fbpx

Hospital de Amor desenvolve horta comunitária para pacientes e seus familiares

o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’, que ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus.

“Alecrim, alecrim dourado, que nasceu no campo sem ser semeado”. Desde muito cedo, as comidinhas já estão no imaginário das crianças. O bom mesmo é quando podem ser degustadas de maneira saudável e segura.

O consumo de alimentos orgânicos pode contribuir com uma boa saúde, embora, muitas vezes, seja um grande desafio devido à correria do dia a dia. Pensando em oferecer alimentos de qualidade e entretenimento aos acompanhantes do Hospital de Amor Infantojuvenil, o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’. A ação ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus, que é administrado pela equipe do hospital e fica localizado a uma quadra da unidade pediátrica da instituição.

O projeto que teve início em maio deste ano, consiste em reunir os acompanhantes dos pacientes para plantarem e cuidarem das hortaliças na horta comunitária. De acordo com a gerente do Lar de Amor, Lilian Borges, que chefia as atividades, a instituição tem buscado olhar para os pacientes também fora do hospital. “Sabemos que em relação ao tratamento, nós oferecemos o melhor nos mais diversos aspectos, mas quando o paciente está fora do hospital, nos alojamentos ou em casas, infelizmente, eles acabam ficando ociosos e, muitas vezes, ficam tristes, já que muitos pais precisam abrir mão de seus ofícios, hobbies e do convívio com seus familiares e amigos. Esses fatores contribuíram para iniciarmos a hortinha”, declara Lilian.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), através de um projeto de extensão, que agrega com experimentos práticos de química e biologia, permitindo assim aproximar a teoria da prática. Atualmente, dois alunos do IFSP vão semanalmente até o alojamento, onde ensinam sobre o manejo das mudas e das plantas, sempre com supervisão dos professores do instituto.

Para José Carlos Trindade, pai do paciente Keivinson Ricardo, de 10 anos, natural do estado da Bahia, poder passar o tempo na horta funciona como uma terapia. “Estar aqui e poder ajudar é muito bom. Gosto muito quando nós podemos mexer na terra e plantar na horta, dá até saudade de casa”, afirma o lavrador que também é beneficiado pelo projeto, já que vive com o seu filho no alojamento há quatro meses.

De acordo com a nutricionista responsável pela unidade infantojuvenil, Mariana Murra, o consumo de alimentos ricos em agrotóxicos não apenas pelos pacientes, mas por todas as pessoas, é alarmante. A profissional afirma que consumir alimentos orgânicos, como os da horta comunitária, é mais seguro e mais saboroso, o que também contribui para gerar incentivo à uma alimentação mais saudável e balanceada, já que o consumo de alimentos mais seguros nutricionalmente pode aumentar o consumo da chamada “boa comida”.

A alimentação e o tratamento de câncer
Os alimentos orgânicos são os que utilizam técnicas que respeitam o meio ambiente, de modo que não há a utilização de agrotóxicos, nem outros produtos quem possam causar danos à saúde.
A nutricionista afirma que durante as diferentes fases do tratamento, as crianças ficam limitadas a ingerir alimentos crus, o que pode resultar em dificuldade alimentares no futuro. Por este motivo, durante todas as etapas do tramento, incentivar uma alimentação balanceada é extremamente importante. Além das diversas verduras, como alface, almeirão, couve, entre outras possibilidades, os temperos naturais também podem ser cultivados na horta, como: salsinha, cebolinha, hortelã, orégano, manjericão, alecrim, etc.

Mariana também ressalta que a alimentação não saudável é um dos fatores que podem contribuir com o desenvolvimento do câncer. “Quando pensamos em uma alimentação saudável, rica em frutas e verduras (3 a 5 porções ao longo do dia), o próprio consumo contribui na prevenção de diferentes tipos de câncer. Porém, não há alimento milagrosos, há uma alimentação saudável e equilibrada que colabora com a prevenção (antes que a doença se estabeleça). Após a doença já ter se instalado, é importante alinhar o cardápio e evitar alimentos sem valor nutricional” diz Mariana. Também vale ressaltar que o equilíbrio é tudo, ou seja, uma alimentação correta também possui carboidratos, proteínas e gorduras, que devem ser fracionadas ao longo do dia.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).


Publicado em 02 de set de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Pacientes e Familiares
o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’, que ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus.

“Alecrim, alecrim dourado, que nasceu no campo sem ser semeado”. Desde muito cedo, as comidinhas já estão no imaginário das crianças. O bom mesmo é quando podem ser degustadas de maneira saudável e segura.

O consumo de alimentos orgânicos pode contribuir com uma boa saúde, embora, muitas vezes, seja um grande desafio devido à correria do dia a dia. Pensando em oferecer alimentos de qualidade e entretenimento aos acompanhantes do Hospital de Amor Infantojuvenil, o departamento de projetos sociais do HA desenvolveu a iniciativa ‘Hortinha de Amor’. A ação ocorre no alojamento Santa Terezinha do Menino Jesus, que é administrado pela equipe do hospital e fica localizado a uma quadra da unidade pediátrica da instituição.

O projeto que teve início em maio deste ano, consiste em reunir os acompanhantes dos pacientes para plantarem e cuidarem das hortaliças na horta comunitária. De acordo com a gerente do Lar de Amor, Lilian Borges, que chefia as atividades, a instituição tem buscado olhar para os pacientes também fora do hospital. “Sabemos que em relação ao tratamento, nós oferecemos o melhor nos mais diversos aspectos, mas quando o paciente está fora do hospital, nos alojamentos ou em casas, infelizmente, eles acabam ficando ociosos e, muitas vezes, ficam tristes, já que muitos pais precisam abrir mão de seus ofícios, hobbies e do convívio com seus familiares e amigos. Esses fatores contribuíram para iniciarmos a hortinha”, declara Lilian.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), através de um projeto de extensão, que agrega com experimentos práticos de química e biologia, permitindo assim aproximar a teoria da prática. Atualmente, dois alunos do IFSP vão semanalmente até o alojamento, onde ensinam sobre o manejo das mudas e das plantas, sempre com supervisão dos professores do instituto.

Para José Carlos Trindade, pai do paciente Keivinson Ricardo, de 10 anos, natural do estado da Bahia, poder passar o tempo na horta funciona como uma terapia. “Estar aqui e poder ajudar é muito bom. Gosto muito quando nós podemos mexer na terra e plantar na horta, dá até saudade de casa”, afirma o lavrador que também é beneficiado pelo projeto, já que vive com o seu filho no alojamento há quatro meses.

De acordo com a nutricionista responsável pela unidade infantojuvenil, Mariana Murra, o consumo de alimentos ricos em agrotóxicos não apenas pelos pacientes, mas por todas as pessoas, é alarmante. A profissional afirma que consumir alimentos orgânicos, como os da horta comunitária, é mais seguro e mais saboroso, o que também contribui para gerar incentivo à uma alimentação mais saudável e balanceada, já que o consumo de alimentos mais seguros nutricionalmente pode aumentar o consumo da chamada “boa comida”.

A alimentação e o tratamento de câncer
Os alimentos orgânicos são os que utilizam técnicas que respeitam o meio ambiente, de modo que não há a utilização de agrotóxicos, nem outros produtos quem possam causar danos à saúde.
A nutricionista afirma que durante as diferentes fases do tratamento, as crianças ficam limitadas a ingerir alimentos crus, o que pode resultar em dificuldade alimentares no futuro. Por este motivo, durante todas as etapas do tramento, incentivar uma alimentação balanceada é extremamente importante. Além das diversas verduras, como alface, almeirão, couve, entre outras possibilidades, os temperos naturais também podem ser cultivados na horta, como: salsinha, cebolinha, hortelã, orégano, manjericão, alecrim, etc.

Mariana também ressalta que a alimentação não saudável é um dos fatores que podem contribuir com o desenvolvimento do câncer. “Quando pensamos em uma alimentação saudável, rica em frutas e verduras (3 a 5 porções ao longo do dia), o próprio consumo contribui na prevenção de diferentes tipos de câncer. Porém, não há alimento milagrosos, há uma alimentação saudável e equilibrada que colabora com a prevenção (antes que a doença se estabeleça). Após a doença já ter se instalado, é importante alinhar o cardápio e evitar alimentos sem valor nutricional” diz Mariana. Também vale ressaltar que o equilíbrio é tudo, ou seja, uma alimentação correta também possui carboidratos, proteínas e gorduras, que devem ser fracionadas ao longo do dia.

Com o objetivo de retomar a autonomia das pessoas e melhorar a autoestima dos participantes da ação, o projeto conta com a atuação de alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).


Publicado em 02 de set de 2019   |   Artigos, Destaques, Institucional, Prevenção, Pacientes e Familiares