fbpx

Hospital de Amor recebe visita da primeira-dama, Michelle Bolsonaro

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição e alguns de seus principais projetos.

Uma visita especial marcou o Hospital de Amor neste dia 25 de outubro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição (como a unidade infantojuvenil e o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrica -TMO), e alguns de seus principais projetos (como o de reabilitação, Bella Vita).

Entre os setores visitados, a primeira-dama conheceu o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico e o projeto de reabilitação, Bella Vita.

Após o almoço, Michelle se reuniu com centenas de pessoas, entre voluntários, diretores e colaboradores do HA, além de políticos e representantes, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, para fazer uma palestra sobre o Programa Pátria Voluntária, o qual preside.

Durante a cerimônia, o gerente de captação de recursos do Hospital de Amor, Luiz Antônio Zardini, falou sobre a importância do trabalho voluntário para o mundo e, especialmente, para os pacientes do hospital. “O voluntário é um visionário, pois ele consegue enxergar a fraternidade e o amor. Eles são presença de Deus junto aos pacientes, seja no hospital ou em suas residências. Afinal, não basta servir, é preciso amar!”, afirmou.

A coordenadora do departamento de Recursos Humanos da instituição, Renata Paschoal, explicou sobre os dois tipos de voluntariado que existem no HA (o que é conduzido pela Associação Voluntária de Combate ao Câncer – AVCC – e o que é gerenciado pelo departamento de Projetos Sociais da instituição) e suas diversas áreas de atuação.

Em seguida, a primeira-dama falou sobre a “Pátria Voluntária” e sua missão: fomentar a cultura do voluntariado do Brasil, contribuindo com um país mais justo, inclusivo e social. “Estou muito feliz em estar aqui e muito honrada em ser intitulada ‘Madrinha do projeto de reabilitação não oncológica Dream’, pois a reabilitação é tão importante quanto o tratamento. Muito obrigada!”, declarou Michelle.

Da esquerda para a direita: deputada federal, Silvia Chagas; presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; prefeito municipal de Barretos (SP), Guilherme de Ávila; coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; primeira-dama, Michelle Bolsonaro; deputada federal, Katia Sastre; e secretário de saúde de Araguaína (TO), Jean Coutinho.

Para comprovar isso e na tentativa de superar seus próprios limites, o Coral ‘Papo Furado’ – composto por pacientes laringectomizados, ou seja, que retiraram a laringe por causa do câncer – se apresentou e emocionou a todos, entoando a música ‘É preciso saber viver, do Titãs.

O rádio-oncologista e coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi, explicou sobre o trabalho de reabilitação do Hospital de Amor e enalteceu seu principal objetivo, que é oferecer aos pacientes condições dignas para se reinserir na sociedade, ser integrado e incluído. “Hoje a nossa instituição dá um grande passo, pois vamos construir o melhor centro de reabilitação não oncológica da América Latina, o ‘Dream’, que receberá o nome da nossa primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Grandes sonhos só se tornam realidade com pessoas que acreditam nele, por isso, não posso deixar de homenagear o prefeito Guilherme de Ávila; a deputada federal, Katia Sastre (responsável pela doação da ala dos surdos no novo centro); a deputada federal, Silvia Chagas; e o secretário de saúde de Araguaína, Jean Coutinho (representando o prefeito Ronaldo Dimas), que levará uma outra unidade deste centro para o estado do Tocantins. E como um grande sonho deve estar nas mãos de uma grande pessoa, convidamos a senhora Michelle Bolsonaro para ser a madrinha”, explicou o médico.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, esse dia vai ficar escrito na história do HA. “Quem tem amor dentro do hospital, não limita seus sonhos, e quando o Dr. Daniel me desenhou esse projeto, eu senti que ele foi escolhido por Deus para fazer, com muita competência, o maior complexo de reabilitação da América Latina. E a Michelle nos mostrou que seu coração é igual ao nosso e nos acolheu com esse sonho. Muito obrigado! O Hospital de Amor tem o maior orgulho em tê-la no ‘quadro da família HA’”, finalizou.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.
A ação foi realizada por uma tripulação composta por 3 comissárias e um piloto, integrantes do projeto de voluntariado da Azul.

Senhoras e senhores, com destino ao relato de uma tarde muito especial, prendam seus cintos e embarquem nessa aventura com a gente! Em parceria com a Azul Linhas Aéreas, o Instituto Sociocultural do Hospital de Amor realizou uma ação diferente e muito divertida, alegrando os pequenos pacientes da unidade infantojuvenil da instituição. O check-in das atividades ocorreu na tarde desta segunda-feira, 13 de maio, e foi realizado por uma tripulação composta por 3 comissárias e um piloto, integrantes do projeto de voluntariado da Azul.

Diego Cunha é piloto há 8 anos e contou várias de suas histórias de viagem para a criançada.

Assim que todos embarcaram na brinquedoteca da unidade infantojuvenil, a responsável pela oficina de leitura do projeto “Arte para a Vida”, desenvolvida pelo Instituto Sociocultural do Hospital de Amor, Isabel Ribeiro, deu início às atividades. Para a profissional, ações como essa são de fundamental importância para a humanização do tratamento dos pacientes. “Esse tipo de interação ajuda as crianças a desenvolverem mais desinibição, descontração e segurança na comunicação delas, além de aproximá-las ainda mais umas das outras”. Ao som de canções que mencionam de forma criativa temas como viagens e aviação, todos se animaram e entraram a bordo de um dia cheio de imaginação.

Os pacientes e acompanhantes participaram de uma segunda dinâmica, também estimulada pela equipe da Azul, onde se apresentaram de uma maneira inusitada e descontraída à tripulação, compartilhando o destino para onde sonhavam viajar. Para dar mais asas à imaginação, eles puderam utilizar um adereço que arrancou suspiros e muitos cliques: o precioso quepe do comandante. O momento foi muito especial e arrancou vários sorrisos.

A comissária Amanda Almeida em visita aos pacientes do centro infusional.

Roteiro da viagem
De acordo com a comissária e porta-voz da tripulação, Amanda Almeida, a realização da atividade foi pensada a partir de um desejo dos pacientes de saber mais sobre o trabalho dos comissários e dos pilotos. Ela conta que realizar o evento foi algo que trouxe grande alegria a todos. “A nossa equipe está muito feliz de poder conhecer o Hospital de Amor. Estar aqui pessoalmente é ainda mais impactante do que a gente imaginava”, afirmou a voluntária, que ficou muito feliz com a reação das crianças, já que foi a primeira visita do grupo a Barretos (SP).

Comissária há quase 9 anos, Amanda fez questão de falar uma pouco mais sobre as ações da companhia. “A Azul tem um programa de voluntariado que faz parte da área de responsabilidade social da empresa. Ele é dividido por setores. Eu sou a representante do grupo de comissários, então todos nós fazemos parte deste grupo específico. Ficamos sabendo que havia um desejo por parte das crianças de conhecerem pilotos e comissários. Como a Azul já tem esse programa interno de voluntariado e uma grande parceria com o Hospital de Amor, amamos quando fomos convocados para essa missão”, disse.

Quase no fim do percurso, os tripulantes e os pacientes participaram de um momento de pintura de mapas mundi, que contou com a entrega dos famosos e deliciosos aviõezinhos da Azul. Para finalizar a visita, houve uma escala no centro infusional do ambulatório, onde os voluntários puderam conhecer e bater um papo com os pacientes que estavam realizando quimioterapia. Esperamos que tenham apreciado a viagem!

A tripulação e os pacientes ficaram muito contentes com a realização da iniciativa.
Melissa Ribeiro é presidente da ACBG e também venceu um câncer de laringe.

O Hospital de Amor recebeu a visita da equipe da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) e selou uma parceria que irá beneficiar diversos pacientes da instituição que realizam tratamento de cânceres de cabeça e pescoço. Em julho deste ano, após a campanha apoiada pelo HA, conhecida como “Julho Verde (que visa despertar a conscientização sobre a prevenção do câncer de cabeça e pescoço), surgiu o interesse da equipe da ACBG em conhecer a instituição e trocar experiências com os profissionais do hospital.

De acordo com a presidente da associação, Melissa Ribeiro, que também venceu um câncer de laringe e preside a organização voluntariamente, o que levou a entidade a se aproximar do Hospital de Amor foi a possibilidade de gerar conexão com mais um centro de referência no Brasil, formando assim, uma rede de colaboração que poderá contribuir com desenvolvimento de novos caminhos, gerando novas políticas públicas para atender melhor às necessidades desse público. “Mesmo antes de existir a associação, eu já tinha ouvido sobre a eficiência e a forma humanizada com que o HA trabalha, e sempre tive muita curiosidade de ver isso de perto”.

Segundo o médico cirurgião do departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor, Dr. Renato Capuzzo, que também é integrante da ACBG, é muito importante esse contato com a associação, por conta dos diversos especialistas que atuam em todas as áreas de saúde ligadas a esse perfil de tratamento de câncer na entidade. “A organização busca aumentar a eficiência em todas as etapas do tratamento, principalmente, ligadas ao Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirmou Capuzzo.

Além da visita, o encontro contou com a apresentação do coral ‘Papo Furado’, formado por pacientes do HA para auxiliar na recuperação e inclusão dos pacientes laringectomizados. O grupo de voluntários também visitou o Hospital São Judas Tadeu (unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso) e a unidade infantojuvenil do HA.

Segundo Melissa, ver o atendimento humanizado e a dedicação aplicada pelos colaboradores da instituição, de maneira integral, reafirma a importância dos valores defendidos por sua associação como algo que deveria ser implantado por todos os centros que realizam esse tipo de trabalho, desde o atendimento médico, até o modo como é feito a captação de recursos. “Existem pacientes que vão para casa e ficam reclusos, ou seja, ficam excluídos do convívio da sociedade. A associação nasceu para mudar isso, criando políticas públicas que incentivam o sistema de saúde nesse processo de reabilitação. Para nós, não existe cura se não houver o essencial: um atendimento que priorize todas as etapas da recuperação. ”

Nova conquista
De acordo com a voluntária, cerca de 350 pessoas serão beneficiadas com novos aparelhos de laringe eletrônica, através da recente conquista do reembolso pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pleiteada pela ACBG. Dentre esse grupo de favorecidos, alguns são pacientes do HA. “Essa visita foi fundamental para identificar o perfil e as necessidades deles. Também, para que haja comprovação junto ao Ministério da Saúde e comprometimento de devolver o aparelho em caso de recuperação ou óbito do paciente”, explicou Melissa.

Segundo informações da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), a laringe eletrônica é um equipamento movido a bateria recarregável, portátil, leve e de fácil utilização. É extremamente importante para os pacientes laringectomizados, pois emite a vibração sonora contínua da voz, permitindo que o indivíduo possa ser ouvido.

Para a gerente de enfermagem do departamento de cabeça e pescoço, Elen Vieira, o encontro entre as duas organizações foi de grande valia, pois o hospital pôde ser reconhecido como um centro de excelentes índices de reabilitação dos pacientes com as próteses fonatórias. “É importante que nossos pacientes estejam associados à ACBG. Para o Hospital de Amor, é uma parceria sem custos e que traz muitos benefícios, favorecendo nosso bem maior: o paciente”, finaliza Elen.

Sobre a ABCG
A ACBG é uma organização não governamental de direito privado, sem fins lucrativos, que trabalha em prol dos pacientes de todo o Brasil, portadores de câncer de cabeça e pescoço, além de apoiar seus familiares. Reconhecida como referência nacional, a organização foi fundada em 2015, através do trabalho do Grupo de Acolhimento a Pacientes de Câncer de Boca e Garganta (GAL). As atividades desenvolvidas pela entidade ocorrem graças a participação de vários voluntários, que trabalham com empenho pela causa.

Hospital de Amor recebe a visita da equipe da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) e sela uma parceria que irá beneficiar diversos pacientes da instituição que realizam tratamento de cânceres de cabeça e pescoço.
O “Encontro Nacional de Coordenadores” reuniu mais de 1.100 pessoas que desempenham um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita, por uma única causa: ajudar o HA a salvar vidas!

Já é tradição e faz parte do calendário do Hospital de Amor a realização do “Encontro Nacional de Coordenadores”. A 21ª edição do evento, que aconteceu dia 27 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP), reuniu mais de 1.100 pessoas que desempenham um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita, por uma única causa: ajudar o HA a salvar vidas!
Esse é um dos momentos mais esperados pelos “coordenadores voluntários de eventos”. Neste encontro, que visa integrar os voluntários de todo o Brasil que realizam ações em prol da entidade, eles têm a oportunidade de comemorar as conquistas alcançadas ao longo do ano, além de compartilhar metas e desafios para 2019.

O evento contou com palestras ministradas pelo presidente da instituição, Henrique Prata, e pelo gerente de captação de recursos, Luiz Antônio Zardini. Os dois ressaltaram a importância do trabalho desenvolvido pelos coordenadores, na tentativa de diminuir o alto déficit mensal do hospital e melhorar, ainda mais, os atendimentos de excelência oferecidos aos pacientes. Os participantes também ganharam espaço para expor suas dúvidas e ideias, além de partilhar as dificuldades e alegrias.

De acordo com o gerente de captação de recursos, o Encontro Nacional de Coordenadores é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo. “Eles são responsáveis por 2/3 de todas as receitas do Hospital. É um trabalho fundamental e muito amoroso. É gratificante ver a cumplicidade deles com a instituição e, sem dúvidas, é isso que mantém as portas abertas, oferecendo assistência e tratamento de qualidade”, afirmou Zardini.

Nilar Martins é coordenadora voluntária de Araguaína (TO).

Exemplos de solidariedade
Há 28 anos, a tocantinense Nilar Martins perdeu o pai por conta de um câncer. Sem conhecer o HA e impossibilitada de oferecer a ele um tratamento digno e de qualidade, ela decidiu abraçar a causa e ajudar outras pessoas. Há 3 anos, tornou-se coordenadora voluntária de Araguaína (TO) e passou a desenvolver um trabalho maravilhoso em prol da instituição. Nem os milhares de quilômetros de distância a impediram de participar do encontro.

“O primeiro motivo para me tornar coordenadora voluntária foi a oportunidade de ajudar pessoas. O segundo foi o fato de eu ter perdido meu pai por conta dessa doença que ainda mata tanta gente. E o terceiro é porque se trata de uma obra abençoada, que nos gratifica muito, enriquece a alma e transmite paz. É muito importante participar desse evento, afinal, como eu vou transmitir essa mensagem à população do meu estado, sem conhecer o trabalho desenvolvido pelo Hospital, me reciclar e acompanhar as novidades? Esses 1.700 km não são nada perto do conhecimento que eu estou levando para o meu Tocantins. É muito especial ser voluntária!”, declarou.

Otávio Fernandes é coordenador voluntário de Onda Verde (SP).

Otávio Fernandes também conheceu o Hospital de Amor por conta do pai. Após acompanhar seu tratamento e cura do câncer de próstata, ele sentiu que devia fazer algo para retribuir. “Eu pensei: o que eu posso fazer para agradecer esse hospital pelo atendimento oferecido ao meu pai. Hoje, já são 8 anos nessa estrada, trabalhando voluntariamente por amor. E eu não me canso! Comecei sozinho e agora conto com uma equipe de mais de 100 pessoas. É uma honra muito grande poder trabalhar em favor desse lugar abençoado”, finalizou o coordenador voluntário de eventos de Onda Verde (SP).

Os interessados em se tornar ‘coordenadores voluntários de eventos’ do Hospital de Amor podem encaminhar um e-mail para zardini@hcancerbarretos.com.br ou através do telefone (17) 3321-6607.

 

Médica oftalmologista realiza atendimento a paciente.

A cidade de Barretos (SP) recebeu o Projeto OneSight Renovatio, entre os dias 24 de setembro e 3 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, do Hospital de Amor. A proposta da ação era atender cerca de 500 pessoas por dia, mas a meta foi superada. Mais de 5.000 pares de óculos foram entregues gratuitamente no decorrer da mobilização.

A iniciativa é direcionada para pessoas de baixa renda, que não possuem condições financeiras para custear exames oftalmológicos e adquirir óculos de grau.

Pedro Ivo Garcia de Sousa, diretor da ONG Renovatio.

O evento é fruto de uma parceria entre a Renovatio, ONG que atua na distribuição de óculos e atendimento oftalmológico em comunidades carentes, com a organização americana OneSight, braço de responsabilidade social da multinacional Luxottica, maior produtora de óculos do mundo, presente em mais de 250 países. De acordo com diretor da Renovatio, Pedro Ivo de Sousa, ações como essa são capazes de transformar significativamente a realidade social da população. “A Renovatio começou com o objetivo de transformar a educação do Brasil através de uma ótica diferente. Hoje, 22,9% das crianças que saem da escola o fazem por falta de óculos, e o Brasil tem a 3ª maior taxa de evasão escolar entre os 100 principais países do mundo. Isso significa que não adianta a gente ter a melhor educação, a melhor alimentação, se a criança, quando vai à escola, não enxerga. Então, a Renovatio viu nesse problema a oportunidade de gerar uma solução através da distribuição de óculos para quem realmente precisa. Paralelamente, nós começamos a entender que no nosso país, 85% dos municípios não têm médicos oftalmologistas. Consequentemente, além de oferecer os óculos, precisávamos levar a saúde oftalmológica, levando os médicos para aquela população que precisa. Dessa forma, a gente conseguiu criar essa solução que traz a saúde ocular a essas pessoas que tanto precisam e também os óculos”, afirmou.

Equipe de voluntários auxiliam paciente em atendimento.

O médico oncologista clínico do Hospital de Amor e coordenador do curso de medicina da Faculdade de Ciências da Saúde Dr. Paulo Prata (FACISB), Sérgio Vicente Serrano, também demonstrou seu contentamento com o projeto e destacou a importância da inciativa. “É fundamental enxergar bem, isso dá qualidade de vida e nos auxilia nas tarefas do dia a dia. Estamos felizes com a chance de ofertar isso às pessoas”.

União de forças
Para possibilitar a ação, houve o envolvimento de várias instituições: o Hospital de Amor cedeu o espaço para atendimento em seu centro de eventos, acomodações para os voluntários e alimentação; A Prefeitura Municipal de Barretos (SP), através da Secretaria de Saúde do município, e o Ambulatório Médico de Especialidades (AME), sob gestão do Hospital de Amor, ofereceram os médicos oftalmologistas; A FACISB se disponibilizou a oferecer parte do corpo clínico e os alunos do seu curso de medicina, atuando no auxílio aos oftalmologistas e equipe voluntária; A prefeitura de Barretos também realizou a triagem dos alunos da rede municipal de ensino e dos seus pacientes inseridos no Sistema Único de Saúde (SUS), que necessitavam de atendimento oftalmológico, oferecendo alimentação e transporte para que eles pudessem realizar o acompanhamento. Já a prefeitura de Bebedouro (SP) realizou a triagem e ofereceu transporte a cerca de 200 pacientes do SUS para serem atendidos pelo projeto. Além disso, as duas ONGs também trouxeram dezenas de voluntários para contribuir com a causa.

Para a voluntária paulistana Aline Aversa, participar da iniciativa foi muito gratificante. “Apoiar as pessoas que precisam da nossa ajuda é algo muito importante, porque, dessa forma, elas podem ter a mesma oportunidade de viver melhor, de ter acesso a uma boa visão e conseguir uma vida da forma que elas desejam. A educação deve estar sempre em primeiro lugar e, a partir do momento em que essas pessoas começam a enxergar, elas passam a ter uma vida mais sociável, realizando atividades como estudar, ir ao cinema, interagir com amigos e se divertir”, declarou Aline.

Nerea Arana, coordenadora clínica do projeto OneSight Renovatio.

Serviços oferecidos
Os atendimentos incluíram triagem visual, exames e doações de óculos, que podiam ser retirados no mesmo dia ou no dia seguinte (dependendo do problema visual que o paciente apresentava).”Estamos muito felizes em poder contribuir para uma causa com essa magnitude na região de Barretos. Ela é uma das maiores ações de atendimento oftalmológico gratuito no mundo e a maior da história da Renovatio. Para nós, é muito importante atuar impactando positivamente a vida das pessoas que não possuem acesso a esse tipo de serviço”, disse o diretor da Renovatio e Ver Bem, Ralf Toenjes.

A dedicação e o carinho dos envolvidos na ação são características fáceis de se perceber. Um exemplo disso está no relato da coordenadora clínica do projeto, Nerea Arana. A colombiana falou sobre sua relação profunda com a causa. “Para mim, fazer parte desse projeto é algo muito pessoal, porque de onde eu venho, na Colômbia, também há um nível muito grande de pobreza. Atualmente, eu vivo nos Estados Unidos, e lá uma cirurgia de catarata, por exemplo, é algo rotineiro para as pessoas, mas eu sei que em algumas regiões de países como o Brasil e a Colômbia, esse tipo de procedimento não é tão acessível à população. Então, por isso, eu enxergo o que estamos fazendo aqui como uma maneira de oferecer dignidade a essas comunidades que eu tenho guardadas no meu coração”, finalizou.

 

Paciente realiza triagem de acuidade visual durante a ação. Foto: Prefeitura Municipal de Barretos (SP).

Publicado em 03 de out de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição e alguns de seus principais projetos.

Uma visita especial marcou o Hospital de Amor neste dia 25 de outubro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do Presidente da República, Jair Bolsonaro, esteve em Barretos (SP) para conhecer várias áreas que compõem a estrutura da instituição (como a unidade infantojuvenil e o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrica -TMO), e alguns de seus principais projetos (como o de reabilitação, Bella Vita).

Entre os setores visitados, a primeira-dama conheceu o Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico e o projeto de reabilitação, Bella Vita.

Após o almoço, Michelle se reuniu com centenas de pessoas, entre voluntários, diretores e colaboradores do HA, além de políticos e representantes, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, para fazer uma palestra sobre o Programa Pátria Voluntária, o qual preside.

Durante a cerimônia, o gerente de captação de recursos do Hospital de Amor, Luiz Antônio Zardini, falou sobre a importância do trabalho voluntário para o mundo e, especialmente, para os pacientes do hospital. “O voluntário é um visionário, pois ele consegue enxergar a fraternidade e o amor. Eles são presença de Deus junto aos pacientes, seja no hospital ou em suas residências. Afinal, não basta servir, é preciso amar!”, afirmou.

A coordenadora do departamento de Recursos Humanos da instituição, Renata Paschoal, explicou sobre os dois tipos de voluntariado que existem no HA (o que é conduzido pela Associação Voluntária de Combate ao Câncer – AVCC – e o que é gerenciado pelo departamento de Projetos Sociais da instituição) e suas diversas áreas de atuação.

Em seguida, a primeira-dama falou sobre a “Pátria Voluntária” e sua missão: fomentar a cultura do voluntariado do Brasil, contribuindo com um país mais justo, inclusivo e social. “Estou muito feliz em estar aqui e muito honrada em ser intitulada ‘Madrinha do projeto de reabilitação não oncológica Dream’, pois a reabilitação é tão importante quanto o tratamento. Muito obrigada!”, declarou Michelle.

Da esquerda para a direita: deputada federal, Silvia Chagas; presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata; prefeito municipal de Barretos (SP), Guilherme de Ávila; coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi; primeira-dama, Michelle Bolsonaro; deputada federal, Katia Sastre; e secretário de saúde de Araguaína (TO), Jean Coutinho.

Para comprovar isso e na tentativa de superar seus próprios limites, o Coral ‘Papo Furado’ – composto por pacientes laringectomizados, ou seja, que retiraram a laringe por causa do câncer – se apresentou e emocionou a todos, entoando a música ‘É preciso saber viver, do Titãs.

O rádio-oncologista e coordenador do projeto Bella Vita, Dr. Daniel Marconi, explicou sobre o trabalho de reabilitação do Hospital de Amor e enalteceu seu principal objetivo, que é oferecer aos pacientes condições dignas para se reinserir na sociedade, ser integrado e incluído. “Hoje a nossa instituição dá um grande passo, pois vamos construir o melhor centro de reabilitação não oncológica da América Latina, o ‘Dream’, que receberá o nome da nossa primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Grandes sonhos só se tornam realidade com pessoas que acreditam nele, por isso, não posso deixar de homenagear o prefeito Guilherme de Ávila; a deputada federal, Katia Sastre (responsável pela doação da ala dos surdos no novo centro); a deputada federal, Silvia Chagas; e o secretário de saúde de Araguaína, Jean Coutinho (representando o prefeito Ronaldo Dimas), que levará uma outra unidade deste centro para o estado do Tocantins. E como um grande sonho deve estar nas mãos de uma grande pessoa, convidamos a senhora Michelle Bolsonaro para ser a madrinha”, explicou o médico.

De acordo com o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, esse dia vai ficar escrito na história do HA. “Quem tem amor dentro do hospital, não limita seus sonhos, e quando o Dr. Daniel me desenhou esse projeto, eu senti que ele foi escolhido por Deus para fazer, com muita competência, o maior complexo de reabilitação da América Latina. E a Michelle nos mostrou que seu coração é igual ao nosso e nos acolheu com esse sonho. Muito obrigado! O Hospital de Amor tem o maior orgulho em tê-la no ‘quadro da família HA’”, finalizou.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.

A cerimônia contou também com convidados surdos, que receberam interpretação simultânea em Libras.
A ação foi realizada por uma tripulação composta por 3 comissárias e um piloto, integrantes do projeto de voluntariado da Azul.

Senhoras e senhores, com destino ao relato de uma tarde muito especial, prendam seus cintos e embarquem nessa aventura com a gente! Em parceria com a Azul Linhas Aéreas, o Instituto Sociocultural do Hospital de Amor realizou uma ação diferente e muito divertida, alegrando os pequenos pacientes da unidade infantojuvenil da instituição. O check-in das atividades ocorreu na tarde desta segunda-feira, 13 de maio, e foi realizado por uma tripulação composta por 3 comissárias e um piloto, integrantes do projeto de voluntariado da Azul.

Diego Cunha é piloto há 8 anos e contou várias de suas histórias de viagem para a criançada.

Assim que todos embarcaram na brinquedoteca da unidade infantojuvenil, a responsável pela oficina de leitura do projeto “Arte para a Vida”, desenvolvida pelo Instituto Sociocultural do Hospital de Amor, Isabel Ribeiro, deu início às atividades. Para a profissional, ações como essa são de fundamental importância para a humanização do tratamento dos pacientes. “Esse tipo de interação ajuda as crianças a desenvolverem mais desinibição, descontração e segurança na comunicação delas, além de aproximá-las ainda mais umas das outras”. Ao som de canções que mencionam de forma criativa temas como viagens e aviação, todos se animaram e entraram a bordo de um dia cheio de imaginação.

Os pacientes e acompanhantes participaram de uma segunda dinâmica, também estimulada pela equipe da Azul, onde se apresentaram de uma maneira inusitada e descontraída à tripulação, compartilhando o destino para onde sonhavam viajar. Para dar mais asas à imaginação, eles puderam utilizar um adereço que arrancou suspiros e muitos cliques: o precioso quepe do comandante. O momento foi muito especial e arrancou vários sorrisos.

A comissária Amanda Almeida em visita aos pacientes do centro infusional.

Roteiro da viagem
De acordo com a comissária e porta-voz da tripulação, Amanda Almeida, a realização da atividade foi pensada a partir de um desejo dos pacientes de saber mais sobre o trabalho dos comissários e dos pilotos. Ela conta que realizar o evento foi algo que trouxe grande alegria a todos. “A nossa equipe está muito feliz de poder conhecer o Hospital de Amor. Estar aqui pessoalmente é ainda mais impactante do que a gente imaginava”, afirmou a voluntária, que ficou muito feliz com a reação das crianças, já que foi a primeira visita do grupo a Barretos (SP).

Comissária há quase 9 anos, Amanda fez questão de falar uma pouco mais sobre as ações da companhia. “A Azul tem um programa de voluntariado que faz parte da área de responsabilidade social da empresa. Ele é dividido por setores. Eu sou a representante do grupo de comissários, então todos nós fazemos parte deste grupo específico. Ficamos sabendo que havia um desejo por parte das crianças de conhecerem pilotos e comissários. Como a Azul já tem esse programa interno de voluntariado e uma grande parceria com o Hospital de Amor, amamos quando fomos convocados para essa missão”, disse.

Quase no fim do percurso, os tripulantes e os pacientes participaram de um momento de pintura de mapas mundi, que contou com a entrega dos famosos e deliciosos aviõezinhos da Azul. Para finalizar a visita, houve uma escala no centro infusional do ambulatório, onde os voluntários puderam conhecer e bater um papo com os pacientes que estavam realizando quimioterapia. Esperamos que tenham apreciado a viagem!

A tripulação e os pacientes ficaram muito contentes com a realização da iniciativa.
Melissa Ribeiro é presidente da ACBG e também venceu um câncer de laringe.

O Hospital de Amor recebeu a visita da equipe da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) e selou uma parceria que irá beneficiar diversos pacientes da instituição que realizam tratamento de cânceres de cabeça e pescoço. Em julho deste ano, após a campanha apoiada pelo HA, conhecida como “Julho Verde (que visa despertar a conscientização sobre a prevenção do câncer de cabeça e pescoço), surgiu o interesse da equipe da ACBG em conhecer a instituição e trocar experiências com os profissionais do hospital.

De acordo com a presidente da associação, Melissa Ribeiro, que também venceu um câncer de laringe e preside a organização voluntariamente, o que levou a entidade a se aproximar do Hospital de Amor foi a possibilidade de gerar conexão com mais um centro de referência no Brasil, formando assim, uma rede de colaboração que poderá contribuir com desenvolvimento de novos caminhos, gerando novas políticas públicas para atender melhor às necessidades desse público. “Mesmo antes de existir a associação, eu já tinha ouvido sobre a eficiência e a forma humanizada com que o HA trabalha, e sempre tive muita curiosidade de ver isso de perto”.

Segundo o médico cirurgião do departamento de cabeça e pescoço do Hospital de Amor, Dr. Renato Capuzzo, que também é integrante da ACBG, é muito importante esse contato com a associação, por conta dos diversos especialistas que atuam em todas as áreas de saúde ligadas a esse perfil de tratamento de câncer na entidade. “A organização busca aumentar a eficiência em todas as etapas do tratamento, principalmente, ligadas ao Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirmou Capuzzo.

Além da visita, o encontro contou com a apresentação do coral ‘Papo Furado’, formado por pacientes do HA para auxiliar na recuperação e inclusão dos pacientes laringectomizados. O grupo de voluntários também visitou o Hospital São Judas Tadeu (unidade de cuidados paliativos e de atenção ao idoso) e a unidade infantojuvenil do HA.

Segundo Melissa, ver o atendimento humanizado e a dedicação aplicada pelos colaboradores da instituição, de maneira integral, reafirma a importância dos valores defendidos por sua associação como algo que deveria ser implantado por todos os centros que realizam esse tipo de trabalho, desde o atendimento médico, até o modo como é feito a captação de recursos. “Existem pacientes que vão para casa e ficam reclusos, ou seja, ficam excluídos do convívio da sociedade. A associação nasceu para mudar isso, criando políticas públicas que incentivam o sistema de saúde nesse processo de reabilitação. Para nós, não existe cura se não houver o essencial: um atendimento que priorize todas as etapas da recuperação. ”

Nova conquista
De acordo com a voluntária, cerca de 350 pessoas serão beneficiadas com novos aparelhos de laringe eletrônica, através da recente conquista do reembolso pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pleiteada pela ACBG. Dentre esse grupo de favorecidos, alguns são pacientes do HA. “Essa visita foi fundamental para identificar o perfil e as necessidades deles. Também, para que haja comprovação junto ao Ministério da Saúde e comprometimento de devolver o aparelho em caso de recuperação ou óbito do paciente”, explicou Melissa.

Segundo informações da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), a laringe eletrônica é um equipamento movido a bateria recarregável, portátil, leve e de fácil utilização. É extremamente importante para os pacientes laringectomizados, pois emite a vibração sonora contínua da voz, permitindo que o indivíduo possa ser ouvido.

Para a gerente de enfermagem do departamento de cabeça e pescoço, Elen Vieira, o encontro entre as duas organizações foi de grande valia, pois o hospital pôde ser reconhecido como um centro de excelentes índices de reabilitação dos pacientes com as próteses fonatórias. “É importante que nossos pacientes estejam associados à ACBG. Para o Hospital de Amor, é uma parceria sem custos e que traz muitos benefícios, favorecendo nosso bem maior: o paciente”, finaliza Elen.

Sobre a ABCG
A ACBG é uma organização não governamental de direito privado, sem fins lucrativos, que trabalha em prol dos pacientes de todo o Brasil, portadores de câncer de cabeça e pescoço, além de apoiar seus familiares. Reconhecida como referência nacional, a organização foi fundada em 2015, através do trabalho do Grupo de Acolhimento a Pacientes de Câncer de Boca e Garganta (GAL). As atividades desenvolvidas pela entidade ocorrem graças a participação de vários voluntários, que trabalham com empenho pela causa.

Hospital de Amor recebe a visita da equipe da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) e sela uma parceria que irá beneficiar diversos pacientes da instituição que realizam tratamento de cânceres de cabeça e pescoço.
O “Encontro Nacional de Coordenadores” reuniu mais de 1.100 pessoas que desempenham um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita, por uma única causa: ajudar o HA a salvar vidas!

Já é tradição e faz parte do calendário do Hospital de Amor a realização do “Encontro Nacional de Coordenadores”. A 21ª edição do evento, que aconteceu dia 27 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, em Barretos (SP), reuniu mais de 1.100 pessoas que desempenham um trabalho árduo em seus municípios, de maneira gratuita, por uma única causa: ajudar o HA a salvar vidas!
Esse é um dos momentos mais esperados pelos “coordenadores voluntários de eventos”. Neste encontro, que visa integrar os voluntários de todo o Brasil que realizam ações em prol da entidade, eles têm a oportunidade de comemorar as conquistas alcançadas ao longo do ano, além de compartilhar metas e desafios para 2019.

O evento contou com palestras ministradas pelo presidente da instituição, Henrique Prata, e pelo gerente de captação de recursos, Luiz Antônio Zardini. Os dois ressaltaram a importância do trabalho desenvolvido pelos coordenadores, na tentativa de diminuir o alto déficit mensal do hospital e melhorar, ainda mais, os atendimentos de excelência oferecidos aos pacientes. Os participantes também ganharam espaço para expor suas dúvidas e ideias, além de partilhar as dificuldades e alegrias.

De acordo com o gerente de captação de recursos, o Encontro Nacional de Coordenadores é uma forma de agradecer todas essas pessoas que atuam unicamente por amor ao próximo. “Eles são responsáveis por 2/3 de todas as receitas do Hospital. É um trabalho fundamental e muito amoroso. É gratificante ver a cumplicidade deles com a instituição e, sem dúvidas, é isso que mantém as portas abertas, oferecendo assistência e tratamento de qualidade”, afirmou Zardini.

Nilar Martins é coordenadora voluntária de Araguaína (TO).

Exemplos de solidariedade
Há 28 anos, a tocantinense Nilar Martins perdeu o pai por conta de um câncer. Sem conhecer o HA e impossibilitada de oferecer a ele um tratamento digno e de qualidade, ela decidiu abraçar a causa e ajudar outras pessoas. Há 3 anos, tornou-se coordenadora voluntária de Araguaína (TO) e passou a desenvolver um trabalho maravilhoso em prol da instituição. Nem os milhares de quilômetros de distância a impediram de participar do encontro.

“O primeiro motivo para me tornar coordenadora voluntária foi a oportunidade de ajudar pessoas. O segundo foi o fato de eu ter perdido meu pai por conta dessa doença que ainda mata tanta gente. E o terceiro é porque se trata de uma obra abençoada, que nos gratifica muito, enriquece a alma e transmite paz. É muito importante participar desse evento, afinal, como eu vou transmitir essa mensagem à população do meu estado, sem conhecer o trabalho desenvolvido pelo Hospital, me reciclar e acompanhar as novidades? Esses 1.700 km não são nada perto do conhecimento que eu estou levando para o meu Tocantins. É muito especial ser voluntária!”, declarou.

Otávio Fernandes é coordenador voluntário de Onda Verde (SP).

Otávio Fernandes também conheceu o Hospital de Amor por conta do pai. Após acompanhar seu tratamento e cura do câncer de próstata, ele sentiu que devia fazer algo para retribuir. “Eu pensei: o que eu posso fazer para agradecer esse hospital pelo atendimento oferecido ao meu pai. Hoje, já são 8 anos nessa estrada, trabalhando voluntariamente por amor. E eu não me canso! Comecei sozinho e agora conto com uma equipe de mais de 100 pessoas. É uma honra muito grande poder trabalhar em favor desse lugar abençoado”, finalizou o coordenador voluntário de eventos de Onda Verde (SP).

Os interessados em se tornar ‘coordenadores voluntários de eventos’ do Hospital de Amor podem encaminhar um e-mail para zardini@hcancerbarretos.com.br ou através do telefone (17) 3321-6607.

 

Médica oftalmologista realiza atendimento a paciente.

A cidade de Barretos (SP) recebeu o Projeto OneSight Renovatio, entre os dias 24 de setembro e 3 de outubro, no Centro de Eventos Dr. Paulo Prata, do Hospital de Amor. A proposta da ação era atender cerca de 500 pessoas por dia, mas a meta foi superada. Mais de 5.000 pares de óculos foram entregues gratuitamente no decorrer da mobilização.

A iniciativa é direcionada para pessoas de baixa renda, que não possuem condições financeiras para custear exames oftalmológicos e adquirir óculos de grau.

Pedro Ivo Garcia de Sousa, diretor da ONG Renovatio.

O evento é fruto de uma parceria entre a Renovatio, ONG que atua na distribuição de óculos e atendimento oftalmológico em comunidades carentes, com a organização americana OneSight, braço de responsabilidade social da multinacional Luxottica, maior produtora de óculos do mundo, presente em mais de 250 países. De acordo com diretor da Renovatio, Pedro Ivo de Sousa, ações como essa são capazes de transformar significativamente a realidade social da população. “A Renovatio começou com o objetivo de transformar a educação do Brasil através de uma ótica diferente. Hoje, 22,9% das crianças que saem da escola o fazem por falta de óculos, e o Brasil tem a 3ª maior taxa de evasão escolar entre os 100 principais países do mundo. Isso significa que não adianta a gente ter a melhor educação, a melhor alimentação, se a criança, quando vai à escola, não enxerga. Então, a Renovatio viu nesse problema a oportunidade de gerar uma solução através da distribuição de óculos para quem realmente precisa. Paralelamente, nós começamos a entender que no nosso país, 85% dos municípios não têm médicos oftalmologistas. Consequentemente, além de oferecer os óculos, precisávamos levar a saúde oftalmológica, levando os médicos para aquela população que precisa. Dessa forma, a gente conseguiu criar essa solução que traz a saúde ocular a essas pessoas que tanto precisam e também os óculos”, afirmou.

Equipe de voluntários auxiliam paciente em atendimento.

O médico oncologista clínico do Hospital de Amor e coordenador do curso de medicina da Faculdade de Ciências da Saúde Dr. Paulo Prata (FACISB), Sérgio Vicente Serrano, também demonstrou seu contentamento com o projeto e destacou a importância da inciativa. “É fundamental enxergar bem, isso dá qualidade de vida e nos auxilia nas tarefas do dia a dia. Estamos felizes com a chance de ofertar isso às pessoas”.

União de forças
Para possibilitar a ação, houve o envolvimento de várias instituições: o Hospital de Amor cedeu o espaço para atendimento em seu centro de eventos, acomodações para os voluntários e alimentação; A Prefeitura Municipal de Barretos (SP), através da Secretaria de Saúde do município, e o Ambulatório Médico de Especialidades (AME), sob gestão do Hospital de Amor, ofereceram os médicos oftalmologistas; A FACISB se disponibilizou a oferecer parte do corpo clínico e os alunos do seu curso de medicina, atuando no auxílio aos oftalmologistas e equipe voluntária; A prefeitura de Barretos também realizou a triagem dos alunos da rede municipal de ensino e dos seus pacientes inseridos no Sistema Único de Saúde (SUS), que necessitavam de atendimento oftalmológico, oferecendo alimentação e transporte para que eles pudessem realizar o acompanhamento. Já a prefeitura de Bebedouro (SP) realizou a triagem e ofereceu transporte a cerca de 200 pacientes do SUS para serem atendidos pelo projeto. Além disso, as duas ONGs também trouxeram dezenas de voluntários para contribuir com a causa.

Para a voluntária paulistana Aline Aversa, participar da iniciativa foi muito gratificante. “Apoiar as pessoas que precisam da nossa ajuda é algo muito importante, porque, dessa forma, elas podem ter a mesma oportunidade de viver melhor, de ter acesso a uma boa visão e conseguir uma vida da forma que elas desejam. A educação deve estar sempre em primeiro lugar e, a partir do momento em que essas pessoas começam a enxergar, elas passam a ter uma vida mais sociável, realizando atividades como estudar, ir ao cinema, interagir com amigos e se divertir”, declarou Aline.

Nerea Arana, coordenadora clínica do projeto OneSight Renovatio.

Serviços oferecidos
Os atendimentos incluíram triagem visual, exames e doações de óculos, que podiam ser retirados no mesmo dia ou no dia seguinte (dependendo do problema visual que o paciente apresentava).”Estamos muito felizes em poder contribuir para uma causa com essa magnitude na região de Barretos. Ela é uma das maiores ações de atendimento oftalmológico gratuito no mundo e a maior da história da Renovatio. Para nós, é muito importante atuar impactando positivamente a vida das pessoas que não possuem acesso a esse tipo de serviço”, disse o diretor da Renovatio e Ver Bem, Ralf Toenjes.

A dedicação e o carinho dos envolvidos na ação são características fáceis de se perceber. Um exemplo disso está no relato da coordenadora clínica do projeto, Nerea Arana. A colombiana falou sobre sua relação profunda com a causa. “Para mim, fazer parte desse projeto é algo muito pessoal, porque de onde eu venho, na Colômbia, também há um nível muito grande de pobreza. Atualmente, eu vivo nos Estados Unidos, e lá uma cirurgia de catarata, por exemplo, é algo rotineiro para as pessoas, mas eu sei que em algumas regiões de países como o Brasil e a Colômbia, esse tipo de procedimento não é tão acessível à população. Então, por isso, eu enxergo o que estamos fazendo aqui como uma maneira de oferecer dignidade a essas comunidades que eu tenho guardadas no meu coração”, finalizou.

 

Paciente realiza triagem de acuidade visual durante a ação. Foto: Prefeitura Municipal de Barretos (SP).

Publicado em 03 de out de 2018   |   Artigos, Destaques, Institucional