou muito contente por ter conquistado o primeiro lugar. Agradeço a todas as pessoas que organizam essa ação e zelam pela nossa saúde. Eu me sinto disposto e com ótima aparência física e, hoje, eu comprovei isso”, declarou.

A 5ª edição da Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” já está confirmada e a expectativa é de que 700 inscrições sejam realizadas.

Selo “Hospital Amigo do Idoso”
Esta mobilização reforça a participação do Hospital de Amor na sociedade, demonstrando, assim, a importância da existência do selo “Hospital Amigo do Idoso”, que a unidade de cuidados paliativos conquistou.

A instituição recebeu a visita de uma comissão de auditores do Estado de São Paulo e foi chancelada com o selo, que é uma iniciativa do governo paulista e tem como intuito estimular e apoiar a qualificação geronto-geriátrica dos hospitais.

De acordo com a fisioterapeuta Adriana Ferreira, para obter o selo, o hospital deve cumprir 25 critérios que são divididos em níveis: inicial, intermediário e pleno, sendo este último o nível máximo exigido pelos auditores. Dentre as adequações solicitadas estão as acomodações do ambiente físico do prédio (como a inserção de barras no banheiro, elevação do vaso sanitário, antiderrapante e adequação do espaço utilizado pelo idoso). Segundo Adriana, 45% dos pacientes do Hospital São Judas Tadeu são idosos, porém, os outros pacientes em tratamento no centro também são contemplados com os benefícios.

Voltado para o público com idade acima de 60 anos e inscrições gratuitas, o percurso teve 900 metros de caminhada.

Publicado em 18 de out de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção
O “FreeHands” é um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade, permitindo uma reabilitação quase completa ao paciente.

O departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor obteve mais uma importante conquista no último mês de outubro, que irá beneficiar centenas de pacientes que enfrentaram o câncer e, por conta da doença, tiveram que retirar a laringe. O “FreeHands” – dispositivo que combina uma válvula fonatória automática e um filtro permutador de calor e umidade – permite uma reabilitação quase completa ao paciente da instituição, melhorando significativamente a qualidade de vida dele, clínica e socialmente.

Em uma entrevista exclusiva para o site do HA, a fonoaudióloga da instituição, Gisele Giroldo, contou sobre a nova aquisição do hospital, pioneiro em oferecer esse serviço, e esclareceu as principais dúvidas. Confira:

1) O que é o FreeHands?
R.: Trata-se de um dispositivo que combina uma válvula fonatória automática (reabilitação vocal) e um filtro permutador de calor de umidade (reabilitação pulmonar).

2) Quais são os seus principais benefícios?
R.: Todos os pacientes laringectomizados do Hospital de Amor, que utilizam uma prótese fonatória para reabilitação vocal, precisam fechar o estoma (abertura) com o dedo impedido a saída de ar e permitindo a fala. O FreeHands faz com que a pressão de ar que vem dos pulmões feche automaticamente o dispositivo sem a obrigatoriedade de o paciente utilizar as mãos, fazendo com que ele execute atividades com as duas mãos e falar normalmente (diferentemente da laringe eletrônica, por exemplo). Além disso, ele é acoplado também a um filtro que faz a reabilitação pulmonar, evitando volume de secreção, tosse e expectoração.
Com o FreeHands, o paciente passa a ter um cenário de reabilitação muito próximo da rotina que levava antes da cirurgia, melhorando significativamente a qualidade de vida no contexto clínico e social.

3) É necessário fazer algum procedimento cirúrgico para a colocação do dispositivo?
R.: Não. A colocação é feita pela equipe de fonoaudiologia do Hospital de Amor, responsável pela seleção e adaptação da válvula. Depois desse primeiro passo, o fonoaudiólogo atua na reabilitação desse paciente para o uso adequado do dispositivo.

4) Houve alguma parceria com o Hospital de Amor para a aquisição do FreeHands?
R.: Graças à parceria do Bella Vita (projeto de reabilitação do HA) e da empresa Atos Medical (líder mundial em produtos para pacientes laringectomizados totais), foi possível fazer a aquisição da nova prótese.

5) Os hospitais oncológicos do Brasil (públicos e privados) já contam com essa prótese ou o Hospital de Amor é a 1ª instituição do país a oferecer isso gratuitamente aos pacientes?
R.: Não, nenhuma outra instituição do Brasil oferece esse serviço. O Hospital de Amor é o primeiro centro oncológico do país a oferecer a reabilitação completa, considerada “padrão-ouro mundial”, destinado ao paciente laringectomizado total. Essa prótese faz parte do material padrão oferecido aos pacientes em países com um sistema de reembolso para reabilitação de voz.

6) Como será a escolha dos pacientes beneficiados com o FreeHands?
R.: Todos os pacientes que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME.

7) Quais são os departamentos do HA envolvidos com esta novidade?
R.: Setores de fonoaudiologia, enfermagem e cabeça e pescoço.

8) Com esse avanço, tanto os pacientes, quanto o hospital ganham. Que ganho é esse e o que ele significa?
R.: O maior benefício é, sem dúvidas, a melhora da qualidade de vida do paciente. O HA já oferecia a reabilitação completa com a prótese fonatória – melhorando a condição da voz e, principalmente, devolvendo a identidade dele, já que a comunicação é de extrema importância para a vida do ser humano – e com a reabilitação pulmonar utilizando o filtro HME – evitando a deterioração pulmonar e causando menor necessidade de intervenções e hospitalizações por pneumonia ou infecções respiratórias.
O processo com o FreeHands oferece a liberdade de falar sem a oclusão (fechamento), aproximando esse paciente da sua imagem corporal antes da cirurgia de retirada da laringe e da abertura permanente no pescoço por onde ele respira. O uso do dispositivo tira o “estigma” da deficiência. É possível oferecer aos pacientes o retorno à vida profissional, já que muitos precisam se afastar de atividades onde o uso das mãos se faz necessário, como motorista, costureira, mecânico, cozinheiro, vendedor, entre outros.
O Hospital de Amor também ganha e muito! A instituição terá exposição internacional como referência em reabilitação de pacientes laringectomizados, podendo resultar em parcerias com centros internacionais para projetos de pesquisas.

9) O FreeHands é mais um ‘braço’ do processo de reabilitação oferecido pelo HA. Como é esse processo e o que ele se difere de outras instituições?
R.: Hoje, somos a primeira instituição no Brasil a oferecer o melhor e mais completo tratamento para o paciente laringectomizado total, que sofre com a mutilação e a mudez pós-cirurgia, tendo sua autoestima totalmente comprometida. Oferecendo a reabilitação para este paciente, iremos de forma direta devolver a qualidade de vida e, principalmente, a sua identidade, já que precisamos da comunicação não somente para nos expressar. As sequelas do tratamento e suas complicações geram ao indivíduo uma angústia existencial e física. Entretanto, se bem amparado, orientado e devidamente reabilitado, esse sujeito pode ser reintegrado, trazendo ganho social e econômico à sociedade.
Após essa conquista, o Hospital de Amor poderá ser comparado ao Instituto do Câncer da Holanda (The Netherlands Cancer Institute), que há mais de 100 anos encontra-se na vanguarda internacional da pesquisa e tratamento do câncer.

Todos os pacientes do Hospital de Amor que já fazem o uso da prótese fonatória e do filtro HME, serão beneficiados com o FreeHands.

Anualmente, o Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor reúne educadores e profissionais da saúde para o “Simpósio de Educação em Saúde”, que neste ano aconteceu no dia 8 de novembro, com o intuito de promover o diálogo sobre temáticas que versam os campos da educação e da saúde, tendo em vista a troca de experiências e a oportunidade de pensar estratégias que embasem os trabalhos e projetos que interfiram na realidade e cotidiano da sociedade atual.

O Simpósio contou com a apresentação de trabalhos orais e pôsteres, além das apresentações artísticas do Grupo Virtuoso e do Coral Acordes Vocais.

Em sua quarta edição, o evento trouxe como temática central a importante relação entre o bem-estar mental e a educação, trabalhada por meio de workshops e palestras ministradas por nomes de destaque no cenário nacional, como a neurocientista Carla Tieppo, doutora em ciências pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisadora e especialista sobre o funcionamento do sistema nervoso e suas relações com a mente e o comportamento humano.

Segundo a Dra. Carla Tieppo, existe um aspecto muito importante em se trabalhar a saúde mental dentro da educação, “fundamentalmente porque preservar a saúde mental e trabalhar a prevenção em patologias de saúde mental está diretamente relacionada a qualidade de vida. E qualidade de vida é algo que a gente constrói, é algo que se educa para ter”, ressalta.

O coordenador do NEC, Gerson Lucio Vieira, explica que a temática escolhida vai de encontro com o propósito do Núcleo, que é a de impulsionar e propagar informações que promovam conhecimento sobre qualidade de vida e promoção de saúde, tornando o indivíduo autônomo, independente e consciente no que diz respeito ao seu bem-estar físico e mental.

Com cerca de 140 participantes, o Simpósio contou, ainda, com a apresentação de trabalhos orais e pôsteres, além das apresentações artísticas do Grupo Virtuoso e do Coral Acordes Vocais, formado por médicos, pesquisadores e colaboradores do Hospital de Amor.

 

Em sua quarta edição, o evento trouxe como temática central a importante relação entre o bem-estar mental e a educação, trabalhada por meio de workshops e palestras ministradas por nomes de destaque no cenário nacional.

Outubro ainda não chegou, mas as ações que se estenderão durante o mês destinado à conscientização sobre a prevenção do câncer de mama já começaram no Hospital de Amor. Exemplo disso é o projeto Talento Rosa 2019, lançado na última quarta-feira (18) para cerca de 170 professores, dirigentes e representantes das escolas públicas e particulares de Barretos (SP) e região. O projeto, que é organizado pelo Núcleo de Educação em Câncer (NEC), ligado ao Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do HA, tem o intuito de estimular nos alunos a cultura do autocuidado, qualidade de vida, prevenção primária e secundária do câncer de mama por meio da produção de vídeos, frases, desenhos e cartazes.

Paula Carvalho – enfermeira coordenadora do Instituto de Prevenção do Hospital de Amor – ao lado da presidente do Instituto HUMSOL e vice-presidente da FEMAMA, Tânia Mary Gomez.

Todos os anos, é durante o lançamento que os educadores são capacitados e orientados sobre a aplicação do projeto em sala de aula. Em 2019, o NEC trouxe até Barretos a palestra ‘Prevenir é o alvo’ e a oficina ‘Chaveiro da Vida – Prevenção ao alcance das mãos’, ministradas pela presidente do Instituto HUMSOL (Instituto Humanista de Desenvolvimento Social) e vice-presidente da FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama), Tânia Mary Gomez. “Eu faço este trabalho há anos Já viajei o para vários lugares do Brasil e do mundo conhecendo de perto trabalhos de conscientização e prevenção de câncer, mas o que é desenvolvido pelo Hospital de Amor e a maneira como os programas são aplicados aqui é incrível, louvável”.

O Coordenador do NEC, Gerson Lucio Vieira, explica que o Talento Rosa, que faz parte do Programa de Educação em Saúde e Câncer nas Escolas, é um dos projetos de maior capilaridade e que chega a ser aplicado para quase 30 mil crianças e adolescentes. “Os alunos são estimulados a realizar produções artísticas de acordo com os ciclos escolares, e cada sala de aula elege uma que melhor represente a reflexão da turma. No último ano, recebemos 715 produções de 80 instituições de ensino. Para nós, é importante ver o quanto eles se mobilizam e como toda a informação trabalhada em sala de aula também chega aos familiares, neste caso, para as mulheres de seu núcleo familiar”, se orgulha o coordenador. O NEC também é responsável por oferecer todo o material de subsídio teórico sobre o tema aos docentes, como textos, artigos e vídeos.

O projeto Talento Rosa 2019, lançado na última quarta-feira (18), reuniu cerca de 170 professores, dirigentes e representantes das escolas públicas e particulares de Barretos (SP) e região.
O evento contou com a participação de atores que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso.

O Hospital de Amor sabe da importância de garantir que as orientações relacionadas ao tratamento, mesmo aquelas de caráter mais delicado, sejam transmitidas da maneira adequada aos pacientes e a seus familiares. Neste contexto, nos dias 22 e 29 de março, a instituição realizou a primeira edição do “Workshop de Comunicação de Más Notícias em Oncologia”. Voltado a médicos residentes do departamento de Oncologia Clínica, o treinamento, que ocorreu na sede da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB), teve como intuito possibilitar que estes profissionais pudessem vivenciar de maneira didática a experiência de transmitir notícias difíceis, considerando situações críticas comuns na rotina de um oncologista e embasando-se em protocolos já bem estruturados sobre o tema.

A ação, que contou com 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB), foi realizada em uma parceria com o Laboratório Grünenthal e com o Instituto de Ensino e Pesquisa do HA e foi conduzida com o apoio de 4 atores, que simularam contextos de diálogos com pacientes e familiares, com as orientações sobre as possíveis atitudes a serem tomadas em cada caso, a fim de garantir as melhores práticas clínicas. De acordo com o oncologista clínico e membro do Grupo de Pesquisa em Cuidados Paliativos e Qualidade de Vida da instituição (GPQual), Dr. Carlos Eduardo Paiva, esse tipo de experiência é muito importante para os profissionais, pois contribui para que eles possam desenvolver uma interação mais humana e eficaz com o paciente. “Uma comunicação adequada favorece vários desfechos positivos, como o fortalecimento do vínculo médico-paciente, o aumento da adesão ao tratamento, a melhora da satisfação do paciente, dentre outros fatores”, afirmou.

Para a aluna do 1º ano de residência em Oncologia Clínica do HA, natural de Araguaína (TO), Izabella Santos Negreiros, o evento foi muito proveitoso. “O workshop foi excelente. A maneira como o tema foi abordado foi bem interessante, abrindo espaço para discussões e para que os participantes tirassem suas dúvidas ou expusessem suas dificuldades. Finalizando com uma atividade prática de simulação, que sintetizou tudo o que havia sido dito. Por se tratar de uma realidade frequente no nosso cenário, saber comunicar más notícias é umas das principais habilidades que um oncologista precisa ter, e a iniciativa foi essencial para que eu percebesse meus pontos fracos e aprendesse como poder melhorá-los”, declarou.

O workshop, que foi voltado a residentes do setor de Oncologia Clínica do HA, reuniu 45 participantes (entre médicos titulares, residentes de todos os anos do programa de residência em oncologia clínica – R1, R2 e R3 – e graduandos do curso de medicina da FACISB).

Com estrutura inaugurada em março de 2017, junto ao Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital de Amor, o biotério da instituição deu início, oficialmente, às suas atividades na última semana de novembro, com o I Encontro da Comissão de Ética no Uso de Animais da instituição, marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O evento reuniu, além da própria Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-CPOM), pesquisadores e profissionais que farão parte da equipe responsável pela nova área.

Dra. Silvia Teixeira é coordenadora do Biotério no Hospital de Amor.

Segundo a coordenadora do local, Dra. Silvia Teixeira, o início das atividades completa os diferentes campos da pesquisa na instituição e é um importante passo na busca pela integração com os departamentos clínicos do Hospital, que contemplam no biotério uma possibilidade de novas abordagens terapêuticas. “Também será possível complementar a capacitação dos alunos de pós-graduação e pesquisadores, que terão um novo enfoque para o desenvolvimento de estudos inovadores que poderão levar a uma melhora na qualidade dos tratamentos dos pacientes. As pesquisas poderão ser direcionadas para a busca de terapias ainda mais personalizadas, validação de ensaios in vitro para novos alvos terapêuticos, entre outras. Os resultados poderão indicar medicamentos, ou associação de medicamentos, e terapias que possam ser mais eficazes e poderão implicar em aumento na sobrevida e na qualidade de vida dos pacientes”, explicou.

Durante o evento, as pesquisadoras, Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, destacaram a importância da pluralidade da CEUA-CPOM, composta por docentes, pesquisadores, colaboradores das áreas das ciências exatas e biológicas, além de um representante da sociedade protetora dos animais; e afirmaram que tal composição garante uma melhor qualidade na pesquisa e, principalmente, o máximo rigor a todos os princípios éticos na experimentação animal.

Para a médica veterinária, Dra. Ekaterina Riviera, mestre em Ciências de Animais de Laboratório pela Universidade de Londres e Doutora Notório Saber pela Universidade Federal de Goiás (UFG), os princípios do Hospital de Amor guiarão o biotério para que se torne um dos únicos – se não o único – do País a aplicar, de maneira estruturada, o que ela chamou de Cultura da Consciência, que, de forma simplificada, é a responsabilidade e consciência de sua importância por parte de todos os agentes envolvidos no processo, desde a parte administrativa até os profissionais responsáveis pela limpeza.

Silvia esclareceu, ainda, que, para que um projeto seja proposto e aceito, é necessário que a pergunta seja adequada, que todos os outros meios de buscar respostas tenham sido contemplados e que a relevância da pesquisa seja convincente. “Essa é a filosofia de toda a equipe do Biotério, pensamos e buscamos ao máximo propor bem-estar aos animais. Para isso, estamos promovendo todos os cuidados necessários, enriquecimento ambiental adequado durante os processos de criação e experimentação. Pretendemos colaborar com os pesquisadores no direcionamento do projeto, de forma a minimizar o uso de animais, e a promover o cuidado necessário durante o desenvolvimento das pesquisas. Todo esse cuidado não é só por poder interferir nos resultados, gerando viés na pesquisa, mas também porque temos uma grande responsabilidade nesse processo. Toda a estrutura oferecida pelo IEP e pelo CPOM nos permite realizar estes procedimentos de forma adequada. Além disso, o investimento na capacitação da equipe do biotério, visando a qualificação dos colaboradores, permitiu que esse perfil fosse desenvolvido. Com esses cuidados, acreditamos que os resultados poderão levar a um aumento na reprodutibilidade e aplicação dos resultados na clínica, tendo em vista a melhora das condições e qualidade de vida das pessoas com câncer”, finalizou.

O evento foi marcado pela presença e palestras de dois importantes nomes da área no cenário nacional: Dra. Ekaterina Rivera e Dra. Vera Peters, pesquisadoras e membros do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA).
A expectativa para o próximo ano é expandir o acesso da carreta educativa “Missão Gênese” para outras cidades do estado de São Paulo.

Um evento muito especial marcou o encerramento do segundo ano do projeto da carreta educativa “Missão Gênese – Uma Jornada Nanocientífica”. No dia 23 de novembro, o Núcleo de Educação em Câncer (NEC) do Hospital de Amor reuniu parceiros, amigos e viabilizadores da iniciativa, com o intuito de apresentar os resultados obtidos nos anos de 2017 e 2018, além de possibilitar o reencontro de todos que participaram do desenvolvimento e da execução desta importante missão.

Iniciado em agosto de 2017, o projeto ‘Missão Gênese’ surgiu da necessidade de aproximar o público do conhecimento produzido no HA. Diante disso, elaborou-se um trabalho de imersão voltado aos adolescentes, de 11 a 15 anos, na tentativa de difundir a cultura e o conhecimento sobre autocuidado e a prevenção do câncer, levando conscientização às crianças, fazendo com que elas compartilhem essas informações tão importantes em seus meios de convívio. A Missão faz uso de gamificação (uso de mecânicas e dinâmicas de jogos para engajar pessoas, resolver problemas e melhorar o aprendizado, motivando ações e comportamentos em ambientes fora do contexto de jogos) visando proporcionar uma experiência que aborda um tema complexo de maneira lúdica, transformando estudantes em protagonistas de uma aventura de investigação científica.

De acordo com coordenador do NEC, Gerson Vieira, o objetivo do evento de prestação de contas é apresentar para toda a comunidade os resultados obtidos nesse período de um ano e meio e o quanto essas estratégias deram certo. Para ele, a satisfação de todo esse projeto está nos números alcançados. “Encerramos o programa em 2017 abrangendo 90 participantes. Neste ano, os números nos surpreenderam: foram 4.313 alunos que vivenciaram esse experimento e puderam expandir os conhecimentos para dentro de suas casas”, afirmou.

Números
Em 2017, a carreta educativa esteve na cidade de Barretos (SP) e passou pelas escolas E. M. São Francisco, P. E. I Valois Scortecci e E. E. Cel. Silvestre de Lima. Já em 2018, os alunos das escolas P. E. I Prof. Aymoré do Brasil, E. E. Dr. Antônio Olympio, E. E. Cel. Almeida Pinto e E. M. Giuseppe Carnímeo também passaram pela missão.

Confira outras cidades e colégios que também receberam a unidade móvel: Colina (SP) – Colégio Cecília Meireles e Colégio e E. M. Lamounier de Andrade; Piracicaba (SP) – P. E. I Adolpho Carvalho; Brotas (SP) – Colégio Construindo, COC, SESI, Sinhá, Dinah, E. M. Álvaro Calhado; Severínia (SP) – E. M. Victória Maldonado Cazarine e E. M. Esmeralda Duarte da Silva; Colômbia (SP) – E. M. Santa do Prado; Guaíra (SP) – E. E. Enoch Garcia.

Resultados: 4.313 alunos, 466 professores, 1.690 visitações, 6.469 de público total, 25.876 de público atingido indiretamente, 10 cidades, 20 escolas e 6 eventos.

Para o procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas, Dr. Ronaldo José de Lira, a parceria entre o órgão público e a instituição beneficiou milhares de adolescentes, mas o maior mérito são os frutos que o HA conseguiu colher, através de seu trabalho de seriedade, em prol da sociedade. “Em 20 anos de ministério, eu nunca me senti tão realizado e feliz como nesses últimos 4 em que estive tão próximo do Hospital de Amor, graças à parceria com o MPT (Ministério Público do Trabalho). Vocês sempre me agradecem, mas sou eu quem preciso agradecer vocês. Quem quer fazer o bem, encontra obstáculos de todos os tamanhos, mas é preciso ter muita fé para conseguir! Aqui, a gente encontra amor e é isso que eu sinto todas as vezes que venho. Muito obrigado”, declarou.

A expectativa para o próximo ano é expandir o acesso da carreta educativa “Missão Gênese” para outras cidades do estado de São Paulo, especialmente para os municípios onde estão localizadas as unidades do Hospital de Amor. “Após esse momento, a nossa intenção é chegar nos outros estados e em cidades que possuem parcerias com a instituição”, esclareceu o coordenador do NEC.

Dr. Ronaldo Lira, ao lado dos alunos e da diretora da Escola Estadual Prof. Valois Scortecci, Sônia Goreti Baldan Levi.

Depoimentos
Durante a cerimônia de prestação de contas, alguns professores e alunos deram seus depoimentos sobre a experiência de receber a carreta educativa, vivenciar a missão e aprender mais sobre prevenção de câncer e qualidade de vida. Segundo a diretora da Escola Estadual Prof. Valois Scortecci, Sônia Goreti Baldan Levi, os estudantes que tiveram a oportunidade de conhecer a unidade móvel nunca mais serão os mesmos. “Fazer parte desse projeto foi mais do que um sonho! Pudemos ver nossos alunos conversando sobre oncologia, realizando atividades relacionadas ao assunto, entendendo sobre a importância da prevenção e divulgando os conhecimentos adquiridos em suas casas e bairros, foi muito gratificante. Só temos que agradecer pelo conhecimento que todos nós ganhamos”, finalizou Sônia.

Sobre a Carreta Educativa
A concretização do projeto só foi possível graças às verbas do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região. Parte dos recursos obtidos em uma ação civil pública foram destinados para cinco iniciativas relacionadas à pesquisa e atendimentos de saúde. O maior deles, orçado em R$ 69,9 milhões, foi para o Hospital de Amor. Desse montante, R$ 34 milhões foram dispostos para a construção do Instituto de Prevenção em Campinas (SP) e de cinco unidades móveis, entre elas, a carreta educativa Missão Gênese.
As tecnologias utilizadas na unidade foram desenvolvidas pela empresa YDreams Global, que opera como parceira de instituições e marcas para reformular a estratégia de atuação por meio de iniciativas relevantes que integrem a experiência digital com o espaço físico e presencial.

O HA reuniu parceiros, amigos e viabilizadores da iniciativa, com o intuito de apresentar os resultados obtidos nos anos de 2017 e 2018, além de possibilitar o reencontro de todos que participaram do desenvolvimento e da execução desta importante missão.
Mais de 500 participantes se reuniram no evento, superando as expectativas dos anos anteriores.

O Hospital São Judas Tadeu – a unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso do Hospital de Amor – realizou no dia 6 de outubro, a 4ª edição da “Caminhada Lado a Lado com o Idoso”. A ação, que ocorreu na Região dos Lagos, em Barretos (SP), tem como objetivo promover o bem-estar do público idoso, através de atividades físicas e interação entre os participantes.

Os idosos foram recepcionados com massagem relaxadora.

Mais de 500 participantes se reuniram no evento, superando as expectativas dos anos anteriores. Voltado para o público com idade acima de 60 anos e inscrições gratuitas, o percurso teve 900 metros de caminhada. Segundo a enfermeira da unidade de cuidados paliativos do HA, Verônica Faustino, profissionais de diversas áreas, entre eles educadores físicos, estão envolvidos na organização da ação para garantir conforto e prezar pelo bem-estar dos idosos. “Nossa intenção é que eles não sintam dor ou cansaço, mas que sintam prazer em estar participando. Durante todo o percurso, eles encontram água. Quando eles terminam, são recepcionados com massagem relaxadora, aferição de pressão, testes e um delicioso café da manhã com frutas e sucos”, contou.

De acordo com a fisioterapeuta do Hospital São Judas Tadeu, Adriana Ferreira, a caminhada é um exercício muito importante, não só para o público da terceira idade, mas também para a melhora da qualidade de vida de todas as pessoas. “Escolhemos a caminhada por que ela é responsável por promover o fortalecimento muscular, a destreza, evitar quedas, entre outras qualidades. É uma atividade muito benéfica”, afirmou.

E você sabe qual outro benefício que a atividade física traz para os maiores de 60 anos? Vitalidade! “É a prova de que eles são capazes. Por isso, é tão importante praticar exercícios na terceira idade”, comentou Verônica.

Daniel Bampa Netto e Zaira foram escolhidos para apadrinhar a Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” deste ano.

O contador barretense, Daniel Bampa Netto, de 79 anos, e sua esposa, Zaira, foram escolhidos para apadrinhar a Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” deste ano. O casal, exemplo a ser seguido, tem a atividade física em sua rotina há mais de 12 anos e garante: idosos que se exercitam, vão longe! “Para nós, grandes incentivadores de exercícios físicos, participar de um evento como este é um orgulho e uma energia única. Não apenas pela caminhada em si, mas pela amizade que se cria, o companheirismo, o bate-papo. Isso vale muito a pena e é uma bela maneira de passar a vida! Como padrinho desta ação, eu espero servir de inspiração para muitas pessoas. O recado que fica é: vamos nos exercitar para podemos acompanhar o tempo que ainda nos falta”, comentou empolgado.

Vencedor
Com 70 anos e uma energia de causar inveja, o pedreiro Archimedes Damas apertou o passo e foi o vencedor da caminhada. Satisfeito com o evento e feliz com seu troféu de primeiro colocado, ele se considera um grande incentivador para os outros idosos. “Em qualquer disputa que a gente entra, a intenção é vencer. Por isso, eu estou muito contente por ter conquistado o primeiro lugar. Agradeço a todas as pessoas que organizam essa ação e zelam pela nossa saúde. Eu me sinto disposto e com ótima aparência física e, hoje, eu comprovei isso”, declarou.

A 5ª edição da Caminhada “Lado a Lado com o Idoso” já está confirmada e a expectativa é de que 700 inscrições sejam realizadas.

Selo “Hospital Amigo do Idoso”
Esta mobilização reforça a participação do Hospital de Amor na sociedade, demonstrando, assim, a importância da existência do selo “Hospital Amigo do Idoso”, que a unidade de cuidados paliativos conquistou.

A instituição recebeu a visita de uma comissão de auditores do Estado de São Paulo e foi chancelada com o selo, que é uma iniciativa do governo paulista e tem como intuito estimular e apoiar a qualificação geronto-geriátrica dos hospitais.

De acordo com a fisioterapeuta Adriana Ferreira, para obter o selo, o hospital deve cumprir 25 critérios que são divididos em níveis: inicial, intermediário e pleno, sendo este último o nível máximo exigido pelos auditores. Dentre as adequações solicitadas estão as acomodações do ambiente físico do prédio (como a inserção de barras no banheiro, elevação do vaso sanitário, antiderrapante e adequação do espaço utilizado pelo idoso). Segundo Adriana, 45% dos pacientes do Hospital São Judas Tadeu são idosos, porém, os outros pacientes em tratamento no centro também são contemplados com os benefícios.

Voltado para o público com idade acima de 60 anos e inscrições gratuitas, o percurso teve 900 metros de caminhada.

Publicado em 18 de out de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção